clicRBS
Nova busca - outros
19 ago15:37

Depois do temporal, preocupação dos agricultores é com árvores que caíram


Além das perdas econômicas, principalmente para os produtores de leite, que segundo o Sindicato Unificado dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Alto Uruguai (Sutraf),  deixaram de vender cerca de dois milhões de litros do produto por causa da falta de energia elétrica, a preocupação é com o destino que será dado às milhares de árvores derrubadas pelo vento. Nos 18 municípios da encosta do Rio Uruguai, onde há maior concentração de florestas nativas, o Sutraf  estima que mais de 30 mil araucárias foram derrubadas pelo vento. Só em Três Arroios, já foram contados mais de mil pinheiros.

- É madeira que tem valor comercial, mas que só poderá ser aproveitada, se sua retirada for autorizada – pondera o coordenador do Sutraf, Ari Pertuzatti.


O Sindicato está encaminhando ao Governo do Estado um pedido de licença conjunta excepcional para os agricultores que têm propriedades nos municípios que decretaram situação de emergência  e a convocação de técnicos da Emater e das prefeituras para fazer as vistorias nas propriedades.


- A vistoria, feita por profissionais da área pode representar gastos de até R$ 300,00 para cada agricultor –  diz Pertuzatti.


O Sindicato também quer que os agricultores não sejam obrigados a repor as árvores que foram derrubadas.


- Nestes municípios, há situações em que as áreas de preservação ocupam mais da metade das propriedades e os agricultores não podem ser penalizados por um dano provocado por fatores climáticos – diz Pertuzatti.


Conforme o diretor de Licenciamento Ambiental de Erechim, Gilberto Tomazin,  árvores que estavam em áreas de Preservação Permanente só podem ser retiradas caso tenham caído em rios e estejam obstruindo o curso da água. Neste caso, o agricultor precisa fazer uma solicitação para a Secretaria de Meio Ambiente para que a árvore seja removida. Ainda segundo ele, árvores que caíram nestes locais em virtude do temporal não precisam ser repostas pelos agricultores.





Por

Comentários