Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Aimoré tenta driblar as dívidas

22 de maio de 2010 1

Reproduzo aqui a situação financeira do Aimoré, exposta em matéria publicada no Jornal VS. Infelizmente mostra a realidade de muitos times do Interior que buscam o acesso e acabam o ano passando o chapéu para pagar as contas.

Eliminado mais uma vez precocemente da Segundona, o Clube Esportivo Aimoré enfrenta um desafio fora dos gramados: pagar a dívida estimada em R$ 200 mil pelo diretor financeiro Paulo Dutra Costa. Por esse motivo, até o final do ano, o principal produto do clube, que é o futebol, deve ficar em segundo plano. Um dos presidentes – o Aimoré é administrado por três –, Sandro Boroswski, não quer falar sobre o assunto. Já Telmo Hoefel, diz que a direção segue buscando parcerias. ‘‘Nós não temos um grande empresário, mas honramos e amamos esse clube. Não é fácil administrá-lo, mas abrimos mãos de nossas vidas particulares para tentar colocá-lo entre os grandes.’’ Hoefel cita colaboradores que mantêm o patrocínio. ‘‘Mesmo o Aimoré estando na Segundona, estão ajudando’’, completa.

Dutra reclama da gestão anterior; Gão rebate
Paulo Dutra deixa claro que, desses R$ 200 mil, R$ 180 mil são herança da gestão anterior, quando Reni de Oliveira, o Gão, era presidente. “Quando assumimos, a dívida informada era de R$ 100 mil, mas depois chegaram as contas e os credores”, diz Dutra. Reni de Oliveira, o Gão, contesta. Diz que todos os valores foram apresentados ao conselho. “Quando deixamos o clube, passamos todos os parcelamentos e as dívidas para quem estava assumindo e também ao presidente do conselho. A dívida ficou em torno de R$ 100 mil, mas, pelo que soube, eles ignoraram tudo, por isso acredito que os valores aumentaram”, afirma Gão, que deixou o Aimoré há dois anos.

Sem verba, sem futebol
A dívida não se limita a salário de jogadores. Estão listadas despesas de manutenção, como parcelamento de IPTU – no valor de R$ 40 mil – e conta de água, que chega a R$ 27 mil. Há também um empréstimo de R$ 30 mil, que foi feito no final do ano passado e ações trabalhistas que aguardam sentença. Dutra diz que a dívida está sendo paga em parcelas. “O empréstimo foi para as contas de dezembro. São dez parcelas de R$ 3,7 mil, que começamos a pagar este ano”, diz Dutra, afirmando que a atual direção desconhecia as dívidas de IPTU e água. “Estamos pagando a nossa conta e dos gestores anteriores. Não ganhamos um centavo fazendo isso, muito pelo contrário, deixamos de lado nossa vida pessoal. É por esse motivo que achamos que a Copinha não é viável, porque queremos pagar tudo.”

Manutenção custa R$ 12 mil
A manutenção do Aimoré, quando está em atividade, gira em torno de R$ 12 mil
mensais. Este valor é gasto com água, luz, material de limpeza, manutenção do campo e pagamento de alguns funcionários. O patrimônio do clube, de 4,1 hectares, está avaliado em cerca de R$ 12 milhões. Em meio à crise, já voltou-se a cogitar a venda do Monumental Cristo Rei e a construção de uma estrutura menor em outro endereço.

R$ 80 mil em dois meses
Nos meses de março e abril, os gastos chegaram a quase R$ 80 mil. O montante se deve ao investimento em plantel. O Aimoré contratou Galvão, Kelson, Sananduva, Plínio, Marcelo Xavier, Fábio Wesley e Alexandre, com custo total de R$ 17 mil. Com isso, a folha passou de R$ 43 para R$ 55 mil. Também é preciso somar despesas com viagens e concentração. Paulo Dutra admite o gasto, mas defende que era necessário. ‘‘Pedimos a antecipação dos repasses da Prefeitura e Semae porque era necessário contratar e também mudar o comando. Nossa meta era ir mais longe. Abel Ribeiro veio pelo mesmo salário de Jairo Swirsky’’, explica o diretor.

Comentários (1)

  • Davi O. Kvitko diz: 25 de maio de 2010

    Daí eu tenho que fazer uma critica a esta empresa de COMUNICAÇÃO.
    Pensa comigo.
    A ZH por exemplo que destaque dá para jogos de times pequenos?
    O placar da segundona num espaço minúsculo e olhe lá.
    Se a TVCOM transmitisse desde o início a segundona, aumentaria o interesse e por consequência, sobraria um ou outro patrocínio.
    Quem vai querer por numa camiseta um patrocínio que não vai aparecer?

Envie seu Comentário