Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Operários voltam para trincheira da Ceará mas obra só será retomada se prefeitura quitar débito

07 de dezembro de 2016 10
Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal

Quase uma semana depois de determinar que os 70 trabalhadores da trincheira da Ceará ficassem alguns dias em casa, a obra voltou a receber os operários. Porém, o problema persiste. A obra está parada por falta de pagamento por parte da prefeitura de Porto Alegre.

O consórcio formado pelas empresas Conpasul; Sogel; e Toniolo, Busnello segue aguardando uma definição. Por enquanto, os operários seguirão comparecendo ao canteiro. Porém, já os empresários já analisam conceder férias coletivas para os trabalhadores.

A prefeitura informa que está com dificuldades de garantir as contrapartidas do município devido à crise financeira. A prioridade neste final de ano passou a ser o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores.

A obra já está 90% concluída e havia uma expectativa de que a conclusão dos trabalhos poderia ocorrer em dezembro. Falta realizar o acabamento no pavimento em concreto e nas paredes da nova estrutura. Também está sendo finalizada a casa de bomba, que será usada para evitar que a água da chuva se acumule no trecho de pista rebaixado.

A obra deveria ter sido concluída em agosto de 2014. Os desvio no trânsito da região ocorrem desde fevereiro de 2013. Durante os primeiros meses de obra, o solo se mostrou instável. Havia risco de afetar as fundações dos prédios vizinhos. Com isso, foi identificado que, para realizar o serviço, as construtoras teriam que escavar mais de oito metros de profundidade.

Em outubro de 2014, a prefeitura chegou a anunciar que lançaria uma nova licitação, após as empresas responsáveis terem manifestado a desistência da obra. Um mês depois, as empresas responsáveis pela obra anunciaram que mudaram de ideia, decidiram aceitar o reajuste proposto pela prefeitura e retomaram os trabalhos que ficaram sete meses parados.

Saiba mais:

- Obra da trincheira da Ceará para por falta de pagamento

Obras da trincheira da Ceará se aproximam do fim e parte do desvio será desativado em até três semanas

Construtoras mudam de ideia e obras na avenida Ceará serão retomadas em janeiro

Obra da trincheira da Avenida Ceará terá que ser licitada novamente

Risco de deslizamento de solo modifica projeto da passagem da Avenida Ceará

Construtoras desistem e obra de passagem subterrânea da Ceará vai atrasar 90 dias

Alargamento de viaduto na Freeway será concluído até o fim da semana

07 de dezembro de 2016 0
Foto: Divulgação / Concepa

Foto: Divulgação / Concepa

O alargamento de viaduto na Freeway, no acesso à avenida Assis Brasil, será finalizado no fim de semana. As obras ocorrem no quilômetro 86 da rodovia, em Porto Alegre. De acordo com a Concepa, ainda é necessário concluir o revestimento asfáltico e realizar os ajustes de sinalização.

A obra começou em abril. Ao final da ampliação de pista, o trecho terá quatro faixas de tráfego e uma (mais à direita) para acesso a Porto Alegre e Cachoeirinha. Atualmente, há essa faixa de acesso e outras três para tráfego.

O alargamento não foi realizado quando houve a construção da quarta faixa porque o projeto ainda estava sendo realizado e precisava ser aprovado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A obra custou R$ 2,5 milhões e já foi considerada no último reajuste do pedágio, em outubro.

Saiba mais:

- Alargamento de viaduto na Freeway será concluído até o fim do mês

Freeway terá alargamento de pista no acesso à avenida Assis Brasil

Tarifas dos pedágios da Freeway e da BR-290 sobem a partir de quarta-feira

Término do prolongamento da avenida Severo Dullius é adiado para o ano que vem

06 de dezembro de 2016 2
Foto: Helena Rocha / PMPA (Arquivo)

Foto: Helena Rocha / PMPA (Arquivo)

As obras do prolongamento do segundo trecho da avenida Severo Dullius não serão mais concluídas em dezembro. A nova previsão da prefeitura indica que os trabalhos devem prosseguir até fevereiro de 2017.

A pavimentação de praticamente todo o traçado já foi concluída. Falta realizar apenas a instalação das sinalizações horizontal e vertical. Mas a parte mais delicada atualmente é a construção de dois pontilhões, nos dois acessos do novo trecho. Os pontilhões sobre o Arroios Dique e Passo da Mangueira tem cada um aproximadamente 60m. A atual etapa destas obras é a construção das fundações e concretagem de ambas as estruturas.

A ordem de início do segundo trecho das obras da Severo Dullius foi dada em setembro de 2015. Segundo a prefeitura, um período intenso de chuvas só permitiu que os trabalhos evoluíssem a partir de novembro do ano passado.

A construção do trecho entre a avenida Dique e a rua Sérgio Dieterich demorou para iniciar pois foi necessário, primeiro, desviar a avenida de um antigo aterro sanitário. Já a primeira etapa do prolongamento da avenida foi executada com recursos de uma contra-partida de uma rede de supermercados. Com o término das obras, a prefeitura acredita que conseguirá formar um anel rodoviário que contornará o Aeroporto Salgado Filho, o que ajudaria a desobstruir um pouco o tráfego na região.

Saiba mais:

- Prolongamento da avenida Severo Dullius será concluído até o fim de 2016

Trincheira da Cristóvão Colombo recebe nome de político gaúcho

06 de dezembro de 2016 8
Obra deveria ter ficado pronta em março de 2014 - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Homenagem foi proposta por vereadores do PMDB e PP - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Os trabalhos na trincheira da Avenida Cristóvão Colombo ainda não acabaram mas a travessia sob a Terceira Perimetral já tem nome oficial. O local passa a se chamar Passagem de Nível Mendes Ribeiro Filho.

A lei, sancionada pelo prefeito José Fortunati, foi publicada no fim de novembro no Diário Oficial de Porto Alegre. A homenagem partiu dos vereadores Idenir Cecchim e Lourdes Sprenger, do PMDB; do suplente de vereador Dr. Raul Fraga, do mesmo partido; e João Carlos Nedel, do PP.

Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho, faleceu no ano passado. Ele foi ex-vereador da Capital, ex-deputado federal e ex-ministro da Agricultura. O pai de Mendes Ribeiro Filho, Jorge Alberto Beck Mendes Ribeiro, também dá nome a uma importante obra de Porto Alegre: o viaduto localizado no cruzamento da avenida Protásio Alves com a Terceira Perimetral.

As obras na trincheira da Avenida Cristóvão Colombo devem ser concluídas somente no começo do ano que vem. O contrato foi assinado em agosto de 2012. A ordem de início das obras foi dada em março de 2013. A previsão era realizar o serviço num prazo de um ano. Só que os desvios no trânsito começaram apenas em julho. E as obras só tiveram início em julho de 2014.

Saiba mais:

- Parte da obra da trincheira da Cristóvão Colombo só será concluída em 2017

Prefeitura adia fim da obra da Avenida Cristóvão Colombo

Fim das obras da trincheira da Cristóvão Colombo é adiado para setembro

Obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo devem parar em dezembro

Prorrogado contrato das obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo

Trânsito será desviado a partir do final de semana para obras da passagem de nível da avenida Cristóvão Colombo

Mais uma obra sem dinheiro: Construção da trincheira da Anita Garibaldi está parada

02 de dezembro de 2016 4
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS (Arquivo)

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS (Arquivo)

Desde que houve a liberação do trânsito na trincheira da Anita Garibaldi, no dia 26 de setembro, as obras na região deixaram de ocorrer. O motivo é a falta de pagamento da prefeitura de Porto Alegre.

Apesar da inauguração ocorrida há quase 70 dias, ainda há a necessidade de conclusão dos trabalhos em duas alças de acesso da Anita Garibaldi com a Terceira Perimetral. Havia uma expectativa da prefeitura de que estes serviços pudessem ser finalizados até a segunda quinzena de dezembro. Porém, com a parada das obras, não há previsão de liberação total no trânsito, que inclui o desligamento da sinaleira da rua Furriel Luiz Antônio Vargas.

Este é o mesmo problema enfrentado na obra da trincheira da Avenida Ceará. Segundo nota divulgada pela prefeitura nessa quinta-feira, o executivo está com dificuldades com as contrapartidas do município devido à crise financeira que atinge União, estados e municípios. A prioridade neste final de ano passou a ser o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores.

A ordem de início das obras foi dada em junho de 2012, mas os desvios no trânsito da região iniciaram-se apenas em janeiro de 2013. Dois meses depois, as construtoras identificaram uma rocha subterrânea no local. A obra, que chegou a ficar parada por três meses depois que a Sultepa desistiu de realizar o serviço. A construtora Cidade foi quem assumiu os trabalhos.

Saiba mais:

- Passagem de nível da Anita Garibaldi será liberada na segunda-feira

- Obras da passagem de nível da Anita Garibaldi estão paradas e contrato deve ser rescindido

- Obras da passagem de nível da Anita Garibaldi começam em janeiro

Trecho bloqueado da BR-116 na Serra deve ser liberado parcialmente na segunda-feira

01 de dezembro de 2016 1
Trecho será liberado para todo tipo de veículo - Foto: Adriana Monteiro Arrial / Prefeitura de Nova Petrópolis (Arquivo)

Trecho será liberado para todo tipo de veículo – Foto: Adriana Monteiro Arrial / Prefeitura de Nova Petrópolis (Arquivo)

O trecho bloqueado da BR-116, entre Nova Petrópolis e Caxias do Sul, deve ser liberado a partir de segunda-feira (05). O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) aguarda apenas a conclusão de uma parte da obra nesta quinta-feira (01) para saber o horário que a rodovia deve voltar a receber veículos.

Diferentemente do que se cogitou inicialmente, o trecho será liberado tanto para motos, carros, ônibus e caminhões e não só para veículos leves. O reforço que foi executado no local permitiu dar a segurança necessária. Os veículos vão passar por apenas uma faixa de trânsito no sistema “Pare e Siga”, que alterna a passagem pelo local liberado.

O trecho está bloqueado desde o dia 17 de outubro depois que as fortes chuvas que atingiram a região fizeram com que parte da pista cedesse. A obra começou a ser executada a partir do dia 07 de novembro e deve ser concluída até maio. O reparo na pista irá custar R$ 14,48 milhões (R$ 14.480.767,04).  A empresa paulista Geosonda é a responsável pelos trabalhos.

Saiba mais:

- Recuperação de trecho da BR-116, na Serra, começará à tarde

Recuperação de trecho da BR-116, na Serra, deve começar na segunda-feira

Escolhida empresa que irá recuperar pista da BR-116, na Serra

Obra da trincheira da Ceará para por falta de pagamento

01 de dezembro de 2016 17
Obra deve ser concluída com atraso de quase dois anos e meio - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Obra deveria ser concluída em agosto de 2014 – Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

A construção da trincheira da Avenida Ceará parou nesta quinta-feira (01). O motivo é o atraso nos pagamentos da prefeitura de Porto Alegre. Desde hoje, 70 funcionários do consórcio formado pelas empresas Conpasul; Sogel; e Toniolo, Busnello deixaram de comparecer ao canteiro de obras e aguardam uma definição em casa. Apenas trabalhos mínimos estão sendo mantidos, como acompanhar a cura do concreto que está sendo aplicado na obra.

A reclamação é que há várias pendências financeiras que estão se arrastando há dois anos. O secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt prefere não se manifestar neste momento devido à negociação que está sendo tratada com as empresas. Uma nota foi divulgada pela secretaria no começo da tarde:

A prefeitura está realizando todos os esforços para garantir o prosseguimento de obras na Trincheira da Ceará. O executivo está com dificuldades com as contrapartidas do município devido à crise financeira  que atinge União, estados e municípios. A prioridade do executivo municipal neste final de ano passou a ser o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores. A prefeitura está em permanente avaliação para ajustar seu orçamento frente a ocorrências como queda na arrecadação, diminuição de repasses por parte dos governos estadual e federal, e a frustração na expectativa de aporte de recursos com a antecipação do IPTU. Ressaltamos que os recursos para a construção estão garantidos através de financiamento com a CEF e que o executivo municipal está em negociação com a empreiteira para quitar a dívida por parte da prefeitura e retomar imediatamente as obras na Ceará. A obra está com mais de 90% de conclusão, e se encontra na fase de acabamentos.

A obra já está 90% concluída e havia uma expectativa de que a conclusão dos trabalhos poderia ocorrer em dezembro. Falta realizar o acabamento no pavimento em concreto e nas paredes da nova estrutura. Também está sendo finalizada a casa de bomba, que será usada para evitar que a água da chuva se acumule no trecho de pista rebaixado.

A obra deveria ter sido concluída em agosto de 2014. Os desvio no trânsito da região ocorrem desde fevereiro de 2013. Durante os primeiros meses de obra, o solo se mostrou instável. Havia risco de afetar as fundações dos prédios vizinhos. Com isso, foi identificado que, para realizar o serviço, as construtoras teriam que escavar mais de oito metros de profundidade.

Em outubro de 2014, a prefeitura chegou a anunciar que lançaria uma nova licitação, após as empresas responsáveis terem manifestado a desistência da obra. Um mês depois, as empresas responsáveis pela obra anunciaram que mudaram de ideia, decidiram aceitar o reajuste proposto pela prefeitura e retomaram os trabalhos que ficaram sete meses parados.

Saiba mais:

- Obras da trincheira da Ceará se aproximam do fim e parte do desvio será desativado em até três semanas

Obra da trincheira da Ceará terá alteração no trânsito

Construtoras mudam de ideia e obras na avenida Ceará serão retomadas em janeiro

Obra da trincheira da Avenida Ceará terá que ser licitada novamente

Risco de deslizamento de solo modifica projeto da passagem da Avenida Ceará

Construtoras desistem e obra de passagem subterrânea da Ceará vai atrasar 90 dias

Parte da obra da trincheira da Cristóvão Colombo só será concluída em 2017

28 de novembro de 2016 2
Obra deveria ter ficado pronta em março de 2014 - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Obra deveria ter ficado pronta em março de 2014 – Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

O arrefecimento no ritmo das obras na trincheira da Avenida Cristóvão Colombo volta a alterar a previsão de término dos trabalhos. Por causa da diminuição do número de operários na região, já não há como finalizar toda a construção até o fim do ano.

Por enquanto, a prefeitura informa que a passagem por baixo da Terceira Perimetral será entregue ainda em dezembro. Porém, as alças de acesso do sentido bairro-centro, o muro de contenção da obra e as calçadas só ficarão prontas no começo do ano que vem. Para que o tráfego seja liberado na trincheira, ainda é necessário concluir 5% do pavimento da pista em concreto em direção ao bairro.

A obra acontecia em ritmo acelerado. Tanto que havia expectativa de que ela seria inaugurada antes das trincheiras da Anita Garibaldi e Ceará. Em agosto, o prefeito José Fortunati vistoriou a obra e previa o término dos serviço para final de outubro. Mas, segundo a prefeitura, o consórcio responsável pelos trabalhos da Cristóvão Colombo apresentou dificuldades financeiras. Ele é formado pelas empresas EPT, Serenge e Serki.

O contrato foi assinado em agosto de 2012. A ordem de início das obras foi dada em março de 2013. A previsão era realizar o serviço num prazo de um ano. Só que os desvios no trânsito começaram apenas em julho. E as obras só tiveram início em julho de 2014.

Saiba mais:

- Prefeitura adia fim da obra da Avenida Cristóvão Colombo

Fim das obras da trincheira da Cristóvão Colombo é adiado para setembro

Obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo devem parar em dezembro

Prorrogado contrato das obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo

Trânsito será desviado a partir do final de semana para obras da passagem de nível da avenida Cristóvão Colombo

Obras da trincheira da Ceará se aproximam do fim e parte do desvio será desativado em até três semanas

28 de novembro de 2016 13
Obra deve ser concluída com atraso de quase dois anos e meio - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Obra deve ser concluída com atraso de quase dois anos e meio – Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Se o tempo colaborar, o tráfego no sentido centro-bairro da Avenida Farrapos, no entorno da trincheira da Ceará, será liberado em breve. A expectativa da prefeitura de Porto Alegre é que a pavimentação e sinalização da avenida Farrapos seja concluída em até três semanas. Quando isso ocorrer, o desvio hoje existente, que obriga quem deixa Porto Alegre a acessar a Terceira Perimetral pela rua 25 de fevereiro, será desativado.

A obra da trincheira da Ceará está quase concluída. Falta realizar o acabamento no pavimento em concreto e nas paredes da nova estrutura. Também está sendo finalizada a casa de bomba, que será usada para evitar que a água da chuva se acumule no trecho de pista rebaixado. A previsão da prefeitura é que a obra seja concluída até o fim do ano, um atraso de quase dois anos e meio do prazo original, que era agosto de 2014.

Os desvio no trânsito da região ocorrem desde fevereiro de 2013. Durante os primeiros meses de obra, o solo se mostrou instável. Havia risco de afetar as fundações dos prédios vizinhos. Com isso, foi identificado que, para realizar o serviço, as construtoras teriam que escavar mais de oito metros de profundidade.

Em outubro de 2014, a prefeitura chegou a anunciar que lançaria uma nova licitação, após as empresas responsáveis terem manifestado a desistência da obra. Um mês depois, o consórcio, composto pelas empresas Conpasul; Sogel; e Toniolo, Busnello anunciou que mudou de ideia, decidiu aceitar o reajuste proposto pela prefeitura e retomar os trabalhos que ficaram sete meses parados.

Saiba mais:

- Obra da trincheira da Ceará terá alteração no trânsito

Construtoras mudam de ideia e obras na avenida Ceará serão retomadas em janeiro

Obra da trincheira da Avenida Ceará terá que ser licitada novamente

Risco de deslizamento de solo modifica projeto da passagem da Avenida Ceará

Construtoras desistem e obra de passagem subterrânea da Ceará vai atrasar 90 dias

Rodovias federais voltam a correr risco de perder controladores de velocidade

25 de novembro de 2016 0
Se não houver prorrogação, um dos pardais que será desligado é o da BR-448 – Jocimar Farina / Gaúcha (Arquivo)

Se não houver prorrogação, um dos pardais que será desligado é o da BR-448 – Jocimar Farina / Gaúcha (Arquivo)

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) tem 26 dias para achar uma solução para o fim do contrato dos controladores de velocidade instalados nas rodovias federais do Brasil. Se não conseguir encontrar uma alternativa, todos os equipamentos serão desligados antes mesmo do Natal.

No fim do ano passado, o mesmo problema já havia preocupado os responsáveis pela autarquia. O motivo é o fim do contrato firmado com a empresa Kopp Tecnologia, em 2010. Na ocasião, o Dnit prorrogou por mais um ano a locação dos controladores. A ideia era que, neste período, seria possível concluir uma nova licitação, que foi lançada em maio.

Porém, em junho, a concorrência pública foi suspensa. De acordo com o Dnit, a decisão foi tomada porque houve muitos pedidos de impugnações às vésperas da abertura das propostas e não havia tempo hábil de analisá-las. Além disso, o Tribunal de Contas da União (TCU) solicitou estudo de todos os pontos com radares fixos.

Como não há mais viabilidade para se prorrogar o atual contrato, a alternativa encontrada será criar um novo vínculo com a Kopp, em caráter emergencial, por um período de mais seis meses. Com esse tempo extra, a autarquia espera poder concluir o processo licitatório em andamento.

O custo da despesa para todas as rodovias federais do Brasil está estimado em R$ 2,98 bilhões (R$ 2.985.292.415,20) por um período de cinco anos. Para o Rio Grande do Sul, a previsão é ter 532 faixas de trânsito monitoradas ao custo de R$ 228 milhões (R$ 228.079.905,80).

Os controladores começaram a ser instalados no estado gaúcho em abril de 2011. As primeiras infrações só foram registradas pouco mais de um ano depois.

Saiba mais:

Suspensa licitação que manterá pardais e lombadas eletrônicas em rodovias federais do RS

Lançada licitação para dar continuidade aos pardais das rodovias federais

Pardais e lombadas eletrônicas das rodovias federais gaúchas devem ser desligados antes do Natal

Sete dos dez pardais que mais multam nas rodovias federais do RS estão na BR-101

Rodovias federais gaúchas têm 68% dos controladores de velocidade previstos em funcionamento