Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 26 dezembro 2011

O mercado gostou da fusão Portobello-Eliane

26 de dezembro de 2011 1

Os investidores da BM&FBovespa aprovaram a fusão Portobello-Eliane, formando a maior indústria de revestimentos cerâmicos do Brasil e uma das maiores do mundo. As ações da Portobello, empresa que está listada no Novo Mercado da Bolsa, registravam alta de 11,56%, para R$ 1,64, às 14h50min da tarde de hoje. O crescimento é um dos maiores já registrados pelos papéis da companhia.

Fusão das cerâmicas e custo Brasil

26 de dezembro de 2011 1

 Acomunicação da fusão, sexta-feira, da Portobello e da Eliane, duas das maiores indústrias de revestimentos do Brasil, que formarão a empresa número um do país e uma das maiores do mundo no setor, foi uma novidade por incluir as cerâmicas no já dinâmico mercado de incorporações e fusões do país. Mas não surpreendeu quem acompanha de perto as dificuldades enfrentadas pelo setor em função dos custos brasileiros de produção frente à concorrência asiática. Na última década, passou a ser crescente a importação de produtos cerâmicos da China pelas indústrias do setor e, mais recentemente, a situação ficou mais difícil para elas porque o varejo, que revende materiais de construção, passou a importar diretamente dos chineses, reduzindo mais os preços ao consumidor.
A lista de obstáculos à produção cerâmica no país inclui alta carga tributária, alto custo da mão de obra, dólar baixo e o elevado custo do gás natural, que fica em torno de 18% das despesas totais das empresas e supera os valores destinados aos salários. Pelo acordo, a Portobello vai incorporar a Eliane e assumirá dívidas, por isso terá 80% do capital da nova empresa, que fecha este ano com faturamento de R$ 1,1 bilhão.

 Repensar o setor

 É preocupante quando um setor como o de revestimentos cerâmicos tem grandes dificuldades para competir num mercado continental como o brasileiro. A cerâmica é um produto de peso e volume elevados, envolvendo uma logística cara, por isso deveria ser feito regionalmente. Além disso, o Brasil tem matéria-prima abundante e muitos precisando de emprego. Há, também, o controle de qualidade, que aqui é mais rigoroso. Estas questões deveriam ser avaliadas pelo Planalto e governos estaduais para que o nosso parque fabril não seja todo transferido para a Ásia.

Natal em dobro

26 de dezembro de 2011 0

Quem festejou muitas conquistas neste Natal foi o empresário e professor Emílio da Silva Neto, sócio da Arco-Íris Alimentos, de Jaraguá do Sul, e professor da PUC-SC. Após redesenhar as embalagens dos produtos e fortalecer presença no segmento minivarejista, a Arco-Íris, que produz pão de mel e outros itens, fecha o ano com crescimento de vendas físicas de 25% frente a 2010. E o engenheiro mecânico Emílio Silva, além de realizar o sonho de descer de bicicleta, na Bolívia, a Estrada da Morte, entre La Paz (4,7 mil metros) e Coroico (1,2 mil metros), foi aprovado para fazer doutorado em Engenharia na UFSC, no qual defenderá a tese Sistema de Gestão do Conhecimento em Pequenas e Médias Empresas Brasileiras.