Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A colunista do Zeitung fala sobre as festas de tradição alemã espalhadas pelo mundo

10 de outubro de 2011 0

Ivana Ebel

A mais antiga

A Oktoberfest de Munique começou a ser celebrada em 1810. Este ano, na 178ª edição, recebeu quase 7 milhões de visitantes e encerrou no dia 3 de outubro. É a maior festa popular da Alemanha, mas não a mais antiga. No outro extremo do país, em Bremen, outubro também é mês de festa desde o ano de 1035 e, em 2011, a Freimarkt _ que começa dia 14 e vai até o dia 30 _ chega à 976ª edição. A festa é considerada a Oktoberfest do Norte, ocupando uma área de mais de 100 mil metros quadrados com cerca de 350 atrações. A Freimarkt começou com a abertura do comércio da cidade para mercadores de outras localidades: um dia ao ano, todos tinham o direito de vender seus produtos sem impostos. Em volta da feira livre, barracas comercializavam comida e bebida, rodeadas por tendas de jogos de azar, sortistas, shows de bizarrices e atrações de mundos distantes.

Freimarkt

A festa do Norte

A Freimarkt pode ser mais modesta que a Oktoberfest de Munique, mas não menos charmosa. A entrada para a folia é gratuita. As edições modernas têm pouco a ver com o passado mercantil e se parecem muito mais com os festejos do Sul: desfiles pela cidade, ruelas de barraquinhas, parque de diversões e tendas gigantes com música ao vivo. Se em Munique os pesados canecos, que vazios chegam a 1,2 quilo _ levando a maioria dos visitantes a beber sentado _ em Bremen a cerveja é servida em copos de meio litro, bem mais leves, deixando a festa dentro dos pavilhões com um clima mais blumenauense, por que não dizer? O site oficial da festa é www.freimarkt.de (em alemão).

Oktoberfest de Munique

Segunda maior Oktoberfest

Que a Oktoberfest de Munique é o maior festival de cerveja e tradições alemãs do mundo, não restam dúvidas. Também é fato que muitas festas foram inspiradas por ela. Mas e a segunda maior? No site oficial da Oktoberfest Blumenau (www.oktoberfestblumenau.com.br), a página de abertura informa que se trata da “Maior festa alemã das Américas” e a expectativa é de receber 600 mil foliões em 18 dias. Mas não é a única na briga pelo posto. As cidades irmãs de Kitchener-Waterloo, no Canadá, estão neste momento celebrando a 43ª edição da Oktoberfest e recebem, anualmente, entre 700 mil a 1 milhão de visitantes. Kitchner-Waterloo afirma ter “o maior festival bávaro do Canadá”.

Lá e cá

Comparar um pouco das duas Oktoberfest que brigam pela vice-liderança _ a de Blumenau e a canadense _ parece inevitável: por aqui, a beleza germânica é representada pela rainha e princesas. Por lá, todos os anos é eleita a Miss Oktoberfest. Nas ruas de Blumenau, o Vovô Chopão é ícone da festa. Os canadenses se divertem com a aparição do Onkel Hans. Há desfiles oficiais nas duas celebrações. Cerveja, também. Este ano, a festa canadense começou na sexta-feira e segue até o dia 15. Ainda dá tempo de conferir! O site oficial da festa, em inglês, é www.oktoberfest.ca.

Chope salgado

Por um litro de cerveja na Oktoberfest de Munique, os foliões pagaram, este ano, cerca de 9 Euros (em torno de R$ 22,50). Mas na hora de pedir o caneco, é preciso dispor de mais dinheiro para pagar um depósito, que funciona como uma espécie de caução do recipiente (Pfand). O valor pode variar de 10 a 20 Euros, dependendo da tenda. Esse sistema de depósito funciona não só para a Oktober, mas para outras festas, além de Biergartens, bares com mesas externas e até mesmo para as canecas onde é servido o vinho quente (Glüwein, uma espécie de quentão) nas feiras de Natal. Para recuperar o dinheiro, é só devolver o copo.

Reciclável

Pagar o Pfand é parte da cultura alemã. Ele aparece também na hora de comprar cerveja no supermercado. As plaquinhas mostram sempre dois valores: o da cerveja (que é vendida em média a R$ 1,75 por meio litro) e o preço do recipiente e dos engradados. São registrados separadamente e, quando os cascos são devolvidos _ em máquinas que escaneiam as garrafas e identificam o formato _ um cupom é emitido e pode ser trocado por dinheiro no caixa ou usado para pagar as compras. Cada garrafa (vazia!) de cerveja custa R$ 0,20 e para as embalagens plásticas (como as de refrigerante ou mesmo de cerveja) e latinhas, a taxa é de R$ 0,62.

Diz o ditado

“Zeit macht aus einem Gerstenkorn eine Kanne Bier”.

O tempo faz do grão de cevada um jarro de cerveja.

Envie seu Comentário