Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

As doze propostas para a ligação entre a Ilha de SC e o continente

30 de julho de 2012 34

O governo catarinense recebeu 12 propostas para nova ligação Ilha-Continente e a escolha do melhor projeto ou melhores projetos, até com a possível contemplação de mais de um modal, será feita em dois meses, até o final de setembro. Entre as empresas e pessoas que apresentaram propostas estão grandes grupos nacionais e estrangeiros, por meio de consórcio ou não, e até uma estudante da UFSC. As sugestões são Andrade Gutierrez, Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) e ESSE Engenharia Consultiva, Conceb Projetos e Construções, Contern Construções e Comércio, Engevix e Paulitec, escritório Jaime Lerner Arquitetos Associados, Jaqueline Carvalho Ferreira (acadêmica da UFSC), LDJ Projetos e Execuções ME consorciada com a empresa PICID Ltda  e Comaipa SA (duas empresas espanholas), Odebrecht e OAS, Queiroz Galvão,  Sotepa e Iguatemi, e WD Engenharia e Construções.

Segundo o secretário e presidente da SCPar, Paulo Cesar da Costa, há propostas de pontes, túneis, teleféricos, barcaças, ferry boat, VLP (veículos leves sobre pneus). Alguns modais são complementares, isto significa que um não exclui o outro. Conforme o governador Raimundo Colombo, esse grande interesse mostrou que esta é uma das principais obras de infraestrutura do país, para os próximos anos. A maioria dos projetos de ponte tem custo estimado de R$ 1 bilhão. Segundo o governador, a escolha vai ser técnica, embora ele tem uma simpatia maior pela construção de um túnel.

Como será a primeira parcerica público-privada, a nova ligação poderá ter pedágio. Se esta for a escolha, as pessoas que preferirem não pagar poderão usar a ligação atual, pelas pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Salles, e, também, a ponte Hercílio Luz, que está sendo recuperada e poderá receber carros, motocicletas e ônibus, explicou Colombo.

Síntese de cada projeto:

Andrade Gutierrez

 Implantação de nova ponte ou túnel imerso entre a Ilha e o Estreito, e aterro sobre o mar na margem continental da Baía Norte. 

Implantação de nova ponte rodoviária ou, alternativamente, túnel  imerso, incluindo ligação rodoviária com oito pistas e  possibilidade de incluir duas linhas para VLT, conectando a Avenida Beira Mar Norte ao Estreito. Construção de aterro sobre o mar na margem continental da Baía Norte, englobando o trecho entre a nova ponte e a BR-101, incluindo a infra-estrutura viária.

CCR – Companhia de Concessões Rodoviárias / ESSE Engenharia Consultiva

Transporte marítimo entre a ilha e o continente através de ferry boats e teleférico. Conexões entre o continente e a ilha através de barcas e ferry boats com quatro estações, duas no continente e duas na ilha. Conexão aérea a cabos do tipo teleférico, para passageiros, com oito estações, iniciando na BR-101 (Shopping Itaguaçú) até a Lagoa da Conceição.

Conceb Projetos e Construções

Conexão entre o centro da ilha e o continente através de pontes móveis. Conexão viária através de ponte móvel e flutuante, paralela à ponte Hercílio Luz, e integrada ao sistema viário existente.

Contern Construções e Comércio

Implantação de nova ponte entre ilha e o Estreito, e aterro sobre o mar na margem continental da  Baía Norte.

Implantação de nova ponte rodoviária conectando a Avenida Beira Mar Norte ao Estreito, com oito pistas e extensão de 1,6 km.  Construção de aterro sobre o mar na margem continental da Baía Norte, com área equivalente a 2,8 milhões de metros quadrados, englobando o trecho entre a nova ponte e a BR-101, incluindo a infra-estrutura viária, marinas e parque público.

Engevix/Paulitec

Ponte estaiada na ligação continente e Ilha de Santa Catarina. Implantação de via sobre aterro hidráulico, com quatro pistas em cada sentido, desde a BR-101 ao norte até o Bairro Estreito até a Beira Mar Continental. Com extensão de 7 000 m, travessia continente/ilha com ponte estaiada ao norte da Ponte Hercílio Luz, ligando a Beira Mar Continental a Beira Mar Norte no lado insular e linha expressa de ônibus (BRT) com faixas exclusivas e ininterruptas.

Jaime Lerner Arquitetos Associados

Transporte de massa composto por BRTs (ônibus expresso) e embarcações do tipo Vaporetto integrados através de terminais de transporte, englobando ilha e continente. Duas conexões marítimas de ferry para o transporte de veículos e passageiros, ligando o norte e sul da ilha ao continente, através das Baías Norte e Sul, respectivamente.

Jaqueline Carvalho Ferreira

 Conexão ligando a SC-401 à BR-101 através de duas pontes integradas com túnel imerso. Conectando a SC-401, na altura da localidade de Santo Antônio de Lisboa, à BR-101, na altura do Cemitério de São José, através de solução integrada composta por duas pontes, com 2,5 km de extensão cada, e duas ilhas artificiais conectadas por um túnel  imerso com 5,6 km de extensão.

LDJ Projetos, Execuções e Representações Ltda ME, PICID Ltda e Comaypa S.A.

A 4ª ponte e novo acesso à Ilha de Santa Catarina desde o norte da BR-101. Implantação de nova via em aterro, com 3 pistas em cada sentido e extensão de 8 950 m, para acesso desde a BR-101 (Barreiros / Bairro Estreito), até a nova ponte no lado continental ). A 4ª ponte em dois níveis, com quatro pistas, sendo o nível superior destinado ao tráfego em geral e o inferior destinado ao transporte público e serviços de emergência.

Odebrecht/OAS

Nova Ponte exclusiva para sistema rápido de transporte entre ilha/continente e reabertura da Ponte Hercílio Luz para veículos leves. Nova ponte exclusiva para E-VLP, veículo rápido sobre pneus com eixo e tração elétrica implantado entre São José e o centro de Florianópolis, na diretriz da BR-282, com extensão de 7 000 m e previsão inicial de 12 pontos de embarque e desembarque e pátio de manutenção.

Queiroz Galvão

Túnel sob o mar ao norte da Ponte Hercílio Luz, com aproximadamente 1 000 m e duas galerias, localizado entre a Beira Mar Continental e as proximidades do Forte Santana na ilha e alinhando-se à Diretriz da Av. Jornalista Rubens de Arruda Ramos. Obras de adequação no sistema viário continental e insular com alças de acesso, viadutos, trincheiras, aterro hidráulico, passagens inferiores, vias complementares com ligação até a BR-101 e túnel  continental com 2 700m e duas galerias.

Sotepa / Iguatemi

Construção de ponte no atual vão existente entre as pontes Pedro Ivo e Colombo Salles, com viaduto para conexão direta ao túnel Antonieta de Barros. Anel viário insular conectando a Avenida Beira Mar Norte/UFSC à  Via Expressa Sul, passando pelo Bairro Pantanal.

WD Engenharia e Construções

Nova Ponte entre a Ponte Colombo Machado Sales e a Ponte Pedro Ivo Campos.  Nova ponte localizada entre o vão das pontes Colombo Machado Sales e Pedro Ivo Campos, com extensão de 1 200 m podendo ser estaiada. Viaduto Continental, ligando a Via Expressa (BR-282) e a ponte, com 900m. Viaduto Insular, com 1 500 m, com integração ao túnel Dep. Antonieta de Barros.

Comentários

comments

Comentários (34)

  • vanio ttheisges diz: 30 de julho de 2012

    Ola pelo que conheço de floripa eu acredito que os melhores progetos são os que ligão a br 101 aos bairros não ao centro porque ja ta muinto apertado e serria bom desentralisar um pouco essa região.

  • Andrey Góes diz: 30 de julho de 2012

    Sinceramente a melhor e única proposta que eu vejo agilidade e funcionalidade e a da CCR – Companhia de Concessões Rodoviárias / ESSE Engenharia Consultiva. Teleféricos e ferry boats são sem dúvida opções baratas, com o mínimo de impacto ambiental, eficientes, além de turísticas. Novas pontes, aterros, levarão anos para serem concluídas e até lá estaremos mais uma vez necessitando de mais opções.

  • Duda diz: 30 de julho de 2012

    Nossa, poderiam começar deletando aquelas que começam falando do centro ou estreito né? Fala sério… entupir a região central mais ainda não rola… Espalhem, por favor…. esta ilha é enorme.

  • Leônidas Júnior diz: 30 de julho de 2012

    Não resta dúvida que uma ponte ligando a beira mar norte ao estreito é a opção mais sensata e eficiente.
    Transporte marítimo é muito demorado, uma vez que depende das condições atmosféricas e da integração com o rodoviário.
    Teleférico é inviável. É sugestão de quem não conhece o nosso vento sul.
    Túnel subaquático requer manutenção muito especializada, coisa muito rara no Brasil, basta lembrar do “incidente” que causou o apagão para que tal ideia seja descartada.
    Todos catarinenses sabem disso. Mas, parece que o governo prefere promover “infindáveis estudos”, com o intuito de protelar e não construir nada.

  • Robert von Feldenberg diz: 30 de julho de 2012

    O governo deve pensar mai no “amanhã”, se fizerem uma ponte, que já a façam em dois níveis, o número de pilares será o mesmo, só mais reforçados, como também reforçado sera o estaqueamento.
    A ligação deveria ser próximo a Ponta do Coral ligando ao Balneário ou ao Canto.
    E que os “eco-chatos” se calem, pois no mundo inteiro é pensado na mobilidade, independente do meio de transporte.

  • Lucelio Costa diz: 30 de julho de 2012

    Esperamos que dentre os projetos esteja contemplado os moradores da ílha, não podemos pensar tão somente naqueles que se mobilizam com seus próprios meios de transporte. Afinal, nem todas as pessoas t6em seu próprio carro ou moto para se locomnoverem, temos que premiar a grande maioria dos transportes coletivos, isto sim é o principal.
    Outra coisa, desafogar 0 centro comercial da capital, estendendo seu alcance para a maior parte plana da ílha, que se encontra exatamente no sul e tem proximidade com o continente, ficando bem proxima a BR101. Temos que pensar sim, no futuro e tirarmos do centro de Floriianópolis algumas redes comerciais, bancos dentre outros. É hora de plejarmos com sustentabilidade!

  • Geison Koepp diz: 30 de julho de 2012

    O melhor projeto que foi apresentado, até este momento, foi da 4 ponte, pelo Governador Raimundo, em dezembro de 2011, com uma ligação do centro até a BR 101, pena que a obra não saiu do papel.

  • Lucelio Costa diz: 30 de julho de 2012

    Esperamos que dentre os projetos esteja contemplado os moradores da ílha, não podemos pensar tão somente naqueles que se mobilizam com seus próprios meios de transporte. Afinal, nem todas as pessoas tem seu próprio carro ou moto para se locomoverem, temos que premiar a grande maioria dos transportes coletivos, isto sim é o principal.
    Outra coisa, desafogar o centro comercial da capital, estendendo seu alcance para a maior parte plana da ílha, que se encontra exatamente no sul e tem proximidade com o continente, ficando bem proxima a BR101. Temos que pensar sim, no futuro e tirarmos do centro de Floriianópolis algumas redes comerciais, bancos dentre outros. É hora de plejarmos com sustentabilidade!

  • GIorgio Brena diz: 30 de julho de 2012

    Pedagio pra usar a ponte ?? Era o que faltava na Ilha, com tantos impostos querem cobrar a travessia da ponte ?

  • Carlos Pacheco diz: 30 de julho de 2012

    Meu pai sempre disse: “Levem o Tesouro do Estado para o continente e estará resolvido o problema de Florianópolis… “

  • Guilherme Luiz Silveira diz: 30 de julho de 2012

    A melhor opção seria mesmo da CCR – Companhia de Concessões Rodoviárias / ESSE Engenharia Consultiva. Mais penso que ainda seria necessário algumas melhorias, como exemplo, a proibição de grandes caminhões de entrarem na ilha, construindo nas margens da BR101, lugares adequados para a troca de mercadorias para caminhões menores, reduzindo assim o transtorno causado pelas entregas nas ruas da cidade. Um outro ponto necessário de urgência é a ligação da Beira Mar Continental com a BR101. Por fim, a construção dos terminais de Ferry Boats serão hoje a única opção mais efetiva e que levaria menos tempo e alguns Bilhões de Reais a menos aos nossos BOLSOS.

  • Paulo Torales diz: 30 de julho de 2012

    que tal aterrar tudo e virar um continente a ilha de vez, se tornar uma parte do continente a ilha de Santa Catarina???

  • Adriana diz: 30 de julho de 2012

    Olá, pergunto-me para que gastar mais e mais dinheiro com muito mais desvio de verba? É isso que vai acontecer. A solução imediata é tirar o funcionalismo público da capital.
    Será que é tão difícil enxergar esta solução, paramos para pensar e observar, quando os funcionários públicos estão em greve, feriado prolongado e recesso, o trânsito fica ÓTIMO. Vamos começar a pensar em algo de emergência e não coisas (projetos) para um tempo médio de 5 anos, no mínimo, estou sendo humilde.
    Lembrando que o cartão postal da cidade a Ponte Hercílio Luz, foram gastos milhões e bilhões, claro os milhões sofreram um pequeno desvio, que nós todos sabemos.
    Acho que com tanto dinheiro nosso cartão postal, no mínimo deveria estar aberto para os pedestres e turista, onde arrecadaríamos dinheiro e assim usaríamos do mesmo para melhora-lá.
    Att;
    Adriana Martins Pereira

  • Lucas diz: 30 de julho de 2012

    Destaco as seguintes propostas:

    CCR/ESSE – Transporte marítimo entre a ilha e o continente através de ferry-boats e teleférico.
    Jaime Lerner – Transporte de massa através de BRTs e vaporettos, e duas conexões marítimas de ferry.
    Jaqueline Carvalho Ferreira – Conexão ligando a SC-401 à BR-101 através de duas pontes integradas com túnel imerso.
    Odebrecht – Nova Ponte exclusiva para sistema rápido de transporte entre ilha/continente e reabertura da Ponte Hercílio Luz para veículos leves.

    Ao meu ver, a solução seria uma mistura de todas essas propostas:

    A curto prazo – implantação de BRTs (nas pontes atuais ou na Hercílio Luz)
    A médio prazo – transporte marítimo com ferry boats e vaporettos, e teleférico
    A longo prazo – nova ponte exclusiva para VLTs (ou utilização da Hercílio Luz)
    A um futuro distante, mas registrando a ideia – nova ponte ligando SC-401 a BR-101.
    Destino da ponte Hercílio Luz: prioridade para transportes alternativos, como o BRT e o VLT.

    **Todas as outras propostas, que PRIORIZAM O CARRO PESSOAL e o FOCO da mobilidade NA AV. BEIRA MAR NORTE E REDONDEZAS NÃO SÃO SOLUÇÃO REAL para o problema da mobilidade urbana em Florianópolis**

  • Ronaldo diz: 30 de julho de 2012

    Incrivel como insistem em ligar o centro da Ilha ao Estreito e à Via Expressa. Não vai adiantar nada, só aumentar o congestionamento. Estreito, Coqueiros e redondeza já possuem três pontes, para que mais?
    Uma ponte saindo da Ponta do Coral (nada de Hotel gente) até Barreiros já diminuiria, pelo menos, trinta por cento do trânsito concentrado nas ligações de hoje. Outros trinta por cento seria uma ponte ligando o sul da Ilha, Caieira ou Tapera à Palhoça.
    Precisamos sim é de duas pontes, uma na Baia Norte (longe da Hercilio Luz) e outra na Baia Sul (longe da Pedro Ivo).
    Só acredito nisso, o resto é jogar dinheiro fora (ou no bolso de alguns).

  • EDISON MANOEL PEREIRA diz: 30 de julho de 2012

    Me engana que eu gosto…. epoca de eleiçoes vem esses governantes com essa enrolação…. me poupem de irritações e mau humor.

  • Rafael dos Santos diz: 30 de julho de 2012

    Acho o projeto da Jaqueline mais coerente, pois projetarem uma 4ª ponte próxima às outras, e além do mais, partindo da Beira Mar Norte; vai centralizar ainda mais o fluxo de veículos naquela região, o legal seriam construir uma ponte partindo do norte e do sul da ilha em direção à BR-101, nos moldes da ponte Rio-Niterói.

  • Manézinho diz: 30 de julho de 2012

    CHEGA DE ASFALTO!!!!
    Teleférico e ferry são as melhores ideias

  • jose garibaldi diz: 30 de julho de 2012

    com certeza o mais sensato seria tirar a capital da ilha ,pois a ilha está ficando pequena para o crescimento populacional bombástico que está acontecendo !

  • Marcelo diz: 30 de julho de 2012

    Todas essas soluções irão causar no máximo um pequeno e curto alívio no trânsito de Florianópolis… 60% da solução está na conscientização das pessoas, todos querem seguir para o seu destino guiando o seu próprio veículo… é questão de matemática… Temos hoje muitos carros e poucas estradas, é só isso. Criar mais pontes, é jogar o problema para o futuro. Medidas inteligentes precisam ser tomadas, e principalmente, que o meio-ambiente seja respeitado, mais aterros???!! Então faz o seguinte… aterrem a baia sul e norte de uma vez, daqui a pouco teremos um “Rio Tietê” ao lado de nossa ilha… pois as duas baías já estão poluídos, afunilando ainda mais como fica? estão sufocando cada vez mais a nossa pequena Florianópolis.

    Essa história da ponte Hercílio Luz ser reaberta para veículos leves eu já escuto a pelo menos 30 anos…

    Ano de eleição, não é mesmo?

  • Luciano diz: 30 de julho de 2012

    O projeto Aeromóvel (http://www.pucrs.br/aeromovel/linha_teste.php), uma forma de transporte leve e econômica, com propulsão a ar (não emite gases poluentes) e sobre monovia elevada, silencioso, em implantação piloto em Porto Alegre (ligação aeroporto-Trensurb), já usado há bastante tempo em Jacarta, cairia muito bem na Hercílio Luz restaurada, tem mínimo impacto sobre o sistema viário existente, ocupa muito pouco espaço (pode entrar em locais de difícil acesso para outros meios de transporte) e ainda oferece uma visão paisagística do percurso (o que é muito bom para o turismo), entre outras vantagens. Poderia percorrer a beira mar continental, a beira-mar norte e fazer a ligação com a via expressa sul através do Pantanal sem tantos problemas com desapropriações. Mereceria ser considerado e ter a viabilidade estudada como alternativa para um cenário de mobilidade tão limitada como o que existe na ilha.

  • André Michels diz: 30 de julho de 2012

    Ideias aos montes…. soluções a serem estudas…. e que no final.. não seja mais 12 belas maquetes eletrônicas…

  • Paulo Vitor diz: 31 de julho de 2012

    O Projeto de AEROMÓVEL ( citado pelo Sr. Luciano) simplesmente é o melhor e talvez mais economicamente viável ( o que nem sempre interessa a todos ). Penso que valeria a pena os Governantes analizarem este tipo de solução.

  • Carlos Pommer Jr. diz: 31 de julho de 2012

    O melhor seria construir um ou dois grande estacionamentos no continente, onde funcionários públicos de várias autarquias deixariam seus carros e pegariam ônibus custeados pelos seus órgãos para ida-vinda desses estacionamentos. Isso resolveria o problema por vários anos, pois é só olhar que quando há ponto facultativo o trânsito entre continente ilha não apresenta retenção. Esse tipo de solução, que serve para toda a população existe em outros países. O local para esses estacionamentos poderia ser obtido com aterros do mar, em Coqueiros e no Estreito. Para complementar, barcas de passageiros que deixarim Palhoça passando por São José. Vale lembrar que só a ponte não resolve o problema da ilha. A solução é tirar os carros da mesma

  • Jean Carlos diz: 31 de julho de 2012

    Isso mesmo foque no transporte de massa ….. ai eles ( motoristas e cobradores ) fazem grave ai a população “””si fo…..”” né. .. O problema de mobilidade urbana tem que primeiro parti da vontade de nossos governantes e pensar que todo o problema é também do senhores prefeitos e moradores da grande Florianópolis . certo. Então . vamos a algumas alternativas de longo e médio prazo : anel viário da 101 (URGENTE), uma ligação tipo ponte estaiada por ter um visual menos agressivo ligando a ponta do coral até Barreiros , no minimo triplicar a 282 ( via expressa) , Terminar de vez esta reforma da Hercílio Luz usando somente pr carros pequenos PQ? jA IMAGINOU UM BRT MANOBRANDO NA FRANCISCO TOLENTINO??? ñ dá. usar da possibilidade sentidos únicos conforme a necessidade , EXPRESSAMENTE PROIBIDO ESTACIONAR E PARAR nas ruas Rio Branco , Gama D’eça, Osmar Cunha entre outras , Pantanal e Carvoeira sentidos únicos, acessar a Ilha pelo Sul é burrice hj vc leva no minimo 1 hr de viagem entre o trevo da ceta até a Caeira ascessar uma Ponte Por Santo Antonio vc iria atender muito Pouco e iria so amentar a 401 que ja esta no limite , Tirar o Aeroporto e levar ele para o Vale do Rio Tijucas, Estas obras no minimo vão levar de cinco anos pra mais , mais tem que começar a fazer hj . então umas idéias que com certeza iria ajudar em muito…. LIMITAR o transporte de veículos de garga acima de 5 tn ou caminhões com mais de 8 metros nos seguintes horário das 6:00 as 10:00 e das 15:00 ate 19:30 inclusive na 101 infelizmente alguém vai te k fazer este sacrificou .a e tambem só um pouquinho de educação iria ajudar em muito .

  • Djeison diz: 31 de julho de 2012

    Ligação SC401 a BR 101!
    EXCELENTE IDEIA!!!

    não mais sera concentrado o transito no centro da capital!

    IMAGINA!! QUASE 200MIL PESSOAS NO NORTE DA ILHA COM UMA ALTERNATIVA DIFERENTE!

    NÃO MAIS SE DESLOCARAM AO CENTRO DA CIDADE PARA SAIR DELA!

    BRILHANTE!!!!

  • Michel Jorge diz: 31 de julho de 2012

    O governo tem outra alternativa muito mais viável do que a construção de uma quarta ligação Continente/Ilha. Além de uma alternativa é um dever dos nossos “queridos” políticos realizarem o novo Edital para o transporte público da capital. É extremamente inaceitável que o governo TORRE ATÉ R$1 BILHÂO DE REAIS sendo que a solução é a mais simples e barata. A FALTA DE MOBILIZAÇÃO DA POPULAÇÃO É O MAIOR MOTIVO DESTES “REPRESENTANTES” DO POVO FAZEREM O QUE BEM ENTENDEM.

  • Mauro Martins diz: 31 de julho de 2012

    A escolha sempre será a favor dos interesses de grupos econômicos e políticos, não há espaço para discussão. Quem der a maior gorjeta, leva….
    Basta lembrar do projeto de implantação de transporte público marítimo que está engavetado há anos, orçado em apenas R$ 22 milhões, valor considerado irrisório, que não “remunera” o esforço político. Tem projeto para todos os gostos, bem típico de ano eleitoral. Enquanto isso….a velha senhora ponte HL continua sangrando.

  • Alex Marcel de Souza Xavier (Alex Xavier) diz: 31 de julho de 2012

    O problema da distribuição do trânsito em Florianópolis é urgente. Gostei da ideia do túnel submerso e da ponte estaiada. Mas continuo a defender em primeiro lugar a proposta “Sotepa/Igutemi”. Sem este planejamento em primeiro lugar, de nada adianta ter uma quarta ligação ilha/continente seja ela como for. E os projetos alternativos de meio de transporte, também é viável. Mas volto a dizer: O mais nescessário em primeiro lugar é o projeto “Sotepa/Iguatemi”, daí tendo os outros consequentemente.

  • Alex Marcel de Souza Xavier (Alex Xavier) diz: 31 de julho de 2012

    A ilha precisa de um anel viário passando pelo bairro pantanal, complementando o meu texto anterior.

  • Paulo Maluche diz: 31 de julho de 2012

    Na verdade os “GRANDES ENGENHEIROS, EMPRESÁRIOS E POLÍTICOS” querem faturar bilhões com uma nova ligação. Entretanto a solução para este caos da Ilha é muito simples, como diz o leitor Carlos Pacheco, transfiram parte do governo estadual para o continente e tudo será resolvido. Esta pseudo solução arquitetada por pensadores de plantão na verdade vai cada vez mais inviabilizar a mobilidade da Ilha. Jogar mais carros em Floripa é como apagar incêndio com gasolina. Quem viver verá. Mobilidade urbana se faz com descentralização, o resto é papo prá boi dormir.

  • José Carlos diz: 31 de julho de 2012

    Pq não fazer uma nova ponte que liga a BR 101 ao norte da Ilha, estilo a ponte Rio Niteroi? Pq tem que centralizar este acesso a ilha em um só lugar como querem?

  • Filippe diz: 31 de julho de 2012

    Realmente, as melhores opções são as que descentralizam a Ilha. Transporte marítimo e ferroviário podem até funcionar, mas precisam integrar com o de ônibus, que no momento não integra nem com ele mesmo. Achei a opção da Jaqueline excelente, e acho que, se pudessem, somar essa solução a uma ponte que ligasse a região do aeroporto à do pedágio seria o ideal. Mas se já tá difícil de fazer uma, imagina duas. Essa seria uma solução a longo prazo, além, claro, como já foi dito, tirar o poder público da Ilha.

  • Jean Pierre diz: 31 de julho de 2012

    Tem que desafogar o trânsito na área central da Ilha. Façam ligação de Palhoça ao Sul da Ilha,sem se preocupar com os carangueijos do mangue, e de Barreiros próximo ao cemitério onde é uma parte morta cheia de lixões, ligando a região de Cacupé ou arredores. E um anel viário ligando do CIC ao aeroporto “INTERNACIONAL”.

Envie seu Comentário