Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2013

Sharon Stone fala de improviso e diz que ama o Brasil

31 de março de 2013 5

 

 

 

 

 

 

 




A atriz americana Sharon Stone surpreendeu, ontem à noite, com discurso de improviso na festa da FG Empreendimentos, construtora de prédios de luxo de Balneário Camboriú, da qual é garota-propaganda desde o final do ano passado. O evento reuniu grande grupo de empresários de Santa Catarina e de outros estados, além de convidadas especiais como Marina de Sabrit e Beth Szafir. A estrela disse que ama o Brasil e elogiou a trajetória do fundador da FG, Francisco Graciola.

- Francisco é um homem bom e humilde, que começou como a maioria de nós, sem nada. Começou numa barbearia e teve outros pequenos negócios que cresceram junto com vocês. O país cresceu e os negócios cresceram junto - afirmou.

Segundo ela, os prédios da FG colaboram para que Balenário Camboriú tenha prias mais limpas, um lugar melhor para os filhos brincarem.

- Esta é a quarta vez que venho ao Brasil. Trouxe a minha família, meus filhos e meus melhores amigos. Este é um lugar que estou segura de que vou continuar vindo e vou passar meus melhores dias no futuro – disse a atriz, que foi interrompida por aplausos.

Sharon Stone chegou na festa com a limusine branca da FG por volta das 20h30min, acompanhada do namorado, o modelo Martin Mica. A organização isolou o tapete vermelho para a estrela entrar, mesmo assim um convidado puxou o braço esquedo dela, o que quase gerou tumulto. Muito assediada para fotos, ficou no evento cerca de uma hora, que incluiu a apresentação de empreendimentos e uma homenagem de crianças que participam de projeto educacional da construtora. Logo, a atriz saiu pelos fundos.

Os sócios da FG, Chico Graciola e o seu filho Jean Carlos Graciola mostraram muita sintonia com Sharon Stone. Segundo Jean, que acaba de assumir a presidência do grupo empresarial da família, que tem 10 empresas, há pontos em comum entre os focos da construtora e o estilo da atriz: sofisticação com simplicidade e beleza. A meta da FG é crescer cerca de 55% ao ano nos próximos anos. A empresa, que tem planos para construir o mais alto prédio da América Latina, oferece apartamentos para o mercado A com preços a partir de R$ 800 mil até R$ 7 milhões, com financiamento próprio, em120 meses. Os clientes são, principalmente, empresários brasileiros. Cerca de 5% dos imóveis são vendidos para pessoas do exterior. 

No evento de ontem, o grupo FG comemorou, também, sua reestruturação, com mais diretores profissionais e a passagem de Francisco para o conselho. As empresas da família Graciola têm mais de 2,5 mil empregados, sendo que o braço de construção civil tem cerca de 1,1 mil colaboradores diretos e emprega mais cerca de 3 mil indiretos. Este ano, projeta a contratação de mais 1 mil. A FG construiu mais de 40 empreendimentos na sua história, totalizando 1.446 apartamentos. No ano passado, lançou projetos com VGV (valor geral de vendas) de R$ 800 milhões e, para este ano, lançará R$ 1,4 bilhão.

Foto 1 – Sharon Stone e o namorado Martin Mica no tapete vermelho da festa.

Foto 2 – Sharon Stone com o presidente da FG, Jean Carlos Graciola (E) e o fundador do grupo, Francisco Graciola (D). Os três fazem o tradicional sinal de positivo, uma das marcas do Sr. Chico.


O que limita o turismo em Santa Catarina

30 de março de 2013 4

Um dos destinos preferidos para viagens no país, Santa Catarina não registra expansão mais acelerada do setor turístico porque enfrenta falta de infraestrutura logística especialmente de transporte aéreo e rodovias e elevado custo dos serviços afetados pelo custo Brasil. O presidente da Santur, empresa de promoção do setor, Valdir Walendowsky, afirma que a falta de conexões aéreas diretas ao Estado a partir de pontos de alta visitação internacional como Foz do Iguaçu, São Paulo, Rio, Buenos Aires ou Santiago, limita a vinda de estrangeiros. Além disso, a precariedade das rodovias federais prejudica o acesso dos vizinhos da Argentina. Esses gargalos também inibem a vinda de visitantes brasileiros. Conforme o presidente da Santur, o setor está crescendo apesar disso.

 Na atual temporada, que se encerra dia 7 de abril, o gasto médio dos turistas cresceu cerca de 10%. Mas os preços elevados frente a destinos internacionais com atrações parecidas faz com que muitos estrangeiros e brasileiros optem por esses destinos mais baratos. Walendowsky avalia que os governos deveriam desonerar o setor porque é uma indústria de contínuo crescimento no mundo, altamente geradora de renda. Segundo a Organização Mundial do Turismo, da ONU, o setor vai crescer continuamente até 2030. Enquanto, na média global, o turismo responde por 9% do PIB dos países, em SC, gera 12,5%, conforme estudo feito em 2009. O alto custo afeta todo o Brasil, que não tem mais uma companhia aérea desde que a TAM foi vendida para a LAN.

No Brasil

Número 1 do mundo em recursos naturais e o 6º em locais reconhecidos como patrimônio mundial da natureza, o Brasil não avança na receptividade de turistas internacionais em função dos altos custos e falta de logística, o mesmo mal enfrentado por SC. Isto requer maior atenção por parte do governo federal, que não valoriza a atividade como geradora de renda e de divisas internacionais. Esses problemas ficarão mais evidentes na Copa.

6 trilhões

de dólares é o PIB mundial do turismo, segundo dados do Fórum Econômico Mundial sobre a competitividade turística. O setor gera 245 milhões de empregos diretos e indiretos.

Trabalhador doméstico terá direito ao PIS

29 de março de 2013 1

Uma das maiores reclamações dos trabalhadores domésticos brasileiros, a ausência do direito ao PIS, também deverá ser resolvida com a PEC das Domésticas. A presidente Dilma Rousseff vai ratificar a adesão do Brasil à Convenção 189 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que trata do trabalho decente aos domésticos e iguala os direitos trabalhistas da categoria aos demais trabalhadores. A informação é de interlocutores do govenro e foi divulgada pelo site do O Globo. Com isso, a categoria passará a ter direito ao PIS, que é o pagamento de um salário mínimo por ano ao trabalhador do setor privado que tem renda mensal de até dois salários mínimos. Também deve estar trabalhando há mais de cinco anos e ter pelo menos um mês de registro em carteira no ano anterior de recebimento do benefício.   

Saiba quanto você economizaria se instalasse placas solares

29 de março de 2013 1

Se você quer saber quanto poderá economizar de energia, no longo prazo, com a instalação de painéis solares na sua empresa ou residência, basta usar o simulador virtual lançado pelo Instituto Ideal. Desde que estreou, terça-feira, 1.160 pessoas de todo o Brasil fizeram a simulação, comemorou o presidente do instituto, Mauro Passos. O site é o www.americadosol.org/simulador

A CPFL, empresa privada de energia de São Paulo, informou para o presidente do Instituto Ideal que está lançando programa para arrendar telhados. O objetivo da distribuidora, é ampliar a geração de energia limpa. Ocupará telhados de empresas, estacionamentos, shoppings e outros.

Uma das pessoas de Florianópolis que simularam a instalação de um sistema de geração solar em sua casa de praia concluiu que teria que investir cerca de R$ 10 mil e essa cifra com a energia solar gerada em oito anos. A geração residencial também pode ser vendida para a distribuidora de energia.

Como a Celesc se ajusta

29 de março de 2013 0

Ao mesmo tempo em que enfrenta a energia mais cara da sua história, a Celesc se ajusta, investe e consegue melhorar a gestão. Por uma questão contratual, a estatal catarinense de energia é a mais exposta ao elevado custo da geração térmica devido à falta de chuvas. No seu balanço de 2012, contabilizou prejuízo de R$ 200 milhões com essa despesa não-recorrente mas, durante todo o ano passado, desembolsou R$ 780 milhões para pagar térmicas, explicou o diretor de Relações com Investidores da estatal, André Rezende. Esses valores serão cobertos com aumento da tarifa e recursos da Conta de Desenvolvimento Econômico da União.

A Celesc teve alta de 8,4% da receita líquida, que alcançou R$ 4,5 bilhões. Pesou mais para essa expansão o crescimento de 9,5% do consumo comercial e de 5,2% do consumo residencial. Apesar das dificuldades de fluxo de caixa, o Grupo Celesc investiu R$ 425,4 milhões no ano passado, 10,5% a menos do que em 2011. Na gestão, o destaque, ano passado, foi a redução de 3,6% nas despesas com pessoal e administradores, excluindo os gastos com o PDV. Como as dificuldades persistem, a empresa adotou redução do orçamento anual previsto, incluindo corte de 15 cargos gratificados, redução de horas extras e de outros itens, que deverão totalizar uma economia de R$ 26 milhões este ano.

Menos “gatos”

 A Celesc constatou que, no ano passado, teve a menor média nacional de perda de energia por gatos (ligações elétricas clandestinas). Ficou em 0,93%, enquanto a Aneel sugeriu que essa perda poderia ficar em 1,06%. As perdas técnicas recuaram e o índice de interrupção por unidade consumidora teve queda de 0,3%, totalizando 11,79 interrupções em 2012.

Marketing da Döhler com Ana Maria Braga

29 de março de 2013 0

A joinvilense Döhler, empresa do setor de têxteis para o lar, faz novo investimento no marketing 360º. Iniciará merchandising terça-feira no programa Mais Você, da Ana Maria Braga (foto), na Rede Globo. Há cinco anos, a Döhler fabrica linhas de licenciados do programa (foto), como toalhas e trilhos para mesas, entre outros itens.O foco será a divulgação dos produtos e seus diferenciais.

Aviões fabricados em SC rumo aos EUA

28 de março de 2013 2

Dois aviões fabricados pela Wega, empresa de Palhoça, na Grande Florianópolis, partem domingo para os Estados Unidos. A empresa, que produz aeronaves experimentais há sete anos, vai expor na feira Sun & Fun, que será realizada de 9 a 14 de abril, em Lakeland, Flórida. Os aviões, com dois pilotos cada, vão viajar 8 mil quilômetros de São José até o Sul dos EUA. A Wega é a primeira empresa de um polo aeronáutico nascente em Santa Catarina, que tem previsão de receber a fabricante NovaAir, em Lages, e montadoras de helicópteros.

O empresário César Augusto Olsen, coodenador do novo Comitê da Fiesc para o Desenvolvimento da Indústria Aeronáutica, confia no sucesso do Programa Catarinense de Incentivo à Indústria Aeronáutica e de Defesa em função da receptividade que o setor vem obtendo de instituições privadas e estatais. Ressalta o apoio da Fiesc, especialmente com a criação do comitê; o apoio da Apex-Brasil; da Associação Brasileira das Indústrias de Material de Defesa e Segurança (Abimde) e dos governos do Estado,  (via SC Parcerias) e dos municípios de Palhoça e Lages. Enquanto o setor público dá incentivos, a Apex e a Abimde apoia a participação na feira americana.

Celesc fecha 2012 com prejuízo de R$ 258,4 milhões

28 de março de 2013 0

A Celesc, estatal de energia de Santa Catarina, fechou o ano passado com prejuízo líquido de R$ 258,4 milhões enquanto no ano anterior, de 2011, obteve lucro líquido de R$ 323,9 milhões. As principais causas do resultado negativo foram o PDV de R$ 290 milhões para a demissão de mais de 700 funcionários e despesa de R$ 200 milhões em função da compra de energia térmica. Segundo o diretor de Relações com Investidores da companhia, André Rezende, que vai explicar melhor os números hoje, essas despesas são não-recorrentes (não acontecem sempre). No caso da compra da energia, a Celesc cumpre as normas da agência reguladora, a Aneel, e os contratos realizados. Se o preço da enegia sobe porque falta chuva e foi preciso gerar térmica, a empresa paga o custo dessa energia. O custo maior da geração térmica continua este ano e será incluído na tarifa, cujo mês de reajuste é agosto.

A Celesc fechou o ano passado com receita líquida consolidada de R$ 4,5 bilhões, 8,4% superior a de 2011. Entre os números destacados pela empresa no balanço está a redução de 0,7% no custo de pessoal.

Angeloni abre sua maior loja no Paraná

28 de março de 2013 0

A rede de supermercados Angeloni, de Criciúma, abrirá as portas da sua maior loja, na cidade de Maringá, no Paraná. A unidade tem 40.903,06 metros quadrados, gera 420 empregos diretos e 250 indiretos. Com mais de 38 mil itens, a unidade, que é a 27 da rede, se diferencia com etiquetas eletrônicas e outros detalhes tecnológicos. A exemplo de outros supermercados do grup, terá uma série de lojas anexas, espaço para crianças e a Cozinha Dona Helena, para cursos de culinária.

Rede europeia MySandwich chega a SC

28 de março de 2013 0

A multinacional europeia MySandwich, especializada em sanduíches, tostas, wraps, saladas e sucos naturais, estreia hoje em Santa Catarina. Inicia operação da unidade instalada no Continente Park Shopping a única brasileira fora de São Paulo. A empresa resultou da união do Grupo Ornatus (dono de marcas como Morana, Baloné, Jin Jin Wok e Jin Jin Sushi) e da Starfoods, uma das mais importantes do ramo de alimentos de Portugal. Para trazer a marca ao Brasil, o investimento alcançou R$ 2 milhões.

TIM investe R$ 50 milhões em Santa Catarina

27 de março de 2013 4

Líder em telefonia celular no Estado com 41,5% de mercado, a operadora TIM investe, este ano, R$ 50 milhões para melhorar e ampliar os serviços ao mercado catarinense. Além da expansão da infraestrutura, a empresa investe na transparência com o recém lançado site Portas Abertas (www.tim.com.br/portasabertas), que permite aos consumidores acompanhar os serviços oferecidos em todas as regiões do país pela empresa,a evolução da rede e as ações de melhoria realizadas. Segundo o novo diretor regional da companhia, o catarinense de Piçarras, Cadu Lopes, 32 anos, o portal é uma iniciativa inédita no país e confirma a decisão da TIM de ser mais transparente no relacionamento com os consumidores.

Sobre as queixas de clientes, um dos pontos mais cobrados pela Anatel, a agência reguladora do setor, o executivo verificou uma queda no número de reclamações junto ao Procon de SC e ao Procon de Florianópolis. A TIM tem cobertura em mais de 216 municípios, alcançando 98% da população urbana com acesso aos serviços de telefonia móvel. No ano passado, ampliou as capacidades de 296 sites e instaladas mais de 171 ERBs (Estação Rádio Base) com as tecnologias 2G e/ou 3G. Em 2013, serão instaladas mais 41 novas ERBs 2G e 3G, focando municípios como Brusque, Caçador, Chapecó, Içara, Joaçaba, Laguna, Rio do Sul, São Bento do Sul e Tubarão. No DDD 48, especificamente, a TIM deve dar continuidade à modernização dos equipamentos na região Sul do estado, atividade que também será estendida para os DDDs 47 e 49.

Essa modernização implicará num aumento de capacidade na ordem de 68% nessas regiões. Desde ontem, Lages e Sombrio também passam a ser atendidas com 3G. A melhoria das lojas para atender aos consumidores também recebe atenção. O novo padrão, com unidades semelhantes às da Apple, está sendo adotado no Estado a partir das maiores cidade. O executivo catarinense Carlos Eduardo Spezin Lopes, que prefere ser chamado Cadu Lopes, é graduado em Administração de Empresas pela UFSC, tem pós-graduação em Desenvolvimento de Liderança pela Fundação Dom Cabral e MBA em Gestão de Pessoas pela Estação Business School.

A obra de arte da 101 usa aço da ArcelorMittal

27 de março de 2013 0

A bela Ponte Anita Garibaldi, estaiada (D), que vai mudar a paisagem da BR-101, em Laguna, está sendo feita com aço da ArcelorMittal, multinacional que tem unidade em São Francisco do Sul. A fábrica de aços longos da companhia, que fornece para a ponte, recebeu o rótulo ecológico da ABNT. Este ano, a Arcelor completa 10 anos de atuação em SC.

Colombo fala sobre investimentos com o presidente do BB

27 de março de 2013 0

O governador Raimundo Colombo (D) teve encontro reservado com o presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine (C), no Costão do Santinho, onde a instituição realiza evento. Junto com Antonio Gavazzoni e João Paulo Kleinübing (E), falou sobre a importância do BB na oferta de crédito para o setor privado. O objetivo foi conversar sobre um assunto que assumiu papel principal na pauta dos encontros com lideranças da área econômica desde o ano passado: o desaquecimento do crescimento do país e o que está sendo feito para mudar esse cenário. Segundo o governador, a fórmula do Estado é a redução do custo da máquina pública aliada a um aumento maciço dos investimentos. Fórmula que o BB está ajudando – em outra ponta – ao aumentar a oferta de crédito para pessoas e empresas, elevando também o investimento privado.
Bendini está em Florianópolis para participar do encontro Enlide (Encontro de Líderes) do Banco do Brasil, que está sendo realizado no Costão. São mais de dois mil gerentes de agências de toda a região Sul e parte do Sudeste – Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo – reunidos para o evento na Capital de Santa Catarina. Este é o primeiro de três eventos similares. Ainda serão realizados os encontros dos gerentes de São Paulo e outro das regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste.

Mais transparência na SCGás

27 de março de 2013 0

A decisão da Justiça de conceder liminar que determina o retorno do controle acionário da SCGás ao governo do Estado (hoje com a Celesc), embora ainda possa ser questionada em instâncias superiores, indica que a definição das tarifas do gás natural para o Estado deverá acontecer com mais transparência. A propósito, foi em função disso que a Infragás, sócia minoritária da SCGás que representa seus consumidores industriais, nos últimos três anos, buscou informações via auditorias, duas das quais feitas pela Martinelli e a Price, e apurou a irregularidade no contrato da companhia, especialmente nos percentuais da composição acionária. Como o governo deveria ter 34% do capital e não apenas 17%, as avaliações apontaram que os dois outros acionistas da empresa, a Transpetro (controlada da Petrobras) e a japonesa Mitsui receberam a mais, de lucro, cerca de R$ 120 milhões desde que a empresa iniciou suas atividades. A diretoria da SCGás disse que vai cumprir as decisões judiciais e manterá todas as atividades.

O que se espera, agora, é uma redução das tarifas. O gás natural é um insumo fundamental para a indústria e teve seus preços históricos elevados acima da inflação. Santa Catarina, PR e RS, atendidos pelo gasoduto Brasil-Bolívia, cobraram equiparação com os menores preços de outras regiões do país, mas a Petrobras elevou os demais para a média daqui. Além disso, o Sul do país precisa de maior oferta de gás natural para crescer.

Micro e pequenas empresas de SC estão mais competitivas

26 de março de 2013 0

Micro e pequenas empresas catarinenses se tornaram mais competitivas no segundo semestre do ano passado. A pesquisa Sensor, realizada pelo Sebrae/SC junto a 500 firmas de todas as regiões do Estado, apurou que o índice de competitividade das mesmas chegou a 53,6 pontos, contra 51,35 no semestre anterior. Essas empresas ampliaram o faturamento, no período, em 3%. As companhias que contaram com consultoria do Sebrae atingiram índice de competitividade de 61 pontos, contra 50 das que não tiveram os serviços da instituição.

Estado cobra o controle da SCGás

26 de março de 2013 0

Aconturbada relação entre os acionistas da SCGás, a distribuidora de gás natural para SC, ganhou novo capítulo ontem. A Procuradoria Geral do Estado (PGE) ingressou com ação na Fazenda Pública de Florianópolis solicitando a retomada do controle acionário da SCGás pelo Estado e o ressarcimento de R$ 75 milhões relativos a lucro recebido a menos pelo Estado em função da redução indevida da sua participação acionária. A decisão da PGE foi baseada em estudo do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SC) que apurou irregularidades no contrato de concessão.

O governo de SC (hoje a Celesc) deveria deter 34% de participação acionária, mas essa foi reduzida para 17%. A análise do TCE apurou que as sócias da SCGás, a Transpetro e a Mitsui, estão recebendo lucro a mais com base nessa mudança, que seria ilegal. Segundo a ação da PGE, a alteração ocorreu com a elaboração de um estatuto inexistente e abusivo, a simulação de uma reunião do conselho (que nunca ocorreu) e um acordo de acionistas com pessoa diversa do chefe do executivo e sem autorização. O conselheiro do TCE, Salomão Ribas Junior, revelou que a redução do controle ocorreu por uma irrisória quantia de R$ 32.084,44.

Polêmica

Além do governo do Estado, a Infragás, acionista da SCGás, também questiona a redução da sua participação na companhia de 2% para 1%. Além disso, no final do ano passado, o TCE/SC criticou a venda da participação do governo na SCGás para a Celesc. Ele recomenda a retomada do controle pelo Estado.

Lança Perfume investe em lojas próprias

26 de março de 2013 0

A marca Lança Perfume (foto), que está avançando no mercado com lojas próprias após elevar o valor percebido dos seus itens por meio da sofisticação, apresentará parte da sua ampla coleção no Donna Fashion Iguatemi, quinta-feira, às 22h. As criações a empresa para a estação fria se destacam pelo requinte, pedras, aplicações e bordados, que remetem a tesouros reais. A marca informa que criou 800 itens diferentes para a estação.

Cholate com arte

26 de março de 2013 0

O renomado artista plástico catarinense Luciano Martins criou, pelo terceiro ano, produtos para a Cacau Show, maior rede de lojas de chocolate fino do mundo. Uma das novidades é o divertido Ovo Miau (foto), que tem a embalagem assinada por Luciano Martins.

SC pode ter mais cidades irmãs japonesas

25 de março de 2013 1

O cônsul-geral do Japão, Yoshio Uchiyama, e o diretor de Cooperação Internacional do governo de SC, Edson Machado, se reúnem hoje, em Curitiba. Na pauta, convênios de irmandade entre cidades japonesas e catarinenses. Conforme Machado, a etnia japonesa está em Santa Catarina desde a década de 1950 com destaque para a produção de frutas e hortaliças.

A propósito, os acordos de cidades irmãs abrem portas para uma série de intercâmbios positivos. Vale destacar que na última semana Brasília se tornou cidade irmã de Washington, a capital dos Estados Unidos. Um dos primeiros passos foi uma reunião na Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos para ampliar parcerias na área econômica.  

Portos de SC iniciam exportação de soja por contêineres

25 de março de 2013 0

Da coluna de hoje

Nova forma de embarcar grãos

O apagão logístico do Brasil para o transporte de soja, que teve como ponto crítico a decisão da importadora chinesa Sunrise de cancelar, semana passada, a compra de quase 2 milhões de toneladas do cereal do Brasil em função dos atrasos nas entregas, está gerando novas oportunidades de ganhos ao setor portuário de SC. O Porto São Franciscodo Sul faz transporte de soja dentro de contêineres e o de Imbituba se prepara para iniciar esse tipo de operação. Como SC importa muitos produtos industrializados da Ásia e está exportando pouco para aquela região, a ocupação dos contêineres com soja e outros grãos é uma alternativa para evitar que voltem vazios.

O terminal privado Tesc, de São Francisco, pioneiro na atividade no Estado, realizou dia 6 deste mês a maior operação da modalidade no país: embarcou 2,7 mil toneladas de soja em 137 contêineres que foram para a Malásia, China e Taiwan.

Imbituba, administrado desde o final do ano passado pela empresa SCPar, do governo do Estado, está conversando com parceiros para iniciar embarques de soja via contêineres. Segundo o diretor geral do porto, Rogério Pupo Gonçalves, também é avaliada a compra de equipamentos para essa movimentação. Técnicos do terminal vão conhecer a operação de São Francisco. Imbituba tem tradição em granel e seu novo terminal de contêineres é operado pela Santos Brasil.