Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Direto da China

22 de agosto de 2011 0

Para aquecer o turismo

Os principais equipamentos feitos pela China para as Olimpíadas de 2008 – o Estádio Ninho de Pássaro, o Cubo d’Água e as quilométricas calçadas ajardinadas – hoje funcionam como atração turística. O visitante paga 50 yuan (R$ 12) para ver o estádio olímpico e mais um ingresso para visitar o Cubo. A missão da Fecomércio à China visitou ontem essa infraestrutura e ficou convencida de que o desenvolvimento turístico depende da criação de atrativos.

De metrô

Para chegar até o complexo olímpico a comitiva catarinense usou metrô, pagou R$ 0,50 de passagem e fez conexão com quatro trens. Participaram da visita o vice-presidente, Celio Spagnoli, e o diretor da Fecomércio, Marcos Arzua; o presidente da Câmara de Turismo, João Moritz, o diretor da Secretaria de Turismo, Oseias Mafra Filho, e o diretor da Secretaria de Articulação, Amir Hamad.

Nas alturas

O que impressiona na China é como o país consegue praticar preços tão baixos enquanto, no Brasil, há valores nas alturas e inadimplência em alta. É claro que os chineses têm carga tributária menor, mas o diretor da Fecomércio, Marcos Arzua, preocupado com a inadimplência, avalia que uma das razões desse fôlego do mercado brasileiro é a maior oferta de crédito.

Descontos

A empresária Regiane Rodrigues, da loja Jomar, de Jaraguá do Sul, ficou impressionada com a negociação dos chineses e sua persistência para fechar negócios. No Mercado da Seda ela fez compras após retornar três vezes à mesma loja e pedir muito desconto.

Comentários

comments

Envie seu Comentário