Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2012

Portobello e Eliane ainda estudam fusão

31 de março de 2012 0

A Portobello e Eliane, empresas catarinenses que lideram a fabricação de revestimentos cerâmicos no Brasil, informaram ontem ao mercado que as tratativas visando a realizar a união dos seus negócios e a integração das suas operações continuam em curso. A comunicação à Comissão de Valores Mobiliários foi necessária porque, na divulgação de informação anterior, as duas empresas anunciaram que concluiriam as diligências hoje, 31 de março de 2012. No fato relevante, o presidente da Portobello, Cesar Gomes Jr., e o presidente da Eliane, Edson Gaidzinski Jr. informaram que manterão o mercado informado sobre o avanço das avaliações. O objetivo das duas companhias é fazer a fusão para aproveitar a sinergia de um negócio maior, diante da maior concorrência internacional no mercado interno e redução das exportações. Enquanto o negócio não é fechado oficialmente, ambas devem manter suas atividades independentes.


Mailson alerta que não haverá redução da carga tributária

31 de março de 2012 1

Mais de 300 empresários do Norte do Estado participaram da palestra do ex-ministro Mailson da Nobrega, quinta à noite, na Associação Empresarial de Joinville, na comemoração dos 15 anos da Martinelli Advocacia Empresarial. Mailson chamou a atenção para a falta de competitividade da indústria brasileira, causada pela alta carga tributária, falta de infraestrutura e outros custos elevados. Mas alertou que não haverá redução da carga tributária porque os custos do setor público seguem altos. Com matriz em Joinville e 10 escritórios no país, a Martinelli vai promover outras palestras para marcar seus 15 anos. Na foto, o ex-ministro Mailson (E) fala com o presidente da Tupy, Luiz Tarquínio (D), enquanto o fundador e presidente da Martinelli, João Martinelli (C), recebe convidados.

Foto de Peninha Machado

Brasileira no MIT, a melhor universidade de engenharia do mundo

31 de março de 2012 2

A jovem Ana Lopes (foto), que trabalhou no Escritório de Transferência de Tecnologia do MIT por cinco anos e, agora, atua como estrategista de negócios na E Ink, empresa líder mundial em leitores digitais para o mercado, foi a única palestrante brasileira no Challenge Innovation, evento de incentivo à inovação que se encerrou ontem, no Costão do Santinho, em Florianópolis.

Ela falou sobre a parceria da instituição com empresas para desenvolver inovação e a forma como são registradas as patentes dessas invenções.Segundo ela, 20% das patentes registradas pela instituição são financiadas pelo setor privado.

Todas as patentes pertencem ao MIT, mas as empresas têm o direito de um licenciamento exclusivo ou não-exclusivo (o que é chamado de right of first refusal). Ana Lopes nasceu Brasília, fez graduação em Astrofísica na Universidade de Toronto, no Canadá, se mudou para Boston (EUA) e ingressou no MIT em vaga na área de Ciências Físicas. Em setembro último, assumir novo desafio na E Ink.

Fotos do Challenge Innovation são da Imagem e Arte

Eólicas no mar e Opep para florestas, recomenda professor do MIT

31 de março de 2012 0

O Brasil poderia gerar energia eólica no mar para atender o Rio de Janeiro durante as Olimpíadas de 2016 e liderar a criação de uma Opep para florestas. Esses conselhos futuristas são do renomado professor Alexander Slocum, do laboratório de Engenharia Mecânica do MIT, o Massachussetts Institute of Technology, que fez palestra sobre inovação em energia, ontem, no segundo dia do Challenge Innovattion, evento de inovação promovido pela Fundação Certi com o MIT, no Costão do Santinho.Slocum, conhecido pela sua excentricidade e por gostar de roupas coloridas, especialmente as camisas com motivos da natureza fabricadas pela empresa da sua mulher, disse que o mundo tem muito petróleo no subsolo, ainda, mas defendeu a geração eólica. Disse que entre SC e o RJ é possível instalar aerogeradores a 100 quilômetros do litoral para gerar 100 GW de energia. Ele também disse que estão sendo feitos muitos medicamentos a partir da biodiversidade e que o Brasil poderia liderar a criação de uma organização forte, a exemplo da que reúne os produtores de petróleo (Opep), para defender e taxar a biodiversidade das florestas.

Troca de comando no MCE

30 de março de 2012 0

O Movimento Catarinense para a Excelência (MBE) troca de comando hoje à noite. O empresário Adré Gaidzinski, da Eliane Revestimentos Cerâmicos e Iara Empreendimentos Imobiliários passa a presidência para Amandio dos Santos, do setor de comércio de telefonia celular empresarial, de Rio do Sul, que acabou de deixar a presidência do Conselho Estadual dos Jovens Empreendedores (Cejesc).

Fundação Certi lança fundo de capital semente

30 de março de 2012 0

Com o propósito de fomentar empresas inovadoras de base tecnológica nas áreas de energia, ciências da vida, tecnologia da informação e economia criativa, a Fundação Certi está lançando o CVentures Primus, fundo de capital semente (Seed Capital) que já conta com R$ 50 milhões e pretende somar R$ 80 milhões. Segundo o diretor da Fundação Certi, José Eduardo Fiates, R$ 35 milhões vêm da Finep, R$ 7 milhões do BID e a outra parte vem de empreendedores pessoas físicas e jurídicas. Cada empresa receberá de R$ 3 milhões a R$ 5 milhões. A gestão será feita pela CVentures, empresa criada pela Certi e a CRP, Companhia Riograndense de Participações, uma das empresas de venture capital mais antigas do Brasil. A metodologia dos investimentos será a americana, em que os fundos entram como parceiros dos negócios.

Fundo de Parisotto cobra solução de rombo da Monreal na Celesc

30 de março de 2012 1

O fundo Geração LPar, do empresário Lirio Parisotto, aproveito a assembleia extraordinária realizada pela Celesc, ontem, para cobrar solução ao rombo causado à companhia pelo contrato com a empresa de cobrança Monreal, que vigorou de 2003 a 2008. Uma investigação do conselho fiscal da empresa, em dezembro de 2010, com levantamento feito pela empresa de auditoria KPMG, apurou que de maio de 2006 a dezembro de 2009 foram pagos à Monreal R$ 51,7 milhões sem registros ou documentos que comprovam a equivalente prestação de serviços de cobrança de faturas inadimplentes.

O Geração LPar apresentou, por escrito, sua manifestação de voto e protesto sobre a falta de solução do problema, levantado há mais de 15 meses. Solicitou análise dasinvestigações relativas ao contrato de prestação de serviços e demais aditivos realizados em 17 de dezembro de 2003 com a Monreal, delimitação dos prejuízos sofridos pela companhia e sua subsidiária Celesc Distribuição e responsabilização dos seus administradores.

 

Confira as cobranças do Geração LPar:

Em vista do exposto, o signatário manifesta seu voto no sentido de que:

a)     O Relatório da KPMG, que analisa a celebração do Contrato Monreal, seja imediatamente divulgado, por meio do sistema eletrônico mantido pela Comissão de Valores Mobiliários CVM, em sua página da Rede Mundial de Computadores;

b)    O Relatório da KPMG e o parecer do Conselho Fiscal da Companhia, datado de 28 de abril de 2011, sejam imediatamente encaminhados à Deloitte Touche Tohmatsu, auditores independentes da Companhia, para a adoção das medidas que considere necessárias, relativamente às demonstrações financeiras da CELESC; 

c)     A Companhia tome, imediatamente, todas as medidas, inclusive preparatórias, judiciais ou de cunho arbitral, visando à responsabilização civil e administrativa de administradores, ex-administradores, funcionários e ex-funcionários, por atos praticados entre os anos de vigência do Contrato Monreal (2004 a 2009), em violação da legislação aplicável ou em detrimento dos melhores interesses da Companhia, na celebração e execução do Contrato Monreal, aplicando-se, também, o disposto no artigo 159 e §§, todos da Lei 6.404/76; e, 

d)    O inteiro teor da presente manifestação seja anexado à Ata da AGE, para que produza todos os efeitos. 

O signatário se reserva o direito à adoção das medidas que lhes sejam facultadas em lei ou no Estatuto Social da Companhia, com o fim de que sejam apuradas as responsabilidades em todas as esferas legais que entender pertinente e sejam ressarcidos os prejuízos cabíveis.

MIT e Sociedade Fraunhofer em 2013

30 de março de 2012 0

No ano que vem, o evento Challenge Innovation vai contar com a parceria do MIT e, também, da Sociedade Fraunhofer, que reúne 60 institutos tecnológicos na Alemanha. Esse novo parceiro será anunciado hoje, no final do congresso, pelo presidente do conselho da Certi, Carlos Alberto Schneider. Segundo ele, ainda será feita uma avaliação se a opção será por um evento com a participação das duas instituições, ou serão congressos separados. Além disso, a intenção, também, é oferecer mais visitas a instituições tecnológicas e a empresas na Grande Florianópolis durante o evento, incluindo laboratórios da UFSC, incubadoras e outros.
A propósito, o peso do congresso que acontece no Costão do Santinho está nas participações de empresas e instituições. Além de empresas do Estado, estão presentes executivos de gigantes como a Petrobras, Embraer, Siemens e Natura. Técnicos do BNDES também participam.

Tecnologias para cidades

30 de março de 2012 0

A tecnologia pode ser uma importante agregada na melhoria da qualidade de vida nas cidades. Esse foi o recado do professor do Massachusetts Institute of Technology (MIT), Assaf Biderman, que fez a palestra Desafios de Inovação nas Cidades – Smart Cities, ontem, no Costão do Santinho, durante o Challenge Innovation. Segundo ele, o uso de serviços de telefonia mostra o nível de integração das pessoas e relações entre cidades, o que permite oferecer serviços em função disso. Biderman mostrou como o MIT desenvolveu tecnologia para bicicleta lançada durante a conferência mundial do clima, em Copenhague, Dinamarca, cidade onde mais de 50% dos deslocamentos são feitos com bicicletas. Os técnicos da instituição criaram um motor na roda do veículo (foto) que acumula energia nas frenagens e libera na hora de demanda energética, para uma subida, por exemplo. A bicicleta ainda não é fabricada em série.

Para provocar mais inovação

30 de março de 2012 0

A iniciativa da Fundação Certi de retomar o debate global da inovação com o evento Challenge Innovation, em parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), que abriu ontem e se encerra hoje, no Costão do Santinho, mostra que esse é o caminho para despertar mudanças nas empresas visando maior competitividade. Os quatro palestrantes de ontem alertaram sobre a necessidade de inovar sempre e olhar para o futuro. Ao falar sobre competitividade global, Michael Schrage defendeu o intangível e disse que o preço da inovação ao consumidor está caindo. Também recomendou menos setor público na atividade inovadora. Andrew Mcafee disse que a atuação de cientistas de dados na gestão das empresas está vencendo os executivos tradicionais experientes, o que ele chama de hipopótamos.
O fundador e presidente do conselho da Fundação Certi, Carlos Alberto Schneider, disse que no final dos anos de 1990, a instituição promovia as semanas da qualidade e inovação. Outras organizações acharam que isso não deveria ser liderado pela Certi, prometeram fazer esses eventos, mas não deram continuidade. A sala lotada, ontem, com mais de 250 participantes, animou Schneider, que acredita numa nova fase de inovação mais intensiva nas empresas, especialmente de tecnologia, a exemplo do que ocorreu após as semanas da qualidade.

Curso para ser agente de finanças pessoais

29 de março de 2012 0

Pessoas interessadas em ser agente autônomo de investimento podem participar de curso preparatório oferecido pela XP Investimentos, por meio da XP Educação. Para se tornar agente de investimento pessoal é preciso ter ensimo médio completo e obter a certificação por meio de uma prova promovida pela Associação Nacional das corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias. As inscrições devem ser feitas até esta sexta-feira e a prova, em Santa Catarina, será dia 15 de abril. O curso preparatório é transmitido ao vivo pela internet. Os alunos farão simulados, responderão a perguntas de outras edições e terão uma revisão dos conteúdos da prova. Serão duas turmas, nos dias 30 e 31 de março e 13 a 14 de abril. Outras informações no site www.xp.com.br/aprenda.

Abit tem agenda clara, diz Pimentel

29 de março de 2012 0

O superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Fernando Pimentel, disse que o setor tem uma agenda clara para a retomada da indústria têxtil nacional: desoneração da folha, legítima defesa comercial com medidas de salvaguardas e antidumping, redução do preço da energia elétrica e fim da guerra dos portos. Também criticou a manipulação do câmbio pela China, o que destruiu as proteções do Brasil na OMC.

Colombo fala sobre ICMS de importação

29 de março de 2012 0

O governador Raimundo Colombo disse ontem que falou, por telefone, com o ministro, Guido Mantega, após a reunião de terça dos técnicos do ministério com o secretário Nelson Serpa. Segundo o governador, foi possível avançar bastante na construção de uma alternativa para o projeto atual, que prevê a padronização do imposto interestadual em 4%.
_ Talvez nessa semana ainda ou na semana que vem eu fale com o ministro para concluir os entendimentos sobre a nova proposta _ disse o governador, que trabalha na proposta com outros governadores, com o objetivo de negociar uma redução gradativa do imposto até alíquota de 6%.

*Colaborou Alessandra Ogeda

Pressão no senado
O presidente da Associação Brasileira de Empresas do Comércio Exterior (Abece), Ivan Ramalho, os empresários de SC, Adalberto Sedlacek (da Polymport) e Denisson de Freitas (Komeco), com assessores, participaram de reunião, ontem, com o presidente do Senado, José Sarney. Eles defenderam os interesses das empresas do setor de importação e se colocaram contra a votação emergencial da resolução 72, que institui ICMS de 4% para importação. Houve retirada da emergência na votação da resolução.

Alerta para o Brasil não ser apenas um corredor de commodities

28 de março de 2012 1

Um dos focos dos discursos do Grito de Alerta em Defesa da Produção e do Emprego no Brasil, hoje à tarde, no Centro de Florianópolis, foi o apelo aos políticos para que não deixem o país ser transformado em apenas um corredor de commodities. Entre os exemplos citados estão o fato de o Brasil liderar as exportações de madeira de eucalipto e minério de ferro enquanto é um dos maiores importadores de papel e de máquinas, feitos, respectivamente, com essas matérias-primas. A série de protestos, que começou em Porto Alegre e segue em outras cidades brasileiras, visa a alertar sobre os impactos negativos da desindustrialização na oferta de emprego e geração de riquezas no país.

Entre as autoridades presentes, o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte; o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho; o superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Fernando Pimentel (homônimo do ministro de Desenvolvimento); o primeiro vice-presidente da Fiesc, Mário Aguiar; diretor da Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Carlos Buch Pastoriza, o empresário André Gaidzinski representando o Movimento Brasil Eficiente (MBE); o presidente da Força Sindical em SC, Osvaldo Mafra; e o presidnete da Nova Central Sindical em SC, Altamiro Perdoná.

O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, afirmou que a indústria catarinense não tem medo de competição. Tem parque fabril atualizado e trabalhadores qualificados. Mas precisa de condições isonômicas para enfrentar a concorrência externa.

A carga de impostos sobre ovos de Páscoa é de 38,53%

28 de março de 2012 0

Nem os ovos de Páscoa escapam da elevadíssima carga tributária brasileira. Levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) sobre a incidência de impostos sobre os produtos mais consumidos na Páscoa apontou que do total do preço de ovos de chocolate, 38,53% é imposto. No caso do chocolate, a carga tributária é de 38,60%. E os vitivinicultores catarinenses têm razão em reclamar: os impostos sobre o preço total da bebida representam nada menos do que 54,73% do preço pago pelo consumidor. O bacalhau importado paga 43,78%; o almoço em restaurante, 32,31%; e os peixes, 34,48%. A menor carga tributária incide sobre o buquê de flores, 17,71%.

Para Serpa, negociação sobre ICMS de importação avança

27 de março de 2012 0

Após reunião com quatro técnicos do Ministério da Fazenda, em Brasília, na manhã de hoje, o secretário da Fazenda do Estado, Nelson Serpa, declarou estar mais otimista sobre a possível aceitação da proposta catarinense de redução gradativa da alíquota de ICMS para importação a partir de 2013, até um limite não inferior a 6%. O governo federal tem projeto a ser votado no Senado com alíquota única de 4%. Serpa, que participou da reunião acompanhado do diretor de Administração Tributária da pasta, Carlos Roberto Molim, disse que está havendo receptividade do governo federal.

_ Sentimos que há um espaço muito positivo para a negociação da proposta de Santa Catarina e minimização das nossas perdas de arrecadação.  Apresentamos a proposta durante a reunião e os técnicos informaram que vão analisá-la com ar de quem tem intenção de atender _ disse o secretário. 

O governo catarinense está empenhado em negociar uma mudança mais branda para a unificação do ICMS porque o Tesouro do Estado pode perder cerca de R$ 1 bilhão por ano se a medida for tomada imediatamente. Segundo o secretário, a Fazenda ainda avlaia os itens colocados em pauta pelo Ministério da Fazenda, como a lista negativa para benefícios dos setores de aço, polímeros plásticos e têxteis.


"Aperitivo" do evento de inovação com o MIT

27 de março de 2012 0

A Fundação Certi, em parceria com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), realiza nesta quarta-feira, às 18h30min, no auditório do ParqTec Alfa, na Capital, um “aperitivo” sobre o evento O desafio da inovação: pensando fora da “caixa” com o MIT (Challenge of Inovation 2012 – Thinking out of the Box whith MIT), que será realizado quinta e sexta-feira, no Costão do Santinho. O pesquisador do Center for Digital business, Michael Schrage, com experiência em gerenciamento da inovação e do risco, abordará a inovação e empreendedorismo. Andrew McAfee, que cunhou o termo empresa 2.0 e lançou livro homônimo, falará sobre a influência de Tecnologias de Informação e Comunicação nas empresas. O evento é destinado para empresários, executivos de institutos de ciência e tecnologia (ICT’s), estudantes e interessados em inovação empresarial.Inscrições no telefone 3239- 2202, com Fernanda. A participação é gratuita.

 


Vivo lança smpartphone da Nokia

27 de março de 2012 0

A loja Vivo, do Beiramar Shopping, realiza hoje à noite evento de lançamento do novo celular da Nokia, o Lumia 800, com as presenças do gestor da companhia, Eduardo Schuler, e o gerente regional de Santa Catarina, Marcelo Bittencourt.

Faltou SC na reunião com Dilma, diz Fiesc

27 de março de 2012 1

Lideranças empresariais catarinenses não gostaram nada do fato de o governo federal não ter incluído nenhum industrial do Estado na reunião de megaempresários com a presidente Dilma Rousseff. O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, enviou ofício para a presidente, ontem, lamentando a ausência, com cópia para a ministra Ideli Salvatti.
_ Cumprimentando-a cordialmente, parabenizamos pela iniciativa da reunião realizada no ultimo dia 22 entre Vossa Excelência, Ministros do seu Governo e empresários de diversos segmentos, mas lamentamos a ausência de empresários de Santa Catarina, sobretudo do setor industrial, cuja representatividade justifica e recomenda a participação em fóruns como esse. Esperando que em futuros encontros a indústria de Santa Catarina esteja representada a altura de sua significativa contribuição ao desenvolvimento nacional, agradecemos a sua atenção, subscrevendo-nos _ diz o ofício, assinado pelo presidente do Sistema Fiesc, Glauco José Côrte.
 
Gigantes daqui
Pelo menos dois grupos industriais de SC poderiam ter representação na reunião, a BRF Brasil Foods, maior empregadora nacional do setor de carnes, e a WEG, líder mundial em motores elétricos. SC é a 8º maior economia do Brasil, foi ultrapassada por Bahia e Brasília nos últimos anos. Já estavam na frente do Estado SP, MG, RS, RJ e PR.

Expectativas sobre o ICMS de importações

27 de março de 2012 0

Enquanto o governo e parte do setor privado catarinense temem os efeitos negativos do fim dos incentivos de ICMS à importação, empresas que produzem no Estado começam a ver luz no fim do túnel para poder voltar a competir. Após a reunião com lideranças do setor têxtil, ontem, que decidiu pedir ao governo federal a continuidade dos incentivos para matérias primas como fios e tecidos, hoje o secretário da Fazenda, Nelson Serpa, vai se reunir com técnicos do Ministério da Fazenda com a proposta de reduzir gradualmente os incentivos, até uma alíquota de 6%. Também levará a proposta dos têxteis.
Ainda não é possível saber se os argumentos dos 11 estados que praticam ICMS menor, entre os quais Santa Catarina, serão considerados, mas eles avaliam como um avanço político o fato de terem conseguido ampliar o debate sobre o tema porque o governo queria aprovar a resolução no Senado ainda semana passada. O Ministério da Fazenda pediu o fim dos incentivos para três setores: têxteis, aço e polímeros plásticos. Na leitura dos que defendem a situação atual, esse pleito especial é porque esses setores têm mais lobby junto ao governo federal. Entre os setores de SC que esperam voltar a ter competitividade com o fim dos incentivos estão indústrias têxteis e de confecções, e de polímeros plásticos.