Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "obras"

Conclusão de parte da duplicação da RS-118 irá custar quase R$ 50 milhões

12 de janeiro de 2017 5
Omar Freitas / Agencia RBS (Arquivo)

Omar Freitas / Agencia RBS (Arquivo)

O Governo do Estado estima que irá gastar quase R$ 50 milhões para poder concluir a duplicação de 11 dos 22 quilômetros da RS-118. O edital de licitação foi publicado nessa quarta-feira (11).

As propostas serão conhecidas no dia 14 de fevereiro. O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) pretende investir até R$ 48,2 milhões (R$ 48.291.584,04).

As obras em Gravataí, entre os quilômetros 11 e 21, deverão ocorrer num prazo de um ano. Caberá à empresa vencedora executar a restauração da pista existente, a construção de mais ruas laterais e concluir a construção da pista nova.

A construtora Triunfo era a responsável pela obra. Porém, a empresa desistiu de concluir os trabalhos e teve o contrato rescindido de forma amigável com o Daer.

Outra parte da duplicação que terá nova licitação é a do trecho da construtora Conterra, do quilômetro 0 ao quilômetro 5, em Sapucaia do Sul. A empresa também informou que não terá condições de concluir os trabalhos.

A única das três construtoras contratada para realizar a duplicação da rodovia que permanece é a Sultepa. Ela é responsável pelos serviços executados entre os quilômetros 5 e 11.

Saiba mais:

Construído em local errado, posto do Comando Rodoviário será fechado até domingo na RS-118

Pista nova da duplicação da RS-118 já tem 700 rachaduras e buracos

Duplicação da RS-118 perde R$ 6 milhões por causa da indefinição da obra

Prefeitos sugerem pedágio de até R$ 6,80 para terminar duplicação da RS-118

Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

 

Por que as obras na China são feitas de uma forma mais rápida do que as nossas?

07 de janeiro de 2017 3
Foto: STR / AFP / AFP

Foto: STR / AFP / AFP

Você já deve ter se perguntado: por que as obras na China são realizadas em tão pouco tempo? Por que os chineses conseguem construir pontes, viadutos, túneis, linhas de trem e rodovias com valores mais baixos do que os praticados no Brasil?

O advogado e CEO da China Invest, Thomaz Machado, atua no país asiático desde 1999. Ele ressalta o planejamento exemplar dos chineses. Cita, por exemplo, que na China eles não entendem como uma obra aprovada pode parar depois que foi aprovada.

- Se preparam. Se vira prioridade, acontece. Eles têm consciência dos benefícios se conseguirem executar num tempo menor tudo diminui. Há um comprometimento de quem executa a obra e os desvios são coibidos rigorosamente – diz Machado.

Para construir um prédio, por exemplo. O projeto da obra já dá o prazo, valor a ser investido e o tempo a ser concluído. O governo vende o terreno e tudo já está aprovado. se não for construído no prazo estimado, o prédio é retomado pelo governo. Quando existe uma área para ser desapropriada, o proprietário só pode discurtir o preço. Além disso, Thomaz Machado lembro que o que torna uma obra cara é o tempo de execução. Quanto mais se demora mais se paga.

Em setembro de 2016, o governo chinês concluiu as obras da ponte mais alta do mundo. Os trabalhos ocorreram durante três anos. No mês anterior, outros dois recordes.

O primeiro: Foi inaugurada a ponte de vidro mais alta e mais comprida do mundo, com 430 metros de comprimento e a 300 metros de altura sobre um desfiladeiro na província de Hunan. O segundo: o país quebrou um recorde de velocidade, ao utilizar 116 escavadoras, para demolir, em apenas uma noite, um gigantesco viaduto em Nanchang, no leste do país.

Já em 2011, o governo inaugurou a ponte da baía de Jiaodhou. Construída em quatro anos sobre o mar, a travessia tem 42 quilômetros de extensão e custou o equivalente a R$ 2,4 bilhões.

O diretor do Tecnopuc e pró-Reitor de Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento da PUC-RS, Jorge Audy, viveu três meses em Pequim, frequentando o Tuspark, importante Parque Tecnológico localizado em Pequim, na China, que, em 15 anos, conseguiu expandir, a ponto de ter hoje 60 mil pessoas trabalhando em centenas de empresas no local. Lá, o tempo para liberação de licenças para liberação de espaços públicos varia de dois a quatro meses, um prazo dez vez menor que no Brasil.

- Tempo que eu levo para liberar um projeto aqui no Tecnopuc, as últimas obras que eu tive aqui, depois que estou com dinheiro em caixa, dinheiro captado para construir, meu tempo médio é de 3 a 4 anos para conseguir licença para começar a construir. É a burocracia. Tempo para cumprir as etapas previstas nas instâncias públicas municipais neste processo – diz Audy.

Porém, nem de boas notícias vive o país comunista. A China gastou mais de US$ 10,8 trilhões em infraestrutura somente na última década, de acordo com cálculos feitos pela Bloomberg a partir dos dados oficiais sobre investimento em categorias como transporte, armazenamento, fornecimento de energia e conservação da água. A pesquisa da Saïd Business School, da Universidade de Oxford, concluiu que 75% dos projetos de transporte na China estouraram o orçamento.

Além disso, o modelo político/econômico do País desobriga o governo de cumprir etapas obrigatórias no Brasil, como destaca o economista, diplomata e cientista social Marcos Troyjo, que dirige o BRICLab da Universidade Columbia, que é um centro de estudos sobre Brasil, Rússia, Índia e China.

- Na China não existe agência reguladora, não existe liberdade de expresão, não existe pesos e contra-pesos. Se querem construir viaduto e precisam fazer deslocamento de população que vivem na área eles o farão. A ideia de sociedade civil praticamente não existe na China. Funciona para o mal mas também para o bem. E uma parte do bem é essa velocidade com que os chineses conseguem expandir sua infraestrutura – diz Marcos Troyjo.

O economista conta uma história vivenciada por ele durante um evento que recebeu investidores chineses no Rio de Janeiro. De um hotel com vista para a praia de Ipanema e Leblon, a paisagem constrastava com o Morro dos Irmãos que é para onde se extende a favela do Vidigal.

- Lembro que um chinês que vinha pela primeira vez ao Brasil apontando para aquela região da favela e me dizendo o seguinte: “Puxa. Por que vocês não tiram essas habitações e constroem um condopmínio de alto luxo, inclusive um hotel 5 estrelas, que geraria uma grande atividade econômica para a região?” Na cabeça dele isso é possível porque não tem que lidar com opinião pública, agência reguladora, associação de moradores, imprensa. É essencialmente uma decisão econômica – avalia Troyjo.

O grande número de investimentos em infraestrutura também agravou o crescente endividamento da China, já que os estouros do orçamento equivalem a cerca de um terço da montanha de dívida do país, de US$ 28,2 trilhões, de acordo com o artigo. Sem contar os problemas relacionados à poluição que o país enfrenta, principalmente em Pequim.

Alargamento de viaduto na Freeway será concluído até o fim da semana

07 de dezembro de 2016 0
Foto: Divulgação / Concepa

Foto: Divulgação / Concepa

O alargamento de viaduto na Freeway, no acesso à avenida Assis Brasil, será finalizado no fim de semana. As obras ocorrem no quilômetro 86 da rodovia, em Porto Alegre. De acordo com a Concepa, ainda é necessário concluir o revestimento asfáltico e realizar os ajustes de sinalização.

A obra começou em abril. Ao final da ampliação de pista, o trecho terá quatro faixas de tráfego e uma (mais à direita) para acesso a Porto Alegre e Cachoeirinha. Atualmente, há essa faixa de acesso e outras três para tráfego.

O alargamento não foi realizado quando houve a construção da quarta faixa porque o projeto ainda estava sendo realizado e precisava ser aprovado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A obra custou R$ 2,5 milhões e já foi considerada no último reajuste do pedágio, em outubro.

Saiba mais:

- Alargamento de viaduto na Freeway será concluído até o fim do mês

Freeway terá alargamento de pista no acesso à avenida Assis Brasil

Tarifas dos pedágios da Freeway e da BR-290 sobem a partir de quarta-feira

Término do prolongamento da avenida Severo Dullius é adiado para o ano que vem

06 de dezembro de 2016 2
Foto: Helena Rocha / PMPA (Arquivo)

Foto: Helena Rocha / PMPA (Arquivo)

As obras do prolongamento do segundo trecho da avenida Severo Dullius não serão mais concluídas em dezembro. A nova previsão da prefeitura indica que os trabalhos devem prosseguir até fevereiro de 2017.

A pavimentação de praticamente todo o traçado já foi concluída. Falta realizar apenas a instalação das sinalizações horizontal e vertical. Mas a parte mais delicada atualmente é a construção de dois pontilhões, nos dois acessos do novo trecho. Os pontilhões sobre o Arroios Dique e Passo da Mangueira tem cada um aproximadamente 60m. A atual etapa destas obras é a construção das fundações e concretagem de ambas as estruturas.

A ordem de início do segundo trecho das obras da Severo Dullius foi dada em setembro de 2015. Segundo a prefeitura, um período intenso de chuvas só permitiu que os trabalhos evoluíssem a partir de novembro do ano passado.

A construção do trecho entre a avenida Dique e a rua Sérgio Dieterich demorou para iniciar pois foi necessário, primeiro, desviar a avenida de um antigo aterro sanitário. Já a primeira etapa do prolongamento da avenida foi executada com recursos de uma contra-partida de uma rede de supermercados. Com o término das obras, a prefeitura acredita que conseguirá formar um anel rodoviário que contornará o Aeroporto Salgado Filho, o que ajudaria a desobstruir um pouco o tráfego na região.

Saiba mais:

- Prolongamento da avenida Severo Dullius será concluído até o fim de 2016

Trincheira da Cristóvão Colombo recebe nome de político gaúcho

06 de dezembro de 2016 9
Obra deveria ter ficado pronta em março de 2014 - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Homenagem foi proposta por vereadores do PMDB e PP - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Os trabalhos na trincheira da Avenida Cristóvão Colombo ainda não acabaram mas a travessia sob a Terceira Perimetral já tem nome oficial. O local passa a se chamar Passagem de Nível Mendes Ribeiro Filho.

A lei, sancionada pelo prefeito José Fortunati, foi publicada no fim de novembro no Diário Oficial de Porto Alegre. A homenagem partiu dos vereadores Idenir Cecchim e Lourdes Sprenger, do PMDB; do suplente de vereador Dr. Raul Fraga, do mesmo partido; e João Carlos Nedel, do PP.

Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho, faleceu no ano passado. Ele foi ex-vereador da Capital, ex-deputado federal e ex-ministro da Agricultura. O pai de Mendes Ribeiro Filho, Jorge Alberto Beck Mendes Ribeiro, também dá nome a uma importante obra de Porto Alegre: o viaduto localizado no cruzamento da avenida Protásio Alves com a Terceira Perimetral.

As obras na trincheira da Avenida Cristóvão Colombo devem ser concluídas somente no começo do ano que vem. O contrato foi assinado em agosto de 2012. A ordem de início das obras foi dada em março de 2013. A previsão era realizar o serviço num prazo de um ano. Só que os desvios no trânsito começaram apenas em julho. E as obras só tiveram início em julho de 2014.

Saiba mais:

- Parte da obra da trincheira da Cristóvão Colombo só será concluída em 2017

Prefeitura adia fim da obra da Avenida Cristóvão Colombo

Fim das obras da trincheira da Cristóvão Colombo é adiado para setembro

Obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo devem parar em dezembro

Prorrogado contrato das obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo

Trânsito será desviado a partir do final de semana para obras da passagem de nível da avenida Cristóvão Colombo

Mais uma obra sem dinheiro: Construção da trincheira da Anita Garibaldi está parada

02 de dezembro de 2016 4
Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS (Arquivo)

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS (Arquivo)

Desde que houve a liberação do trânsito na trincheira da Anita Garibaldi, no dia 26 de setembro, as obras na região deixaram de ocorrer. O motivo é a falta de pagamento da prefeitura de Porto Alegre.

Apesar da inauguração ocorrida há quase 70 dias, ainda há a necessidade de conclusão dos trabalhos em duas alças de acesso da Anita Garibaldi com a Terceira Perimetral. Havia uma expectativa da prefeitura de que estes serviços pudessem ser finalizados até a segunda quinzena de dezembro. Porém, com a parada das obras, não há previsão de liberação total no trânsito, que inclui o desligamento da sinaleira da rua Furriel Luiz Antônio Vargas.

Este é o mesmo problema enfrentado na obra da trincheira da Avenida Ceará. Segundo nota divulgada pela prefeitura nessa quinta-feira, o executivo está com dificuldades com as contrapartidas do município devido à crise financeira que atinge União, estados e municípios. A prioridade neste final de ano passou a ser o pagamento do décimo terceiro salário dos servidores.

A ordem de início das obras foi dada em junho de 2012, mas os desvios no trânsito da região iniciaram-se apenas em janeiro de 2013. Dois meses depois, as construtoras identificaram uma rocha subterrânea no local. A obra, que chegou a ficar parada por três meses depois que a Sultepa desistiu de realizar o serviço. A construtora Cidade foi quem assumiu os trabalhos.

Saiba mais:

- Passagem de nível da Anita Garibaldi será liberada na segunda-feira

- Obras da passagem de nível da Anita Garibaldi estão paradas e contrato deve ser rescindido

- Obras da passagem de nível da Anita Garibaldi começam em janeiro

Parte da obra da trincheira da Cristóvão Colombo só será concluída em 2017

28 de novembro de 2016 2
Obra deveria ter ficado pronta em março de 2014 - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Obra deveria ter ficado pronta em março de 2014 – Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

O arrefecimento no ritmo das obras na trincheira da Avenida Cristóvão Colombo volta a alterar a previsão de término dos trabalhos. Por causa da diminuição do número de operários na região, já não há como finalizar toda a construção até o fim do ano.

Por enquanto, a prefeitura informa que a passagem por baixo da Terceira Perimetral será entregue ainda em dezembro. Porém, as alças de acesso do sentido bairro-centro, o muro de contenção da obra e as calçadas só ficarão prontas no começo do ano que vem. Para que o tráfego seja liberado na trincheira, ainda é necessário concluir 5% do pavimento da pista em concreto em direção ao bairro.

A obra acontecia em ritmo acelerado. Tanto que havia expectativa de que ela seria inaugurada antes das trincheiras da Anita Garibaldi e Ceará. Em agosto, o prefeito José Fortunati vistoriou a obra e previa o término dos serviço para final de outubro. Mas, segundo a prefeitura, o consórcio responsável pelos trabalhos da Cristóvão Colombo apresentou dificuldades financeiras. Ele é formado pelas empresas EPT, Serenge e Serki.

O contrato foi assinado em agosto de 2012. A ordem de início das obras foi dada em março de 2013. A previsão era realizar o serviço num prazo de um ano. Só que os desvios no trânsito começaram apenas em julho. E as obras só tiveram início em julho de 2014.

Saiba mais:

- Prefeitura adia fim da obra da Avenida Cristóvão Colombo

Fim das obras da trincheira da Cristóvão Colombo é adiado para setembro

Obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo devem parar em dezembro

Prorrogado contrato das obras da passagem de nível da Cristóvão Colombo

Trânsito será desviado a partir do final de semana para obras da passagem de nível da avenida Cristóvão Colombo

Obras da trincheira da Ceará se aproximam do fim e parte do desvio será desativado em até três semanas

28 de novembro de 2016 13
Obra deve ser concluída com atraso de quase dois anos e meio - Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Obra deve ser concluída com atraso de quase dois anos e meio – Foto: Divulgação / Prefeitura de Porto Alegre (Arquivo)

Se o tempo colaborar, o tráfego no sentido centro-bairro da Avenida Farrapos, no entorno da trincheira da Ceará, será liberado em breve. A expectativa da prefeitura de Porto Alegre é que a pavimentação e sinalização da avenida Farrapos seja concluída em até três semanas. Quando isso ocorrer, o desvio hoje existente, que obriga quem deixa Porto Alegre a acessar a Terceira Perimetral pela rua 25 de fevereiro, será desativado.

A obra da trincheira da Ceará está quase concluída. Falta realizar o acabamento no pavimento em concreto e nas paredes da nova estrutura. Também está sendo finalizada a casa de bomba, que será usada para evitar que a água da chuva se acumule no trecho de pista rebaixado. A previsão da prefeitura é que a obra seja concluída até o fim do ano, um atraso de quase dois anos e meio do prazo original, que era agosto de 2014.

Os desvio no trânsito da região ocorrem desde fevereiro de 2013. Durante os primeiros meses de obra, o solo se mostrou instável. Havia risco de afetar as fundações dos prédios vizinhos. Com isso, foi identificado que, para realizar o serviço, as construtoras teriam que escavar mais de oito metros de profundidade.

Em outubro de 2014, a prefeitura chegou a anunciar que lançaria uma nova licitação, após as empresas responsáveis terem manifestado a desistência da obra. Um mês depois, o consórcio, composto pelas empresas Conpasul; Sogel; e Toniolo, Busnello anunciou que mudou de ideia, decidiu aceitar o reajuste proposto pela prefeitura e retomar os trabalhos que ficaram sete meses parados.

Saiba mais:

- Obra da trincheira da Ceará terá alteração no trânsito

Construtoras mudam de ideia e obras na avenida Ceará serão retomadas em janeiro

Obra da trincheira da Avenida Ceará terá que ser licitada novamente

Risco de deslizamento de solo modifica projeto da passagem da Avenida Ceará

Construtoras desistem e obra de passagem subterrânea da Ceará vai atrasar 90 dias

Justiça volta a determinar reintegração de área que impede última obra da Copa em Porto Alegre

23 de novembro de 2016 6
Placa que indicava prazo de término da obra foi retirada – Foto: José Alberto Andrade / Gaúcha (Arquivo)

Placa que indicava prazo de término da obra foi retirada – Foto: José Alberto Andrade / Gaúcha (Arquivo)

A 3ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central voltou a determinar a reintegração de posse que impede o começo da construção de um viaduto e de uma passagem de nível na Terceira Perimetral com Avenida Plínio Brasil Milano, em Porto Alegre. A juíza Sílvia Muradás Fiori negou recurso da defesa que questionava que a prefeitura era a proprietária de todo o terreno onde hoje funciona a revenda de carros Meta Veículos.

- Expeça-se ofício aos autos do processo [....], comunicando a presente decisão, tendo em vista a medida liminar lá deferida, autorizando a manutenção do autor na posse de parte da área objeto da reintegração aqui determinada.

A Procuradoria Geral do Município (PGM) já foi notificada da decisão. Falta agora a prefeitura pagar as custas do processo. Isso irá ocorrer quando o documento for expedido.

Em fevereiro, a mesma juíza já havia determinado a reintegração de posse, mas o recurso da empresa adiou o cumprimento do mandado. Na ocasião, a prefeitura informou que aguardaria decisão sobre a reintegração de mais uma área que afeta diretamente as obras no local. A Justiça ainda não se manifestou sobre o outro processo referente a uma borracharia localizada na esquina da rua Dom Pedro II com Avenida Plínio Brasil Milano. Essa área é necessária para construir a alça que dará acesso de quem vem da Terceira Perimetral pelo norte e irá ingressar no futuro acesso da Avenida Plínio Brasil Milano em direção ao centro.

Agora, a prefeitura quer ter garantias de que não haverá novo recurso que poderá atrapalhar o começo dos trabalhos. Após receber as garantias da PGM, a Secretaria de Gestão irá se manifestar sobre a possibilidade de início da construção do viaduto e da passagem de nível.

Esta é a última obra prometida para a Copa do Mundo de 2014 que ainda não saiu do papel em Porto Alegre. Os trabalhos deveriam ter começado em maio de 2013. A primeira previsão de conclusão prevista era agosto de 2014. Após o prazo previsto de término, a data foi alterada nas placas para 27 de novembro de 2015. Um dia depois elas foram retiradas.

Saiba mais:

- Taxa é paga mas reintegração em área de obra da Plínio ainda não foi marcada

Prefeitura aguardará mais uma reintegração de posse para iniciar obra da Plínio

Retirada placa de obra que informava prazo de inauguração vencido em Porto Alegre

Prazo de conclusão de obra que nem começou encerra-se pela segunda vez em Porto Alegre

Prefeitura já sabe quando termina a obra da Plínio Brasil Milano, mas não sabe quando ela começa

Placa anuncia término de obra que ainda nem começou em Porto Alegre

Prefeitura obtém na Justiça reintegração de parte de área pública e obras da Plínio vão começar

Ação judicial impede começo das obras da passagem de nível da Avenida Plínio Brasil Milano

Lançada licitação para construir passagem de nível na Plínio Brasil Milano

Obras da segunda ponte do Guaíba recebem mais R$ 16 milhões

22 de novembro de 2016 1
Trabalhos praticamente pararam em junho - Foto: Omar Freitas/Agencia RBS (Arquivo)

Obras estão sendo retomadas- Foto: Omar Freitas/Agencia RBS (Arquivo)

Foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (22) a confirmação de mais um repasse do Governo Federal para a construção da nova ponte do Guaíba. Serão repassados mais R$ 16 milhões para a obra. Esse valor se soma aos R$ 88 milhões que foram anunciados em outubro. O Ministério do Planejamento já liberou R$ 22 milhões destes recursos.

Em julho, o presidente Michel Temer havia anunciado a liberação de R$ 100 milhões para a nova ponte do Guaíba. Porém, o recurso só foi viabilizado no mês passado depois que a União transferiu recursos de outras obras.

A construção da nova ponte do Guaíba começou em outubro de 2014 e tem um custo total de cerca de R$ 650 milhões – cerca de 35% já foram executados. O prazo inicial para a inauguração era outubro de 2017, mas o cronograma não será cumprido em função dos atrasos e também na demora de remoção das famílias que moram no entorno.

Saiba mais: