Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Duplicação da BR-101 catarinense é concluída e pista é liberada

30 de setembro de 2016 12
Foto: DNIT/SC / Divulgação

Foto: DNIT/SC / Divulgação

Enfim, a BR-101 já conta com pista duplicada entre Osório (RS) e Palhoça (SC). O trecho em obras, na região de Tubarão, foi liberado nesta sexta-feira (30). Mas, como ainda não foi concluída a sinalização no asfalto, os veículos ainda se deslocam em meia-pista. Se o tempo colaborar, o trabalho será concluído até o fim de semana.

Apesar da liberação, a região de Tubarão e Capivari de Baixo seguirá em obras até 2017, pois ainda é necessário concluir algumas obras nas vias laterais.

O cronograma inicial previa a entrega do Túnel do Morro do Formigão e da Ponte Cavalcanti em setembro de 2015. A duplicação da BR-101, entre Osório-RS e Palhoça-SC, começou em janeiro de 2005. Os 88,5 quilômetros do trecho gaúcho foram entregues em fevereiro de 2011.

O único trecho que ainda não foi duplicado é o da região do Morro dos Cavalos, em Palhoça. Serão construídos dois túneis no local. A obra ainda não foi licitada. Para amenizar os problemas, foi construída uma nova faixa em ambos sentidos da rodovia, o que permitiu que a pista esteja duplicada, mas sem acostamentos.

Saiba mais:

Término da duplicação da BR-101 catarinense volta a sofrer novo adiamento

Prorrogada liberação da duplicação da BR-101 catarinense

11 anos depois: Obras de duplicação da BR-101 catarinense serão concluídas em menos de um mês

Conclusão de obras no trecho catarinense da BR-101 é adiada mais uma vez

Novo túnel da BR-101 catarinense será inaugurado em meia-pista

Duplicação da BR-101: Ponte de Laguna não será concluída até o fim do ano

BR-101 catarinense terá mais 8 quilômetros de pista duplicada concluída

Começa penúltima obra de duplicação da BR-101 catarinense

Nova tentativa para substituir paradas de ônibus em Porto Alegre não tem interessados

28 de setembro de 2016 2
Paradas de ônibus de Porto Alegre não seguem um padrão definido – Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS (Arquivo)

Paradas de ônibus de Porto Alegre não seguem um padrão definido – Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS (Arquivo)

A licitação que pretende substituir e instalar 3 mil paradas de ônibus em Porto Alegre, com possibilidade de exploração publicitária no local, e também instalação de 40 mil placas de rua, sem propaganda, não apresentou interessados novamente. As propostas seriam recebidas no último dia 23, mas nenhuma empresa ofertou proposta.

A prefeitura pretendia arrecadar R$ 50 milhões com a licitação. O contrato teria prazo de 20 anos.

Essa foi a segunda vez que a concorrência foi realizada. Na primeira vez, o edital previa também a instalação dos novos relógios de rua da capital. Da mesma forma, não houve interessados.

Já a licitação para escolha dos novos administradores dos relógios de rua está suspensa atendendo uma medida cautelar do Tribunal de Contas do Estado. O Ministério Público de Contas havia pedido a interrupção da licitação depois que a prefeitura alterou parte do edital da concorrência.

Saiba mais:

- MP de Contas pede suspensão da licitação dos relógios e placas de rua em Porto Alegre

- Reaberta licitação para substituição de paradas de ônibus em Porto Alegre

Suspensa licitação para instalação de paradas de ônibus em Porto Alegre

Prefeitura suspende concorrência para instalação de relógios e placas de rua em Porto Alegre

Lançada licitação para instalação de paradas de ônibus em Porto Alegre

Lava-Jato investiga pagamento de propina em contratos de R$ 22 milhões na Terceira Perimetral

26 de setembro de 2016 16

Obra investigada foi realizada entre 2000 e 2003 – Foto: Bruno Alencastro / Agência RBS

A operação Lava-Jato está investigando dois contratos em que a Odebrecht participou na construção da Terceira Perimetral de Porto Alegre, entre os anos de 2000 e 2003. De acordo com o delegado da Polícia Federal Filipe Pace houve pagamento de propina. Como o inquérito está em segredo de justiça, não houve detalhamento das informações.

A Odebrecht participou da obra em dois trechos, de quase 4,5 quilômetros, da avenida Ipiranga até a avenida Teresópolis. Os trabalhos foram realizadas entre 28 de dezembro de 2000 e 02 de março de  2003. Na época, a prefeitura era governada pelo Partido dos Trabalhadores. O valor dos contratos é de R$ 22,26 milhões (RS 22.273.767,52). Na ocasião, a Odebrecht participou com sua subsidiária CBPO.

A força tarefa da Lava Jato afirma que a construtora pagou R$ 128 milhões em propina ao PT em seis anos. A investigação, porém, se refere ao período de 2008 a 2013. Segundo a procuradora da República, Laura Gonçalves Tessler, o ex-ministro Antonio Palocci era o principal intermediador desse pagamento. Os investigadores apuraram que a empreiteira criou um caixa especialmente para o pagamento de recursos ilícitos ao PT, em troca de vantagens.

Governo Federal libera R$ 84 milhões para a segunda ponte do Guaíba

26 de setembro de 2016 6
Foto: Omar Freitas/Agencia RBS (Arquivo)

Foto: Omar Freitas/Agencia RBS (Arquivo)

Foi publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira (26) a liberação de R$ 84 milhões para as obras da segunda ponte do Guaíba. Para que o dinheiro seja de fato liberado é necessário que o repasse apareça no sistema de empenhos do Ministério do Planejamento. Desta forma, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) fica autorizado a encaminhar esse valor para as construtoras.

Nesta portaria, o Ministério do Planejamento informa de onde está retirando o dinheiro:

- Construção da Ferrovia de Integração Oeste-Leste – Ilhéus/BA – Caetité/BA -EF-334 – No Estado da Bahia = R$ 24 milhões

- Adequação de Trecho Rodoviário – Divisa RN/PB – Divisa PB/PE – na BR-101/PB – No Estado da Paraíba = R$ 10 milhões

- Dragagem de Manutenção e Serviços de Sinalização e Balizamento em Portos- Na Região Sul = R$ 50 milhões

O presidente Michel Temer havia anunciado em julho a liberação de R$ 100 milhões para a obra da nova Ponte do Guaíba. A construção da nova ponte do Guaíba começou em outubro de 2014 e tem um custo total de cerca de R$ 650 milhões – cerca de 35% já foram executados. O prazo inicial para a inauguração era outubro de 2017, mas o cronograma não será cumprido em função dos atrasos e também na demora de remoção das famílias que moram no entorno.

Saiba mais:

- Governo libera recursos, e obras da nova Ponte do Guaíba não vão parar

- Governo deve anunciar hoje R$ 70 milhões para obra da nova ponte do Guaíba

Obras da nova ponte do Guaíba serão mantidas em junho

Duplicação da BR-116 vai ganhar mais R$ 10 milhões para obra não parar em 2016

Dnit precisará realocar verba de outra obra para impedir paralisação da duplicação da BR-116

União espera remanejar orçamento para garantir duplicação da BR-116

Falta de dinheiro vai parar duplicação da BR-116, entre Guaíba e Pelotas, em julho

Obras da nova ponte do Guaíba são paralisadas

Começam as obras da nova ponte do Guaíba

Começam as obras de duplicação da BR-116, entre Guaíba e Pelotas

Passagem de nível da Anita Garibaldi será liberada na segunda-feira

23 de setembro de 2016 18

Obras começaram em 2013 (Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre)

A passagem da rua Anita Garibaldi sob a Terceira Perimetral será liberada na segunda-feira (26). Duas alças de acesso, no sentindo centro-bairro, também serão liberadas. Já as outras duas alças do bairro – centro vão permanecer em obras. O acesso da Anita em direção ao norte deve ser concluído na primeira quinzena de novembro. O acesso em direção ao sul ficará pronto no fim de novembro, quando está previsto o término dos trabalhos na região. com a entrega da obra na segunda-feira, os ônibus voltam a circular em todo o corredor da Terceira Perimetral.

A ordem de início das obras foi dada em junho de 2012, mas os desvios no trânsito da região iniciaram-se apenas em janeiro de 2013. Dois meses depois, as construtoras identificaram uma rocha subterrânea no local. A obra, que chegou a ficar parada por três meses depois que a Sultepa desistiu de realizar o serviço. A construtora Cidade foi quem assumiu os trabalhos.

Trens acoplados da Trensurb só voltarão a circular no fim do ano

22 de setembro de 2016 8
Trens acoplados não são ofertados desde abril - Foto: Lucas Quadros / Trensurb (Arquivo)

Trens acoplados só devem voltar em dezembro - Foto: Lucas Quadros / Trensurb (Arquivo)

Os trens acoplados da Trensurb estão sem circular entre as estações desde abril. E vão ficar fora do sistema de transporte por mais tempo. Pela previsão atual, esse oferta de só voltará a ocorrer em dezembro.

O motivo é o reparo que todos os 15 novos veículos adquiridos pela Trensurb estão tendo que passar. Quatro deles já sofreram revisão e foram liberados para serem usados no transporte dos passageiros.

O consórcio responsável pela construção dos novos trens está substituindo peças após a identificação de um problema de infiltração de água nos rolamentos dos rodeiros dos veículos. Cada substituição dura aproximadamente 20 dias. A previsão é que, até dezembro, oito trens estejam liberados. Os 15 novos trens só estarão disponíveis, na sua totalidade, em maio de 2017.

Para fazer o procedimento de dobrar a quantidade de passageiros por viagens, a Trensurb precisa de 30 trens. A empresa tem 24 veículos antigos. Mas, como eles não estão passando por manutenções periódicas, a Trensurb irá, primeiro, fazer os reparos necessários nos trens mais velhos para, só depois, iniciar as acoplagens.

Saiba mais:

- Trensurb identifica alteração no projeto e novo trem é retirado de circulação pela segunda vez

Primeiro dos novos trens volta a transportar passageiros a partir das 13h

Conserto dos novos trens da Trensurb começa nesta segunda-feira

Trensurb multa construtores dos novos trens em R$ 2,4 milhões por defeito de fabricação

MPF investiga paralisação de novos trens da Trensurb

Defeito tira de circulação os novos trens da Trensurb

Trensurb espera falhas nos novos trens até fim do primeiro semestre de 2016

Novos trens da Trensurb serão construídos em São Paulo

Trensurb publica licitação para compra de 15 novos trens

Cancelada licitação para criação de nova linha hidroviária em Porto Alegre

21 de setembro de 2016 0
Única proposta por trajeto entre o Centro Histórico e a ilha da Pintada apresentou falhas – Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS (Arquivo)

Única proposta por trajeto entre o Centro Histórico e a ilha da Pintada apresentou falhas – Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS (Arquivo)

A Central de Licitações da Secretaria da Fazenda de Porto Alegre cancelou a licitação para criação de nova linha hidroviária entre a Ilha da Pintada e o Centro Histórico (terminal Cais Mauá). A única proposta recebida, da empresa Almeida e Becker foi considerada fracassada. Havia nove itens estipulados no edital que não foram atendidos.

Agora, um novo edital deverá ser publicado estipulando novos prazos. Pela proposta anterior, o trajeto hidroviário teria tempo de viagem de oito a dez minutos e a tarifa deveria ser em torno de R$ 4,10. A concessão seria de dez anos e poderia ser prorrogada para mais dez. A ideia é que a linha seja interligada com as já existentes, que fazem o trajeto Guaíba-Centro e Centro-zona sul.

Saiba mais:

- Única proposta de nova linha hidroviária em Porto Alegre é desclassificada

Nova linha hidroviária de POA tem apenas uma empresa interessada

Lançada licitação para levar catamarã até a Ilha da Pintada

Catamarã até a Ilha da Pintada deve funcionar até o fim do ano

Decreto autoriza licitação para levar catamarã até a Ilha da Pintada

Marinha aprova projeto do Catamarã da Zona Sul de Porto Alegre

Falha em estudo atrasa início das operações do Catamarã da Zona Sul

Prometido para a Copa do Mundo, Catamarã do Beira-Rio não sairá do papel a tempo

 

Viaduto da RSC-287 deve ser entregue com um ano de atraso

21 de setembro de 2016 0
Obras do viaduto de Santa Cruz do Sul deveriam ter sido entregues em 2015 - Foto: Divulgação / EGR (Arquivo)

Obras do viaduto de Santa Cruz do Sul deveriam ter sido entregues em 2015 – Foto: Divulgação / EGR (Arquivo)

As obras do viaduto da RSC-287, que estão sendo executadas no trevo de acesso a Santa Cruz do Sul, devem ser concluídas até novembro, com um ano de atraso. A garantia é do diretor-presidente da Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), Nelson Lídio Nunes.

Segundo ele, os atrasos se devem a uma série de razões. Desde a confecção equivocada do projeto, feita pelo governo anterior, até a novas adequações que precisaram ser feitas.

- Vamos terminar a obra em até 60 dias. Senão pronta, ela estará na fase final de acabamento – garante Nunes.

A construção das 16 vigas já foi concluída. Elas deverão compor o viaduto até o fim do mês. A entrega da obra, que deveria ter ocorrido no fim de 2015, havia sido adiada para março de 2016. O contrato foi assinado em dezembro de 2014.

As obras estão sendo executadas pelo consórcio EBRAX-ICCILA. A elevada possui extensão de 60 metros. Terá duas faixas para cada lado de pista. O contrato assinado também previa a duplicação de duplicar 4,3 quilômetros da rodovia, entre os quilômetros 97,7 e 102. Porém, Nunes informa que essa parte da obra segue sem prazo previsto para execução. Um acordo feito com o Ministério Público, conduzido pelo judiciário, determinou que a EGR precisa manter a rodovia em bom estado de conservação.

Saiba mais:

- Conclusão das obras do viaduto da RSC-287 volta a ser adiada

Chuva adia conclusão das obras do viaduto da RSC-287 em Santa Cruz do Sul

Assinado contrato para duplicação de trecho da RSC-287 em Santa Cruz do Sul

Inspeção começa a apurar se negligência gerou desmoronamento na RS-115

Lombadas eletrônicas de Porto Alegre estão sendo substituídas

16 de setembro de 2016 5
As antigas lombadas eletrônicas estão sendo trocadas por modelos mais novos - Foto: Marcela Barbosa / Divulgação PMPA (Arquivo)

As antigas lombadas eletrônicas estão sendo trocadas por modelos mais novos – Foto: Marcela Barbosa / Divulgação PMPA (Arquivo)

As 37 lombadas eletrônicas de Porto Alegre estão sendo substituídas. A mudança faz parte do novo contrato, que foi assinado no dia 08. A Kopp Tecnologia foi a vencedora. Aliás, a empresa já era a executora do contrato anterior.

Ela tem prazo de 60 dias para fazer a troca. Os novos equipamentos vão poder fazer contagem em tempo real dos veículos, além de terem câmeras instaladas, o que permitirá que a EPTC amplie a quantidade de pontos monitorados. De acordo com o diretor-presidente da companhia, Vanderlei Cappellari, essa qualificação das lombadas eletrônicas é fundamental para fazer planejamento de ações pela cidade.

A orientação dada pela EPTC à empresa é que a substituição e religamento ocorra num curto espaço de tempo. Os equipamentos ainda precisarão receber aferição por parte do Inmetro antes de voltar a registrar infrações.

A validade do contrato é de um ano podendo ser renovado por outros quatro. A prefeitura está locando os equipamentos ao custo anual de R$ 2,26 milhões (R$ 2.266.798,08).

Saiba mais:

Pardais de Porto Alegre estão sendo substituídos

Definida nova empresa que irá administrar pardais em Porto Alegre

Faltam R$ 2 milhões para o término das obras do Mercado Público de Porto Alegre

14 de setembro de 2016 7
Prefeitura não tem recursos para a restauração - Foto: Lauro Alves/ Agencia RBS (Arquivo)

Prefeitura não tem recursos para a restauração – Foto: Lauro Alves/ Agencia RBS (Arquivo)

O incêndio do Mercado Público de Porto Alegre completou três anos no dia 6 de julho sem que as obras fossem concluídas. E deverá completar o quarto ano na mesma situação. A prefeitura ainda precisa de ao menos R$ 2 milhões para finalizar a restauração. Com o dinheiro serão construídas duas novas escadas de acesso, uma metálica e outra rolante. Também será necessário instalar um elevador e um reservatório d’água para atender o prédio em caso de novo incêndio. Este último deve construído no subterrâneo.

O objetivo é conseguir recursos por meio de contra-partida de empresas já que a prefeitura não tem verba para usar na obra. O coordenador do Mercado Público, Carlos Vicente Gonçalves, reconhece o atraso na realização dos trabalhos, mas destaca que o trabalho precisa ser minucioso.

- A obra vai seguir até meados de 2017. O restauro exige equipamento, materiais e mão de obra especializados.

A verba de R$ 9,6 milhões do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) já foi usada na recuperação da parte elétrica e hidráulica, na instalação de um reservatório externo e de redes de hidrantes. Também foram feitas a construção da laje do segundo piso, a colocação de estruturas metálicas e novas telhas, além da reforma do telhado.

Atualmente, estão sendo usados R$ 4 milhões, recurso proveniente do seguro patrimonial que o Mercado Público tem. Com esta verba está sendo concluída a restauração da cobertura do prédio histórico. A expectativa é que ainda seja necessário mais dois meses para finalizar essa etapa.

A prefeitura ainda tenta captar mais R$ 10 milhões do Iphan. Se vier, o dinheiro será usado em melhorias no prédio como, por exemplo, a qualificação do sistema de videomonitoramento.

Saiba mais:

Primeira parte da reforma do Mercado Público só deve ser concluída no segundo semestre

Governo Federal libera mais R$ 2,7 milhões para as obras de restauração do Mercado Público

Obras no Mercado Público congestionam trânsito em Porto Alegre

Começam as obras de restauração do Mercado Público

Publicada autorização para recuperação do Mercado Público de Porto Alegre

Incêndio atinge Mercado Público de Porto Alegre