Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

"O que define a riqueza é ter tempo"

18 de abril de 2010 0

 

O brasileiro precisa ler mais sobre finanças pessoais, assumir a administração do seu dinheiro e poupar mais. Essas recomendações são do professor de Finanças Pessoais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Jurandir Sell Macedo, que acaba de retornar de Bruxelas, Bélgica, onde fez PhD (pós-doutorado) em Psicologia Cognitiva.

 

E para quem quer seguir as orientações de Jurandir Macedo a partir de agora, o próximo grande evento sobre finanças pessoais é o III workshop sobre educação financeira promovido pelo Instituto Premium Educação, dias 27 e 28 deste mês, no Centro de Eventos da UFSC em Florianópolis, no qual Macedo será um dos palestrantes. Outro será a ExpoMoney, em junho, no CentroSul, também na Capital.

Na entrevista a seguir, Jurandir dá uma série de orientações sobre o tema e também revela como a sua família investe. Um dos focos dele, hoje, são as apostas na desvalorização do euro, que estão dando certo.

Jurandir Sell Macedo

Professor de Finanças Pessoais da UFSC, é doutor em Finanças Pessoais e PhD em Psicologia Cognitiva pela Universidade Livre de Bruxelas, Bélgica. Nasceu em Lages, tem 48 anos e dois livros publicados: a Árvore do Dinheiro e O Tempo na sua Vida, obra que divide com o professor Fernando Serra. É casado com a professora de francês da UFSC, Celina Ramos Macedo, e tem dois filhos, Júlia, de 16 anos, e Gustavo, 13 anos. Seu hobby principal é andar de bicicleta.

O brasileiro é desorganizado financeiramente?

Jurandir Sell Macedo -Eu não gosto de estereotipar brasileiros. Temos alguns muito organizados e outros desorganizados. Na média, os brasileiros são menos organizados que outros povos porque convivemos por muito anos com inflação alta. Então, lentamente, estamos aprendendo a administrar melhor nossas finanças.

As pessoas estão cada vez mais endividadas. Que percentual da renda é recomendável comprometer com financiamentos?

Jurandir_ Não se recomenda, nunca, ter mais de 20% da renda comprometida com financiamentos (de casa, carro, eletrodomésticos e outros produtos). O ideal é que as pessoas não tenham dívidas e aprendam a poupar.

Como está o endividamento do brasileiro?

Jurandir_ De cada seis brasileiros, quatro estão endividados, um ganha e gasta, não tem dívidas, mas não tem investimentos e apenas um em cada seis brasileiros consegue investir. Então, esse um que investe ganha os juros que os quatro pagam. Muitas pessoas dizem: eu devo para o banco. Eu digo que banco não existe. Existem acionistas de bancos, alguém que poupou e comprou ações do banco. Se você tem uma poupança, está emprestando dinheiro para alguém que comprou uma casa financiada. Por isso recomendo a quem está endividado colar no banheiro uma foto de uma pessoa de quem não gosta para lembrar que trabalha todo dia para pagar aquele cara.

Quanto poupar por mês?

Jurandir_ Se você começar com 20 anos pode poupar 6% ao mês para a sua aposentadoria. Se começar com 30 anos, deve economizar 8%; aos 35 anos, precisa passar para 12%. Se não poupou até os 40, o total é 15%. Eu não recomendo que as pessoas poupem demais porque correm o risco de não aproveitar a poupança. Se você disser que está poupando para ir a Fernando de Noronha em julho, pode economizar muito. Outra poupança que vale é para comprar a casa própria. Os jovens podem poupar mais para isso. O importante que a pessoas entendam que poupar não é tirar aquilo que dá prazer. Se você fizer isso, estraga a sua vida. A gente nunca deve poupar no supérfluo, mas sim no desperdício.

Em que a sua família investe?

Jurandir_ A orientação é diversificar. Eu ensinei meus filhos desde jovens a investir na Bolsa. Os dois têm ações. Eu gosto muito de investir em ações, também tenho um pouco de recursos em fundos e gosto de ter títulos públicos. Além disso, tenho uma empresa para investir em reflorestamento. Não invisto, jamais em imóveis, só se for para produzir. A minha esposa Celina (mãe dos meus filhos), com quem eu sou casado com separação de bens, gosta de investir em imóveis mas, lentamente, está vendo que não é um bom negócio. Ela tem um apartamento na praia e a gente não vai lá. Mostro o quanto ela teria se tivesse investido em ações há 20 anos.

Muitos estão comprando a casa própria. Que cuidados tomar na aquisição de imóveis?

Jurandir_ Normalmente, os brasileiros cometem um erro que eu cometi. Compram casa grande e acabam mobiliando mal. Temos casas muito maiores do que as necessidades. Eu morei em Bruxelas em um apartamento minúsculo. A gente tinha uma vida tão boa, não precisava de empregada, a gente tinha mais tempo. Quando você tem um imóvel ele se torna dono de você. Eu aconselho aos jovens que não comprem a casa própria cedo, que aluguem por um tempo porque, normalmente, eles compram um imóvel maior do que sua necessidade e, muitas vezes, têm que mudar de cidade em função do trabalho.

Como fugir do consumismo?

Jurandir_ Em muitos lugares do mundo as pessoas estão consumindo mais e estão mais infelizes. Ninguém quer ser rico, as pessoas querem ser felizes. Temos pessoas que não consomem, precisam passar a consumir, temos excluídos inclusive em Santa Catarina. Temos a classe C que começou a consumir agora e precisam consumir porque isso melhora a vida dela. Mas temos, nas classes B+ e A, muitas pessoas que já consumiram um monte de coisas e a vida não está melhorando. Eu penso que o que mais vai marcar a sociedade nos próximos anos é a idéia do movimento da vida simples. Se a pessoa consumir muito não vai ter tempo. O que define a riqueza, hoje em dia, é ter tempo.

Quais são os maiores erros dos investidores?

Jurandir_ É tão absurdo perguntar qual é o melhor investimento quanto ir a uma farmácia e perguntar qual é o melhor remédio. Cada poupador ter o seu perfil. O grande erro é pouca diversificação, excessiva concentração em imóveis. Se você gosta de imóveis, compre ações de uma construtora ou contrate uma empresa para alugar imóveis. É preciso ter objetivo. Posso investir na bolsa se vou precisar do dinheiro dentro de 10 anos? Não, a bolsa é um investimento para comprar um pouco todo mês, para usufruir da divisão dos lucros quando se aposentar. Tem gente que acha que pode especular e ganhar muito dinheiro na bolsa. Não é possível porque não dá para saber quando a bolsa vai cair.

Como aprender a administrar dinheiro?

Jurandir_ Você precisa gastar tempo para aprender mais. Ler, participar de palestras e seminários. Tem gente que quer delegar a gestão das suas finanças. Se alguém aceita pegar a gestão das suas finanças é porque não é bem sério. Ele pode ajudar, mas quem tem que tomar as decisões é você. É preciso seguir o princípio da árvore do dinheiro: poupar, depois plantar bem a semente, o que significa investir bem.

 O senhor acaba de retornar da Bélgica, onde fez pós-doutorado? O que chamou sua atenção lá?

Jurandir_ As pessoas falam que a Europa é legal porque as pessoas têm muita educação e nós precisamos educar o povo. O que diferencia o Brasil da Bélgica é que lá tem leis e elas são cumpridas. Há imigrantes sem educação, de vários países, que chegam lá e, num instante, estão educados. Isto porque, se não cumprirem a lei, são multados. O suíço pega o jornal e paga. Se um dia ele for pego não pagando o jornal ele vai preso. Se as pessoas são pegas usando ônibus sem cartão, pagam multa de 950 euros. Se não andar no trânsito na velocidade de até 50 por hora eles apreendem o carro e, dois dias depois, a pessoa precisa ir a um juiz para receber uma pena. Pode ficar até 30 dias sem dirigir. No Brasil, primeiro temos que ter lei e depois cumpri-las. Não dá para acreditar que educação vai resolver problemas como a falta de ética e a corrupção.

Como os belgas administram suas finanças?

Jurandir - Os belgas são extremamente econômicos, não desperdiçam comida, controlam muito isso. As pessoas vão ao supermercado com cupons de desconto. Eles também sabem educar os filhos. Se aqui, quem come primeiro são as crianças, elas são atendidas primeiro, na Bélgica não. Os adultos estão em primeiro lugar. O brasileiro precisa educar seus filhos, se o pai não educa com carinho, a vida educa na porrada.

Notas

Poupar

Para ilustrar a importância de poupar para sonhos, o professor Jurandir Sell Macedo preparou uma palestra que começa com o desenho animado infantil Up, da Pixar, empresa da Disney, no qual um homem viaja com balão.

–A primeira coisa, em finanças pessoais, é descobrir um sonho. O planejador financeiro deve ajudar as pessoas a realizar os seus sonhos. O mais moderno é tentar ajudar as pessoas a fazerem sonhos – afirma Jurandir.


Desperdício

Na avaliação de Jurandir Macedo, desperdício não é só o excesso de cafezinho, existem desperdícios mais sutis. Um que mais afeta as classes média e alta é o desperdício da compra de status, de gastar para mostrar o que não é. Segundo ele, quando a pessoa gasta R$ 1 para ter prazer, terá retorno completo. Se gasta muito, terá centavos de retorno.

Diversificação

Para orientar as pessoas sobre a importância da diversificação de investimentos, o professor Jurandir Macedo cita a máxima de Antônio, O Mercador de Veneza, de Shakespeare:

– Nem todas as minhas cargas estão confiadas a um só navio, nem todos os navios se dirigem a um só porto, não são pois as especulações do presente ano que me fazem ficar triste.

Comentários

comments

Envie seu Comentário