Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Polêmica do ICMS no Simples

11 de junho de 2010 1

A substituição tributária, sistema no qual a responsabilidade pela arrecadação do imposto fica para outro contribuinte, enfrenta polêmica no caso do ICMS em Santa Catarina. O modelo, quando adotado para alguns produtos, como colchões e eletrodomésticos, acaba provocando um custo maior ao pequeno lojista, o que coloca em risco o desempenho da sua atividade, alerta o presidente da Federação das CDLs do Estado, Sérgio Medeiros. O segmento negocia com a Secretaria da Fazenda uma saída, que pode ser a mudança na forma de cobrança do imposto, pelo Confaz, o conselho que define mudanças no ICMS no país. Conforme Medeiros, a alteração é necessária para que o varejo, que participa do Simples Nacional, possa continuar se beneficiando das menores alíquotas tributárias. Para empresas optantes do Simples, as alíquotas do ICMS variam de 1,25% a 3,95%. Com a substituição, isso cai e as empresas têm que pagar as mesmas alíquotas das maiores companhias, antecipadamente.

Vai continuar

 O assessor da Secretaria da Fazenda, Almir Gorges, diz que a pasta reconhece que o atual sistema está prejudicando alguns setores do varejo que vendem produtos que estão no regime de substituição. Mas acredita que haverá uma solução negociada porque a cobrança junto ao fornecedor é a forma encontrada pelos estados para reduzir a sonegação de ICMS. Por isso, a Fazenda encaminhará ao Confaz, no próximo mês, uma proposta que reduz a média do valor adicionado (aquela que é cobrada pelo lojista sobre o valor da mercadoria).
O debate sobre a substituição também foi levado para o Congresso Nacional pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), que espera mudança.

Comentários

comments

Comentários (1)

  • Pedro diz: 11 de junho de 2010

    Cara Colunista, acho que não entendi bem o contido na postagem: quer dizer que por conta da sonegação teriam que ser alteradas as alíquotas ou a forma de cobrança do ICMS? Isso não é compactuar com a criminalidade? Pobre Santa Catarina. E não me consta de alguém que vá comprar colchões em outros estados por conta disso: alguém está querendo se dar bem, como sempre.

Envie seu Comentário