Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 18 dezembro 2011

Tractebel vai crescer 25% com Jirau

18 de dezembro de 2011 0

    Mesmo neste ano em que o Brasil crescerá abaixo do esperado, a Tractebel Energia, multinacional que é a maior geradora privada de energia do país e tem sede em Florianópolis, vai encerrar com balanço bem azul. O presidente da companhia, Manoel Arlindo Zaroni Torres, informa que os resultados até setembro já garantem aos acionistas distribuição de R$ 1,16 bilhão de dividendos e juros sobre o capital próprio. Para o ano que vem, o grande salto da Tractebel será no último trimestre, quando assumirá as operações da megausina Jirau, do Rio Madeira, da qual a GDF-Suez, que integra a sua controladora mundial, a International Power-GDF-Suez, é dona de 50,1%. As outras sócias são a Eletrosul, também da Capital, a Chesf e a Camargo Corrêa. Segundo Zaroni, a Jirau vai entrar em operação em outubro ou novembro do ano que vem e vai aumentar em 25% a oferta de geração da Tractebel. A empresa também acaba de inaugurar moderna sede com visual amplo para a Baía Norte da Capital (veja na foto de Zaroni), vai investir R$ 600 milhões em geração eólica e segue foco de crescer trazendo satisfação a todos os seus públicos.

Manoel Arlindo Zaroni Torres

    Presidente da Tractebel Energia, maior empresa privada de geração de energia do Brasil. Manoel Zaroni Torres é engenheiro pela Escola Federal de Engenharia de Itajubá, Minas Gerais e tem especialização em Administração Geral pelo Cedep – Insead, na França. Iniciou a carreira na Furnas Centrais Elétricas, passou pela Tractebel no Rio de Janeiro e assumiu a direção de Produção da Gerasul após sua aquisição pela Tractebel. Em junho de 1999, foi conduzido à presidência. Por sua atuação à frente da companhia, já recebeu diversos prêmios, inclusive a distinção honorífica Ordem de Leopoldo, por sua majestade Alberto II, da Bélgica. Natural de Itajubá, está completando 62 anos neste domingo. É casado com Vera Lúcia Corrêa Torres desde 1974, com quem tem três filhos, Rodrigo, Ana Paula e Renan. Aguarda a primeira neta, Manuela, filha de Ana Paula.

Como foi 2011 para a Tractebel e qual é a expectativa para 2012?
Manoel Zaroni Torres – O ano foi bom, mas teve alguns desafios inesperados. O projeto do novo Código Florestal quase representou uma ameaça para usinas existentes há muitos anos porque mudanças propostas inicialmente poderiam trazer um impacto financeiro e social. Havia proposta para reflorestar áreas já ocupadas por condomínios. Outro obstáculo foi o baixo preço da energia no mercado spot (de sobra de energia). Para o ano que vem, a situação da Europa está mal resolvida e, por isso, não sabemos o que vai acontecer. Mas o Brasil crescerá algo em torno de 3% a 4% em 2012. O país vive o bônus demográfico, com a maioria da população economicamente ativa, e também há avanço na distribuição de renda. Tem muita gente comprando a primeira máquina de lavar roupa com a desoneração da linha branca promovida agora.

Quando a hidrelétrica Jirau entrará em operação?
Zaroni – A Jirau vai entrar em operação em outubro ou novembro do ano que vem e, antes disso, a participação do grupo International Power GDF-Suez, que é de 50,1%, será transferida para a Tractebel. Como a usina terá capacidade instalada de 3.750 MW, 1,8 mil MW passarão para a empresa, o que vai representar um acréscimo de 25% aos 6,6 mil MW gerados atualmente.

E a geração eólica?
Zaroni – Iniciamos a construção de cinco parques eólicos no Nordeste, quatro no Ceará e um no Piauí. Os investimentos em 2012 serão de R$ 600 milhões nessas unidades. A gente está prospectando outros locais para eólicas e oportunidades de biomassa. Esse parque eólico é para consumidor especial, fora do ambiente regulado.

O que representa a sede nova para a empresa?
Zaroni – A mudança para esse novo escritório (na Beira-Mar Norte) é um marco importante. Passamos 10 anos no escritório antigo, fomos muito felizes lá, mas a empresa dobrou de tamanho e o número de pessoas no escritório cresceu 50%, tínhamos 200 e, agora, são 300. Nós já estávamos fazendo anexos. O objetivo foi dar conforto aos colaboradores e pensar no futuro, para o crescimento da empresa para os próximos 10 anos. Temos um novo CPD, piso removível, sistema de ar-condicionado inteligente e boa iluminação. A sede da International Power GDF-Suez para a América Latina também passou a ser aqui neste prédio.

Um tema que preocupa o setor é o final de concessões públicas em 2015. Quais são as expectativas da Tractebel?
Zaroni
– Usina hidrelétrica é um bem da união, a concessão tem que ser feita em leilões. Está vencendo um grande bloco de concessões de 50 anos (de usinas, linhas de transmissão e distribuidoras de energia). Para não licitar tem que haver uma mudança legal. Estamos num momento muito bom no Brasil e temos um período político cujo viés não é de privatização. Minha expectativa é de que as concessões serão renovadas. Qual vai ser o modelo, não sei. A equipe do Ministério das Minas e Energia deve estar estudando a melhor solução. Nós só investiríamos se tivesse leilão. A Tractebel não tem usinas com vencimento agora. Nosso primeiro contrato de 30 anos vencerá em 2028, com previsão de mais 20 anos.


Notas

No social

   A Tractebel é uma das empresas mais lucrativas do setor elétrico brasileiro. Mas seu presidente, Manoel Zaroni, diz que a companhia trabalha pela busca de valor de forma equilibrada. Explica que o lucro é importante para a continuidade do negócio, mas não só. A empresa trabalha para criar valor aos acionistas, empregados, sociedade e governo. Tem um comitê de sustentabilidade que decide sobre projetos sociais e culturais. E a preservação do meio ambiente tem um departamento à parte.
– Estamos investindo em centros culturais nas cidades onde temos usinas – afirma o executivo. Dois serão feitos em SC.

Consumo

O consumo per capita de energia no Brasil, de 2,3 mil quilowatts-hora (kWh) por ano, ainda é baixo frente aos países desenvolvidos. Segundo o presidente da Tractebel, Manoel Zaroni, nos Estados Unidos é mais de 13 mil kWh. Em segundo lugar está o Japão, com 8,4 mil. Na América Latina, o Chile tem o maior consumo per capita, 3,5 mil kWh.

Preço

Entre as preocupações do setor está o preço da energia futura. O que é bom para o mercado consumidor. Em 2013, voltará ao mercado um bloco grande de energia vendido em 2004, para cinco anos. Serão 9 mil MW médios, uma quantidade enorme, segundo Zaroni. Além disso, haverá a renovação das concessões em 2015.

Recorde

No dia 12 de outubro, às 20h40min, a Tractebel obteve o recorde instantâneo de geração no país, com 7.290,8 MW, representando 11,37% do sistema energético interligado nacional.

Foto de Fernando Salazar

Vendas do varejo crescem 6,34%

18 de dezembro de 2011 0

O varejo catarinense registrou crescimento de 6,34% nas vendas a prazo entre os dias 5 e 15 deste mês frente ao mesmo período do ano passado, segundo levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) para a Federação das CDLs. Pelos indicativos da entidade, o varejo estadual deverá superar a estimativa de crescimento de 6% nas vendas de Natal frente ao mesmo período de 2010, observa o presidente da Federação, Sérgio Medeiros. O pagamento da segunda parcela do 13º salário, amanhã, e a proximidade do Natal vai aquecer ainda mais o movimento no comércio.

Sol ajuda
A previsão de clima favorável, com dias de sol e calor esta semana, também vai ajudar a aquecer as vendas natalinas. Segundo o meteorologista Leandro Puchalski, haverá ondas de calor e sol até quinta-feira, com trovoadas em algumas noites. Com sol, o varejo vende mais.