Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

“Morra de câncer, velho inútil!”

19 de setembro de 2015 55

marta-gleich
“Morra de câncer, velho inútil!”

Senti enjoo ao escrever o título aí de cima. Ninguém, nem seu maior inimigo, merece ler algo tão cruel. Excretando fel pelos dedos, é o que um leitor escreveu na semana passada no site de Zero Hora, ao comentar um artigo de um ex-governador.

Desde o dia 15 e até o dia 25 de setembro, de segunda a sexta-feira, ZH está publicando, na série Visões do Rio Grande, artigos de todos os ex-governadores do Estado, com suas soluções para a grave crise que vivemos. Idealizador da série, Nílson Souza, nosso editor de Opinião, me ligou na quinta-feira à noite indignado:

– Marta, sugiro retirar a possibilidade de os leitores comentarem, no site, abaixo dos artigos dos ex-governadores. Um deles escreveu “Morra de câncer, velho inútil!”.

Não gosto de vetar comentários em reportagens ou artigos e, por conhecer o Nílson, tenho certeza de que ele também não gosta. Defendo sempre a liberdade de expressão. Cortar a possibilidade de o leitor manifestar sua opinião é o fim da picada. Mas, diante da agressividade, da falta de educação e da desumanidade de alguns haters da internet, concordei em cortar os comentários nos artigos dos ex-governadores, até porque eles gentilmente aceitaram o convite de expor suas opiniões em ZH.

No mundo todo, jornais tentam – sem muito sucesso – lidar com isso.

Há jornais que, a exemplo de Zero Hora, permitem comentários, sem moderação. O que não elimina dúvidas terríveis em muitos momentos, algumas despublicações de comentários quando um leitor ou a Redação percebe um grande problema ou, mesmo, uma medida mais radical e pontual, como proibir comentários em um determinado artigo ou reportagem.

Há jornais que criam uma equipe apenas para moderar e liberar os comentários, um a um. Considero uma loucura fazer isso e economicamente inviável – é mais produtivo a Redação contratar repórteres e editores do que “censores” de leitores.

Há jornais que investiram em softwares ou serviços de empresas terceirizadas para criar listas de e-mails banidos, exclusão de comentários com palavrões, alertas para palavras potencialmente perigosas, como “ladrão” (se alguém escrever “Fulano de Tal é um ladrão”, pode ser um problema).

E há jornais que desistiram. Proibiram os comentários e era isso.

A discussão é infindável e não há certo ou errado. A internet só escancarou o que de melhor e o que de pior há no ser humano – todos já estavam aí, falando isso tudo no bar, à mesa de jantar, no ônibus, nos corredores das empresas. Posso estar querendo pintar o mundo de cor-de-rosa, mas prefiro acreditar que permitir comentários e deixar que todos se expressem ainda é mais importante do que eventuais danos causados por esta liberdade. Ainda que, volta e meia, um comentário como o do título nos faça perder por alguns segundos as esperanças na humanidade.

E você, o que acha? Zero Hora deveria seguir com os comentários abertos, sem mediação?

Comentários (55)

  • Julia Cecilia Morelle diz: 19 de setembro de 2015

    Também fico chocada com comentários ofensivos e que ferem a dignidade das pessoas. e, ainda, quando tu ousa responder é igualmente atacado sem a menor educação. E que direito tem de agirem assim? Até para não estimular esse tipo de comportamento, acho que certos casos merecem mediação.

  • Marcos Martins diz: 19 de setembro de 2015

    Creio que não haja a necessidade, desde que conteúdos ofensivos tenham seus autores responsabilizados pelos mesmos. Vivemos em uma democracia onde todos têm o direito a expressão, porém devem também responsabilizar-se e ser responsabilizados por suas exposições.

  • Jenny diz: 19 de setembro de 2015

    Infelizmente a maioria das pessoas acreditam que o “anonimato” que a Internet oferece lhes dá o direito de falar tudo o que querem, mesmo que isso machuque outras pessoas. Lemos coisas absurdas por aí. Penso 2 vezes antes de ler comentários de tão ofensivos que são. Acho que deveria ter sim mediadores nos comentários, pois muitos incitam o ódio, o racismo, etc.

  • Ana Cláudia Lucas diz: 19 de setembro de 2015

    Sou a favor da manutenção dos comentários, sem moderação, mas sempre com a possibilidade de que alguns sejam despublicados…

  • Daniel Ribeiro diz: 19 de setembro de 2015

    O que se vê na internet, principalmente, nas redes sociais, nos comentários é apenas a expressão do pior que sempre existiu. O melhor se expressava antes do advento das midias sociais. O pior, agora encontrou um canal, seja na forma de fake, seja mostrando-se como tal. Acho que os comentários não devem ser moderados. Eles, trouxeram para o sol, o pior que havia no povo brasileiro. Como, são covardes, apenas não encontravam um espaço tão amplo para expressar a sua covardia e fel, como a internet. É assustador mas é isso que temos e, para o nosso bem, não são maioria, mas precisam serem conhecidos.

  • Leo Fagundes diz: 19 de setembro de 2015

    Vejam, fui leitor e assinante da ZH por muitos anos, mas, infelizmente ao me deparar com comentários de REACIONÁRIOS em suas páginas, me deparei com sérios problemas de continuar. Respeito o direito de cada um, mas, quando lia opiniões desvairadas e elitistas de alguns, e outras vezes opiniões de quem quer ser MAIORIA, quando não passa de um mero informador(não, não é formador), de discursos, ou se achando dono da verdade, achei melhor parar. E, assim como eu, já vi vários outros ex assinantes que se desgostaram da linha editorial ou discursiva de seus “blogueiros”. Tenho comigo que, um Jornal se faz com opiniões distintas e categóricas, mas, muitas vezes temos que “aguentar” determinados jornalistas que, em outras redações não serviriam para simples faxineiros. Portanto, vejo com um viés míope as determinações que vocês têm que seguir. Uma pena, pois deixam muito a desejar. Minha opinião…

  • Amanda Lima diz: 19 de setembro de 2015

    Penso que ZH deve continuar com os comentários abertos. Vocês estão corretos, publicam matérias de alto nível, bem escritas, apuradas e dentro dos padrões jornalístico. O problema está nos internautas, que perderam a noção do respeito. É horrível ler certas coisas que escrevem. Penso que o tema deve ser mais discutido, em uma tentativa de fazer com que essas pessoas compreendam como deve ser um comentário, com respeito, acima de tudo! Excelente iniciativa da Marta de escrever sobre o tema e pedir a opinião dos leitores.

  • ROBERTO MAROMBEL diz: 19 de setembro de 2015

    Então….O Brazil não e a Suiça, Alemanha muito menos Austria, se até lá tb tem radicais, mal educados até estúpidos em todos os comentários e vc sabe, que nem eles se livram de textos como o sitado. Na minha opinião ou jornal abre ou fecha, pior é ficar filtrando como vc falou é custo etc. Todos nós já opinamos, já nos arrependemos e já nos desculpamos ou concordamos vendo que outras opiniões são realmente as corretas e que estavamos errados. As vezes sabemos, opinamos mas não sabiamos TUDO. Pergunto …em uma publicação com 3000 comentários opinativos QUEM REALMENTE VAI LER ISSO…acho que nem vc..né! Abraço.

  • Jose Aldair Gonçalves diz: 19 de setembro de 2015

    Infelizmente sim tem que ter moderação. Vejo cada comentário que dá vontade de
    desligar a Internet. Coisa de gente ignorante, mal intencionada
    pior que isso de baixo nível.
    Não concordo com Zero Hora dar palanque ainda que virtual
    para esse tipo de gente.

  • Simone diz: 19 de setembro de 2015

    Sou do tempo antigo! Coisas bancadas sem nexo .Teremos que ignorar.Mas deixa os comentários!

  • janine franco diz: 19 de setembro de 2015

    sou colunista do jornal minuano na cidade de Bagé ,tenho visto na internet uma interminável sucessão de desrespeito,amargura,maldade ,com tudo e todos ,as pessoas perderam o senso total,não sei se é o nível das mesmas , mas é fato que não é necessário ofender desta maneira ,não sei não se sou a favor de se publicar tudo que os leitores escrevem ,porque alguns perdereram a sanidade faz tempos,liberdade é uma coisa ,destilar toda suas frustações ,em palavras ofendendo de maneira irremediavel os demais é outra ,o mundo já esta muito triste e desprovido de amor ,sejamos mais humanos ,se for para contestar que seja com nivel e respeito que todos merecem!

  • Darlan diz: 19 de setembro de 2015

    Isso de liberar os comentários nunca funcionou. Vira uma esculhambação por qualquer assunto. Deixem o email do jornalista ou editor responsável e pronto. Nós, os leitores, não sabemos nos comportar usando a pseudo “proteção ” das redes sociais. É um comportamento análogo ao cidadão pacato e pacífico que ao sair de carro no trânsito se transforma num ser agressivo e desrespeitoso.

  • César Eduardo de Freitas diz: 19 de setembro de 2015

    Acho que teria que ter mediação porque a maioria das pessoas não tem limites de educação para saberem que não devem escrever certas coisas sem pensar nos efeitos e também como falou na reportagem, algumas pessoas confundem liberdade de expressão com falta de educação.

  • Tânia Persson diz: 19 de setembro de 2015

    Sim.Tenho um filho adolescente. A transparência, a verdade e a exposição ao mundo real aliada a educação com valores e formas de vivermos em harmonia como seres pensantes e sociais é que fará deles pessoas que saberão colocar seus pontos de vista sem ofensas . Não é hora de desanimamos nem recuarmos, muito menos os bons profissionais do jornalismo. Sabe aquela:Água mole em pedra dura… Já chegamos até aqui …Parabéns aos dois, eu sei que a parada é dura.

  • vladimir j machado diz: 19 de setembro de 2015

    Sobre a reportagem das perícias que passou no JA essa semana.
    Sofro cpm a demora da perícia de meu carro roubado em 12/03/15 e recupetado em 31/03/15.
    Ate hj nao foi realizada minha perícia, to passando trabalho pq usava o carro pra ir trabalhar, agora to cheio de dividas pois usava carro emprestado, me envolvi em acidente e tive q pagar o conserto de uma coisa q nao eh minha.
    Mandei email para o igp duas vezes e ate hj nao obtive nenhum contato.
    Puro descaso. Pura safadeza.

  • Riva diz: 19 de setembro de 2015

    Marta,

    Acho que o ZH deve banir os comentários no site.

    Também defendo a liberdade de expressão, mas entendo que as pessoas têm hoje uma infinidade de espaços para exercerem esse direito, nas redes sociais ou no “mundo real”, sem no entanto esconderem-se no anonimato que o site permite. Além disso, percebo que frequentemente as pessoas têm confundido liberdade de expressão com direito de agredir, ofender e caluniar.

    Discordo de ti quando afirmas que as pessoas “já estavam aí, falando isso tudo no bar, à mesa de jantar, no ônibus, nos corredores das empresas.” As pessoas não estavam falando isso tudo. A internet e a consequente ausência de um interlocutor de carne e osso permitem que muitas pessoas não meçam as consequências de suas palavras e acabem muitas vezes disseminado o ódio e a maldade que carregam, ofendendo, machucando e difamando. A maior parte do que é escrito jamais seria dito no bar, na mesa de jantar, no ônibus ou no corredor do empresa.

    Os comentários no site, a meu ver, não acrescentam nada. Muito pelo contrário. Às vezes leio uma ótima notícia, que renova minha fé na humanidade, mas arrasto um pouco mais a tela e me assusto com comentários carregados de ódio e intolerância.

    Novamente, na minha opinião, tirem os comentários do site.

    Um leitor.

  • Magnus diz: 19 de setembro de 2015

    Acho que os comentários no site deveriam continuar sendo liberados.

    Acho que deveria ser colocado um aviso embaixo de cada novo comentários, dizendo o que a pessoa não pode escrever sob o risco de ser banida do site: Palavrões e ofensas pessoais, sejam elas direcionadas aos jornalistas, entrevistados, a outros participantes do fórum ou a qualquer outra pessoa além de quaisquer atitudes que possam ser caracterizadas como calúnia, difamação, injúria, ameaça ou qualquer outro crime previsto no código penal.

    Acho que nem é necessário ter uma pessoa específica para esse trabalho. Precisaria de uma pessoa, durante uma ou duas horas por dia, olhar os fóruns e banir pelo menos 5 participantes que infringissem essas regras por dia. E no lugar das mensagens do usuário banido deixar uma mensagem do tipo “Esse usuário foi banido por desrespeitar os termos e condições do blog”, algo assim. Pronto. Todo mundo ia saber que tem gente olhando e iriam começar a maneirar naquilo que estão escrevendo. E os que continuarem escrevendo as baixarias como as citadas nessa matéria é BAN sem perdão.

    Acho que funcionaria. Abraço.

  • Jane Beatriz Wendler Fernandes diz: 19 de setembro de 2015

    Com certeza! A não ser palavras de baixo calão, toda expressão do leitor serve para observarmos como a população cansa dos joguetes políticos, da enganação, da inércia. Nós carecemos de bons exemplos em quase todos segmentos da sociedade. Nada que é resolvido pelos políticos, reverte para a qualidade de vida da população. Nosso estado está se deteriorando há muito tempo e a prova disso acabam sendo os comentários grosseiros de gente revoltada. Estamos desprovidos de valores morais na administração dos governos, na saúde e na educação. Palavras duras pra essa vida dura…

  • Archie Paulo Ivan Schneider diz: 19 de setembro de 2015

    Acho que deve continuar publicando comentários, porque eles geram troca de opiniões! O ideal seria as pessoas serem educadas, comentarem sem fazer ofensas pessoais, xingamentos e palavrões! É um fenômeno estranho haver pessoas que fazem postagens desrespeitosas! Elas deviam ser responsabilizadas ou processadas, se for viável, por quem se sente ofendido!

  • Sérgio LM diz: 19 de setembro de 2015

    Os comentários nos blogs são uma maneira do público se comunicar com o jornal, dos blogueiros medirem a aceitação dos comentários e dos próprios leitores debaterem, pois sempre surgem opiniões aproveitáveis. Então, sou a favor da liberação. Sei de um caso que um blogueiro (de outro jornal) que bloqueou por completo os comentários e praticamente parei de ler suas opiniões, com as quais pouco concordava, mas comentava também sobre opiniões de outros leitores. Imagino que ele perdeu muita audiência com isso.
    Por outro lado, apesar de cada um dever arcar com as consequências de suas palavras, aqui poucos usam seu nome e os nomes que aparecem podem não ser verdadeiros, dificultando o controle e facilitando a ignorância e a covardia. Então, muitos acham que estão protegidos por um certo anonimato, ao darem opiniões desmioladas, e devem se divertir falando bobagens, além daqueles chatos, pagos por partidos políticos p/ fazerem campanha pela internet. Se não há como fazer um controle automático, bloqueando comentários com certas palavras, acho que o próprio blogueiro devia liberar os comentários que quisesse, bloqueando os impróprios, assim como o e-mail do responsável.
    O resumo é que a possibilidade de deixar uma opinião aumenta o interesse dos leitores, mas é preciso controlar desatinados, que são exceções, sem dúvida.

  • Felipe diz: 19 de setembro de 2015

    Concordo que muitos realmente tem na vida real essas opiniões abomináveis, mas certamente a internet trouxe de ruim essa possibilidade do anonimato, de conseguir “guerrear” a uma distância segura. Aposto que se houvesse m palestras com os ex-governadores e fosse aberto ao público expressar sua opinião, ninguém diria o “morra de câncer…”

  • tony diz: 19 de setembro de 2015

    acho péssima a ideia de censurar, gosto da liberdade de comentar qualquer notícia. entendo que esse negócio de moderar comentário deve ser um saco, talvez até inviável, mas então que siga como é, pq a falta de educação de uns não pode significar que todos sejam punidos. pelamor, não dá pra combater nem fazer mais caso dos imbecis na internet, isso deve ser um problema desde que o primeiro fórum foi criado.

  • Hermes Fernando Amaro Alvariz diz: 19 de setembro de 2015

    Muito embora eu seja contrário a qualquer tipo de censura, até porque com 55 anos de idade eu vivi a época da ditadura, morando em cidade de fronteira. Entretanto, infelizmente tenho concluído que no caso dos comentários abertos, a mediação se faz necessária. Vejo nos comentários da parte esportiva, agressões verbais aos jornalistas e entre as pessoas que fazem os comentários. A utilização de palavras chulas é interminável. Como a maioria das pessoas não sabem utilizar a internet com educação e civilidade, devem sim ter os comentários moderados.

  • Je suis Charlie Harper diz: 19 de setembro de 2015

    Bom, palmas ao boçal que desejou o governador, sela ele o Collares, o Tarso ou o Brito, que morresse de cancer. Estendo as palmas a todos os boçais que xingam de petralha ou coxinha os demais, que possuem o menor desvio que seja do que acham que deva ser a verdadeira ideologia. E que cometem todas as cenas de ódio gratuito que estampam qualquer placar de comentários na internet hoje em dia.
    A verdade é que perdemos a linha há muito tempo. Não é só uma questão de pseudônimos, caramba, eu os uso e tenho razões para isto… não quero ser cutucado no trabalho ou na faculdade por alguém que achou meu comentário engraçadinho ou idiota. Dia desses vi que o site da grande empresa de comunicação aos quais a RBS é afiliada exige que o cidadão cadastre um celular para poder falar. E continuam dizendo absurdos, que me embrulham as tripas, sem medo de qualquer responsabilização. Se passar o tal do projeto do CPF para publicar na internet, vão continuar excretando via dedos no teclado na cara de pau, talvez os mais espertos usem um gerador de CPF e coloquem o transtorno na conta de um azarado qualquer.
    Eu sei que eventualmente a ZH e todas as outras vão cortar os comentários, ou obrigar a comentar usando o facebook, o que eu acho péssimo, afinal por que minha titia conservadora precisa saber que eu estou criticando o Bolsonaro, que para ela é a salvação do país? Enfim, se acontecer é o direito do jornal fazer o que quiser. Não sei nem se perdemos algo muito significativo. Comentários nas notícias servem mais como válvula de escape para o leitor do que como fóruns para discutir o progresso da humanidade. Mas o que vai acabar é a manifestação de ódio aqui. Os “odientos” vão continuar passeando por aí e aprontando das suas, em outros fóruns, no facebook, nas rodas de amigos. Vão carregar o extremismo para outro lugar, comprar no super com ele, dirigir com ele, votar com ele, interagir na sociedade com ele.
    Extremismo, de esquerda, de direita, de meio, em cima, embaixo, é ruim de qualquer jeito. Vamos perder muito por causa dele, desde amigos no facebook até anos de progresso econômico e social.

  • Andressa Machado diz: 19 de setembro de 2015

    Eu gostaria que continuasse sim, pois é importante expormos nossa opinião.. Sabemos bem que tem muitos que só por estarem do outro lado da tela do computador acham que podem falar o que quiserem, mas esses são minorias.Acompanho os artigos e vejo os comentários, na maioria das vezes são discussões saudáveis.

  • Kelvin Freitas diz: 19 de setembro de 2015

    Olá, Marta! Muito oportuno tratar deste assunto. Meu passatempo é ler comentários nos maiores portais de notícias do nosso país e a situação é semelhante em todos. Entendo que vivemos na era do compartilhamento, do acesso às tecnologias, da interatividade e maior proximidade com o grande público, mas, pelo nível dos comentários nos sites do clicRBS, entre outros portais brasileiros, deveria ser revista a possibilidade do público se manifestar, visto que os comentários em sua maioria são depreciativos e a página torna-se um campo de batalha gratuito entre aqueles com opiniões discordantes. O “griteiro” se sobrepõe à notícia, polui a página e o pior de tudo é ver o comportamento de quem se aproveita do anonimato de algumas ferramentas para comentários escrevendo discursos preconceituosos e vazios. O debate se perde em ofensas e achismos. Se não sabemos usar uma ferramenta, acredito que seu uso deve ser limitado ou até proibido. Quem sabe criar uma campanha do “comentário responsável” seja uma boa alternativa para fomentar a volta da crítica construtiva? Abraços.

  • João diz: 19 de setembro de 2015

    Não. Deveria bloquear todos defensores de política econômica esquerdista, pelo próprio bem deles.

  • João diz: 19 de setembro de 2015

    Sim, devem ser livres e respeitar a diversidade de opiniões e de níveis de conhecimento. Não existe motivo para elitização. Por que beneficiar apenas alguns com o direito de ter voz?

  • Heloísa Pires diz: 20 de setembro de 2015

    Eu acho que deveriam proibir os comentários. Sou da época em que a gente lia a matéria e a comentava entre os parentes e amigos. Sim. Pode não acreditarem. Mas eu sou da época em que a família se reunia para almoço e janta, onde todos falavam sobre tudo com muito respeito. Agente recebia amigos em casa para um chá, conversava-se sobre viagens, mostrava-se fotografias e falávamos sobre o que se lia, via e ouvia. Podia-se não concordar com um assunto, mas tudo era dito e escrito muito educadamente que logo se respeitava a opinião do articulista. Hoje só se vê palavrão. Tergiversam do assunto para dizerem palavrões entre os próprios internautas. Nada é didático. Pelo contrário. Baixa cada vez mais o nível de educação da nossa sociedade. Se isso é democracia, prefiro não tê-la. Sou escrava da ditadura da baixaria.

  • Graziela diz: 20 de setembro de 2015

    Tem muito comentário que enoja! Essa liberdade excessiva que as pessoas estão se dando está criando monstros! Acabou a generosidade, o respeito, e as pessoas não se colocam no lugar do outro antes de escrever! Acho que a monitoração deveria existir em todos os sites! A pessoa teria que recriar seu comentário tantas vezes quanto fosse necessário, até ficar educado! Utópico, mas acabaria com este clima ofensivo que tomou conta da internet!

  • Leonardo diz: 20 de setembro de 2015

    O problema do Braziu, é que uma fração generosa que usa a internet não tem capacidade mental e nem conhecimento suficiente para usar a internet e o que ela oferece, muito menos emitir uma opinião. Não avaliam em um todo, e sim parcialmente como um burro de cargas usando viseiras para não se assustar com o que está ao seu redor. Para não se assustar com o mundo real preferem usar viseiras e ornar sem fundamento, pelo simples prazer da ornada, que com os adventos tecnológicos faz-se por um teclado ou uma tela sensível ao toque. É lamentável ter que ler erros ortográficos miseravelmente grotescos, viagens absurdas ao mais profundo e obscuro grau da ignorância, tudo movido por tendencionismos levianos e infundados. Pena, pena mesmo.
    Estou saudoso pela internet dos anos 90, onde havia mais coerência e menos ornadas.

  • Fabiano de Llano diz: 20 de setembro de 2015

    Boa tarde (aqui em Portugal já é de tarde),

    Acredito que cortar os comentários é retroceder no uso de ferramentas de comunicação. Se pensar que a palavra internet tem, nas suas primeiras cinco letras, o começo da palavra interação, eliminar os comentários é o mesmo que tornar um site numa mídia impressa. Ou seja, o leitor é apenas leitor, não uma mente pensante.
    Tenho site, e como todo dono de site, também nutro sentimentos (não descreverei quais) em relação aos haters. A receita que sigo é a de valorizar a maioria. No meu caso, o meu público de comentários “bons” (não falo de elogios, mas sim de inteligência) é infinitamente maior que o dos “ruins” (haters).
    Não sei qual a dimensão desta balança no caso da Zero Hora, mas se a opção de barrar os comentários será a premissa do site, sugiro que eliminem todos os demais canais de interação disponíveis (Twitter, Facebook, Instagram…), pois os haters não comentarão no site, mas procurarão outros meios… e acredite, eles acharão.
    A melhor receita de lidar com os haters ainda é velha: não alimente os haters.
    A propósito (minha tentativa de fazer a balança pesar para o lado dos “bons”), já fizeram o balanço de quantas vezes a participação do público foi positiva? Quantas vezes eles salvaram um erro de digitação? Uma informação errada? Aquele CRTL+C e CRTL+V maroto que não foi atualizado?
    A Zero Hora saberá o que fazer, assim como sabe que barrar os comentários não é a melhor opção e nunca será.
    Um grande abraço.

    Fabiano de Llano

  • Luiz Alberto Zeilmann diz: 20 de setembro de 2015

    Sra. Editora,

    Com relação ao triste cometário “morra de câncer velho inútil” ele só demonstra a falta de educação e o desrespeito ao próximo que vivemos em nosso País. Todavia, entendo que os comentários devem continuar abertos e sem mediação até para que se possa criticar essas posturas exdrúxulas e mal educadas.

  • Airton Santos diz: 20 de setembro de 2015

    Acho que jamais devem ser tirados os comentários, inclusive, sobre os textos dos ex-governadores, que são figuras públicas e, continuam sendo nosso empregados, com uma altíssima remuneração por ficar 4 anos “longos” empregando companheiros e familiares.

  • Tulio Frederico Tonietto diz: 20 de setembro de 2015

    Tenho dúvidas quanto ao que te responder. Ao mesmo tempo que acho importante a liberdade dessa expressão, penso que não temos preparo e tampouco educação para isso. Com frequência, leio comentários feitos a publicações de jornalistas. Alguns são bons, outros são extremamente agressivos. Inclusive agride-se o comentário do comentário! Mas os jornalistas estão ali no dia-a-dia, estão (mal)acustumados com isso e faz parte do trabalho deles. Talvez deva-se, infelizmente, fazer algo seletivo: quando for uma opinião solicitada a alguém, como o caso que citaste, talvez deva-se retirar a possibilidade de comentário. Antes se dizia: “Uma pessoa mostra quem realmente é atrás do volante de um carro”; hoje, pode-se dizer o mesmo: uma pessoa mostra quem realmente é atrás de um teclado.

  • Paulo César Machado diz: 20 de setembro de 2015

    Realmente, comentários que não trazem nada de útil, e, ainda denegrindo pessoas, esses devem ser eliminados. Esses comentários de internautas, denegrindo pessoas, é particular, ou seja, o internauta simplesmente não gosta do entrevistado e, lança suas mágoas. Comentários, devem trazer informações e, se possivel, a fonte, senão, fica como os antitabagistas, que espalham que 90% dos casos de câncer de pulmão é em fumantes, quando na realidade, 80% dos casos de câncer pulmão, são em não fumantes. Ideal é as redações se aterem, pois muitas informações verdadeiras podem advir de comentários. Lógico e, sempre com educação.

  • Jorge Lima diz: 20 de setembro de 2015

    Acredito que vcs da redação não gastem muito tempo lendo os comentários, ou já teriam visto que não há quase nada que se aproveite. As caixas de comentários só servem para incitação ao ódio, ao preconceito e insultos contra tudo e todos.

  • Carlos Renatos dos Santos Costa diz: 20 de setembro de 2015

    Existem aquelas pessoas que se sentem livres (Sem freios morais) para destilar ódios conscientes ou inconscientes, invejas e complexos, mas são minoria. A grande maioria são pessoas da comunidade interagindo e capazes de saber discernir entre argumentos e ofensas gratuitas. Sou contra o controle da mídia seja no seu aspecto de informação ou econômico. Existem meios legais para reparar danos morais e por mais sútil e preparado que seja o sensor ele vai se interpor entre pessoas adultas que tem muito a dizer e a ouvir.
    A lista abaixo não é voltada, por óbvio, para esclarecer a diretora de Redação, mas apenas para expor o que significa para mim essa fabulosa ferramenta de interação, entre outros:
    1. O público com menos instrução está lendo o jornal e opinando;
    2. Existem aqueles que estão à serviço de algum partido ou candidato;
    3. Tem os solitários que querem apenas se comunicar;
    4. Vez que outra comparecem os poeta, os filósofos e os professores;
    5. Raramente Juristas são atraídos, mas trazem melhor compreensão aos assuntos legais;
    6. O políticos usam o espaço para se comunicar com seus eleitores e recebem o feedback;
    7. Os jornalistas, utilizam o espaço e contribuem para o esclarecimento do assunto e ainda provocam o debate;
    8. Tira o leitor da passividade e do conformismo;
    9. É contato imediato e serve para orientar órgãos públicos na tomada de decisão, representando um termômetro da sociedade através da interatividade;
    10. Serve como um meio auxiliar importante na propagação de notícias, embora os boatos sejam inevitáveis;
    11. É um espaço para sugestão de melhorias e aperfeiçoamento do Jornal;
    12. Nele temos a ausência das questões de gêneros, pois opinam interlocutores de variadas orientações sexuais (mesmo que haja preconceito);
    13. Os rivais Gremistas e Colorados verbalizam a agressividade e o bom humor da maioria, contribui para diminuir a hipocrisia e o dualismo inútil, ao mesmo tempo que desopila o fígado;
    14. Denuncia os graves problemas de infraestrutura e segurança da cidade, que escapam da abordagem da grande mídia;
    15. Se presta ao serviço público quanto a proteção de vulneráveis e igualmente, aos mau tratos com animais e com a natureza em geral;
    16. Serve de canal para reclamações e para esclarecer movimentos de reivindicações e paralisações.
    17. (…)
    Enfim, é um espaço democrático, que pela sua própria natureza e complexidade, reúne o caldo social e filtra naturalmente os fanáticos de todos os matizes.

  • Samir diz: 20 de setembro de 2015

    Não acho que se devam proibir ou cercear os comentários de quem quer que seja, cidadão ” de verdade”, como eu, ou ” fake”.
    Mas penso que é obrigação da imprensa que, ao ler por exemplo, uma denúncia feita em algum comentário aleatório, que investigue com todas as suas armas o indivíduo, e que forneça o material aos órgãos competentes. É preciso entender e aceitar a queixa das pessoas em geral, sobretudo aquelas de ideologia contrária a do político que esteja envolvido na matéria. isso é a Democracia, e que bom que é assim. Concordar, discordar, debater, defender….
    Mas quando você acusa algum político de ” ladrão”, você precisa provar que ele é ladrão! Não pode acusar simplesmente e ponto.
    Ou a imprensa denuncia essas pessoas, ou ela imprensa, sob o pretexto da ” higienização” da Internet, sera, logo logo, censurada por causa destes mesmos motivos…. Abraço!

  • nelsonpoa diz: 20 de setembro de 2015

    Tem gente que detesta o David Coimbra, que diz horrores sobre ele, é de cada um conviver com a questão das agressões, além de falar mal, xingam muito, não conseguem conviver com a qualidade superior do jornalista e da sua inteligência; eu sempre fui admirador da Martha Medeiros, inclusive comprava seus livros numa época sem internet e sem celular, mas certo dia ela se disse atoa, digo, atéia, que não acreditava em Deus, agnóstica, e explicou seus motivos. Desde então, não sei porque de fato, mas eu comecei a não acreditar em mais nada do que ela escrevia, e simplesmente, deixei de acompanhar suas crônica e suas histórias, uma pena porque também gosto de escrever e ela é uma referência para vários escritores, uma mulher além do nosso tempo e de uma compreensão real sobre o universo das coisas em geral, principalmente no campos dos relacionamentos e da auto-ajuda.
    E é essa minha opinião, de que muitas pessoas, colocam seus comentários raivosos e irados, sem qualquer discriminação do impacto que possa causar, não tiveram referências em relação ao juízo sobre postura em relação ao mundo desde a base, e se tiveram, parece que foi tudo muito ruim e não conseguiram absorver aquilo que era de ruim, para que não acontecesse mais, pelo contrário optaram pelo mesmo caminho.
    Mas acontece que têm muitos comentários e informações que são muito úteis e fazem parte inclusive da nossa história, logo, porque tirá-los fora de circulação, por causa dos ruins e dos que não agregam nada e só distorcem e querem brincar no mundo virtual? Claro que não, não me atrapalham, às vezes, dependendo do humor eu até consigo rir de alguma coisa, outras deleto, e é assim que vejo a questão dos comentários, principalmente a aproximação de quem escreve com o leitor e seus pensamentos mais sórdidos, inclusive.

  • TPiau diz: 20 de setembro de 2015

    A desqualificação moral, via de regra, expõe somente a falta de argumentos ou informação do leitor… ignorância ou má intenção, ou os dois juntos, evidenciam uma mistura tóxica que viceja pelas mentes no mundo, não é privilégio nosso.
    Apesar do nojo que esse tipo de opinião desperta, acho que os comentários dão a medida do grau de civilidade dos indivíduos. É bom ter esse “termômetro”.
    A tal “democracia” é um jogo onde quem participa aceita as regras dele, portanto…
    Quem tem o que dizer, que o diga, onde o indivíduo calcado no seu bom senso ou na falta dele, se mostra por inteiro.
    Alguém quando morre, não sabe que morreu, mas todos os vivos que o cercam sabem… com os idiotas sem noção se dá o mesmo. Fazer o que?

  • Carlos diz: 20 de setembro de 2015

    Carissima Editora

    Concordo tambem que este tipo de comentario causa um certo mal estar em quem le. Tambem o uso de termos de baixo calao nao e’ apropriado, ou seja, a falta de educacao nunca pode ser aceitavel. Um certo filtro seria a melhor medida. Ou mesmo uma campanha educativa, talvez.
    Gostaria tambem de salientar que sua carta e’ apropriada e demonstrra a sua democratica e humana forma de pensar.

    Dito isto, gostaria de dar a minha opniao ‘a respeito do cerne de sua carta.

    Extraindo-se o alto grau deshumano da manifestacao causando um mal-estar a quem le, seria um sintoma do estado limite que a sociedade chegou. A sensacao de revolta, de incapacidade, de abandono, medo e total falta de horizonte.
    A analise da atual situacao brasileira nao pode ser superficial, deve ser profunda, e’ decorrente de anos de desmando. Com minimos governos de aceitavel admnistracao com uma esmagadora maioria de governantes dignos de estarem no banco dos reus. Entao, a senhora deve considerar que e’ dificil para o cidadao comun escutar alguem que la’ ja’ esteve dar explicacoes de como deve ser feito. Claro que aprovando o papel da imprensa de fazer a reportagem, de buscar solucoes. Estou apenas analisando o sentimento dos cidadaos ao escutar um ex-governante que contribuiu para este estado de coisas. E’ talvez a demonstracao de esgotamento a que se chegou.
    O Brasil ja’ viveu muitas crises e’ verdade, mas nunca na historia todos os tipos de uma so’ vez. Vivemos hoje uma crise economica, politica, institucional na mais ampla abrangencia, social, de credibilidade. Veja:
    Economica – o governo diz claramente ao povo, voces irao pagar a conta. Vamos aumentar os tributos para resolver o problema que nos causamos.
    Politica – presidente da camara atacando sem meias palavras os seus opositores. A classe politica perdeu totalmente a compostura.
    Social – violencia urbana pior que uma guerra entre nacoes, em numeros de mortes. Nao ha’ um “minimo” aceitavel de saude publica.
    Tivemos em apenas 10 anos os dois maiores escandalos de corrupcao dos 500 anos de existencia.

    Para piorar, na minha visao, nao vejo por parte dos orgaos sociais independentes uma reacao equivalente, no mesmo quilate. Quando me refiro aos orgaos sociais, quero dizer imprensa, OAB, UNE, Ong’S e tudo mais que possa liderar a sociedade para uma expressiva manifestacao energica de descontentamento. Sinceramente, a imprensa faz o papel dela, mas pelo grau de gravidade precisa mais. A reacao tem que ser de acordo com a forca exercida. Precisa aumentar o tom, igualmente a OAB. A situacao e’ por demais desesperadora.
    Por tudo isso, mesmo nao aprovando, penso que e’ compreensivel tais reacoes do cidadao comun. Ele esta desamparado, acuado, receoso em relacao ao futuro.
    A senhora ha’ de convir, nestas circunstancias os seres perdem muitas vezes a RAZAO.

    Obrigado pela oportunidade de desabafo e parabens pela carta, tudo e’ no momento positivo para que todos possam contribuir para sair deste momento.

    Um forte abraco

  • Marcelo diz: 20 de setembro de 2015

    É óbvio que o formato adotado pela Zero Hora é um erro. Permitir que leitores, sem identificação, possam postar qualquer coisa em nome da liberdade de expressão é uma deturpação do próprio direito de livre opinião. Acho que deve haver identificação, como o próprio Facebook… só isso basta.

  • Maicon Martins diz: 20 de setembro de 2015

    Deve ser mediado. Uma coisa é expor a opinião, outra é escrever os absurdos que vemos não só em zh, mas em inúmeros sites de notícias. Em respeito ao.leitor, deve haver mediação.

  • Gabriel diz: 20 de setembro de 2015

    Não deve permitir comentários.

  • Haroldo diz: 20 de setembro de 2015

    Acho admirável que Zero Hora não censure os comentários. Um dos poucos jornais do Brasil que assim procedem. Jornais como a Folha de São Paulo, por exemplo, praticam uma restrição velada aos comentários ao exigir que seja preenchido um imenso cadastro de dados pessoais, que além de ilegal é ofensivo ao leitor, pois seus direitos civis estão sendo violados; um procedimento autoritário feudal tipicamente paulista, como aquele de se exigir que as babás somente entrem uniformizadas de branco em clubes particulares. Acho essa liberdade necessária, apesar dos riscos que são poucos, pois uma linha de publicação pode ser muitas vezes tremendamente parcial ou injusta e o contraponto dos leitores mostra-se muitas vezes necessário. Parabéns, Marta Gleich.

  • Haroldo diz: 20 de setembro de 2015

    Acho admirável que Zero Hora não censure os comentários. Um dos poucos jornais do Brasil que assim procedem. Jornais como a Folha de São Paulo, por exemplo, praticam uma restrição velada aos comentários ao exigir que seja preenchido um imenso cadastro de dados pessoais, que além de ilegal é ofensivo ao leitor, pois seus direitos civis estão sendo violados; um procedimento autoritário feudal tipicamente paulista, como aquele de se exigir que as babás somente entrem uniformizadas de branco em clubes particulares. Acho essa liberdade necessária, apesar dos riscos que são poucos, pois uma linha de publicação pode ser muitas vezes tremendamente parcial ou injusta e o contraponto dos leitores mostra-se muitas vezes necessário. Parabéns Marta Gleich.

  • Aline diz: 20 de setembro de 2015

    Acho importante a participação de todos. As pessoas são cruéis, mas sempre alguém diz algo que gostaríamos de dizer… não vamos ser hipócritas !!

  • Aline diz: 20 de setembro de 2015

    Sr. Nelson poa
    O que tem haver Martha Medeiros ser agnóstica, David Coimbra também é…
    Isso não faz deles pessoas melhores ou piores, século XXI, por favor né!!!!

  • jorge ferreira diz: 20 de setembro de 2015

    Acho que os comentários não devem ser censurados. Têm pessoas que, as vezes, se excedem mas a liberdade de expressão é maior que isso, vejo ultimamente os que estão no Poder atualmente e seus simpatizantes buscarem essa censura prévia, acho muito ruim isso.

  • Márcia diz: 21 de setembro de 2015

    Concordo que é realmente inviável economicamente colocar pessoas para moderar os comentários. No caso dos Ex Governadores, está certíssimo em não permitir mesmo. Até pouco tempo atrás eu opinava em alguns artigos, e confesso que hoje em dia o faço muito raramente, EXATAMENTE por conta dos haters. Já fui muito atacada, inclusive com expressões grosseiras e preconceituosas. Como não me presto a discutir com gente baixa, abri mão de opinar. É uma situação de difícil solução, mas existem sites onde um programa tipo “rastreamento” localiza determinadas palavras. Se o comentário localizado for ofensivo ou utilizar palavras pesadas ou palavrões, apaguem o comentário. É censura? Sim, com certeza. Mas quem não tem educação para utilizar uma ferramenta onde TODOS tem o direito de expressar sua opinião, deve ser punido mesmo.

  • Harildo Broedel diz: 21 de setembro de 2015

    Como o povo é ingênuo. Ingênuo e muito obtuso! Primeiro – não existe “anonimato” na internet. Quem escreve, mesmo usando mil apelidos, está logado e portanto pode ser identificado facilmente. Quem se sentir ofendido por algum comentário que aja judicialmente, caso a ofensa seja, de fato, uma ofensa grave, uma injúria, uma inverdade inconteste e não apenas a raivinha provocada por uma verdade jogada na cara do ofendido! Segundo – se todos tivessem um pouco de cultura, se fossem leitores de livros clássicos, saberiam que o ser humano sempre pugnou por suas opiniões, quando possível. Escritores famosos brigaram entre si e publicamente muitíssimas vezes; pintores de prestígio xingaram-se com palavrões, pelos jornais da época e pessoalmente, de se perder a conta; compositores clássicos se odiavam e se ofendiam por qualquer coisa ( principalmente por adultério) criando episódios inesquecíveis e obras musicais sobre o fato; no tempo em que os jornalistas eram pessoas de muita cultura e projeção, muitas brigas medonhas entraram para história de tão peçonhentas que foram e isto há séculos passados, quando a comunicação não era o mamão-com-açúcar que é hoje. Tudo isto se perde na poeira dos tempos e vira historietas para quem gosta de ler e sabe ler. Estes comentários de hoje, nos sites de jornais e nas vulgares redes sociais, só irritam aos covardes de nascença que tremem só de pensar em contradizer alguém que eles considerem superiores a eles mesmos! Irritam a quem se acha superior ao leitor que ousa expor sua opinião, mesmo aquela que vai contra a posição do jornal ou site. Irritam, pois, aos despidos de inteligência e segurança pessoal. E, o mais importante de tudo isto, é que tais comentários não valem nada, não mudam nada, têm a validade de um piscar de olhos e só servem, e só são úteis, para servir como passatempo para quem não tem nada melhor para fazer e para que estudiosos possam aquilatar a boçalidade do povo que os produzem. Fácil assim!

  • Carlos diz: 21 de setembro de 2015

    Politicamente Correto

    Nao defendendo a agressao, a violencia e o desrespeito…

    Mas me diga Sra. Editora e os amigos internautas

    O que os causa mais repulsa, indignacao, tristeza, desanimo, etc…

    Quando voces leem um comentario como:

    “Morra de cancer, velho inutil”

    Ou

    Quando voces leem TODOS os dias nos jornais :

    ” Idoso morre em frente o hospital por falta de atendimento ”
    ” Grupo de policiais chacina uma familia inteira na zona norte da capital”
    ” Aposentados sem dinheiro nao encontram remedios nos postos gratuitos”
    ” Menor de idade e’ estuprada por um delinquente com 15 passagens pela policia e liberado pela JUSTICA “.
    ” Governo nao pagara o SALARIO dos trabalhadores por falta de verbas ”
    ” Politico e’ flagrado com dinheiro publico na meia”

    E depois disto, voces leem em outra pagina :

    ” Operacao Lava-jato desvia mais de 20 BILHOES de reais ”

    E dai…

    ” O governo vai aumentar os IMPOSTOS para poder fechar as contas ”

    Entao, o que os CHOCA mais, o que os causa mais indignacao ?

    Desculpem, mas uma classe politica que nao respeita o seu povo, tambem nao merece respeito.

  • reinaldo soares diz: 23 de setembro de 2015

    Libera todos os IPs inicialmente, depois vai vetando um a um os IPs que tiverem comentários despublicados. Os comentários dos IPs vetados são encaminhados para moderação manual. Aí, o moderador avalia se publica ou não. Não precisa uma equipe tão grande como para moderação manual total.

  • wilson moreira diz: 25 de setembro de 2015

    Está absolutamente certa a editora de ZeroHora. Censurar leitores é – além de ser mais um fascismo desnecessário – uma política midiática de ocultar aquilo que a natureza humana tem de mal. O jornal deve mostrar as realidades, incluidas as realidades humanas e subumanas. Leitores que tem controle da parte ruím de sua natureza – os bons e equilibrados – têm obrigação de julgar o que é sensato e o que é estupidez comportamental das pessoas. Obrigado.

Envie seu Comentário