Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "concurso"

Vencedores do concurso Cartum visitam ZH

10 de julho de 2015 0

cartumlogo
Douglas Roehrs

Alisson Ortiz Affonso, Daniel “Vêrsa” Vercelhese e Diego Bossle Dias (na foto, da esq. para a dir.), vencedores do concurso Cartum ZH, visitaram a Redação do jornal na tarde de quinta (9/7). Além de conhecer o veículo, o trio teve a oportunidade de conversar com a equipe de Arte de ZH.

Douglas Roehrs

Divulgado em maio, o concurso recebeu inscrições de todo o Estado até 17 de junho. As charges, tiras e caricaturas recebidas passaram por um júri técnico, que foi responsável por escolher os 10 melhores trabalhos. A partir de então, foi a vez do júri popular escolher os três vencedores por voto na internet.

A ação foi criada para dar visibilidade a talentos emergentes do desenho no Rio Grande do Sul.

Fotos: Douglas Roehrs

Concurso: crie uma identidade visual para a marca Talentos RBS

05 de novembro de 2013 0

O Grupo RBS abriu um concurso criativo para o desenvolvimento de uma identidade visual para a marca Talentos RBS. O objetivo é que a marca, ligada às ações de contratação de pessoal da empresa, seja criada por aqueles que serão atingidos por ela: os jovens talentos do mercado que em breve podem integrar o time de pessoas da RBS.

reprodução

A marca Talentos RBS é uma espécie de guarda-chuva para todos os programas de captação de pessoas da empresa, como o de Trainee, o de Estágio, o Integrar (voltado para pessoas com deficiência) e o Jovem Aprendiz (que seleciona jovens de 14 a 17 anos ligados a programas de profissionalização). As marcas desses programas também serão criadas, preservando uma unidade e conexão entre os conceitos.

A nova marca assinará todos os materiais de divulgação de vagas no Grupo RBS, espaços em feiras de oportunidades e palestras em universidades e instituições de ensino.

As propostas devem ser encaminhadas até o dia 15 de dezembro pelo site, onde também é possível encontrar o briefing e outras informações sobre o projeto. O melhor trabalho será escolhido para desenvolver a nova marca Talentos RBS e receberá R$ 5 mil, após a aprovação, conclusão e entrega final do produto.

Fotojornalista de ZH vence concurso Sioma Breitman

02 de setembro de 2013 4

Adriana Franciosi, fotojornalista de Zero Hora, venceu o 13º Concurso Sioma Breitman de Fotografia da Câmara de Vereadores de Porto Alegre. O tema esse ano foi a alma de Porto Alegre. Adriana venceu na categoria digital fotos em preto e branco com a foto “Estátua viva na Rua da Praia”

Adriana Franciosi

“É com muita honra que recebi a notícia do XIII concurso fotográfico Sioma Breitaman da escolha de minha foto em primeiro lugar na categoria foto digital. Estar em meio a tantos nomes de colegas talentosos e que admiro só me trouxe mais alegria.  Porto Alegre é meu porto de chegada meu porto de saída meu porto de retorno.  O tema do concurso era Porto Alegre e sua alma. Todos os dias a estátua viva está lá na rua da praia em plena esquina democrática. Ali ela se move para aqueles que jogam uma simples moedinha.Com a mão no peito um gesto de amor a cidade de orgulho de ser gaúcho e porto alegrense. Sinceramente estou feliz com esse prêmio, especialmente porque tenho verdadeira paixão por fotografar Porto Alegre. Esta cidade que escolhi para viver.” Adriana Franciosi, fotojornalista

Confira os demais vencedores e os nomes dos selecionados para a exposição deste ano http://200.169.19.94:8080/sioma_2013/sioma_2013_resultado.pdf

Alvaro ganha sua grande reportagem

07 de agosto de 2010 8

Foto: Fernando Gomes Com 25 anos, Alvaro Andrade já vendeu pasteis feitos pela tia e apresentou um programa de rádio em Encantado, onde nasceu. Hoje, o estudante do 6º semestre do curso de Jornalismo da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) é o vencedor da segunda edição do concurso Primeira Pauta.

Em três etapas, Alvaro superou dezenas de candidatos e acompanhará uma equipe de Zero Hora em uma grande reportagem no segundo semestre deste ano. A primeira lembrança do gosto pela escrita está numa redação elogiada pela professora de português no Ensino Fundamental do Colégio Cenecista Mário Quintana, em Encantado, no Vale do Taquari.

Filho da funcionária pública Denise Andrade e do professor de Educação Física Sílvio Zonatto, o universitário cresceu acompanhando jornalistas que iam à pousada da família para escrever sobre esportes radicais. Guri e cheio de vontade de trabalhar, Alvaro saiu às ruas para vender pastéis feitos pela tia. E foi exatamente um dos seus clientes que, anos mais tarde, lhe ofereceu emprego em uma rádio da cidade.

Convite aceito, o jornalismo não saiu mais da vida do atual funcionário da Ulbra TV. Falante e entusiasmado, Alvaro foi da rádio para o curso de Comunicação Social do Centro Universitário Univates, em Lajeado, a menos de 20 quilômetros de casa. Cursou dois semestres, mas percebeu que desejava mais. Acabou transferindo o curso para a universidade de Canoas.

— O Jornalismo vicia — diz ele.

Leitor de Zero Hora desde pequeno, Alvaro acompanhou, no ano passado, a série de reportagens Expedição Lagoa Mirim, que teve a participação da estudante de jornalismo Mariana Müller, vencedora da primeira edição do concurso Primeira Pauta.

— É uma experiência incrível, estou muito feliz com a vitória — garante.

Acostumado aos textos curtos do rádio e da televisão, o universitário aguarda ansioso o dia em que saberá do que se trata seu prêmio, ou melhor, sua primeira grande reportagem.

DUAS GERAÇÕES DE VENCEDORES

Foto: Fernando Gomes

Para conversar com o vencedor da segunda edição do concurso Primeira Pauta, Alvaro Andrade, Zero Hora escalou a vencedora da primeira versão da competição, a também estudante Mariana Müller, que hoje é produtora do caderno Nosso Mundo Sustentável no jornal. Confira o bate-papo dos dois:

Mariana Müller – Como tu enxergas o jornalismo?

Alvaro Andrade – O jornalismo deve carregar sempre um antigo pressuposto que é manter as pessoas informadas, prestar um serviço social e fazer refletir. No momento em que o Brasil vive hoje, com tanta transformação e amadurecimento, isso é ainda mais importante. E aí o jornalista tem de estar muito atento ao que acontece ao seu redor.

Mariana – De que forma te imaginas como jornalista?

Alvaro – Só desejo ser um jornalista realizado, poder trabalhar com liberdade, independente de onde eu esteja. Voltando para a rádio em Encantado ou não, quero sentir que estou contribuindo para a sociedade com o meu trabalho. Ser um profissional reconhecido e premiado, por exemplo, é só uma consequência de todo o trabalho.

Mariana – O que estás sentindo agora, como vencedor do concurso Primeira Pauta?

Alvaro – Na verdade, um grande frio na barriga. Quero me preparar, trabalhar e desenvolver a pauta junto, como é a proposta do concurso. Mas dá um frio tremendo porque trabalho com a expectativa de fazer um lindo papel e deixar uma porta aberta. Quando eu vim para Porto Alegre foi para me aproximar dos grandes veículos. Sempre quis estar na Zero Hora ou na Rádio Gaúcha, então, agora, quero mostrar meu potencial e absorver ao máximo essa experiência. O fato de ser uma grande reportagem no impresso também vai ser um grande desafio pra mim, por isso o desejo de aprender.

Mariana – E o que imaginas da reportagem que acompanharás?

Alvaro – Se no primeiro ano colocaram uma menina de barco no meio da Lagoa Mirim, o que vai ter pra mim? (risos) Vou fazer uma travessia num Cânion? A minha expectativa é de que seja uma grande aventura mesmo, uma viagem daquelas de contar para os netos.

Mariana – Como foi a repercussão das tuas conquistas na faculdade?

Alvaro – Como funcionário da Ulbra TV e aluno do curso de Comunicação, eu passei por toda a crise que a Ulbra enfrentou. Foi difícil, mas eu gosto e acredito na universidade. Agora, é um orgulho por poder levar comigo o nome na universidade. Meus colegas e professores já ficaram muito felizes por eu estar na final, imagina agora.

Mariana – Tu gostas mais de alguma editoria do jornal? Qual?

Alvaro – A minha preferência não é por área ou editoria, é por suporte. A experiência na televisão é ótima, mas prefiro rádio e jornal. Eu gosto de falar e de escrever.

Mariana – Tu sabes dizer onde começa teu desejo de ser jornalista?

Alvaro – O jornalismo está tão misturado com o Alvaro, que jornalismo e Alvaro são parte do mesmo caráter. Tudo foi importante, desde a comunicação enquanto vendedor de pastel, a convivência com os jornalistas que iam à pousada dos meus pais, até o estímulo da minha mãe à leitura. Isso tudo é parte do Alvaro jornalista que fará sua primeira pauta.

Veja o vídeo:

Júri popular escolhe Marilei Pessati

13 de julho de 2010 21

A estudante da Universidade de Passo Fundo (UPF) Marilei Pessatti é a primeira finalista do concurso Primeira Pauta. Com 36.9% dos votos (53.517) ela conquistou o direito de participar da última fase da promoção que vai escolher um aluno de Jornalismo do Estado para acompanhar uma reportagem de ZH.

Na terceira e última etapa, Marilei e outros cinco estudantes, que serão escolhidos por uma comissão de ZH, passarão por entrevista e terão uma nova pauta para cumprir na sede do jornal, em Porto Alegre. Os demais finalistas serão conhecidos no dia 18, na edição dominical de ZH.

Parabéns à finalista!

Leia o texto escolhido pelo voto popular.

Escolha um finalista do Primeira Pauta

08 de julho de 2010 81

O concurso Primeira Pauta, que escolherá um estudante de Jornalismo para acompanhar uma reportagem especial de Zero Hora, terá mais um finalista, além dos cinco participantes que serão escolhidos pela Redação de ZH. Ele será eleito por um júri popular.

A votação vai das 13h desta quinta, dia 8, até o meio-dia da próxima terça-feira, dia 13. Vote quantas vezes quiser no seu estudante favorito.

Os nomes dos seis finalistas serão publicados na edição dominical de Zero Hora do dia 18 de julho. Abaixo, leia os textos dos participantes e, ao pé do post, eleja o seu candidato.

Alvaro Andrade - Ulbra

Terça-feira, dia útil, horário comercial. Pessoas correm aparentemente sem rumo. No Centro de Porto Alegre, uma rotina completamente alterada. Aos poucos, as ruas ficam vazias…

(Leia aqui)

Andressa Pazzini – Unisinos
Nem o frio de 15°C espantou os torcedores porto-alegrenses que assistiram a partida entre Brasil e Costa do Marfim no Parcão, na tarde deste domingo. Munidas de vuvuzela…

(Leia aqui)

Caroline Torterola - Unisinos
O dia era chuvoso em Porto Alegre, mas não impediu que centenas de pessoas se reunissem em um shopping no bairro Floresta onde foi instalado um telão para assistir ao jogo…

(Leia aqui)

Elder Nunes Corrêa Junior – Unipampa
Dia de jogo da Seleção, o Brasil inteiro para. Foi assim no primeiro, quando vencemos por 2 a 1. Nem a decepção pela sofrível vitória sobre os fracos norte-coreanos desanimou…

(Leia aqui)

Emilia de Moura - UPF
Brasil X Coréia do Norte. 1º tempo. O Centro de Convivência da Universidade de Passo Fundo está cheio, mais de cem pessoas reunidas em frente a um telão. Soa o apito…

(Leia aqui)

Gislaine Madureira MonteiroFeevale
Em época de Copa, coloco todas as minhas emoções para fora. Canto, danço, grito e envio todas as minhas energias para aqueles que estão em campo na busca de mais um título… 

(Leia aqui)

Marilei Pessatti - UPF
“Vuvuzela não”! Assim sou recebida na casa de Cláudio Czyzeski em Soledade. É dia de jogo do Brasil na Copa do Mundo. Além do aviso me espera um típico churrasco de domingo…

(Leia aqui)

Mateus Andrighetto TamiozzoUnijuí
Tinha tudo para ser um domingo perfeito na terra de Dunga. A Praça da República em Ijuí, Noroeste do Estado, ficou pequena para os cerca de três mil torcedores que tomaram de assalto … 

(Leia aqui)

Pricilla Farina Soares - UCPel
Ruas vazias e carros parados em frente às garagens. Era um domingo de sol atípico nos últimos quatro anos. Todos atentos à televisão esperavam o hino nacional começar. Em…

(Leia aqui)

Thiago TiezeUFRGS
Chocalhos, apitos, algumas vuvuzelas e deliciosos bolinhos de bacalhau. Ontem, no restaurante Casa de Portugal, em Porto Alegre, havia cerca de 60 pessoas em clima de festa. A chuva que…

(Leia aqui)

A semifinal do Primeira Pauta

23 de junho de 2010 15

Os classificados para a segunda etapa do concurso Primeira Pauta de Zero Hora estão matriculados em oito dos 18 cursos de Jornalismo do Estado. Em seis cidades diferentes, eles responderam à pergunta: O que eu espero de um jornal e tiveram seus textos extraídos entre mais de uma centena de participantes.

A seleção dos 10 textos seguiu critérios de uma equipe de ZH formada pelo editor-chefe do jornal, Altair Nobre, o editor de opinião, Nilson Souza, os editores especiais Rosane Tremea e Moisés Mendes, o repórter especial, Nilson Mariano, e os editores de área Cláudia Laitano (Segundo Caderno), Diego Araujo (Geral), Dione Khun (Política), e Luciano Peres (Mundo).

Agora, o desafio dos participantes é apresentar um texto descrevendo como uma torcida, no Brasil, acompanha um jogo da Seleção Brasileira. Cinco passarão para a última fase e apenas um receberá o prêmio: participar de uma Grande Reportagem de Zero Hora.

Enquanto corre o prazo dos estudantes, o Blog do Editor publica a íntegra dos textos classificados. Confira o que cada um deles espera de um jornal clicando no nome do participante.

Alvaro Andrade

Andressa Fordie Pazzini

Caroline Polonio Torterola

Elder Junior Nunes Corrêa

Emilia de Moura

Gislaine Monteiro

Mateus Andrighetto Tamiozzo

Marilei Pessatti

Pricilla Farina Soares

Thiago Tieze

Ética e agilidade

23 de junho de 2010 1

ANDRESSA FORDIE PAZZINI, semifinalista do concurso Primeira Pauta

A rotina enfrentada pela maioria das pessoas, hoje em dia, impede que estejam atentas a todos os acontecimentos. Além disso, pelo mesmo motivo, é impossível que acompanhem com assiduidade os desfechos das histórias do dia-a-dia se não tiverem como aliado um meio de informação completo, que valorize o leitor, o seu tempo e seja seus olhos perante a sociedade.

O que eu espero de um jornal é que ele busque me informar de forma ética e, ao mesmo tempo, ágil. Que ele procure todos os detalhes da informação, ouça sempre todos os lados e que me traga um bom texto para que, com base nele, eu possa me informar e me posicionar.

Espero também que o jornal acompanhe o desenrolar dos acontecimentos. Que possa, de fato, exercer seu quarto poder, sendo a voz da sociedade na cobrança por atitudes e decisões mais justas, seja no âmbito político, econômico ou de outras áreas que interfiram direta ou indiretamente na minha vida. Que me dê as bases necessárias para que eu vá em busca do que acredito e considero correto.

Espero que evolua com as novas tecnologias, de modo a facilitar a vida do leitor. Que me traga, além de informação, uma pitada de entretenimento e conhecimento.

Em resumo, o que eu espero de um jornal é que seja meu aliado na busca por uma sociedade mais justa e, consequentemente, um mundo melhor.

Emoção e verdade

23 de junho de 2010 15

CAROLINE POLONIO TORTEROLA, semifinalista do concurso Primeira Pauta

Tenho certeza que espero de um jornal a liberdade em letras, a realidade nua e crua, a emoção de quem vivenciou o fato, a alegria daquele que narrou o gol, o espanto trazido pela tragédia e a felicidade pela descoberta da cura.

Quero esperar o jornal que leio como quem espera um olhar através do próprio olhar, com a confiança da atualidade, o comprometimento com a verdade, a opinião que me atualiza, o entretenimento que diverte, a última notícia que vai servir de assunto na roda de amigos, a cultura do meu estado que me estufa o peito de orgulho.

Ver-me ali, naquele papel espesso, não por inteira, mas em pedaços que juntos identificam um todo que talvez nem seja meu, mas de um amigo, parente, vizinho, colega afinal estamos interligados e todos os fatos do dia a dia de uma maneira ou outra entrelaçam vidas e determinam destinos fazendo a diferença na rotina do leitor.

Enfim, espero que a informação e a liberdade vençam sempre todos os obstáculos, fazendo do jornal um meio para comunicar com responsabilidade e respeito à verdade. Quero ir até a banca ou esperar o jornaleiro, como quem aguarda o presente, reconhece o passado e consegue enxergar naquelas letras o futuro.

Texto simples e correto

23 de junho de 2010 37

EMILIA DE MOURA, semifinalista do concurso Primeira Pauta

De um jornal eu espero ver a vida como ela é, sem enfeites, sem rodeios, sem falsificações. Espero ler e então poder identificar caminhos claros para embasar minhas reflexões sobre as pessoas e o mundo. Quero, através de um texto simples e correto, a possibilidade de encontrar elementos que me guiem para o meu próprio julgamento da realidade, me dando a oportunidade de pensar no que é certo ou errado, não quero respostas prontas e sensacionalistas que me levem a um senso comum vazio.

Espero identidade, criatividade, cor. Não quero ver os fatos somente numa perspectiva baseada no preto e branco, espero mais perspectivas, quero ouvir todos os lados.

Espero caráter, ética, comprometimento e uma postura clara, sem pontuações duvidosas ou tendenciosas. Espero troca, acessibilidade, que também me leiam.

Buscarei encontrar em um jornal a diversidade, a universalidade, a emoção. Quero ver o debate, sentir o calor ou o frio das pessoas e dos fatos através das páginas. Espero de um jornal a organização, não só visual, mas também textual. Quero entender o que leio e o que vejo. Espero informação de qualidade, de certeza, que me faça (através do uso correto dos requisitos técnicos e teóricos que nos são ensinados nas universidades de jornalismo) confiar no meio pelo qual escolhi me atualizar sobre a vida.

Mais importante e acima de tudo, espero de um jornal o respeito. Só será possível obter credibilidade e qualidade através do respeito pelos leitores, pelas fontes, pelos colegas de trabalho, pelos concorrentes, respeito pelo bom português, por todas as pessoas, respeito por todos os fatos.