clicRBS
Nova busca - outros
20 jul16:10

Taguá: o time que deixou torcedores órfãos

José Quintana Jr.| jose.quintana@rbstv.com.br


O Jornal do Almoço desta quarta-feira contou os feitos de um dos maiores times do Alto Uruguai, o Taguá, de  Getúlio Vargas. Ele entrou para a história, mas hoje vive no abandono. Ficou na memória dos torcedores que  sonham em um dia vê-lo em campo novamente.

- A gente se sente lisonjeado por ter feito parte da história do time que representou a cidade de Getúlio Vargas diz o ex-jogador Júlio Cesar.


Ele fez parte do time que levou Getúlio Vargas para a elite do futebol gaúcho. Feitos como o acesso ao campeonato do Estado em 91 e nada mais que vencer o Grêmio no mesmo ano, no estádio Olímpico, por 2 a0.

-O Taguá teve grandes vitórias, alegrias para o povo de Getúlio Vargas, que prestigiava o clube –  conta Gilmar Saldanha, o (Cabeção).


O time foi fundado em 1964, da fusão de dois time rivais, o Tabajara Futebol Clube e o Guaíba Futebol Clube. No estádio Plácido Scussel, conhecido também como a Baixada de Getúlio, o clube teve suas maiores conquistas. Como o acesso à elite Gaúcha e as vitórias em clássicos sobre os rivais da região, como o Ypiranga.


As conquistas no passado, disputar a principal divisão do Gauchão, vencer o Grêmio em plena  Porto Alegre ficou no passado. Depois de parar as atividades profissionais por causa das dívidas, hoje o estádio Plácido Scussel está  completamente abandonado.

O time parou as atividades profissionais em 1996, quando disputou pela última vez a segundona do campeonato gaúcho. De lá para cá, o telhado enferrujou, o gramado que era considerado um dos melhores do interiorficou seco e sem condições de jogo e a estrutura de arquibancada e alambrados totalmente comprometida.


- Nós tentamos manter o Taguá na série B, mas dentro das possibilidades de um município do tamanho de Getúlio Vargas, não teve como- lamenta o ex -diretor do Taguá Vivaldino Dalastra.


Derrota fora dos gramados, que ainda dói muito para os torcedores.


- Devia voltar, porque chega sábado, domingo, não tem ninguém. Antes tinha o futebol – continua.


Uma saudade que já dura 15 anos.  Os apaixonados time ainda sonham com o dia que  Plácido Scussel  volte a ser o local dos espetáculos do futebol em Getúlio Vargas.


- Pra gente ir no domingo ver a gurizada se tornar atleta.  Vemos muitos se perdendo no caminho, por não ter mercado – fala o ex-jogador Plínio Triquês.

Por

Um Comentário »

  • Yuri Klein Casari disse:

    Minha mãe é getuliense, e já tive inclusive a oportunidade de bater uma bola nesse estádio. É uma pena!

Comentários