Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de abril 2013

Almeida Junior recompra 50% do grupo e encerra parceria com a gigante Westfield

29 de abril de 2013 1

O grupo Westefield Almeida Junior, dono de cinco shopping centers de Santa Catarina, anunciou hoje que encerrou a sociedade (joint venture) firmada em agosto de 2011. O empresário Jaimes Almeida Junior, dono de 50% do grupo, recomprou a outra metade da gigante australiana de shoppings Westefield. Com o negócio assinado hoje, o empreendedor catarinense passa a ter, novamente, 100% do controle da empresa, que volta a ser denominada Ameida Junior. As negociações sobre a cisão começaram no final do ano passado e o motivo é a diferença de estratégia. Enquanto a Almeida Junior tem como foco atuar em cidades grandes e médias, o grupo multinacional decidiu investir somente em shopping centers gigantes, denominados no mercado mundial de Iconics Malls. Segundo executivos da Westfield, apesar do fim da sociedade, o grupo vai continuar buscando oportunidades de investimentos no Brasil.

A Almeida Junior é dona dos shoppings Continente Park, em São José; Neumarkt e Norte Shopping, em Blumenau; Balneário Camboriú Shopping e Joinville Garten Shopping. Juntos, esses empreendimentos respondem por 58% do mercado catarinense do segmento, somam 1,1 mil lojas e 184 mil metros quadrados de área bruta locável. O mercado catarinense conta com uma das melhores rendas do país, por isso o valor médio das compras nos estabelecimentos do grupo supera R$ 200, equivalente ao registrado nas maiores cidades do país.

Leia a íntegra do comunicado:

Grupo brasileiro recompra participação na Westfield Almeida Junior

O grupo brasileiro ALMEIDA JUNIOR, proprietário e administrador de shopping centers, anuncia que acaba de recomprar do grupo australiano WESTFIELD seus 50% de participação na Westfield Almeida Junior, empresa formada pela joint venture entre os dois grupos em agosto de 2011. Com a transação, ALMEIDA JÚNIOR voltará a ser proprietária de 100% da empresa e volta a denominar-se ALMEIDA JÚNIOR.

Fundada em Santa Catarina e com sede em São Paulo, a ALMEIDA JÚNIOR é o maior grupo regional de shopping centers no Brasil e é líder em Santa Catarina, com cinco shoppings, o que representa 58% do mercado. O grupo ALMEIDA JÚNIOR tem planos de crescimento, com novos projetos para a Região Sul do Brasil.

O CEO e fundador da empresa, Jaimes Almeida Junior, considera que a joint venture trouxe uma experiência global importante para a empresa. “Nestes 20 meses tivemos a oportunidade de vivenciar e compartilhar de práticas internacionais do mercado de shopping centers. Foi uma experiência muito rica e que certamente se perpetuará em nossos empreendimentos”, afirma Almeida Júnior.

Steven Lowy, Co-CEO da Westfield, diz: “Apesar de termos decidido vender nossa participação na Westfield Almeida Junior, aprendemos muito sobre o ramo de shopping centers no Brasil através da Joint Venture e continuaremos de modo independente a analisar oportunidades na região, na linha de nossa estratégia global de operação”.

A ALMEIDA JUNIOR foi assessorada pela Rothschild, Bradesco BBI e Mattos Filho Advogados.


Dança, a marca de Joinville

29 de abril de 2013 0

Projetada mundialmente pela sua indústria competitiva, Joinville, a maior cidade catarinense, conquistou uma marca cultural forte ao realizar o maior festival de dança do mundo e sediar a única filial da Escola Bolshoi fora da Rússia. O evento, em julho, garante alta temporada turística e aquece a economia. E o Dia Mundial da Dança, comemorado segunda, começa a motivar mais promoções diz Ely Diniz, do Instituto Festival de Dança.

Por que o Dia Mundial da Dança ganha força no calendário de eventos da cidade?

Ely Diniz – O Dia Mundial da Dança é comemorado em 29 de abril. Como realizamos o Festival de Dança de Joinville (este ano será de 17 a 27 de julho), temos a Escola Bolshoi e mais cerca de 30 intituições e grupos de dança, estamos fazendo uma série de comemorações. Neste final de semana, os grupos locais farão apresentações durante dois dias no Teatro Juarez Machado e cerca de 400 pessoas virão de todo o Brasil para fazer uma aula de dança no Bolshoi segunda. Nós, do instituto, estamos fazendo uma campanha para que as pessoas da cidade abracem mais a dança.

O que a dança representa para a cidade e o que mais pode agregar?

ElY – Joinville é um case único de projeção de cidade em função da dança. Temos o maior festival e a única filial da melhor escola de ballet clássico do mundo. A dança se tornou uma grande marca da cidade. Mas falta, ainda, um teatro com cerca de 800 lugares para profissionais do Bolshoi terem um calendário de apresentações e, assim, Joinville ter turismo cultural o ano inteiro. Também seria importante para atrair mais visitantes construir a nova sede do Boshoi, projetada por Oscar Niemeyer.

Qual é o impacto do festival na economia do município?

Ely – O período do Festival de Dança é a alta temporada turística de Joinville. A ocupação hoteleira supera 90%. O comércio registra um aquecimento quase igual ao do Dia das Mães. A cidade recebe cerca de 4,5 mil bailarinos. A realização do evento gera cerca de mil empregos diretos sem contar a Feira da Sapatilha com 70 estandes. Há empresas que produzem quase o ano inteiro em função das vendas nessa feira.

O evento enfrenta corte de patrocínios. Como está superando isso?

Ely – O governo do Estado sempre participava com R$ 2,2 milhões, mas, para este ano, reduziu para R$ 1,5 milhão. Como isto foi acertado ano passado, conseguimos reduzir custos e ajustar. Conquistamos o patrocínio do O Boticário, de R$ 200 mil, mas acabamos de perder o da Petrobras, de R$ 100 mil porque ela teve queda de lucro.

Foi o festival que atraiu o Bolshoi?

Ely – O Bolshoi se apresentou no festival de 1998. Eles admitiram abrir uma filial fora da Rússia e o então prefeito Luiz Henrique trouxe a unidade em 2000.

Universidade

A apresentação da Escola Bolshoi, em Brasília, quinta, garantiu mais uma conquista. O ministro da Educação, Aluizio Mercadante, informou ao senador Luiz Henrique que Joinville deverá sediar o campus para formação de professores de dança da futura Universidade Nacional das Artes. Disse que a supervisão poderá ser do Bolshoi. A propósito, a instituição recebe alunos de todas as faixas de renda e de todo o país. Muitos já são profissionais no Brasil ou no exterior, inclusive na Rússia.

Voluntário

O empresário paulistano radicado em Joinville Ely Diniz, 62 anos, graduado em Comunicação Social e Administração, trabalha como voluntário na presidência do Instituto Festival de Dança, entidade sem fins lucrativos. Mas a atividade traz gratificações. Uma delas é encontrar artistas admirados, como a Cláudia Raia (foto), estrela do festival de 2010, e o mito da dança, o bailarino russo Mikhail Baryshnikov, em 2007. Ely Diniz é presidente da empresa de comunicação EDM Logos.

Justiça cassa a liminar que devolvia o controle da SCGás ao Estado

28 de abril de 2013 0

  A assembleia desta segunda-feira, que definiria o processo de devolução do controle acionário da SCGás ao governo catarinense, será cancelada. É que a desembargadora  Cláudia Lambert de Faria cassou, sexta à noite, a liminar concedida pelo juiz Luiz Antônio Zanini Fornerolli da 1ª Vara da Fazenda Pública de Florianópolis, que definia mudanças na estrutura de gestão da empresa e determinou a devolução do controle societário e administrativo ao governo.

A medida atendeu ao agravo de instrumento apresentado pela Mitsui Gás e Energia do Brasil Ltda. uma das sócias da  SCGÁS. No dia 24 de abril, a multinacional japonesa havia entrado com dois agravos questionando a liminar, somando 3,8 mil páginas em 19 volumes.

A Gaspetro, da Petrobras, outra sócia da SCGÁS, também tem agravo protocolado aguardando julgamento.O entendimento da desembargadora é que mesmo que seja comprovada a irregularidade e prejuízo ao erário, a SCGÁS opera há 13 anos e seus sócios possuem alta solidez, o que garantiria o eventual ressarcimento através do patrimônio das empresas.

Confira o cronograma dos fatos:

- Em abril de 1994 a SCGÁS é fundada como sociedade de economia mista para promover a distribuição de gás natural em Santa Catarina. O serviço é público, fruto de uma concessão estadual, onde o Governo do Estado é o acionista majoritário.

 - Meses após sua fundação a composição acionária da empresa é modificada, o Estado perde o poder de mando e 50% das suas ações preferenciais. A empresa passa a ser comanda por acionistas privados e a Petrobras.

 - Em 1996 a SCGÁS assina contrato de fornecimento com a Petrobras para aquisição de gás natural.

 - Em 2000 a empresa começa a operar com o atendimento do primeiro cliente, uma indústria do segmento têxtil instalada em Joinville, no Norte do Estado.

- Nos últimos três anos o Ministério Público de Santa Catarina instaurou investigações que levaram a apontamentos sobre irregularidades na estrutura societária e administrativa da SCGÁS.

 - O Tribunal de Contas do Estado (TCE) realizou durante dois anos auditoria na SCGÁS e emitiu relatório em 21 de dezembro de 2012 que aponta irregularidades na composição acionária e administração da empresa.

- Em  22 de março de 2013, baseadas no relatório do TCE, a Procuradoria Geral do Estado de Santa Catarina (PGE-SC) e a Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) acionam a Gaspetro, Mitsui, Infragás e SCGÁS solicitando a devolução do controle da empresa ao Governo do Estado.

 

- No dia  26 de março 2013, a 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca da Capital concede liminar à ação promovida pela PGE.

- Em 24 de março 2013 a  Mitsui e Gaspetro entram com agravo de instrumento com a intenção de cassar a liminar concedida pelo juiz Luiz Antônio Zanini Fornerolli.

- Em 26 de abril 2013, a desembargadora Cláudia Lambert de Faria cassa a liminar concedida pela Vara da Fazenda Pública.



SC projeta ferrovias modernas para carga e passageiros

27 de abril de 2013 4

Santa Catarina projeta fazer ferrovias com padrão e velocidade de Primeiro Mundo, que permitem trafegar de 80 a 100 quilômetros por hora. Por isso, tanto a Ferrovia do Frango, quanto a Litorânea serão viáveis economicamente e poderão até levar passageiros. Essa avaliação é do vice-presidente da Federação das Indústrias (Fiesc) e presidente da Cãmara de Transporte e Logística da entidade, Mário Aguiar. Segundo ele, o projeto Sul Competitivo, que apurou não ser viável economicamente o transporte de carga de ferrovia do Oeste até o Litoral, foi importante, mas ele não estuda o impacto sistêmico da obra no desenvolvimento econômico.

Para Aguiar, o projeto da Ferrovia do Frango ou Ferrovia da Integração é estratégico e viável economicamente. Caso seja considerado o retorno do investimento com a construção pelo setor privado, a viabilidade pode ser mais difícil. Mas com a participação do setor público e a colaboração do Exército, o cenário muda. Aguiar diz que as ferrovias deverão ter bitola larga e raio de curvatura grande, nada comparável com as antigas ferrovias, que permitem fazer apenas 15 quilômetros por hora. Para o empresário, a Ferrovia Litorânea deve ser feita em breve, para fazer a ligação entre os portos. Ele considera possível o uso da via, também, para transporte de passageiros.

Leste e Oeste

Para o empresário Vincenzo Mastrogiacomo, ex-presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó, a Ferrovia do Frango será fundamental para escoar o agronegócio, produtos de outros setores como móveis e máquinas e motivará maior diversificação da economia regional. O projeto visa a ligar o Litoral até Dionísio Cerqueira.


Carlos Döhler fala sobre Tomada de decisão para empresários do varejo

27 de abril de 2013 0

O empesário Carlos Alexandre Döhler (foto), diretor Comercial da Döhler S/A, de Joinville, fala sobre Tomada de decisão na convenção anual da Golfran, hoje, em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. Na platéia, uma centena de franqueados da empresa de venda direta, que tem em seus catálogos mais de sete mil itens e cerca de 17 mil consultores espalhados por todo o Brasil. A Golfran trabalha com diversas marcas reconhecidas no mercado nacional, incluindo a marca catarinense de cama, mesa e banho Döhler.


Confira dicas sobre IR de contador e o Perguntas e Respostas da Receita sobre o imposto

26 de abril de 2013 0

Confira texto e vídeo no link abaixo sobre entrevista que fiz sobre o IR deste ano.  

http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/economia/noticia/2013/02/contador-da-dicas-de-como-fazer-a-declaracao-do-imposto-de-renda-4056448.html

Confira o Perguntas e Respostas da Receita Federal sobre o IR de 2013, conhecido como Perguntão:

http://www.receita.fazenda.gov.br/publico/perguntao/Irpf2013/PerguntaseRespostasIRPF2013.pdf











Dúvidas sobre o imposto

A Receita Federal de Florianópolis, que atende na região compreendida entre Itajaí até a divisa com o Rio Grande do Sul, tem um plantão para esclarecimentos de dúvidas das 8h às 12h e das 13h30min até às 17h30min no fone 3229-2000.

Além disso, há um plantão nacional no 146 que funciona 24h por dia. As demais delegacias da Receita em Joinville, Lages, Blumenau e Joaçaba também têm plantões para dúvidas sobre o IR. Quem vai até a Receita, tem atendimento pessoal das 7h às 19h. O endereço da instituição, em Florianópolis, é Avenida Rio Branco, 919, no bairro Centro.

     

Ferrovia do Frango pode ser elefante branco

26 de abril de 2013 0

A mobilização para tirar a Ferrovia do Frango do papel tem mais cunho político do que base econômica. Isto porque o Sul Competitivo, profundo estudo sobre demanda e custo logístico feito ano passado pela empresa Macrologística para as federações industriais da Região Sul Fiesc, Fiergs e Fiep apontou que o projeto é inviável economicamente. Pela avaliação dos técnicos, é mais caro transportar frango do Oeste para os portos de SC por ferrovia do que por rodovia e seria mais importante fazer a Ferrovia Norte-Sul. Se sair do papel sem considerar o custo do transporte, a Ferrrovia do Frango pode se tornar mais um elefante branco.

Segundo o presidente da Macrologística, o engenheiro Renato Pavan, o custo é mais alto porque os contêineres deveriam ser transportados por caminhões das indústrias até a ferrovia e, depois, desembarcar e levar até o porto novamente por via rodoviária. Além de a construção da ferrovia custar cerca de R$ 800 milhões, o transporte por ela deveria ser subsidiado em cerca de 50%, o que é inviável no Brasil. A solução mais barata, observa ele, é a melhoria das condições das rodovias que ligam o Oeste aos portos, incluindo a duplicação urgente dos trechos de tráfego mais intenso como entre Blumenau e Indaial.

Conforme Pavan, uma experiência válida poderia ser a ferrovia Norte-Sul ou Sul-Norte, de Chapecó para o Porto de Rio Grande, para transportar diversos produtos. Essa estrada poderia levar o milho do Centro-Oeste ao Sul e produtos do Sul para o Centro-Oeste. Sobre a viabilidade da Ferrovia do Frango, Pavan diz que a Macrologística está aberta para dar mais explicações e também ouvir outros argumentos. Pelas análises atuais, ele explica que o transporte rodoviário é mais barato para distâncias de até 500 quilômetros. De 500 a mil quilômetros, as ferrovias são mais competitivas e, acima disso, a opção é o transporte marítimo.

Transporte marítimo

Como considera mais viável o modal rodoviário para o Oeste, Renato Pavan, da Macrologística prefere não opiniar sobre qual porto deverá receber a ferrovia. Segundo ele, SC tem dois portos que podem receber navios gigantes, de até 15 mil contêiners: Imbituba e Itapoá. Diz que embarques em navios grandes custam 50% menos do que nos demais.

Consumo de gás natural deve superar a oferta este ano em SC

26 de abril de 2013 1

O presidente da SCGás, Cósme Polése, afirmou ontem na reunião da Câmara de Energia da Fiesc, que o consumo do gás natural, este ano, deverá superar a oferta atual, que é de 2 milhões de metros cúbicos por dia. Por enquanto, não há solução para ampliar a oferta de forma consistente e a demanda deverá aumentar 50% até 2019. Segundo ele, o problema é semelhante em outros estados.
Entre as alternativas estudadas estão o maior uso do biogás de dejetos de aves e suínos, que poderia gerar até 1,3 milhões de metros cúbicos por dia. Outra alternativa seria a utilização das reservas de gás dos campos de Tiro e Sidon, localizadas no litoral catarinense.

Walmart vai investir R$ 22 milhões em Big de Lages

26 de abril de 2013 0

O grupo Walmart vai investir R$ 22 milhões em um hipermercado Big na cidade de Lages. O projeto será oficializado hoje, às 11h, no gabinete do prefeito Elizeu Mattos. A inauguração está prevista para o segundo semestre e serão gerados 200 novos empregos diretos. O grupo já tem loja do Maxxi Atacado na cidade. Em breve, o Walmart anunciará investimento em São Bento do Sul.

Aposta na produção integrada de rã

25 de abril de 2013 1

Pioneira na produção integrada de aves e suínos, Santa Catarina aposta em uma nova atividade, com o mesmo modelo, para aumentar a renda em pequenas propriedades rurais. A produção de rã, já difundida na Grande Florianópolis, será incentivada nas regiões Norte e Vale do Itajaí pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Agricultura. O objetivo é suprir o vácuo deixado pela Seara, na região de Jaraguá do Sul, e pela BRF, em Rio do Sul, que suspenderam a atividade avícola em 2012, por problemas como falta de mão de obra, milho caro e logística.

O empresário Flávio Lawless, sócio do único frigorífico de rãs do Estado, o Ranac, de Antônio Carlos, terá reunião no início do mês que vem com agricultores das regiões de Jaraguá e Massaranduba, no Norte, e de Rio do Sul e Agronômica, no Alto Vale do Itajaí. A empresa iniciou abates em 2010, vende no mercado nacional e exporta 10% ao Chile.

Segundo ele, é grande a procura pelo produto em países do Primeiro Mundo porque a carne de rã, com sabor semelhante ao de peixe, tem alto teor de proteína e zero de gordura. Com a adesão dessas duas regiões, a produção de 230 mil animais será ampliada para 3,6 milhões a cada cinco meses. Cada produtor terá que investir cerca de R$ 90 mil em infraestrutura.

Masterplan diz que ferrovia deve ligar Serra ao Porto de Imbituba

25 de abril de 2013 1

Nas últimas semanas se fala muito na construção da Ferrovia do Frango, ligando o Oeste aos portos do Litoral. As informações são de que a ligação será ao complexo portuário de Itajaí. Mas o ex-secretário de Planejamento, Agricultura e Fazenda do Estado, Felipe Luz, alerta que o Masterplan, feito pelo ex-ministro Eliezer Batista em 2005, apontou que o grande porto do futuro de Santa Catarina é o de Imbituba, porque tem o melhor calado e pode receber os grandes navios post panamax, que levarão os produtos diretamente para a Europa. Os estudos, com a participação de pesquisadores da UFSC e de uma institução do Rio de Janeiro apontou que a ferrovia deveria vir da região de Lages até o Porto de Imbituba. A propósito, SC pagou perto de R$ 10 milhões para aquele plano estratégico.

Melhor espumante nacional e melhor vinho tinto de outras regiões são de SC

24 de abril de 2013 1

Vinícolas de Santa Catarina conquistaram duas importantes premiações na Expovinis 2013, em São Paulo. O espumante Rosé Brut 2012 da vinícola Villaggio Grando, de Caçador, foi eleito o melhor espumante nacional. E o vinho Basaltino, da vinícola Pericó, de São Joaquim, foi eleito melhor tinto na categoria Tinto Nacional de Outras Regiões. As duas vinícolas integram a Acavitis, Associação Catarinense de Produtores de Vinhos Finos de Altitude. O concurso é realizado anualmente e cerca de 200 rótulos do munto todo disputam o topo da lista.

Kranz, de Treze Tílias, conquista o Prêmio Nacional de Inovação

24 de abril de 2013 0

A indústria Kranz Technology, de Treze Tílias, foi a vencedora nacional na categoria Empresa-Agente Local de Inovação, do Prêmio Nacional de Inovação, revelado ontem à noite, em Brasília. O fundador do grupo, Walter Kranz, e seu filho Waltinho receberam a distinção na cerimônia, que teve 12 vencedores em diversas categorias. Esta foi a segunda edição do prêmio que recebeu 981 inscrições de todo o país.

Promovido pela CNI, em parceria com o Movimento Brasil Competitivo, apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação, o Prêmio Nacional de Inovação homenageia as empresas que investem na inovação de produtos, processos e gestão. Na primeira edição, em 2011, houve 427 inscrições. Nesta segunda, a parceria com o Sebrae fez esse número mais que dobrar com a inclusão da categoria de Agente Local de Inovação. Foram 981 inscrições de projetos desenvolvidos, sendo 284 da Região Sul, 270 do Nordeste, 149 do Centro-Oeste, 145 do Norte e 133 do Sudeste.

CONHEÇA OS VENCEDORES DE CADA CATEGORIA:

Gestão da Inovação

Grande empresa: 3M do Brasil Ltda (SP)

Projeto: o Programa de Gestão da Inovação 3M tem como objetivo a inclusão de metas de inovação, no longo prazo, em cada área de negócios da empresa.

Prêmio: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e crédito pré-aprovado de R$ 500 mil no Edital de Inovação 2013 SESI/SENAI, mediante aprovação de projeto.


Média empresa: UNUM (CE)

Projeto: o Programa de Geração de Ideias UNUM visa prover recursos humanos e manter suas competências adequadas às necessidades do negócio.

Prêmio: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e crédito pré-aprovado de R$ 250 mil no Edital de Inovação 2013 SESI/SENAI, mediante aprovação de projeto.


MPE: INFOWAY (PI)

Projeto: Programa de Gestão da Inovação INFOWAY. O projeto promove iniciativas como atividades pela qualidade de vida dos funcionários, reconhecimento e valorização dos melhores projetos inovadores apresentados.

Prêmio: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e crédito pré-aprovado de R$ 150 mil no Edital de Inovação 2013 SESI/SENAI, mediante aprovação de projeto.

 
Modelo de Negócio

Grande empresa: Natura Comésticos S/A (SP)

Projeto: a Cadeia de Suprimentos Strategic Sourcing Triple Bottom Line tem o objetivo de alinhar a gestão da cadeia de abastecimento à política de gestão sustentável.

Prêmio: troféu e curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente.

 Média empresa: HIGRA Industrial Ltda (RS)

Projeto: o Sistema Integrado de Gestão da Sustentabilidade é focado na personalização de soluções conforme necessidade do cliente, na qualificação de fornecedores e engajamento de profissionais da empresa.

Prêmio: troféu e curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente.

 MPE: Tecverde Engenharia Ltda (PR)

Projeto: o Sistema Construtivo Wood Frame visa oferecer processos mais eficazes de construção de casas populares com menor tempo e máximo de sustentabilidade agregada.

Prêmio: troféu e curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e missão técnica internacional em país de referência em inovação.


Projeto de Inovação Tecnológica

Grande empresa: Embraer S.A. (SP)

Projeto: o sistema de análise e diagnóstico da saúde do avião Ahead-PRO busca maximizar o tempo de voo das aeronaves e evitar custos operacionais desnecessários, com foco na manutenção corretiva e preventiva.

Prêmio: troféu e curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente.


Média empresa: Maquetec do Brasil Ind. e Com. de Máquinas e Equipamentos Ltda (RS)

Projeto: a iniciativa para Tampografia de Alta Qualidade consiste no desenvolvimento de um software inédito para a fabricação de máquinas e equipamentos para pintura e tampografia em saltos, solados e palmilhas.

Prêmio: troféu e curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente.


MPE: Marina Borrachas LTDA (RS)

Projeto: transformação de resíduo em Matéria Prima – sílica verde. Do projeto fazem parte pesquisa, desenvolvimento e fabricação de vedações de borracha aplicadas ao mercado de petróleo e gás, com resistência térmica, química e mecânica.

Prêmio: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e missão técnica internacional em país de referência em inovação.

NOVAS CATEGORIAS - Este ano, a CNI, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Movimento Brasil Competitivo (MBC) criaram outras três categorias com foco no Agente Local de Inovação nas modalidades de Serviços, Comércio e Indústria. Conheça os vencedores:

Serviços: TCA Informática Ltda (RS)

A TCA Informática Ltda (RS) venceu com o Programa ALI de Gestão da Inovação TCA Informática, que faz captação de tendências, parceria com universidades, classificação e priorização de projetos inovadores.

Prêmio para a empresa: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e missão técnica internacional em país de referência em inovação.

Prêmio para o ALI Alexandre Menezes da Silva: participação em missão técnica internacional em país de referência em inovação.


Comércio: PROTEC Comércio e Serviços Ltda (PE)

A PROTEC Comércio e Serviços Ltda (PE) venceu com o Programa ALI de Gestão da Inovação PROTEC, que prospecção interna, por meio de programas específicos, de oportunidades de inovação.

Prêmio para a empresa: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e missão técnica internacional em país de referência em inovação.

Prêmio para o ALI Cezar Augusto Lins de Andrade: participação em missão técnica internacional em país de referência em inovação.

 Indústria: Kranz Inovações Tecnológicas Ltda

A Kranz Inovações Tecnológicas Ltda (SC) venceu com o Programa ALI de Gestão da Inovação KRANZ, um modelo de gestão baseado na busca por melhores tecnologias para a produção de vinhos, com foco em equipamentos, técnicas e recursos humanos.

Prêmio para a empresa: troféu, curso de educação executiva em escola de negócio reconhecida internacionalmente e missão técnica internacional em país de referência em inovação.

Prêmio para o ALI Fernando André Loch Santos da Silva: participação em missão técnica internacional em país de referência em inovação


Setor têxtil e de moda do país vai duplicar em 10 anos, diz empresário

24 de abril de 2013 0

O cenário continua difícil para o setor têxtil e de moda, mas o futuro será promissor. Essa é a visão transmitida pelo movimento SCMC, Santa Catarina Moda e Cultura, que realizou um fórum ontem, na Fiesc. Na avaliação do presidente do SCMC, Cristiano Buerger, em 10 anos a produção têxtil do Brasil vai dobrar e o setor ficará competitivo em nível mundial. SC, que têm uma cadeia completa, vai se destacar. Um dos pontos fortes serão os dois institutos do Senai.

Na moda

Dos 20 maiores grupos de moda do Brasil, oito estão em SC, observa Cristiano Buerger. Na lista estão Hering, Malwee, Marisol, Lunender, AMC, Dudalina, Havan e Makenji. Na foto, criação da Coca-Cola Clothing, da AMC, no Fashion Rio.

Nova vida

Um dos pontos altos do evento do SCMC, ontem, foi a palestra do conselheiro da Azul, Pedro Janot. Ele contou como passou a ver a vida e os amigos de outra forma após o acidente com cavalo, que lhe causou lesão na medula.

Gigantes

Metas de três gigantes de SC para 2015, contadas ontem: Carlos Amaral, da Hering, disse que a empresa projeta 800 lojas; Rui Hess, da Dudalina, informou que o plano é faturar R$ 1 bilhão; Alvin Neto, da Karsten, prevê receita de R$ 600 milhões.

WEG lucra R$ 172 milhões no primeiro trimestre, 16,2% mais

24 de abril de 2013 0

O grupo WEG, de Jaraguá do Sul, fechou o primeiro trimestre com lucro líquido de R$ 172,3 milhões, 16,2% superior aos R$ 148,2 milhões obtidos no mesmo período do ano passado. A receita operacional líquida atingiu R$ 1,477 bilhão, com crescimento de 7,9% sobre o primeiro trimestre de 2012 e queda de 11,1% sobre o trimestre anterior e o Ebitda (receita após impostos) alcançou R$ 248,9 milhões, com  margem Ebitda de 16,8%. O crescimento foi de 25,5% em relação ao ano anterior e queda de 14,1% em relação ao trimestre anterior. A companhia investiu R$ 56,8 milhões nos três primeiros meses do ano.

Sinapse da Inovação gerou mais de R$ 5 milhões em impostos

24 de abril de 2013 0

Cem empresas e 500 novos empregos diretos de alta qualificação foram gerados entre 2008 e 2010 pelo Sinapse da Inovação, programa do governo de SC para estímulo ao empreendedorismo. Juntas, as empresas arrecadaram mais de R$ 5 milhões em impostos em 2012, superando o investimento do governo em dois anos, que foi de R$ 4 milhões. Amanhã e sexta, os selecionados pelo programa estarão reunidos em Florianópolis para contar suas histórias e apresentar suas propostas de negócios para investidores. O evento é aberto para o público em geral, principalmente para jovens interessados em empreender e conhecer as histórias de quem conseguiu abrir o próprio negócio.

Mercedes-Benz avalia terrenos para possível montadora em SC

24 de abril de 2013 1

Executivos da Mercedes-Benz estiveram no Estado para avaliar terrenos visando possível instalação de montadora de automóveis de luxo. Eles estiveram no Norte do Estado e tiveram reuniões com os prefeitos de Joinville, Udo Döhler, e Itajaí, Jandir Bellini. Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen, foi uma visita técnica, de reconhecimento. Os executivos da empresa avaliaram as condições para incluir SC entre os estados que poderão sediar a montadora. O secretário disse que é um trabalho preliminar e que a empresa não tem data para decidir quando e onde vai instalar o projeto no Brasil. Os executivos não marcaram data de retorno.

Quando a Mercedes decidiu pela instalação da fábrica de Juiz de Fora (MG), em 1995, SC também foi sondada. Conforme lideranças do governo catarinense, o fato de a BMW ter escolhido o Estado para instalar sua unidade ajuda a atrair outras empresas que atuam no mercado premium de automóveis.

No início do ano, o vice-presidente mundial de vendas da Mercedes, Philipp Schiemer, disse que a meta da companhia é alcançar pelo menos 1,2% do mercado brasileiro, a mesma participação que a marca tem no mundo. Conforme o presidente da SCPar, Paulo Costa, o Estado vem negociando também com a montadora chinesa Geely, dona da marca Volvo. A empresa vai decidir até o final do ano.

Hering lucra R$ 69,4 milhões no primeiro trimestre

23 de abril de 2013 0

A Cia. Hering fechou o primeiro trimestre do ano com lucro líquido de R$ 69,373 milhões, 1,2% inferior aos R$ 70,205 milhões obtidos nos mesmos meses do ano anterior. A receita líquida de vendas dos três primeiros meses de 2013 alcançou R$ 379,656 milhões, alta de 16,2%  em relação aos R$ 326 milhões o mesmo trimestre do ano passado.

Nova gigante da educação ficou mais forte em SC

23 de abril de 2013 1

 

O grupo Kroton, que ontem anunciou fusão com a Anhanguera formando a maior empresa de educação privada do mundo em valor de mercado, reúne mais de um milhão de alunos, 800 faculdades e 810 escolas associadas, ficou mais forte em Santa Catarina. Além das sete instituições com mais de 86 mil alunos que agregou ano passado ao comprar a Uniasselvi, incorporou agora mais três unidades da Anhanguera, baseadas em Joinville, Jaraguá do Sul e São José. Kroton e Anhanguera, juntas, têm receita bruta anual de R$ 4,3 bilhões e valor de mercado de R$ 12 bilhões. A fusão ainda depende da aprovação do Cade, o órgão de defesa da concorrência. Até lá, as duas instituições terão que atuar de forma independente.

As unidades a Anhanguera de Joinville e Jaraguá têm 18 cursos cada, e a de São José, a Anhanguera-Uniban, tem oito cursos.  As unidades compradas da Uniassilvi, ano passado, pela Kroton, estão baseadas em Blumenau (duas), Indaial, Brusque, Timbó, Rio do Sul e Guaramirim.

A Kroton é uma SA com capital pulverizado, presidida pelo novem executivo Rodrigo Galindo. Seu maior acionista ON é o fundo Oppenheimerfunds. Inc, com 9,69% do capital. Mais quatro sócios têm cerca de 5% cada e as demais ações estão distribuídas no mercado. Com o anúncio da fusão, as ações da empresa subiram 8,37%.

"O setor têxtil precisa ser totalmente desonerado"

23 de abril de 2013 0

O executivo Pedro Janot (foto), conselheiro da Azul Linhas Aéreas que atuou, antes, na Zara e na Richards, afirma que, para o setor têxtil e de confecções do Brasil ser competitivo nos mercados interno e externo precisa ser totalmente desonerado. Ele avialia que o corte do INSS na folha não é suficiente para competir com a China. Janot será o palestrante do 2º Fórum SCMC, hoje, a partir das 14h, na Fiesc.

Contexto mundial

Para Pedro Janot, que era presidente da Azul e teve que se afastar em função de grave acidente durante cavalgada, a moda brasileria tem design próprio. – Mas o grande desafio não é fazer moda, mas fazer a preços sem ter que importar tudo da China – diz o executivo que lamenta o fato de indústrias têxteis terem que ir para o varejo para sobreviver. Ele alerta que o Brasil tem potencial para estar no grande contexto mundial têxtil, mas está acontecendo o contrário.

Custos aéreos

Problema semelhante, de alta carga tributária, é enfrentado pelo setor aéreo, diz o consultor da Azul, Pedro Janot. Para crescer com mais margem, as companhias apostam na desoneração. O evento do SCMC terá, também, palestra de Natalino Uggione, do IEL-Fiesc sobre inovação, abordagem dos cases da Dudalina, Hering e Karsten, e a mesa redonda Visão da Indústria da Moda 2003 x 2013. Interessados podem se inscrever gratuitamente pelo site scmc@scmc.com.br.