Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 28 maio 2010

Catarinense à frente da Unicred Brasil

28 de maio de 2010 0

Como o cooperativismo de crédito, sistema que atua como os bancos, vai de vento em popa no país, a posse do médico pediatra catarinense, Euclides Reis Quaresma, na presidência da Unicred do Brasil, trouxe, hoje, quase todas as lideranças nacionais do setor para o Costão do Santinho, em Florianópolis.

Entre os presentes estão o gerente técnico do Banco Central, Josué Biachi Piccini; o coordenador do Conselho Especializado de Crédito da Organização das Cooperativas do Brasil, Manfred Dasenbrock; o presidente do Banco Cooperativo Sicred, Ademar Schrdong; o presidente da Confederação Sicoob, José Salviano de Menezes; e o presidente do Bancoob, Marco Aurélio de Almeida Abreu. A Unicred é a cooperativa de crédito dos médicos.

Como banco

O Sistema Cecred, que reúne 13 cooperativas de crédito em Santa Catarina e no Paraná, entre as quais a Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Transporte de Santa Catarina (Transporcred) festeja uma conquista histórica. Foi a primeira cooperativa de crédito do país a receber autorização do Banco Central para atuar com sistema próprio de compensação financeira. Isso significa maior agilidade na compensação de cheques e outras operações.

Esforço para salvar a Busscar

28 de maio de 2010 0

As negociações sobre saídas para salvar a montadora de ônibus catarinense Busscar sinalizam para uma solução que inclua nova gestão à empresa. A presença dos trabalhadores da empresa, ontem, em Brasília, permitiu avanço em reunião com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e com o ex-governador Luiz Henrique da Silveira. Segundo Coutinho, o banco está empenhado em encontrar uma solução negociada para a reestruturação e recuperação da empresa, que enfrenta dificuldades financeiras.

A senadora Ideli Salvatti também conversou, ontem, com o presidente do BRDE, Casildo Maldaner, sobre a busca de uma solução que garanta, principalmente, o emprego dos trabalhadores. O banco regional, com a participação do BNDES, pode liderar uma alternativa que viabilize nova gestão à empresa, que tem dívida de aproximadamente R$ 260 milhões. Entre as alternativas que podem ser avaliadas estão a venda do controle para fundos de pensão ou para a fabricante de ônibus Marcopolo, do Rio Grande do Sul.

Solução técnica

Pelos movimentos realizados até agora, o problema está sendo tratado mais politicamente do que tecnicamente. O fato é que a Busscar, que tem uma marca forte no mercado mundial, enfrenta problema de gestão financeira e precisa de uma solução técnica. É importante, nesta hora, que a família controladora e os diretores tenham a sabedoria de negociar uma saída rápida, antes que a empresa vá à falência. Muitas vezes é melhor ter uma participação menor, mas manter uma empresa forte do que esperar que a situação piore. Em SC, temos alguns bons exemplos. A Tupy, que foi incorporada pelos fundos de pensão, e a Sadia, que se fundiu com a Perdigão, estão numa trajetória crescente. Já a Chapecó Alimentos agonizou por anos e desapareceu.

Crédito de IPI

A Busscar diz ter garantido na Justiça crédito de IPI superior a R$ 600 milhões. Mas o governo federal argumenta que não vai pagar este valor porque o Supremo Tribunal Federal derrubou esta medida no ano passado. Se aprovada, causaria um rombo impagável às contas públicas porque a maioria das empresas diz ter esses créditos. Por isso, mesmo que a situação da empresa seja joinvilense diferenciada, é um problema que pode se arrastar.