Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "RS-118"

Duplicação da RS-118 perde R$ 6 milhões por causa da indefinição da obra

03 de fevereiro de 2016 6
Obra está parada há um ano e três meses – Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal (Arquivo)

Obra está parada há um ano e três meses – Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal (Arquivo)

As indefinições sobre o futuro da duplicação da RS-118, entre Sapucaia do Sul e Gravataí fizeram com que a obra perdesse R$ 6,6 milhões. Os recursos provenientes da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) estavam liberados mas foram destinados para outras obras do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer). O valor é correspondente a 10% do que já foi investido durante 10 anos.

De acordo com a autarquia, o montante foi considerado insuficiente para que a obra tivesse andamento de forma ininterrupta até a sua conclusão, sem desperdício de recursos ou material conforme exigência do Governo. Dessa forma, a Secretaria dos Transportes e o Daer estão em busca de outra fonte de recursos para a retomada da duplicação da rodovia. O governo quer usar dinheiro arrecadado em pedágio para terminar a duplicação. Os mais de R$ 6 milhões estão sendo usados, principalmente, em conservação das rodovias, entre elas, a própria RS-118.

O governador José Ivo Sartori prometeu retomar a obra ainda em 2016. Ano passado, o secretário dos Transportes, Pedro Westphalen, e o diretor-geral do Daer, Ricardo Nuñez, também prometeram recomeçar a duplicação ainda em 2015.

Em razão do abandono da obra, famílias ergueram casebres em áreas que já tinham sido desocupadas. A nova ocupação está localizada nas proximidades do quilômetro dois, em meio aos escombros das que foram derrubadas, em Sapucaia do Sul.

A duplicação da RS-118 está parada há um ano e três meses. A obra começou no ano de 2006, pelo lote um, em Gravataí. Em 2011, os serviços no lote dois foram iniciados, no trecho entre Sapucaia do Sul e Gravataí. Já as obras do lote três, em Sapucaia do Sul, começaram em 2013. Já foram investidos R$ 65,9 milhões (R$ 65.907.157,40) na duplicação da rodovia, entre 2006 e 2014. Atualmente, os usuários trafegam em 11 dos 22 quilômetros duplicados. Porém, já há buracos na nova pista entregue.

Saiba mais:

- Prefeitos sugerem pedágio de até R$ 6,80 para terminar duplicação da RS-118

RS-118: Mais uma promessa descumprida

- Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

- Duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está há um ano em avaliação

- Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

Prefeitos sugerem pedágio de até R$ 6,80 para terminar duplicação da RS-118

15 de janeiro de 2016 9
No ano passado, famílias reassentadas da RS-118 protestaram contra o atraso em pagamento de aluguel social - Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS (Arquivo)

No ano passado, famílias reassentadas da RS-118 protestaram contra o atraso em pagamento de aluguel social – Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS (Arquivo)

Um pedágio que varie entre R$ 5,40 e R$ 6,80. Essa é a proposta dos prefeitos da grande Porto Alegre para acabar com a duplicação da RS-118, entre Gravataí e Sapucaia do Sul.

A ideia é incluir uma série de rodovias estaduais numa futura concessão à iniciativa privada a fim de garantir, num primeiro momento, o término desta obra que vai completar, em 2016, uma década de trabalho. Além disso, a empresa vencedora ficaria responsável pela manutenção  e investimentos na RS-040; RS-020; RS-784; Rs-389, a Estrada do Mar; e parte da RS-101, entre Capivari do Sul e Osório. Também haveria pontos estratégicos instalados onde os motoristas pagariam proporcionalmente ao uso nestas rodovias.

A proposta foi apresentada pelo presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal) e prefeito de Gravataí, Marco Alba. Como a RS-118 apresenta muitas rotas de fuga, o melhor local para instalar uma praça de pedágio seria entre Gravataí e Alvorada. Porém, o maior movimento seja entre Gravataí e Sapucaia do Sul.

Segundo Alba, a solução é técnica e não definitiva. Além disso, o Governo do Estado apresenta não ter condições de realizar as melhorias necessárias nestas rodovias. Mesmo não tendo sido discutido neste momento, Alba admite que os prefeitos poderão avaliar a possibilidade de abrir mão de impostos recolhidos aos municípios a fim de baratear os valores dos futuros pedágios.

A pedido do prefeito de Canoas, Jairo Jorge, o estudo irá avaliar também a construção da RS-010, a já denominada Rodovia do Progresso. Essas ideias serão repassadas ao Governo do Estado, que informa que a continuidade das obras da RS-118 segue indefinida. A duplicação está parada desde novembro de 2014.

Saiba mais:

RS-118: Mais uma promessa descumprida

- Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

- Duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está há um ano em avaliação

- Duplicação da RS-118 vai completar seis meses de abandono

- Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

Por obras em rodovias do RS, novo diretor de concessões é a favor de mais pedágios em BRs

13 de novembro de 2015 1
Desapropriações precisam ser feitas em Sapucaia do Sul para que a duplicação seja concluída - Foto: Paulo Rocha / Gaúcha (Arquivo)

Desapropriações precisam ser feitas em Sapucaia do Sul para que a duplicação seja concluída – Foto: Paulo Rocha / Gaúcha (Arquivo)

Se depender do novo diretor da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), o Rio Grande do Sul poderá ter mais praças de pedágio em rodovias federais para suportar obras em estaduais. João Victor Domingues assume o cargo na diretoria de planejamento de Brasília, vinculada ao Ministério dos Transportes, na próxima segunda-feira (13).

Secretário estadual de Infraestrutura e Logística do governo Tarso Genro, Domingues defende, assim como o atual titular da pasta na gestão de José Ivo Sartori, Pedro Westphalen, que a RS-122, no contorno de Caxias do Sul; a BR-116, até Vacaria; e a BR-386, até a divisa com Santa Catarina; possam também ser repassadas ao controle da iniciativa privada.

Outra possibilidade é fazer com que a duplicação da RS-118 possa ser concluída com recursos de pedágio recolhido da Freeway e BR-290. Ao governo do estado caberia manter a sinalização e as operações tapa-buraco da rodovia, além de concluir as desapropriações entre Sapucaia e Gravataí. Se isso ocorresse, a duplicação poderia ser concluída em menos de cinco anos.

Saiba mais:

- Tarifa de pedágio das rodovias estaduais custará o que o usuário puder pagar

Daer pretende começar a repor sinalização da RS-118 na próxima semana

04 de novembro de 2015 2
Criança de três anos morreu na segunda-feira em trecho sem sinalização - Foto: Paulo Rocha / Gaúcha (Arquivo)

Criança de três anos morreu na segunda-feira em trecho sem sinalização – Foto: Paulo Rocha / Gaúcha (Arquivo)

Se depender do diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), a sinalização começará a ser refeita na RS-118 a partir da semana que vem. Em entrevista da Gaúcha Atualidade desta quarta-feira (04), Ricardo Nuñez relatou a dificuldade da autarquia para contratar uma empresa interessada em realizar o serviço.

Dessa forma, o trabalho será feito com um dos apenas dois equipamentos que o Daer dispõe e que pode realizar a sinalização. Uma das máquinas está em Bento Gonçalves e a outra em Passo Fundo. Será necessário acionar um servidor de Santa Rosa, que tem capacidade de operar o equipamento. Além de retomar a sinalização no trecho entre Viamão e Gravataí, a ideia do diretor é realizar uma operação tapa-buraco entre Gravataí e Sapucaia do Sul e uma melhora da sinalização do trecho que está sendo duplicado.

Na segunda-feira, Emanuelly Behenck, de três anos, morreu no quilômetro 28, em Viamão, no trecho sem sinalização. Outras 11 pessoas ficaram feridas na batida entre uma Kombi e um caminhão. De acordo levantamento preliminar da perícia, uma das causas do acidente pode ter sido motivada pela falta de sinalização.

Saiba mais:

- Criança de três anos morre em acidente na Região Metropolitana

RS-118: Mais uma promessa descumprida

- Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

- Duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está há um ano em avaliação

- Duplicação da RS-118 vai completar seis meses de abandono

- Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

RS-118: Mais uma promessa descumprida

30 de setembro de 2015 6
Obras estão paradas ha 10 meses - Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal (Arquivo)

Obras estão paradas ha 10 meses – Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal (Arquivo)

E terminou o prazo de mais uma promessa sobre a RS-118. No dia 30 de julho, o secretário dos Transportes, Pedro Westphalen, e o diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), Ricardo Nuñez, anunciaram: a duplicação seria retomada em 60 dias, o que não aconteceu.

De acordo com a autarquia, a Sultepa e a Conterra, empresas responsáveis pelos lotes 2 e 3, respectivamente, estão enfrentando sérias dificuldades financeiras. Em razão disso, não foi possível retomar os trabalhos. O Daer diz aguardar a situação se estabilizar favoravelmente para que as obras voltem ao ritmo desejado.

Ainda, segundo o Daer, a Triunfo, construtura responsável pela duplicação de 11 quilômetros do lote 1, solicita um aporte maior de recursos para retomar os trabalhos com mais intensidade.

- O departamento entrará em negociações com a empresa para que a obra tenha continuidade o quanto antes – informa a autarquia.

O Daer já tem R$ 6,6 milhões para a retomada das obras. Os recursos da Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) já estão liberados. Quando for retomada, a nova promessa da autarquia é que a obra seja concluída em até 3 anos.

O governo costuma dizer que a obra é uma prioridade de governo, como vem sendo dito pelos últimos cinco governantes. A duplicação está parada há mais de dez meses.

Segundo dados de fevereiro, o Daer devia às construtoras R$ 1,69 milhão. Porém, de acordo com a Sultepa, só o valor devido à ela chega a R$ 2,4 milhões. A empresa trabalha com a hipótese do governo pagar o que até sexta-feira. Se isso ocorrer, a construtora avisa que começará a mobilização dos trabalhadores em uma semana.

Em razão do abandono da obra, famílias ergueram casebres em áreas que já tinham sido desocupadas. A nova ocupação está localizada nas proximidades do quilômetro dois, em meio aos escombros das que foram derrubadas, em Sapucaia do Sul.

A duplicação da RS-118 começou no ano de 2006, pelo lote um, em Gravataí. Em 2011, os serviços no lote dois foram iniciados, no trecho entre Sapucaia do Sul e Gravataí. Já as obras do lote três, em Sapucaia do Sul, começaram em 2013. Já foram investidos R$ 65,9 milhões (R$ 65.907.157,40) na duplicação da rodovia, entre 2006 e 2014. Atualmente, os usuários trafegam em 11 dos 22 quilômetros duplicados. Porém, já há buracos na nova pista entregue.

Veja mais fotos da RS-118:

Atualização da construção de uma nova pista da RS-118:

Lote 1: Do km 11 ao km 21,3. Construtora Triunfo. Percentual executado do contrato: 71%;
Lote 2: Do km 06 ao km 11. Construtora Sultepa. Percentual executado do contrato: 50%;
Lote 3: Do km 00 ao km 05 (Da BR-116 a Freeway) – Construtora Conterra. Percentual executado do contrato: 7%.

Total pronto até o momento : 10,9 quilômetros de duplicação e 8,4 quilômetros de ruas laterais.

Atualização da restauração da pista velha da RS-118:

Não há nenhum trecho da restauração (pista antiga) pronto.

Lote 1: No trecho da Triunfo ainda não foi assinado contrato de recuperação;
Lote 2: No trecho da Sultepa, único onde ocorre a restauração, assentamento das placas quebradas e drenos começaram;
Lote 3: No trecho da Conterra falta assinatura de um termo aditivo para começo da recuperação.

Há 6 obras de artes por fazer ou em andamento nestes trechos da RS-118:

a) Viaduto sobre a avenida Itacolomi;
b) Macaqueamento do viaduto da RS-020;
c) Viaduto sobre a avenida Marechal Rondon;
d) Viaduto Ritter;
e) Passagem sobre o Arroio Sapucaia;
f) Viaduto sobre a tubulação da Transpetro.

Total investido desde 2006: R$ 65.907.157,40

Construtora Triunfo: R$ 34.810.743,61
Construtora Sultepa: R$ 28.612.504,58
Construtora Conterra: R$ 2.483.909,21

Saiba mais:

- Governo gaúcho já tem mais de R$ 5 milhões para retomar as obras da RS-118

- Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

- Duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está há um ano em avaliação

- Duplicação da RS-118 vai completar seis meses de abandono

- Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

- Governo precisa desembolsar quase R$ 2 milhões para que a duplicação da RS-118 seja retomada

Governo gaúcho já tem mais de R$ 5 milhões para retomar as obras da RS-118

17 de agosto de 2015 4
Usuário da rodovia protestou na esburacada rodovia – Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal (Arquivo)

Usuário da rodovia protestou na esburacada rodovia – Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal (Arquivo)

Faltando pouco mais de 40 dias para o fim do prazo estipulado pelo Governo do Estado, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) já tem R$ 5,6 milhões para a retomada das obras da RS-118. Os recursos da Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) já estão liberados.

A autarquia informa que as empresas estão iniciando a mobilização enquanto estão sendo realizados os ajustes finais para o reinício dos trabalhos. Os detalhes da retomada deverão ser anunciados nesta semana pelo secretário estadual dos Transportes e Mobilidade, Pedro Westphalen. A nova promessa do Daer é que as obras sejam concluídas em até 3 anos.

A duplicação está parada há mais de nove meses. O governo deve às construtoras R$ 1,69 milhão. Em razão do abandono, famílias ergueram casebres em áreas que já tinham sido desocupadas. A nova ocupação está localizada nas proximidades do quilômetro dois, em meio aos escombros das que foram derrubadas, em Sapucaia do Sul.

As obras de duplicação da RS-118 começaram no ano de 2006, pelo lote um, em Gravataí. Em 2011, os serviços no lote dois foram iniciados, no trecho entre Sapucaia do Sul e Gravataí. Já as obras do lote três, em Sapucaia do Sul, começaram em 2013. Já foram investidos R$ 65,9 milhões (R$ 65.907.157,40) na duplicação da rodovia, entre 2006 e 2014. Atualmente, os usuários trafegam em 11 dos 22 quilômetros duplicados. Porém, já há buracos na nova pista entregue.

Valores devidos a cada uma das empresas contratadas:
1) Construtora Conterra: somatório de medições novembro e dezembro/2014 = R$ 141 mil;
2) Construtora Sultepa: somatório de medições outubro, novembro e dezembro/2014 = R$ 1,39 milhão;
3) Construtora Triunfo: restos a pagar de medições anteriores (2014) = R$ 88 mil.

Atualização da construção de uma nova pista da RS-118:
1) Lote 1: Do km 11 ao km 21,3. Construtora Triunfo. Percentual executado do contrato: 71%;
2) Lote 2: Do km 06 ao km 11. Construtora Sultepa. Percentual executado do contrato: 50%;
3) Lote 3: Do km 00 ao km 05 (Da BR-116 a Freeway) – Construtora Conterra. Percentual executado do contrato: 7%.
Total pronto até o momento : 10,9 quilômetros de duplicação e 8,4 quilômetros de ruas laterais.

Atualização da restauração da pista velha da RS-118:
Não há nenhum trecho da restauração (pista antiga) pronto.
Lote 1: No trecho da Triunfo ainda não foi assinado contrato de recuperação;
Lote 2: No trecho da Sultepa, único onde ocorre a restauração, assentamento das placas quebradas e drenos começaram;
Lote 3: No trecho da Conterra falta assinatura de um termo aditivo para começo da recuperação.

Há 6 obras de artes por fazer ou em andamento nestes trechos da RS-118:
a) Viaduto sobre a avenida Itacolomi;
b) Macaqueamento do viaduto da RS-020;
c) Viaduto sobre a avenida Marechal Rondon;
d) Viaduto Ritter;
e) Passagem sobre o Arroio Sapucaia;
f) Viaduto sobre a tubulação da Transpetro.

Veja fotos da esburacada RS-118:

Saiba mais:

- Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

- Duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está há um ano em avaliação

- Duplicação da RS-118 vai completar seis meses de abandono

- Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

- Governo precisa desembolsar quase R$ 2 milhões para que a duplicação da RS-118 seja retomada

 

Pavimentação em rodovia agilizada para receber seleção equatoriana está abandonada

15 de junho de 2015 5
Pavimentação da RS-118 está parada desde junho de 2014 - Foto: Divulgação / Coesul (Arquivo)

Pavimentação da RS-118 está parada desde junho de 2014 – Foto: Divulgação / Coesul (Arquivo)

Um ano depois da entrega do primeiro trecho, a pavimentação da RS-118, entre a ponte do Fiuza e as proximidades do Hotel Vila Ventura, está abandonada em Viamão. A obra iniciou em março de 2013, mas foi agilizada pelo governo gaúcho depois que a seleção do Equador anunciou que se hospedaria no local durante a Copa do Mundo no Brasil. Em junho de 2014, os primeiros 3,5 quilômetros pavimentados foram concluídos junto com outros 604 metros, de competência da prefeitura.

E a obra foi entregue parcialmente. Num trecho de 100 metros, o dono de uma propriedade não autorizou o recuo do muro. Desde então, os usuários da rodovia encontram um estreitamento de dois metros na pista, que recebeu sinalização diferenciada.

A mesma agilidade para concluir o trecho não foi percebida no restante da pavimentação. Falta concluir 1,5 quilômetro, até o Distrito do Espigão. Antes das máquinas voltarem para a pista, o governo gaúcho precisa realizar desapropriações e adequações ao projeto, que é de 1993. Também não foi feito ainda o acostamento da pista, pois ainda é preciso ser feito a realocação de postes e de uma adutora da Corsan.

O contrato, assinado com a empresa Coesul em novembro de 2011, prevê também a colocação de asfalto por mais 14 quilômetros até o Lami, mas até hoje a licença ambiental não foi concedida. Do total de R$ 15,5 milhões do contrato foram investidos até agora R$ 3 milhões.

O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) informa que a retomada das obras depende da liberação de recursos e a readequação de traçado que precisa ser feita para diminuir o impacto das desapropriações no local.

Saiba mais:

- Concluída pavimentação de trecho da RS-118 em Viamão

- Pavimentação de trecho que liga hotel da seleçao do Equador terá início

Desapropriações e adutora da Corsan paralisam obra de pavimentação da RS-118

- Pavimentação da RS-118 começa na última segunda-feira de março

 

Duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está há um ano em avaliação

11 de maio de 2015 7
Enquanto rodovia aguarda publicação de edital para obras, motoristas reclamam das más condições do asfalto – Foto: Agência RBS (Arquivo)

Enquanto rodovia aguarda publicação de edital para obras, motoristas reclamam das más condições do asfalto – Foto: Agência RBS (Arquivo)

O projeto de duplicação de 16 quilômetros da RS-118, entre Gravataí e Viamão vai completar um ano de análise pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer). O estudo foi concluído em junho de 2014 pela empresa STE Engenharia.

De acordo com o superintendente de estudos e projetos, engenheiro Fernando Dieckmann Medeiros, “o projeto final de engenharia encontra-se em desenvolvimento e, neste momento, está sofrendo ajustes no seu Plano Funcional com a inclusão/modificação de dispositivos de interseção (viadutos, passarelas, etc).”

A entrega da minuta do edital está prevista para o segundo semestre de 2015. A atual gestão do Daer lembra que os trabalhos foram retomados neste ano, já que foram paralisados em novembro de 2014.

A concorrência para realizar o projeto de duplicação ocorreu em 2010. O contrato para a confecção do estudo foi assinado em junho de 2012, ao custo de R$ 821 mil. Ele deveria ter sido entregue em junho de 2013, mas a conclusão do projeto se deu um ano depois. Desde então, encontra-se em análise pelo Daer.

Saiba mais:

- Concluído projeto de duplicação da RS-118 entre Gravataí e Viamão

- Projeto de duplicação da RS-118, entre Gravataí e Viamão, está nove meses atrasado

- Governo do RS autoriza projeto para duplicação da RS-118 até Viamão

Duplicação da RS-118 vai completar seis meses de abandono

29 de abril de 2015 7
Usuário da rodovia protestou na esburacada rodovia - Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal

Usuário da rodovia protestou na esburacada rodovia – Foto: Sandro Vinciprova / Arquivo Pessoal

No mês de maio, as obras de duplicação da RS-118 vão completar seis meses que estão paradas. Em novembro de 2014, as construtoras retiraram os operários do trecho entre Sapucaia do Sul e Gravataí. Havia temor das empresas sobre o pagamento dos serviços executados.

Em razão do abandono, famílias ergueram casebres em áreas que já tinham sido desocupadas. A nova ocupação está localizada nas proximidades do quilômetro dois, em meio aos escombros das que foram derrubadas, em Sapucaia do Sul.

Para que os trabalhos sejam retomados, o Governo do Estado precisa antes garantir o pagamento de R$ 1,69 milhão às construtoras. Os recursos não são depositados desde novembro. O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) garante que está trabalhando nos ajustes finais para a liberação dos recursos necessários à continuidade da duplicação da rodovia. E a promessa é que a obra seja retomada em breve, pois é tratada como prioridade pela autarquia e pela Secretaria Estadual dos Transportes e Mobilidade.

Enquanto isso não ocorre, os usuários da rodovia protestam. Há alguns dias, um cartaz foi colocado em um cone de sinalização, nas proximidades do quilômetro 6, em Esteio, na pista do sentido Gravataí – Sapucaia do Sul.

As obras de duplicação da RS-118 começaram no ano de 2006 pelo lote um, em Gravataí. Em 2011, os serviços no lote dois foram iniciados, no trecho entre Sapucaia do Sul e Gravataí. Já as obras do lote três, em Sapucaia do Sul, começaram em 2013. Atualmente, os usuários trafegam em 11 dos 22 quilômetros que estão sendo duplicados.

Saiba mais:

- Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

- Governo precisa desembolsar quase R$ 2 milhões para que a duplicação da RS-118 seja retomada

- Construtora reduz ritmo de trabalho em lote da duplicação da RS-118

- Mais seis quilômetros de pista nova serão liberados na RS-118

- Começam as obras de restauração da pista velha da RS-118

- Concluído projeto de duplicação da RS-118 entre Gravataí e Viamão

- Cemitério está no caminho da duplicação da RS-118

- Primeiro trecho de pista nova da RS-118 será liberado para o tráfego

Abandono nas obras da RS-118 faz com que famílias voltem a invadir áreas desocupadas

24 de fevereiro de 2015 6
Casebre (E) foi construído em área que havia sido desocupada - Foto: Paulo Rocha / Rádio Gaúcha

Casebre (E) foi construído em área que havia sido desocupada – Foto: Paulo Rocha / Rádio Gaúcha

* Com colaboração de Paulo Rocha

Enquanto o governo gaúcho não consegue retomar as obras de duplicação da RS-118, paradas desde outubro do ano passado, famílias começam a erguer casebres em áreas que já tinham sido desocupadas. Pelo menos três pequenas casas de madeira já foram construídas, nas proximidades do quilômetro dois, em meio aos escombros das que foram derrubadas em Sapucaia do Sul.

Segundo João Neri, um morador do bairro Capão da Cruz, as famílias estão voltando. Há relatos de que está ocorrendo atraso no pagamento do aluguel social. Cada uma das famílias removidas recebe até R$ 500 mensais. A promessa era repassar o dinheiro até que fossem concluídas as obras dos novos conjuntos habitacionais que estão sendo construídos em Sapucaia do Sul e Gravataí.

- Já faz uns dois, três meses, que estão construindo onde tinham casas (no lugar) dos que moravam aqui – relata o morador.

O Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) diz ter conhecimento de que as invasões estão ocorrendo. Conforme orientação da Superintendência de Assuntos Jurídicos do Daer, foram criados boletins de ocorrência na polícia e os invasores foram notificados pela 1ª Superintendência Regional, de Esteio. Caso as áreas não sejam desocupadas em 15 dias, o Daer promete remeter o assunto para as providências judiciais cabíveis, ou seja, pedir a reintegração de posse.

Para que as obras de duplicação possam ser retomadas, o governo precisa antes garantir o pagamento de R$ 1,69 milhão às construtoras. Os valores deixaram de ser repassados a partir de novembro.

Saiba mais:

- Governo precisa desembolsar quase R$ 2 milhões para que a duplicação da RS-118 seja retomada

- Construtora reduz ritmo de trabalho em lote da duplicação da RS-118

- Mais seis quilômetros de pista nova serão liberados na RS-118 na quinta-feira

- RS-118 terá três quilômetros de pista nova liberada amanhã em Gravataí

- Começam as obras de restauração da pista velha da RS-118

- Concluído projeto de duplicação da RS-118 entre Gravataí e Viamão

- Cemitério está no caminho da duplicação da RS-118

- Primeiro trecho de pista nova da RS-118 será liberado para o tráfego nesta