Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Falta de dinheiro vai parar duplicação da BR-116, entre Guaíba e Pelotas, em julho

28 de junho de 2016 11
Trechos que permaneciam em ritmo lento deveriam ser concluídos no fim de 2017 – Foto: Divulgação / Dnit (Arquivo)

Trechos que permaneciam em ritmo lento deveriam ser concluídos no fim de 2017 – Foto: Divulgação / Dnit (Arquivo)

A duplicação da BR-116, entre Guaíba e Pelotas, vai parar no dia 31 de julho e não retorna em 2016. A partir de agosto, não haverá mais recursos disponíveis pelo Governo Federal para a obra.

Por causa da crise financeira, a União cortou R$ 41 milhões da duplicação. O corte foi anunciado em publicação do Diário Oficial do dia 22 de junho.

Desde o começo do ano, o ritmo de trabalho na BR-116 era pequeno. A obra já estava parada em 115 quilômetros, o equivalente a 54% de todo o traçado previsto para receber uma nova pista.

A Superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) no Rio Grande do Sul vai chamar as empresas contratadas para acertar os dados da paralisação e comunicar a diretoria da autarquia em Brasília. A única forma de mudar essa situação seria o Congresso Nacional aprovar um crédito suplementar ainda neste ano para a obra.

Os trabalhos iniciaram-se em datas diferentes, com sete meses de diferença entre o lote que começou primeiro – em outubro de 2012 – e que começou por último – em maio de 2013. A previsão era de que a obra fosse concluída em dois anos. Até agora, já foram investidos mais de R$ 700 milhões. O percentual executado chega a 57%.

Saiba mais:

- Dnit suspende obras em mais da metade da duplicação da BR-116 entre Guaíba e Pelotas

Duplicação da BR-116 atinge 25% de conclusão entre Guaíba e Pelotas

Duplicação da BR-116: Após um ano de obras, apenas 15% dos trabalhos foram realizados entre Guaíba e Pelotas

Duplicação da BR-116 vai exigir compra de R$ 400 mil em artesanatos indígenas pelo DNIT

Começam as obras de duplicação da BR-116, entre Guaíba e Pelotas

Comentários (11)

  • FLAVIO FAGUNDES DA SILVEIRA diz: 28 de junho de 2016

    MAIS OBRA DO PT.
    INICIARAM AS OBRAS EM CAMPANHA POLÍTICA MENTIROSA.
    QUANDO TERMINAREM O ULTIMO QUILOMETRO TERÃO QUE REFAZER TUDO NOVAMENTE PELA BAIXA QUALIDADE ASSIM COMO A 448.

  • Ademir Peixoto diz: 28 de junho de 2016

    Não é novidade alguma, já que esses governos populares nunca cumprem o que prometem e estabelecer prazos e previsões de quando uma obra vai acabar chega a ser ridículo. São Vários exemplos em todo o pais: estradas, barragens, transposição do Rio São Francisco, ampliação de aeroportos, muitas delas com previsão de término para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, país de “TOLOS”(todos). Espero que a população dê a resposta nas urnas nas próximas eleições: PT e PMDB nunca mais !!!

  • Thiago diz: 28 de junho de 2016

    Simples.
    Repassem a iniciativa privada pela troca de pedágio com valores como os de SC R$ 2,00
    Esse será o preço por termos governos corruptos.

  • Guilherme diz: 28 de junho de 2016

    Passo bastante nessa estrada. Lembro nitidamente que, em outubro e novembro de 2014, o número de funcionários e máquinas aumentou significativamente, chamando a atenção. Passadas as eleições, em dezembro deste mesmo ano já voltava ao ritmo lentíssimo de sempre. Com medidas enganosas como essa, ganharam as eleições! FARSA!!!!!

  • Marco Antônio Silva diz: 28 de junho de 2016

    O que fazem os políticos gaúchos em Brasília para que esta obra importante para o Estado não seja paralisada? Nada…. . Acho que nem sabem que está obra existe. Estamos mal de representatividade.

  • Marcelo diz: 28 de junho de 2016

    Para quem passa na obra já causava tristeza ver o ritmo quase parando (em alguns trechos totalmente parado) do último ano. Espero que o presidente Temer consiga colocar a economia em ordem para reestabelecer o andamento desta obra. Nos mantenha informado, Jocimar!

  • Robinson diz: 28 de junho de 2016

    Como pode estar faltando dinheiro ao Governo Federal, estão concedendo reajustes salariais nunca concedidos antes, mais de 40% ao judiciário e agora mais de 20% aos servidores do senado, que são justamente as carreiras mais bem pagas do Brasil. Isso é um contrassenso, em quanto os Poderes Executivos dos Estados e Município não conseguem conceder a revisão anual da inflação, em torno de 10%, a seus servidores, os Poderes Judiciário e o Legislativo concedem aumentos, passando a impressão que vivem em outro mundo. Se está sobrando dinheiro no judiciário, por que não aumentam o número de servidores para desencalhar os processos que levam anos para serem julgados, por falta de pessoal?

  • sandro diz: 28 de junho de 2016

    Uma pena essa obra atrasada. Para falar a verdade, o Rio Grande do Sul todo está atrasado. É com muita tristeza que vejo outros estados, com arrecadações menores que o nosso, mas melhor estruturados. Deixei a minha terra natal a mais de 10 anos, e a cada retorno ao RS eu vejo que está cada vez pior, principalmente a zona sul do estado, esquecida, abandonada … nossos ex-governantes Yada Crusius (PSDB), Tarso Genro (PT) e Sartori (PMDB), não deixaram e não deixarão nenhum legado para o Rio Grande do Sul e principalmente para a Zona Sul. Só resta para nós gaúchos um velho ditado popular, “tirar leite de pedra”, porém há um problema, as pedras estão acabando.

  • Ngel diz: 28 de junho de 2016

    Esse ano 6 óbitos nessa estrada…. Maes pais e filhos q morreram, estariam aqui se a estrada estivesse duplicada

  • Anderson diz: 28 de junho de 2016

    115km de paralisação é muita coisa. Alguma coisa tem de acontecer para parar a sangria com que os recursos estejam todos em Brasília. O país trabalha para aquele “povo do poder”. Os estados e prefeituras ganhando migalhas. Esse sistema tem de terminar. E as estradas estão do jeito que todos sabemos. Falta planejamento, gestão, pessoas capacitadas que queiram progredir com e pela sociedade. Mas isso tem a mão do povo, que tem o governo que elegeu, afinal, os governos são a cara do povoeiro.

  • Edgar Belisário da Silva diz: 24 de março de 2017

    É muito triste vermos o que acontece com os pedágios. Eu, apesar de não ser versado no assunto, penso que se assemelha a uma plantação de maçã ou uva, quando o dono das terras planta e entrega a um terceiro, sem receber nada por isto, por vinte e cinco anos, só colhe e mantém a plantação. Já no pedágio, a UNIÃO FEDERAL, que somos nós, arcamos com os custos de desapropriação e construção das diversas duplicações, e, por incrível que possa parecer, ainda para na rodovia andarmos temos que pagar PEDÁGIOS. Enriquecimento sem causa. Não esqueço que os detentores da concessão, ao final do governo neoliberal da IEDA CRUSSIUS, prometia reduzir os preços dos pedágios e duplicar o que não fez antes. Vejo que a RBS dedica muito tempo de comunicação em horário nobre para angariar que nós banquemos o enriquecimento de empresas do segmento das do Eliseu Padilha. É um acinte.

    Porque as empresas de pessoas ligadas ao Poder PLUTOCRATA, desejosas em obter a concessão não arcam com os custos de aprimoramento para depois colherem??? Muito vergonhoso tudo isto.

Envie seu Comentário