Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Vovô com 110 anos

19 de julho de 2010 3

Memorial reúne 7,2 mil peças. Crédito: Guilherme Mazui    Criado “aos 19 dias do mês de julho do ano de 1900”, como registra sua ata de fundação, o Rio Grande completa 110 anos hoje. Parabéns ao precursos do futebol pentacampeão.

Reconhecido como clube mais antigo do país pela CBF, que transformou o 19 de julho em dia nacional do futebol, o clube vislumbra melhorar a estrutura física do seu memorial e atrair mais visitantes, valorizando a própria história.

Organizado desde 2000, o acervo conta com 7,2 mil peças, entre taças, medalhas, fotografias, flâmulas, recortes de jornais e atas. Palavras como scratch e ground saltam de documentos, como a carta de 23 de maio de 1909, que anuncia a criação de um novo team em Porto Alegre, o Sport Club Internacional.

No entanto, as relíquias merecem melhor acondicionamento. Duas salas escuras, úmidas e mal ventiladas, nos fundos da sede, no centro de Rio Grande, acomodam peças importantes como a taça de campeão gaúcho de 1936, principal título do clube.

Também estão lá a ata de fundação do Rio Grande, registros de partidas, quadros com pinturas e fotos de equipes posadas e, até, ilustrações mostrando como eram os primeiros uniformes.

A intenção é transferir o material para o Edifício Germânia, onde alemães e ingleses fundaram o clube. Interditado, o local precisa ser restaurado. O projeto passa por avaliação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae). Se aprovado, faltará captar R$ 1,5 milhão para a obra.

– O Rio Grande é a história do futebol brasileiro – afirma a diretora do memorial, Helena Portella.

O Memorial Johannes Christian Moritz Minnemann (acima) é patrimônio histórico e cultural do Estado e leva o nome do alemão que fundou o Rio Grande. O acervo preserva relíquias do futebol gaúcho e brasileiro:

Taça Serrada
Em 1940, Rio Grande e São Paulo chegaram à decisão da Taça Confraternização. Após sucessivos empates, inclusive nos pênaltis, decidiu-se dividir a taça em duas partes (veja à mesa na foto principal). Cada clube ficou com a sua.

Taça campeão gaúcho 1936
Peça mais importante do memorial, é de prata. Foi conquistada após duas vitórias sobre o Inter – 3 a 2 e 2 a 0. O Memorial também guarda a faixa de campeão e o quadro com o time vencedor.

Bola do Fruto
Em couro, a bola foi utilizada no primeiro jogo da decisão de 1936 contra o Inter. Em um choque, o defensor Fruto cortou a cabeça. Enfaixado, evitou com um testaço o empate colorado. Seu sangue ficou marcado na bola.

Carta colorada
O documento escrito à mão, assinado pelo primeiro presidente colorado, João Leopoldo Seferin, informa ao Rio Grande a criação do Sport Club Internacional. É de 23 de maio de 1909. A relíquia é desejada pela diretoria colorada. Porém, o Rio Grande não quer se desfazer da peça.

Comentários (3)

  • Fabio Weiden Junior diz: 19 de julho de 2010

    Por que a RBS via TV Com, não apoia os clubes do interior transmitindo os jogos da Série C do Brasileiro. Até a segundona gaúcha e Copa RS, por vezes é transmitida, pq nunca transmitem a Série C. Acho que esses jogos iriam não só agradar as 3 grandes torcidas do interior, como o público neutro (torcedores da dupla Grenal) eu por exemplo.

  • André Carvalho diz: 20 de julho de 2010

    Parabéns ao grande Vovô Rio Grande, o decano do futebol brasileiro! Só espero que, um dia, o Rio-Grandense retome as atividades profissionais. Faz falta, tanto para a Princesa do Sul como para o futebol gaúcho como um todo.

  • Junior diz: 20 de julho de 2010

    André, Rio Grande é a “Noiva do Mar”!

Envie seu Comentário