Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Persistência é com o grupo Virô Muleke!

18 de novembro de 2014 1
Crédito: Mateus Bruxel

Crédito: Mateus Bruxel

Se tem uma coisa que os integrantes do grupo Virô Muleke têm é persistência. Desde 2006 na estrada, os pagodeiros, da Restinga Velha, Zona Sul, já passaram por poucas e boas em busca do tão sonhado lugar ao sol. No começo, quando ainda “batiam umas latinhas”, como define Nego G, que toca pandeiro no grupo, os integrantes tinham que correr atrás até dos instrumentos para fazer show.

- Bah, sempre foi correria. Muitas vezes, tinha que pedir instrumento emprestado, a galera não tinha grana para comprar. Mas nunca desistimos – relembra.

Depois de conseguir engrenar alguns shows, o grupo continuou tendo que batalhar. Muitas vezes, tinha problemas que não atingem os grandes grupos, mas sim, quem está começando.

- Ih, cansamos de ter problema com van para tocar nos lugares. Vinham umas com menos lugares do que a gente precisava, por exemplo – relembra Nego G.

Pagodeiros tiram “vida dupla”, de trabalho e música, de letra

Mesmo assim, eles não desistiram do sonho. Todos os integrantes do grupo pegam firme na labuta. Wandy Lemos, o vocalista, trabalha como porteiro. Tavinho Filé, rebolo e voz, como promotor de vendas. Jé Rodrigues, cavaco e vocal, é mecânico. Julinho Benny, reco e voz, é barman, enquanto Leonardo Campos, que toca surdo, é estagiário na prefeitura. Já Nego G trabalha com serviços gerais. E pensa que essa “vida dupla” cansa? Que nada! Eles sempre dão um jeito de trocar folgas para conseguir ir aos shows e ensaios.

- Ir atrás do sonho não cansa nunca. A gente nem pensa nisso-  afirma Jé.

O atual sonho do Virô Muleke, que anda mostrando seu som em lugares como o Strike, em Viamão e no Hangar Pub, na Capital, é gravar uma música. Algo simples para a maioria das bandas, mas que custa uma boa grana.

- Atualmente, as bandas gaúchas que tem uma condição um pouco melhor gravam com o Juninho Percussão (um dos principais produtores do país), em São Paulo. E custa em torno de R$ 4, R$ 5 mil. Mas chegaremos lá – acredita Wandy.

Enquanto isso, o grupo investe em um pagode romântico, inspirado, principalmente, em grupos como a Turma do Pagode. A primeira gravação, mais artesanal, foi da canção Volte no Tempo. Wandy, o cara das letras do Virô Muleke, diz que, de onde saiu esta, tem muito mais.
- Tenho umas 15 compostas. É só alguém acreditar na gente que a coisa anda – afirma.
No dia 23, os guris, que batem no peito de orgulho por morar na Tinga, participam da semana do bairro, em um show aberto, na Esplanada.

- A gente gosta de tocar na comunidade. É um dia de harmonia, de paz - finaliza Nego G.

Pitaco de quem entende 

Juninho PC fala do grupo Virô Muleke:

- Achei muito legal a música do grupo. O vocalista tem um timbre bonito, gostei! Uma dica: ele tem que cuidar um pouco a respiração, para que as palavras saiam mais claras.

- Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas em MP3 e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.

- Para falar com o Virô Muleke, ligue para 8645-2822.

Abaixo, ouça um trecho de Volte no Tempo:

Plágio a John Mayer? Após acusação de cópia, Fernando e Sorocaba anunciam que mudarão capa de EP

11 de novembro de 2014 2
Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

A dupla Fernando e Sorocaba anunciou que mudará a capa de seu último EP, Sem Reação, após ter sido acusada de plagiar a arte do álbum do cantor americano John Mayer. Em comunicado, o escritório FS Produções Artísticas, responsável pela carreira da dupla, informou que após questionamentos feitos por fãs sobre a semelhança com a capa do álbum Born and Raised, do cantor americano, “optou por uma outra capa, e essa será lançada oficialmente dia 18 de Novembro, junto com o lançamento mundial do EP pelo Itunes”.

O material foi lançado, ainda de acordo com a nota, não oficialmente, após uma gincana promovida entre os fãs da dupla. Seriam necessários 10 mil tweets para que a capa fosse mostrada.

O designer David Smith, responsável pela capa do álbum de John Mayer, disse nas redes sociais que se sentiu “lisonjeado” com a semelhança:

-Acho que foi mais uma inspiração do que uma cópia direta, o que é obviamente lisonjeiro. Há semelhanças na arte, e alguns elementos são muito parecidos mesmo. Mas as pessoas parecem estar mais concentradas no esquema de cores do que no design em si. Como diz o famoso ditado: a imitação é forma mais sincera de elogio.-

 

Daya Moraes: talento precoce que não desistiu de sua paixão

11 de novembro de 2014 0
Crédito: Diego Vara

Crédito: Diego Vara

Com um estilo próprio, misturando pop, hip hop e rhythm and blues, a cantora Dayane Moraes impressiona com seu vozeirão. E não é à toa. A morena, 30 anos, que é natural de Porto Alegre e desde os quatro anos mora em Alvorada, formou, ainda adolescente, em 1991, um grupo musical que se apresentava em bailes, clubes e festas infantis da região. Em 1997, fez parte da banda marcial de sua escola. tocando percussão.

- Aprendi a cantar ouvindo Geni e o Zepelim, do Chico (Buarque). Com 16 anos, ganhei uma bolsa de estudos para fazer aula de canto com um dos mais respeitados professores de Alvorada, o Pedro Farias - relembra a cantora.

Em uma rápida trajetória, a guria montou um quinteto que se apresentava usando apenas as vozes dos integrantes. Não demorou para que esse talento migrasse para a carreira solo. Ali, ela começou a admirar nomes da black music como Chris Brown e Rihanna (foto). Foi com uma bela releitura de Umbrella, hit da cantora, aliás, que ela começou a chamar a atenção do público, em 2008.

- Na época, essa música pegou bem. Coloquei no you tube, mas a internet ainda não era esse fenômeno que é hoje. Mesmo assim, a música entrou na programação da Rádio Cidade (92.1 FM), chegando a ficar entre as mais pedidas, na época - relembra Daya, como é conhecida.

Mesmo com perrengue, ela não desistiu

Em 2011, por problemas pessoas, a guria se afastou temporariamente dos palcos. Mas a paixão falou mais alto. Na nova fase, desde o fim de 2012, teve aulas de canto e resolveu investir em músicas próprias:

- Eu achava que estava na hora de um ter um diferencial, fazer menos releituras. Então, gravei A Fila Anda, minha primeira música.

Para a gravação, chamei o rapper Seguidor F, para dar uma proximidade com as produções de hip hop dos Estados Unidos_ revela Daya.
Com uma batida forte e melodia no estilo black music, a canção é a aposta da guria para alcançar o sucesso. Com uma equipe de dançarinos, ela tem mostrado seu som nas paradas Gay de Porto Alegre e São Leopoldo e prepara o lançamento um show especial, no dia sete de março, na Livraria Cultura, em Porto Alegre.

- Acho que acertei na mistura, queria fazer algo com pegada pop, sem deixar o hip hop- ressalta Daya.

Pitaco de quem entende 

Lucas Nunez, vocalista da Bandavanera, fala sobre Daya Moraes:
- O som da Daya é show de bola! Acredito que se encaixa no clima das músicas da Negra Li, talvez a artista mais popular no Brasil no hip hop. Parabéns para a Daya. Ela mostra que o Rio Grande do Sul é um berço de muitas culturas!
- Para participar da seção, mande um pequeno histórico da sua banda, dupla ou do seu trabalho solo, músicas em MP3 e um telefone de contato para jose.barros@diariogaucho.com.br.
- Para falar com Daya, ligue para 8622-8530.
- Abaixo, ouça um trecho de A Fila Anda.

Os Travessos gravam DVD em Porto Alegre

10 de novembro de 2014 0
Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Depois de fazer o primeiro show depois da volta de Rodriguinho aos vocais em Porto Alegre, em agosto, Os Travessos voltam para os braços da gauchada, agora para gravar o DVD que celebra o retorno de Rodriguinho ao grupo paulista. A função rola no dia 22 deste mês, no Pepsi On Stage e comemora os 20 anos de carreira do grupo, além do retorno do vocalista. No repertório, sucessos de um dos grupos mais bombados do pagode no país nos anos 90, como Sorria, Quando A Gente Ama e Adivinha, além de virar um registro do recém-lançado disco Tarde Ou Cedo.

- Será uma viagem no tempo através do repertório do grupo. Além de algumas versões ao vivo das músicas do nosso último CD e mais surpresas”, explica Filipe Duarte. “Será uma noite memorável, estamos ansiosos pela gravação, tudo está sendo preparado com muito cuidado e carinho- afirma Rodriguinho.

- O que: show de gravação do DVD do grupo Os Travessos

- Quando: dia 22 de novembro, às 22h

- Onde: Pepsi On Stage, Avenida Severo Dullius, 1995 

- Quanto: ingressos a R$ 35 (pista), R$ 50 (vip) e R$ 70 (mezanino), à venda nas lojas Multisom e no site minhaentrada.com.br

 

Perseverança, o primeiro voo solo de Xande de Pilares

10 de novembro de 2014 0

Crédito: Guto Costa/ Divulgação

Depois de 20 anos nos vocais do grupo de samba Revelação, Xande de Pilares, um dos sambistas mais premiados do Brasil, apresenta o CD Perserverança (R$ 25, preço médio), o primeiro da carreira solo. Em um papo com o Escuta Essa, o sambista conta que saída da banda “aconteceu em um momento muito delicado”.

- Chega uma hora momento em que você tem que ter muito cuidado com a insatisfação. Mas preciso mostrar o motivo de ter saído do grupo, foi uma decisão projetada, pensada. Mas já tomei decisões mais difíceis na minha vida. Dos 12 aos 23 anos, trabalhei como metalúrgico e tocava, tudo ao mesmo tempo. De 1993 em diante, comecei a viver de música. Também foi uma decisão complicada-  revela o músico, hoje com 44 anos.

Um recado aos invejosos

No novo disco, Xande conserva algumas características que o consagraram como um dos melhores nomes do samba nacional: alegria e qualidade nas letras e um excelente vocal. Uma das principais canções, aliás, a faixa-título, trata de um tema delicado: inveja no meio artístico.
- Faz parte do mundo da música. Quando você quer atingir os seus objetivos, sempre aparece alguém de caráter duvidoso, que quer botar o pé na frente para você cair - afirma o sambista.

 

Giovanna Lancelotti grava clipe com o grupo Imaginasamba

09 de novembro de 2014 0
Bruno Hadda/ Divulgação

Bruno Haddad/ Divulgação

Crédito: Bruno Haddad/ Divulgação

Crédito: Bruno Haddad/ Divulgação

Para registrar a nova canção, Retrô, do disco Você ou Ninguém Mais, o grupo Imaginasamba convidou uma bela da telinha para participar do clipe. Num clima pra lá de romântico, Giovanna Lancelotti, a Bélgica Pereira, de Alto Astral, participou do clipe em um hotel antigo em Santa Tereza, bairro bucólico e um dos mais charmosos do Rio de Janeiro. A faixa fala de um um amor que se acabou, na qual o cara sai ferido e depois a amada quer voltar.  Sobre a participação de Giovanna, Suel, vocalista do grupo, foi só elogios:

- Foi muito legal. Ela foi super gentil, envolvida e me fez acompanhá-la numa boa. Me deixou super a vontade. Me senti um ator (risos).

Abaixo, confira o clipe:

Tiago Abravanel quer mostrar mais que o Tim Maia!

07 de novembro de 2014 0
Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Depois de deixar o país abismado com sua atuação no musical Vale Tudo, que rodou o país entre 2011 e 2013, no qual interpretava Tim Maia, Tiago Abravanel tem sede de mostrar mais. Já provou que também vai bem na telinha_ esteve em Salve Jorge (2012) e Joia Rara (2013), e comprova definitivamente suas habilidades no show Eclético, que chega hoje a Porto Alegre. Mesmo grato ao musical que mudou o rumo de sua trajetória, ele quer mais. Tiago, neto de Silvio Santos, canta sucessos de Tim, como Acende o Farol, e ainda encarna, literalmente, personagens tão diferentes como Amy Winehouse, Beyoncé, Lady Gaga, Freddie Mercury e Chaplin. Por e-mail, o multifacetado astro conversou com a coluna.

Escuta Essa- O que os gaúchos podem esperar de Eclético?
Tiago- Vocês vão conhecer o Tiago como ele é: brincalhão, festeiro, inteiro. Eu amo essa terra e foi aí que eu fiz o meu primeiro show aberto, no ano passado, com casa lotada (o show foi em junho, no Araújo Vianna). A partir dali, fiquei mais consciente desta nova estrada musical que se abria na minha vida. quero fazer todo mundo cantar e dançar comigo. Eclético é um show para aqueles que querem se divertir e curtir com a família. Eu canto de soul a axé, passando por outros estilos, que traduzem o meu estado de espírito agora, ao lado de uma banda poderosa. Porto Alegre, se prepare, pois a casa vai cair!!

Escuta Essa- Você ficou muito marcado pelo Vale Tudo, interpretando Tim Maia. Ainda sente isso?
Tiago- Acho que este trabalho sempre será lembrado, pois foi muito intenso e marcante. O personagem era maravilhoso e é um caso raro na vida de um ator. Serei eternamente grato, mas não tenho medo nenhum de ser reconhecido apenas por isso, até porque ainda tenho muito a realizar. O Tim Maia ainda é muito recente, é difícil desvincular já. Só o tempo dirá.

Escuta Essa- Como foi a preparação para interpretar personagens tão diferentes como Amy, Xuxa e Elvis?
Tiago- Olha, vocês podem não acreditar, mas a preparação foi ali, na hora. Era maquiagem, cabelo, figurino e pronto! Eram os elementos que eu precisava para encarnar o personagem. Cheguei a ver alguns vídeos na internet para pegar algumas referências, mas não deu tempo de estudar, foram apenas alguns minutos. Tenho boa memória e sou intuitivo.

Escuta Essa - O que o seu avô achou da interpretação? Você fez uma espécie de consulta com ele, mostrou a ele o espetáculo?
Tiago- Ele ainda não viu o show e espero que vá em São Paulo, mas amou o clipe. Ele disse que foi uma das melhores coisas que já viu (risos). É uma fase bacana pois, por conta do destaque que estou tendo como artista, acabei me aproximando mais do meu avô. Ele acha tudo isso o máximo e acabamos trocando figurinhas. É muito bom poder se aconselhar com o mestre da comunicação.

- O que: Tiago Abravanel apresenta o show Eclético
- Quando: hoje, às 21h
- Onde: Araújo Vianna, Osvaldo Aranha, 685
- Quanto: ingressos a R$ 85 (plateia alta lateral), R$ 95 (plateia alta central), R$ 105 (plateia baixa lateral), R$ 135 (plateia baixa central) e R$ 160 (plateia gold).

O mundo dos famosos e o preço da fama chega em peça com Dani Winits

07 de novembro de 2014 0

 

Crédito: Leo Aversa/ Divulgação

Crédito: Leo Aversa/ Divulgação

Uma das belas da telinha nacional, a voluptuosa Danielle Winits chega por aqui na peça Quem Ri Por Último Ri Melhor. No espetáculo, em cartaz nesta sexta, sábado e domingo, faz uma espécie de paralelo com os dias atuais, nos quais vale tudo para ficar famoso. Na peça, ela interpreta Dione, famosa agente de atores que procura manter em evidência seu pupilo, o astro de cinema Mateus (Júlio Rocha), mas precisa proteger a imagem do galã, escondendo sua sexualidade. A peça é adaptação do texto do escritor americano Douglas Carter Beane. Por e-mail, ela conversou com o Diário Gaúcho. Confira:

Escuta Essa _ O que o público pode esperar da peça?
Danielle Winits - O texto é muito atual, me aproximou ainda mais do nosso universo. A peça se passa no Rio de Janeiro e fala sobre os bastidores do mundo da fama e outros temas que cabem muito bem em qualquer país. São coisas que acontecem também nas grandes empresas, na política… São os bastidores destes universos e o público reage muito durante o espetáculo torcendo contra ou a favor, mas não ficam quietos, não. O público pode esperar uma comédia inteligente. Serão três apresentações especiais, pois finalizaremos a turnê em Porto Alegre. Estamos muito emocionados, pois foi um grande trabalho.

Escuta Essa – Em um mundo tão repleto de situações de 15 minutos de fama, vídeos virais na internet e pessoas tentando aparecer a todo custo, acha que o tema da peça está mais atual do que nunca?
Danielle - O tema é perfeito para o momento em que vivemos. Sempre pautei minha carreira no trabalho e isso sim, para mim, é e sempre foi o fundamental . Estar em evidência ou não deve ser uma consequência natural da exposição do trabalho. Não acho que vale tudo pela fama, o preço disso pode ser bem alto.

Escuta Essa  - Como é interpretar Dione, que deu o Tony de melhor atriz para Julie White?

Danielle-  A personagem é um prato cheio para uma atriz. O texto, os temas abordados e o fato de dizer coisas importantes através da comédia me fizeram me apaixonar pela personagem. Ainda, meus companheiros são pessoas incríveis, além de serem batalhadores de seu ofício. Não poderia ter tido mais sorte do que tive em ter Sara, Rainer e Júlio do meu lado nesse trabalho.

Escuta Essa- Como acha que a personagem lida com os dilemas morais e éticos que surgem ao longo da peça?
Danielle- A Dione não está muito preocupada com a moral e com a ética. Ela está preocupada com o sucesso, custe o que custar. Com isso, ela aborda temas importantes, mas com muito humor.

Escuta Essa- Constantemente, tu és assediada por fotógrafos em toda parte do rio. Como lidar com isso? Quais os lados positivos e negativos da fama?

Danielle- Procuro não me preocupar com isso, o que me preocupa e entristece é quando inventam coisas. Uma nota mentirosa pode causar alguns estragos pessoais ou profissionais. Com isso, não concordo. Gostaria de convidar a todos para se divertirem conosco este final de semana em Porto Alegre.

l O que: Quem Ri Por Último Ri Melhor

l Onde: Teatro do Bourbon Country, Túlio de Rose, 80,

l Quando: Nesta sexta e sábado, às 21h, e domingo, às 19h.

l Quanto: Ingressos a R$ 80.

 

MC Dino lança novo clipe: É que Os Guri São Ruim

06 de novembro de 2014 0
Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Um dos grandes fenômenos do funk gaúcho, MC Dino, revelado na seção Estrelas da Periferia, lança novo clipe, É Que Os Guri São Ruim. Seguindo na linha ostentação, que segue forte em alguns gêneros do funk, o clipe traz uma letra que versa sobre o tema mulherada, carros e dinheiro. Em menos de 24 horas, já passou das três mil visualizações.

Abaixo, confira o clipe!

Chega às livrarias livro de Ivete Sangalo

06 de novembro de 2014 0
Crédito: Divulgação

Crédito: Divulgação

Memórias, histórias, dicas e inspirações estão em Ivete Sangalo, Pura Paixão  minhas histórias, dicas, rotinas e inspirações, (R$ 30, preço médio, Editora Agir), primeiro livro lançado sobre a baiana, em 20 anos de carreira. Em depoimento ao jornalista Jorge Velloso contam segredos que ela aprendeu com seus pais, sua rotina diária, seus truques para manter o fôlego e a forma física, sua forma franca e aberta de lidar com a equipe, e os cuidados que ela tem com a voz. Em um dos trechos mais comentados, a cantora baiana falou dos rumores de ser gay e de ter um suposto romance com a amiga e apresentadora Xuxa.
-Mesmo que eu fosse lésbica e ela também, não ficaríamos por sermos amigas. E se não fôssemos tão amigas e gostássemos de mulher poderíamos ser namoradas-revelou Ivete.

O dossiê traz ainda histórias dos bastidores da Banda Eva, de seus encontros com figuras famosas como Beyoncé e Bono Vox, e as dores e delícias de ser uma pessoa famosa.

- A agenda de Ivete é realmente agitada e nossos papos aconteceram principalmente durante as viagens dela entre um show e outro. O voo de Salvador para Porto Velho foi o mais importante e longo para falarmos dos principais assuntos. Ela tem uma memória muito viva, é uma pessoa que sabe viver e tivemos momentos bastante emocionantes durante os papos- conta o jornalista.