Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2010

Lucro abaixo da média

31 de março de 2010 0

Em seu balanço divulgado ontem, a Celesc Holding informou faturamento de R$ 5,644 bilhões e lucro líquido de R$ 127,3 milhões no ano passado. A Copel, empresa de energia do Paraná, encerrou o mesmo período com faturamento de R$ 8,797 bilhões e lucro líquido de R$ 1,026 bilhão. A Coelce, energética do Ceará, fechou 2009 com faturamento de R$ 2,984 bilhões e lucro de R$ 334,4 milhões.

Diante da média das outras empresas, os acionistas minoritários da Celesc, que são donos de 80% da companhia, têm razão. A estatal de SC deveria lucrar pelo menos R$ 500 milhões.

Natanael é personalidade de vendas da ADVB

31 de março de 2010 0

O empresário Natanael Santos de Souza, sócio da empresa First e ex-presidente da ADVB/SC é o vencedor da eleição do Personalidade de Vendas ADVB/SC 2010. Ele integrou a lista final que teve, também, os nomes de Cristiano Buerger, da Tecnoblu; Luciano Hang, da Havan, Nelson Fuchter Filho (LeMonde) e Vicente Donini (Marisol).

SC agora tem plano de marketing turístico

31 de março de 2010 0

O novo plano de marketing turístico do Estado, denominado Plano Catarina, elaborado pela consultoria internacional Chias Marketing, propõe a divulgação do turismo em 11 mercados segmentados. Incluí aventura, cultura, ecoturismo, entretenimento, esportes, negócios, eventos, sol e praia, turismo de saúde, turismo rural e turismo (turismo náutico e de cruzeiros). O trabalho foi apresentado na manhã de hoje no Hotel Majestic, na capital, com a presença de 300 pessoas entre autoridades do setor e empresários.

O secretário de Estado de Turismo, Esporte e Lazer, Gilmar Knaesel, afirmou que o plano destaca a diversidade do turismo catarinense dentro do que o empreendedor Beto Carrero dizia: Santa Catarina é um parque de diversões. A presidente da Embratur, Jeanine Pires, também presente no lançamento, disse que este plano, da forma como foi elaborado, não envelhece. Foi feito para os próximos 10 anos, e o Conselho Estadual de Turismo deve ser o guardião para que o mesmo seja implantado.

Segundo Gilmar Knaesel, o governo do Estado vai transformar o plano em projeto de lei a ser aprovado pela Assembleia Legislativa ainda este ano. Assim, deverá ser cumprido pelos próximos governos. Conforme o presidente da Santur, Valdir Walendowsky, a implantação do plano começa agora. Algumas medidas já foram tomadas como produção de material e planos de divulgação.

Diversidade turística no Estado

30 de março de 2010 0

O primeiro grande plano de marketing turístico de Santa Catarina, elaborado por uma consultoria espanhola, será divulgado hoje, às 8h30min, no Hotel Majestic, pela Secretaria de Estado de Esporte, Turismo e Lazer e a Santur. O principal foco será a diversidade das atrações do Estado e suas regiões.

Entre os pontos altos do plano, segundo o secretário Gilmar Knaesel, está o fato de ter sido feito considerando opiniões de 1,7 mil pessoas, especialmente turistas locais, do Brasil e exterior que visitam o Estado. Agora, cada região turística catarinense terá o seu plano de divulgação, para reforçar a atração de visitantes.

Lucro da Celesc fica em R$ 127,3 milhões

30 de março de 2010 0

A Celesc Holding, que controla a Celesc Distribuição e a Celesc Geração, obteve, no ano passado, lucro líquido de R$ 127,283 milhões, menos da metade do que alcançou no ano anterior, R$ 258,4 milhões. O faturamento da companhia atingiu R$ 5,644 bilhões, 5,2% maior que os R$ 5,365 bilhões de 2008.  

Todos contra o crack

30 de março de 2010 0

A reedição da campanha Crack nem pensar, lançada hoje pelo Grupo RBS em Santa Catarina e Rio Grande do Sul, vai difundir ainda mais informações sobre o problema e envolver um número maior de pessoas. Desta vez, 20 entidades comunitárias que trabalham no atendimento a crianças e jovens de risco poderão receber doações de até R$ 10 mil da comunidade e a RBS vai complementar com mais R$ 10 mil, totalizando R$ 400 mil.

Todos os esforços são necessário para deter o avanço das drogas que, na Grande Florianópolis começa a afetar inclusive o mercado de trabalho. O setor produtivo está perdendo trabalhadores para o tráfico porque é mais fácil obter renda vendendo drogas do que trabalhando, me informou uma liderança empresarial da regiáo.

Japão vai liberar R$ 281 milhões para saneamento em SC

30 de março de 2010 0

O financiamento que será assinado amanhã pelo governador Leonel Pavan e o presidente da Casan, Walmor de Luca, no Japão, no valor de R$ 281,4 milhões, será um importante passo o Estado começar a enfrentar de forma mais intensiva um dos seus problemas mais crônicos, a falta de esgoto sanitário tratado. Os recursos da Japan International Cooperation Agency (Jica) serão utilizados principalmente na região litorânea, onde há maior desenvolvimento do turismo, pesca e aquicultura.

As cidades que serão beneficiadas são Balneário Barra do Sul, Piçarras, Penha, Bombinhas e Florianópolis.

 

Tupy tem lucro de R$ 156,7 milhões

30 de março de 2010 0

Apesar de ter sido duramente atingida pela crise global por ter forte presença no mercado externo do primeiro mundo, a Tupy, de Joinville, fabricante de blocos de motores para veículos, encerrou 2009 com lucro líquido de R$ 156,7 milhões, um pouco abaixo dos R$ 168,6 milhões do ano anterior. A companhia registrou faturamento de R$ 1,4 bilhões no ano passado, 28% menor que os R$ 2,016 bilhões de 2008.

Na pior fase de impactos negativos da crise global, no primeiro semestre do ano passado, a Tupy teve que negociar vários períodos de férias coletivas para adaptar sua produção ao mercado. Em meados do semestre, o presidente da empresa, Luiz Tarquínio, chegou a dizer que somente as vendas para veículos de passeio no país estavam bem. Agora, os números consolidados mostram que a Tupy foi bem em 2009.

Textos truncados

30 de março de 2010 0

Prezados leitores!

Alguns textos postados neste blog saíram truncados em função de problemas causados pelo novo sistema de blogs. Um dos casos foi com a entrevista do presidente da Azul, David Neeleman. Está difícil corrigir porque eu coloco certo e na hora da publicação sai truncado. Vou tentar ver a causa e depois republicarei a versáo correta da entrevista.

Obrigada pela compreensão.

"Empregados podem custar R$ 3,5 bilhões à Celesc em oito anos"

29 de março de 2010 0

O maior acionista individual da Celesc, Lirio Parisotto, alertou no programa Conversas Cruzadas desta noite, da TVCom, ancorado pelo jornalista Renato Igor, que o custo do novo PDV (Programa de Demissão Voluntária) da estatal poderá somar cerca de R$ 1,4 bilhão. Este montante, mais o custo do PDV de 2002, que alcançou R$ 830 milhões, e a folha mensal de R$ 200 milhões, poderão dar aos cerca de 4 mil trabalhadores da empresa a gigantesca cifra de R$ 3,5 bilhões nos últimos oito anos, mais que o dobro do valor da companhia. ´

_ No mesmo período, os acionistas ficaram com apenas R$ 350 milhões de dividendos _ disse Parisotto, que prometeu entrar na Justiça contra o novo PDV, caso a diretoria da empresa decida implementá-lo.

O diretor de gestão administrativa da Celesc, Gilberto Eggers, contestou a informação do acionista. Disse que o novo plano de demissões deverá custar, no máximo, R$ 405 milhões.

Parisotto voltou a afirmar que a Ceslesc perde R$ 1,5 milhão por dia devido a má gestão. Nesse cálculo, ele inclui sábados, domingos e feriados. Explica que essa perda é baseada na comparação de resultados de outras companhias de energia de mesmo porte no Brasil. O empresário desafiou novamente a Assembléia Legislativa a abrir uma investigação para esclarecer “os esquemas e igrejinhas” que o ex-presidente da Celesc Distribuição, Ricardo Rabello, disse ter na empresa.

Sobre as mudanças propostas para o estatuto e que deverão ser votadas na assembléia extraordinária dos acionistas do dia 29 de abril, Sérgio Alves disse que elas visam somente a melhoria da gestão e não consistem em privatização da companhia.    

Madeira de pinus tem alta de 30%

29 de março de 2010 0

O terremoto que abalou o Chile há cerca de um mês provocou aumento de 30% no preço, em dólar, da madeira de reflorestamento de pinus no mercado brasileiro. O presidente do Sindicato das Indústrias de Madeira de Pomerode, Cid Erwin Lang, explica que o aumento aconteceu porque o Chile exportava 1,5 mil contêineres do produto para o setor da construção civil dos EUA.

Com o terremoto, a produção chilena foi destinada ao mercado interno, para a reconstrução do país. Os importadores dos EUA recorreram ao Brasil. A alta vai beneficiar toda a cadeia produtiva da madeira em Santa Catarina, desde o plantador de mudas até o exportador. Mas os setores da construção civil e do mobiliário, que usam a madeira no mercado interno, já enfrentam preços maiores e terão que repassá-los aos consumidores. 

"Energia solar é própria para o Brasil"

28 de março de 2010 0

Guto Kuerten

Entrevista: Helmut Gauges, secretário-geral de Cooperação Financeira do Banco de Fomento alemão KfW

País tropical ensolarado, o Brasil pode liderar a geração de energia solar com tecnologias ao setor. Esta opinião é do secretário-geral de Cooperação Financeira do Banco de Fomento alemão KfW, Helmut Gauges, que esteve na Eletrosul, há poucos dias, para assinar termo de compromisso de financiamento ao projeto Megawatt Solar, uma cobertura de placas fotovoltaicas para o prédio da estatal , em Florianópolis, em parceria com o Insituto Ideal, GTZ e UFSC. O sistema vai gerar 1 GWh por ano, o suficente para atender 400 residências. O investimento será de R $ 13 milhões e R $ 7 milhões virão do KfW, a fundo perdido.

Em entrevista ao Diário Catarinense, Gauges disse que esse projeto pode ser o primeiro passo para o Brasil avançar na energia solar, elogiou o projeto de Estádios Solares lançado pelo Instituto Ideal, e disse que seu país tem interesse especial em apoiar Energias Renováveis.

Na foto acima, Gauges aciona sistema que ativa a transformação de energia solar em energia elétrica na Eletrosul.

Qual é a Importância do projeto Megawatt Solar para o Brasil?

Helmut Gauges _ Esse é o primeiro projeto que temos de Enegia solar em Cooperação com o Brasil. É pioneiro nessa tecnologia. O país tem apenas 0,2 MW instalado de energia solar. Na Alemanha, temos instalados quase 6 mil MW, isso que somos um país com pouco sol. Imagina qual é o potencial do Brasil. O mercado ainda não descobriu o que um Eletrosul eo Instituto Ideal vão identificar primeiro. Nós estamos apoiando essa tecnologia. Os alemães são entusiasmados com o setor de energias renováveis e, principalmente, com energia solar. Temos muita experiência na Alemanha e o nosso banco KfW está financiando muitos programas no nosso país para apoiar a geração solar. Por isso podemos oferecer esse know-how para os países com os quais temos cooperação.

Quanto o banco está Investindo em Energias Renováveis na Alemana e no exterior?

Helmult Medidores _ Na Alemanha, ano passado, financiamos 300 milhões de euros em projetos de energias renováveis. Em outros países, esse é o primeiro projeto solar que estamos financiando. Temos muitos planos. Temos grandes projetos de usinas solares para o Norte da África, que vão demorar muito tempo para serem executados.

Quais são as Energias Renováveis que a Alemanha está priorizando?

Helmut Gauges _ Eólica e solar. A eólica tem uma maior presença econômica até agora é porque tem uma maior viabilidade na Alemanha. Há mais ventos que sol no nosso país. No ano passado, a geração eólica já respondia por quase 7% da matriz energética do País, ea solar, 1%.

Na sua avaliação, qual é a importância do Instituto Ideal para as energias renováveis no Brasil e América Latina?

Helmut Gauges _ Esse instituto tem um papel-chave para uma difusão do conhecimento desse tipo de energia. É um instituto pequeno, mas com pessoas idealistas. Isso é importante para convencer outros cooperantes a entrar nesse setor. Para nós, o instituto é importante na cooperação. Sem essa parceria, nossa cooperação seria bem mais limitada.

Como o senhor avalia o projeto Estádios Solares, elaborado pelo Instituto Ideal para uma Copa do Mundo no Brasil, em 2014?

Helmut Gauges _ A copa tem uma grande Publicidade no Brasil e no mundo. Com esse tipo de projeto de estádio solar o país pode mostrar ao mundo que é pioneiro nessa tecnologia, o pais é do futuro da energia solar. Esse poderia ser o símbolo de um futuro papel do Brasil. A energia solar é uma tecnologia Apropriada para o Brasil, um país que tem muito sol. Achamos que essa também é uma oportunidade para o mundo conhecer um outro lado do Brasil, um país que cuida bem do meio ambiente, de tecnologia, que não é somente produtor de soja e sedia uma Amazônia.

Como a Alemanha Evoluiu nessa tecnologia?

Helmut Gauges _ Nós já temos muita experiencia com energia solar. No começo é sempre mais dificil, quando falta experiência é dificil convencer as empresas e institutos para aderir à tecnologia. Mas estamos muito felizes com o ingresso do Instituto Ideal ea Eletrosul nessa Geração Sustentável. Além disso, a Cemig de Minas Gerais, também vai entrar. Com a participação dessas três instituições, acho que alguns estádios Poderemos ver, talvez muitos, com geração de energia solar. Com isso, esperamos que o Brasil ganhe uma Copa ea Alemanha fique em segundo lugar (risos).

Qual foi o total investido pelo KfW dentro da Cooperação Brasil-Alemanha?

Helmut Gauges _ Os valores alcançaram 396 milhões de euros, uma parte é em empréstimo e outra parte a fundo perdido. Os maiores cooperantes são o Ministério do Meio Ambiente, o BNDES, a Eletrobrás, Eletrosul e Instituto Ideal. Estamos muito vinculados com o setor de energia e projetos de proteção de florestas tropicais da Amazônia. Esses números que falei são do Banco de Desenvolvimento. Além disso, temos duas subsidiárias no grupo, com escritório em São Paulo, que oferecem empréstimos para empresas privadas, incluindo médias e pequenas.Temos uma subsidiária responsável pelo financiamento de exportação, cooperação e desenvolvimento.

Como são os juros para empresas médias e pequenas?

Helmut Gauges _ Há incentivo, mas as condições não são tão favoráveis quanto as de um banco de desenvolvimento. Nossa idéia, quando trabalhamos com Governos, Incentivar é a energia solar, que ainda não tem viabilidade econômica.

O mundo está se recuperando da crise financeira global, mas a Grécia segue com dificuldades. Como o senhor avalia o problema grego?

Helmut Gauges _ A Europa tem países fortes e terá solidariedade com o povo grego. A Grécia vai passar um tempo muito duro, seu povo vai sofrer muito nos próximos anos porque mantinha um nível de consumo acima do seu nível de produção. Terá que se ajustar.

Estado perde R$ 100 milhões por falta de pressão em Brasília

27 de março de 2010 0

As intensas chuvas, muitas vezes com desastres e elevadas perdas econômicas, fazem parte do clima catarinense. Os últimos foram atingidos 13 municípios, na noite de quinta-feira. Mas falta às lideranças do Estado habilidade para Garantir o Empenho de verbas prometidas pela Defesa Civil da União.. A deputada federal Angela Amin Afirmou ontem, na reunião da diretoria da Fiesc, que Devido a falta de Empenhos até o dia 31 de dezembro do ano passado, o Estado perdeu R $ 100 milhões garantidos para uma recuperação de infraestrutura Em função das chuvas de novembro de 2008.

Só Blumenau perdeu cerca de R $ 50 milhões. Segundo a parlamentar, está sendo feita uma tentativa de recuperação desses recursos, mas é difícil. Ela diz que a falta de acompanhamento é um dos motivos pelos Quais SC recebe menos.

Convenção lojista

27 de março de 2010 0

A próxima edição da Convenção Estadual do Comércio Lojista será na Capital, em setembro, no mesmo período da Convenção Nacional da CNDL. E no ano que vem, o evento estadual será em Chapecó, no mês de maio, no Centro de Cultura e Eventos Plínio de Ness.

Estrelas do marketing em SC

27 de março de 2010 0

Os mais importantes executivos de marketing do mercado brasileiro participam, neste final de semana, do Marketing Network Brasil, no Costão do Santinho, em Florianópolis. O evento, promovido pelo conselho editorial do Meio & Mensagem, visa a aproximar os profissionais que decidem os investimentos para promover marcas no país.

O Grupo RBS é um dos patrocinadores do encontro. O diretor-geral para Mercado Nacional, Claudio Santos, fará hoje, às 9h30min, uma apresentação institucional sobre a atuação da RBS. O Grupo também montou um parador, inspirado no Hotel Bulgari de Milão, onde os convidados podem relaxar e contemplar a bela vista da Praia do Santinho.

Esta não é a primeira vez que o evento acontece no Costão.

Parlamentares defendem mudanças nos royalties

26 de março de 2010 0

O senador Neuto de Conto e a deputada federal Angela Amin, que participaram na manhã de hoje da reunião da diretoria da Fiesc para discutir prioridades da indústria de SC dentro de projetos no Congresso, deixaram claro que, no que depender dos parlamentares, haverá uma distribuição mais equilibrada dos royalties do petróleo. Isto apesar do forte lobby dos estados beneficiados, o Rio de Janeiro e o Espírito Santo. Também participaram da reunião o secretário de Articulação Nacional de SC, Geraldo Althof, e o assessor do deputado federal Odacir Zonta, Norberto Kretzer.

A deputada Angela Amin contou que na noite de votação da proposta  na Câmara houve uma pressão fortíssima dos parlamentares do Rio e Espírito Santo, mas os demais não recuaram. Segundo ela, um exemplo de que essa riqueza precisa ser mais dividida ocorre na perfuração dos poços. De cada oito perfurações, somente uma tem petróleo. O custo da perfuração é pago por toda a sociedade brasileira enquanto o retorno dos royalties vai para alguns estados.

Neuto de Conto disse que o Senado deverá aprovar distribuição de 25% dos royalties para os estados, 25% aos municípios e 50% para a União. Ele observou que no ano passado, os vários tributos do petróleo garantiram uma transferência de R$ 41 milhões a SC. Com as mudanças, a expectativa é de que o Estado receba R$ 7,7 bilhões.

Postado por Estela Benetti

Fiesc recebe parlamentares nesta sexta

25 de março de 2010 0

A Federação das Indústrias (Fiesc) recebe os deputados e senadores da bancada catarinense para reunião nesta sexta-feira, a partir das 9h. Vai discutir temas econômicos que considera relevantes para as indústrias como o pré-sal, a redução da jornada de trabalho, o Orçamento da União e a MP 472.
Uma das críticas à MP 472 é que ela exclui o Sul e o Sudeste da concessão de incentivos para a indústria petrolífera. O presidente da Fiesc, Alcantaro Corrêa, alerta que é uma agenda importante e que sua aprovação favorável a Santa Catarina pode pode garantir impacto positivo para a economia do Estado. A intenção é contribuir para o trabalho dos parlamentares, diz o empresário. 
 

Postado por Estela Benetti

Havan terá unidade na Ilha de SC

25 de março de 2010 0

A segunda loja da rede Havan em Florianópolis e primeira na Ilha de SC será no Floripa Shopping. A unidade terá mais de 2 mil metros quadrados de área de venda e ficará localizada na expansão frontal do shopping. O superintendente Antonio Britto diz que a Havan vai agregar variedade de produtos aos clientes do shopping. A inauguração está prevista para novembro.

Postado por Estela Benetti

Contradições na Celesc

25 de março de 2010 0

A proposta de consenso do governo catarinense e acionistas minoritários da Celesc, para melhorar a gestão da companhia e reduzir interferências políticas, enfrenta resistência do sindicato dos trabalhadores, o Sinergia, que identifica riscos aos direitos dos empregados. O diretor do sindicato, Mario Jorge Maia, diz que serão feitas reuniões regionais hoje para deliberar sobre greve por tempo indeterminado a partir da próxima terça. A assembleia dos acionistas para votar a mudança será quarta.

O presidente do conselho da Celesc, Glauco José Côrte, diz que a proposta visa a melhorar a gestão e blindar a empresa de interferências políticas. Será elaborado plano diretor de investimentos de cinco a 10 anos e criado comitê que priorizará a contratação de diretores com conhecimentos técnicos sobre o setor. Segundo ele, será bom para a Celesc, para os empregados e clientes.

Temor do sindicato

O diretor do sindicato dos eletricitários, o Sinergia, Mario Jorge Maia, diz que as mudanças poderão afetar os trabalhadores porque preveem que o plano de carreira seja elaborado pela diretoria, muda a forma de negociação salarial e inclui desempate em decisões do conselho de administração. Esse critério, segundo ele, tira do acionista majoritário, o governo, o poder de mandar na companhia. Ontem, a mudança foi debatida na Assembleia Legislativa.

Postado por Estela Benetti

Como vai ficar a Bunge em SC

25 de março de 2010 0

A assessoria da Bunge Brasil informou que o presidente da Bunge Alimentos, Sérgio Waldrich, e o presidente da Bunge Fertilizantes, Mário Barbosa, vão integrar o conselho de administração da companhia. E as atividades administrativas e de negócios da área de alimentos da empresa, que são desenvolvidas em Gaspar, vão continuar nessa unidade de negócios, a exemplo das demais, baseadas em 16 estados do país.

As mudanças na diretoria fazem parte do processo de transformar as operações do grupo em um conjunto integrado de unidades de negócios da Bunge Brasil, presidida por Pedro Parente.

Postado por Estela Benetti