Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de junho 2013

“A indústria deu uma guinada”, diz Glauco Côrte

29 de junho de 2013 1

Com planos para investir R$ 3 bilhões até 2015, a indústria catarinense está mudando seu perfil, com mais projetos em inovação, design e preservação ambiental. Quem falta sobre essa mudança e a conquista do mercado japonês para a carne suína é o presidente da Federação das Indústrias, Glauco José Côrte.


Como o senhor avalia a abertura do mercado japonês de carne suína para SC?

Glauco José Côrte – É importante porque ratifica a qualidade do produto catarinense. O Japão é um dos mercados mais exigentes do mundo. Foi difícil abrir. Isto certamente foi influenciado pela tradição catarinense. Em muitos contatos que tive com japoneses eles ressaltam a qualidade do produto catarinense e a pontualidade das empresas. Santa Catarina abre uma janela de oportunidades. O crescimento das vendas não acontecerá da noite para o dia. Nossa expectativa é que, nos próximos cinco anos teremos uma presença maior aqui.


Isso abre portas para outros negócios com empresas japonesas?

Glauco – Acredito que isso vai resultar num maior conhecimento do Estado e isso aumenta a possibilidade de investimentos em SC. Por isso nós mostramos, no seminário, o perfil do nosso parque industrial. Saio convencido de que temos que ampliar a nossa presença aqui (no Japão). A distância é grande e o custo é muito alto. Mas se queremos ampliar nossa presença aqui, se queremos receber investimentos japoneses, temos que ampliar esses contatos. Há um movimento de empresas japonesas saírem da China porque a economia chinesa está desacelerando sua economia e a competição lá é dura. Nessa área de saúde, petróleo e gás, que já tem uma presença no Brasil, tende a ser ampliada. Por isso, como Fiesc, acredito que de uma forma ou outra devemos estar mais aqui em feiras, remessas de estudos e convites. A primeira providência que vamos tomar lá é formalizar o convite à Jetro para recebermos uma missão japonesa.


Investir no Japão é difícil?

Glauco – É difícil, os custos são elevados. Ontem encontrei o João Carlos Brega, da Whirlpool. Ele disse que a meta da empresa é aumentar a presença no Japão pela unidade da China. Outras empresas catarinenses também podem ampliar negócios aqui, como a Weg.


A Fiesc fez o estudo anual sobre investimentos que apontou planos da indústria do Estado para mais R$ 3 bilhões até 2015. O que isso representa?

Glauco – O que mais nos deixa animados com relação a essa pesquisa não é tanto o volume de investimentos. Essa média tem se mantido, com crise ou sem crise. A indústria precisa investir anualmente porque as mudanças tecnológicas são muito rápidas. Todo o ano investimos de R$ 1 bilhão a R$ 1,5 bilhão. A pesquisa apontou R$ 3 bilhões para o triênio 2013-2015 e mais R$ 2 bilhões de novos investimentos de empresas de fora. O que mais anima é a qualidade do investimento, isso está mudando em SC.


Como as indústrias do Estado estão melhorando a qualidade do investimento?

Glauco – Nos últimos cinco anos começou a haver uma modificação com mais projetos para design, novos processos produtivos, qualidade, investimento em pesquisa e desenvolvimento. Estamos na 13 edição dessa pesquisa Desempenho e Perspectivas da Indústria Catarinense, que acompanho desde o início. Nos primeiros anos metade dos projetos era para aumento da capacidade da produção. Hoje, aumenta-se a produção com novos equipamentos, mais tecnologia, não em resultado físico. Muitos investimentos são mais para produtividade. Isso vai permitir que a indústria catarinense possa ser competitiva num mercado cada vez mais disputado. Estamos convencidos que vamos vencer no design, qualidade do atendimento, melhoria do nível de escolaridade do trabalhador. Essa tendência dos últimos anos veio para ficar. A indústria catarinense mudou conceitualmente. Busca produtos melhores, pós-venda melhor, marketing. A indústria deu uma guinada.


O que mais a pesquisa apontou?

Glauco – Ela apontou, também, um aumento de 6 seis pontos percentuais nos investimentos em preservação ambiental, de 17% para 23%. Isso reflete esse aumento de consciência do setor industrial catarinense na buscada compatibilização da atividade industrial com a preservação da natureza e responsabilidade corporativa.


E sobre o investimento a mais de R$ 2 bilhões de multinacionais?

Glauco – Nos últimos anos, a média tem sido essa. Além dos investimentos das nossas empresas apurados na pesquisa, temos um investimento adicional de empresas que estão chegando, que não foram registradas na nossa pesquisa. Desta vez, temos a BMW e outras multinacionais. Apuramos isso no BRDE, solicitação de incentivo do Prodec e em outras fontes.


O empresário Glauco José Côrte vai completar em agosto dois anos à frente do Sistema Federação das Indústrias do Estado ( Fiesc). Natural de Timbó e advogado graduado pela UFSC, tem participação societária na Inplac e Portobello e uma forte atuação no associativismo empresarial.

Barred’s em Florianópolis

29 de junho de 2013 0

Florianópolis vai ganhar mais um reforço no segmento de lojas especializadas em moda feminina com preços acessíveis. Será inaugurada no segundo semestre deste ano a primeira unidade da Barred’s da Capital, no Floripa Shopping. Atualmente a marca conta com mais de 140 lojas, 3 Polos Industriais e 2 Centros de Distribuição no País. A Barred’s também foi eleita pelo mercado a melhor marca de loja feminina do Brasil.

Qualidade de vida no Japão

29 de junho de 2013 3

• Bem-estar

Além de ser um país rico, o Japão chama a atenção por ter um povo muito educado, que respeita o próximo e as leis. Atividades que poucos se atrevem a praticar no Brasil, como pedalar cerca de meia hora para chegar em casa, por volta da meia-noite aqui é normal. As ruas praticamente não têm lixo e lixeiras e o transporte coletivo é de excelente qualidade.


• Bem-estar (2)

No Japão, aos cinco anos, uma criança deve ir para a escola sozinha para desenvolver sua própria independência. Elas usam um boné colorido para se destacar e ter o respeito dos motoristas e dos mais velhos. No Brasil, jovens com 18 anos são levados para a escola pelos pais. Isso é possível no Japão, porque o país não tem violência.

Japão tem muitas oportunidades a oferecer

29 de junho de 2013 0

• SC mais perto do Japão

Terceira maior economia do mundo, com oferta de excelentes serviços à sua população e interesse em diversificar fornecedores, o Japão gera muitas oportunidades de negócios. Foi essa a conclusão de lideranças catarinenses que participaram do seminário A carne suína de SC e do Brasil no Japão, realizado pela Fiesc e pelo governo estadual, no Hotel Imperial, em Tóquio. O evento marcou a abertura, para cinco agroindústrias catarinenses, do maior mercado importador do produto no mundo. A plateia de 93 empresários e executivos japoneses, mais cerca de 50 brasileiros, recebeu informações detalhadas sobre a produção de suínos do Estado, do Brasil e também sobre a indústria catarinense. O governador Raimundo Colombo disse que SC tem 1,1% do território do Brasil, mas é o maior produtor de suínos, o segundo de frango e o quarto de leite. Um dos pontos mais destacados por ele foi o controle sanitário. Glauco José Côrte, presidente da Fiesc, disse que SC precisa estar mais presente no Japão em função da força da sua economia e convidou uma comitiva japonesa para visitar o Estado. Hoje o intercâmbio comercial entre as partes soma US$ 735 milhões.Com a carne suína, deve chegar a US$ 1 bilhão em 2015, prevê Côrte.


• Ucrânia

Em função de problemas em outros mercados, em janeiro e fevereiro, a Ucrânia se tornou a maior compradora de carne suína do Brasil, com 23% do total. A suspensão em março causou recuo de 18%. Agora, ela voltou a comprar e pode pressionar os preços para cima.

• Investimentos

Para aumentar a produção e guardar uma fatia para o Japão e, depois, para a Coreia do Sul e outros mercados, as agroindústrias catarinenses terão que investir. Esta opinião é do presidente da Associação das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Carne Suína (Abipecs), Rui Vargas. Segundo ele, será necessário porque as empresas operam no limite de capacidade para ter produtividade.

Toalha gigante

28 de junho de 2013 0

A catarinense Karsten promoveu no verão uma ação de marketing, passando por várias praias, entre elas Florianópolis, com uma toalha gigante de 200 metros. O resultado da ação, seis meses depois, é que a Karsten recolheu os toalhões e após um processo de higienização e corte para tamanho normal, elas foram doadas para instituições de caridade. Em Santa Catarina, as 130 toalhas, foram doadas para o Grupo da Terceira Idade Alegria de Viver de Florianópolis

Governança corporativa

28 de junho de 2013 1

A Multilog S/A, empresa de logística sediada em Itajaí, está em processo de redimensionamento, seguindo as práticas de governança corporativa. Rogerio Fortunato, superintendente nos últimos 11 anos, foi incorporado ao novo Conselho de Administração e Djalma Vilela assume como diretor-executivo da empresa. A meta é dobrar o faturamento nos próximos 5 anos.

Governo oficializa parceria com Japão para abertura do mercado à carne suína

28 de junho de 2013 4

Para selar a parceria com o Japão, o governador Raimundo Colombo assinou e entregou documento no qual do Estado promete cumprir todas as exigências das autoridades sanitárias do país. O governador foi recebido pelo vice-ministro sênior do Ministério da Agricultura, Yoshito Kajiya. Segundo o vice-ministro, a parceria resultou do trabalho das duas partes e o objetivo é manter diálogo permanente. (Foto: Antonio Carlos Mafalda, Divulgação, Secom)

Investimentos no portos de SC

28 de junho de 2013 0

Em palestra para empresários de todo o Brasil, essa semana, em Florianópolis, o secretário da Fazenda, Antonio Gavazzoni, destacou o impacto dos investimentos do Pacto por Santa Catarina nos portos do Estado, que chegarão a R$ 192 milhões.

— Teremos melhores condições de acesso e escoamento da produção. Hoje, com a unificação do ICMS de importação em todo o país, a infraestrutura é um grande diferencial competitivo para Santa Catarina, além da agilidade no desembaraço, que por conta de um trabalho desenvolvido na Fazenda Estadual é totalmente eletrônico e integrado à Receita Federal — disse.

O encontro de empresários foi promovido pelo First Group, de Santa Catarina, que faz gestão logística de 12 mil contêineres por ano.

Primeiro lote de carne suína de SC aterrissa no Japão

28 de junho de 2013 2

BRF faz primeiro embarque ao Japão

A tão esperada estreia de embarques de carne suína catarinense ao mercado japonês após a abertura concretizada dia 30 de maio foi feita pela maior empresa do Estado, a BRF, de forma diferente. A companhia transportou por avião, da unidade de Campos Novos, um pequeno lote que chegou a Tóquio terça-feira para a realização do evento comemorativo da conquista do mercado, ontem à noite, na residência do embaixador Marcos Galvão. Mas tudo indica que a dona da Sadia e da Perdigão será pioneira também no embarque de contêineres. O diretor da companhia para a região da Ásia, Lio Cesar de Macedo Junior, diz que o primeiro deverá partir dia 15 de julho e chegará ao país em agosto.

A Coopercentral Aurora está recebendo importadores, preparando os cortes e pretende iniciar os embarques em agosto, informou o gerente de exportação da organização, Dilvo Casagranda, que acompanha os eventos do setor em Tóquio.

O embaixador promoveu um jantar para mais de 40 pessoas ontem, com a presença da missão catarinense liderada pelo governador Raimundo Colombo e o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte. No cardápio, destaque foi a carne suína de SC, com lombo assado e filezinho à milanesa, um prato típico daqui chamado ton katsu.
Com a abertura do mercado japonês para Santa Catarina, o Estado será o único do Brasil autorizado a exportar carne suína ao país asiático.

Conquista coletiva

Tanto o governador Raimundo Colombo, quanto o embaixador do Brasil no Japão, Marcos Galvão (a esquerda do governador), destacaram o trabalho coletivo de lideranças do Estado, do setor privado e do governo federal para a conquista do maior mercado importador do mundo para a carne suína de SC. Colombo elogiou o empenho pessoal do embaixador para obter essa abertura. Conforme Galvão, foi possível avançar em a todas as etapas porque SC atende todas as exigências dos japoneses.

Oportunidades

  • O Japão é a terceira maior economia do mundo e oferece muitas oportunidades de negócios. Na avaliação do embaixador do Brasil no país, Marcos Galvão, o mercado oferece muito mais oportunidades do que as exploradas hoje pelas empresas de SC e do país.

    Com qualidade

  • Santa Catarina terá que disputar o mercado japonês de carne suína pela qualidade, porque, para proteger a produção local, o país adota taxa de importação menor para os cortes mais caros. Isso acaba nivelando os preços, porque impede a estratégia de oferecer valores mais baixos para ganhar mercado. Atualmente, o país paga cerca de 5 dólares por quilo. A informação foi obtida ontem pela comitiva do Estado ao Japão, em reunião com a associação dos importadores de carnes do país, a Japa Meat Traders Association (JMTA).

  • Congelada

  • A Associação dos Importadores de Carnes também informou que só poderá comprar carne congelada em função da distância entre os dois mercados. Apesar disso, o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, afirmou que as agroindústrias estão bastante otimistas. A exemplo da conquista do espaço para carne de aves, a suinocultura deverá avançar no mercado japonês, onde poderá vender até 400 mil toneladas por ano, prevê o empresário.

  • Incentivo

    27 de junho de 2013 0

    Cerca de 600 empresas catarinenses serão beneficiadas com R$ 7 milhões para colocar em prática os projetos aprovados pelo programa Empreender Competitivo. A conquista é da Facisc, que conseguiu passar pelo crivo dos avaliadores 60% dos projetos enviados. O programa visa o fortalecimento de empresas e conta com recursos do Sebrae e de empresários parceiros, em Santa Catarina é coordenado pela Facisc, que completou 42 anos na quarta-feira, 26. Ao todo, foram enviados 69 projetos, dos quais 41 foram aprovados pelo programa.

    Estado prorroga redução de ICMS para vendas de suínos fora de SC

    27 de junho de 2013 0

    O governador Raimundo Colombo anunciou nesta quinta-feira, em Tóquio, a prorrogação do corte de 12% para 2% da alíquota de ICMS  para a venda de suínos fora do Estado. Mas avisou que esse benefício será encerrado em 30 dias porque o setor está conquistando novos mercados. Além do Japão, a Croácia também está iniciando compras de carne suína catarinense.

    Missão de SC vai ao Japão para eventos sobre carne suína

    24 de junho de 2013 0

    A abertura do mercado japonês para a carne suína de SC será marcada com a assinatura de um acordo do governo do Estado com o país asiático, e com o seminário A carne suína de Santa Catarina e do Brasil no Japão, sexta-feira, em Tóquio. Uma missão de SC integrada por lideranças do governo, parlamentares e empresários vai participar dos eventos. O governador Raimundo Colombo embarca hoje à noite, quando também viajam os políticos. A maioria dos empresários foi ontem, em grupo com presidente do Sistema Fiesc, Glauco José Côrte.

    Lideranças do agronegócio do país vão participar dos eventos. O seminário tem 91 empresários japoneses inscritos. Entre as autoridades de SC, estarão o secretário de Agricultura, João Rodrigues, e o presidente da Cidasc, Enori Barbieri. Eu farei a cobertura do evento para o Grupo RBS, com despesas pagas pela empresa.

    Tudo sobre o seu dinheiro

    24 de junho de 2013 0

    Interessados em saber mais sobre como poupar e investir podem obter informações de especialistas gratuitamente na Expo Money Florianópolis, quarta e quinta-feira, à tarde e à noite, no CentroSul. A curadora do evento é a comentarista de finanças pessoais da Rede Globo e da CBN, Mara Luquet.

    Quais são os temas que deverão predominar na Expo Money?

    Mara Luquet – Tudo o que envolve o dia a dia financeiro das famílias. Onde investir? Qual o melhor financiamento para a casa própria? É hora de investir em imóveis? Cuidados para não cair em fraudes financeiras, as oportunidades do mercado de ações, como investir em títulos públicos, enfim todas as informações para nossas escolhas financeiras estarão contempladas.

    A oferta de crédito imobiliário melhorou. Quais são os aspectos positivos desta fase e que cuidados as pessoas devem tomar antes de assinar um financiamento de imóvel?

    Mara- Os cuidados são muitos e vão desde aspectos financeiros a aspectos legais dos contratos. É um tema complexo e amplo, fica difícil resumir em poucas linhas. Mas se focarmos nos aspectos financeiros, diria que o mais importante é não entrar numa dívida tão longa e tão importante sem estar cercado de cuidados para não cair em armadilhas financeiras. As principais perguntas que você deve responder neste processo são: – Tenho pelo menos 20% do valor para dar de entrada? – Qual o custo efetivo total do financiamento? – Fiz uma pesquisa para comparar os custos em outros agentes financeiros? – A prestação, somada a outras dívidas, compromete qual fatia do meu salário? – O que acontece se eu perder a minha principal fonte de receita?

    Como administrar as finanças pessoais neste período de inflação alta?

    Mara – Esta é uma pergunta relevante. O fundamental é entender que você está mais “pobre” porque o custo de vida aumentou e reorganizar seu padrão de gastos.

    Que conselhos dá para quem pretende começar a poupar?

    Mara – Comece com pouco. Algo que realmente não vá fazer falta no seu orçamento. O importante não é guardar muito, mas guardar sempre. Comece pela caderneta de poupança e vá migrando para o Tesouro Direto ou fundos de renda fixa. Mas para fazer uma carteira de investimentos você precisa primeiro conhecer os seus objetivos de investimento. A melhor aplicação dependerá do prazo do seu investimento.

    Por que é importante investir em previdência complementar? Você recomenda presentear familiares com planos desse tipo?

    Mara – É importante investir em previdência porque vamos viver muito e isso custa caro, principalmente custos médicos. Nem o governo, nem nossos patrões vão financiar este custo. Presentes financeiros são interessantes, mas não só previdência. Vai depender de quem é presenteado.

    Como e quanto investir em ações?

    Mara Invista quando o mercado estiver barato e não tiver data para resgatar os recursos. Dessa forma você pode esperar o melhor momento para realizar o lucro.

    Como analisa a onda de protestos?

    Mara – Não sou analista política, nem socióloga, nem estudiosa do tema. Mas vejo uma insatisfação com os serviços públicos. O país está enriquecendo, mais pessoas nas escolas, nas faculdades, com mais acesso a informações, é natural que questionem.

    Que livro recomenda a endividados?

    Mara – Endividada? Leia Balzac. Escrevi sobre isso há alguns anos. A revista Legado (da jornalista) tem um clube de leitura que promove encontro com o autores. O último foi com Paulo André, zagueiro do Corinthians, autor do O jogo da minha vida.

    O cidadão e a economia

    A jornalista Mara Luquet é fundadadora da editora Letras & Lucros, especializada em finanças pessoais. O foco é promover o entendimento do tema econômico sob o ponto de vista do impacto na vida familiar, de aproximar o cidadão e a economia. – É um tema que está no dia a dia de todos nós. Diariamente tomamos decisões financeiras e quanto melhor estivermos informados, melhores serão nossas escolhas – explica.

    Carreira

     A opção de Mara Luquet pelos temas de finanças pessoais ocorreu após atuar como jornalista na área. Foi editora de Investimentos e Carreira no jornal Valor Econômico, também atuou no caderno Folha Invest da Folha de S. Paulo, Veja, Gazeta Mercantil e Exame. É casada há 15 anos com Neuton, que é engenheiro e auditor. Não tem filhos. Quando o assunto é férias, a jornalista revela que adora viajar pelo mundo.

     - Sou filha, neta e sobrinha de aviadores. Amo voar – afirmou.

    Escritora

    Mara Luquet é autora dos livros O Assunto é dinheiro, em parceria com o jornalista Carlos Alberto Sardenberg; Aposentada ficava sua avó, com Andrea Assef; e Tristezas não pagam dívidas. A jornalista também escreveu guias de finanças pessoais (imagem).

    Floripa Harley-Davidson promove passeio de motociclistas

    22 de junho de 2013 0

    Seguindo a marca Harley-Davidson no mundo, a concessionária de Florianópolis promove amanhã o evento World Ride 2013 com o propósito de celebrar a liberdade de pilotar. Mais de 60 motociclistas vão participar. Eles vão se concentrar em frente à loja, no estreito, na Capital, e seguirão para Brusque, no Vale do Itajaí. Cada quilômetro percorrido será registrado. A meta é percorrer 16 milhões de quilômetros no mundo. Entre os motociclistas, também mulheres (foto).

    Seminário sobre carne de SC registra alto interesse no Japão

    22 de junho de 2013 0

    A histórica reabertura do mercado japonês à carne suína catarinense não anima somente a agroindústria do Estado. O seminário promovido pela Federação das Indústrias de SC (Fiesc), em Tóquio, na próxima sexta-feira, seguido de uma rodada de negócios, já registra 70 inscrições de empresários e executivos japoneses, informa o diretor de Relações Industriais da federação, Henry Quaresma. A missão catarinense ao país asiático será mista, dos setores público e privado, com as participações do governador Raimundo Colombo e do presidente do Sistema Fiesc, Glauco José Côrte. Na avaliação de Quaresma, a conquista do Japão será um divisor para o avanço do agronegócio do Estado, especialmente para o Oeste, que enfrenta uma série de dificuldades. Por isso a importância de o governador participar da assinatura do acordo de exportações com os japoneses. Para Colombo, essa abertura vai gerar uma revolução ao setor. É, talvez, a melhor notícia dos últimos 20 anos para os produtores de carne suína. O evento da CNI e governo federal, que seria quinta, foi cancelado. Mas, pela importância das exportações de carnes ao Japão, SC manteve o seu. Ucrânia reabre O Ministério da Agricultura confirmou ontem a reabertura do mercado da Ucrânia à carne suína brasileira. Um dos maiores compradores do produto, o país havia suspendido os negócios em março alegando ter encontrado bactérias em produtos exportados por SC e RS. A decisão reduziu em 18% as exportações do produto em maio.

    Balneário Camboriú reduz em 5,36% o preço da passagem de ônibus

    21 de junho de 2013 0

    Após diversas rodadas de negociações, a prefeitura de Balneário Camboriú e as empresas de transporte coletivo chegaram a um acordo para reduzir o preço da tarifa em 5,36%. Segundo o prefeito Edson Piriquito, o valor de R$ 2,80, praticado desde dezembro, foi reduzido para R$ 2,65, tanto para quem compra antecipadamente, quanto para quem paga na hora do embarque. Balneário teve manifestações ontem e hoje.  O prefeito diz que o movimento é pacífico e não reivindica apenas menor preço do transporte.

    Expo Money será na próxima semana na Capital

    21 de junho de 2013 0

    O Espaço Kids (foto) é uma das novidades da Expo Money Florianópolis 2013, mostra que será quarta e quinta da próxima semana no CentroSul. O ABC do Dinheiro ensinará lições de finanças para crianças.
    Entre as palestras do evento, que é gratuito, está programada a do consultor do Itaú Unibanco, Martin Iglesias, que dará dicas sobre como investir em previdência complementar.

    Como fazer o dinheiro render até para a aposentadoria

    21 de junho de 2013 0

    O gerente de educação para investidores do Itaú Unibanco, Martin Iglesias, faz palestra quarta-feira, a partir das 15h30min, na Expo Money em Florianópolis. Vai abordar o tema 1-3-6-9: o código do seu sucesso financeiro, com conselhos sobre como fazer o dinheiro render e como aplicar com segurança, pensando na aposentadoria. O evento, considerado o maior sobre educação financeira e investimentos da América Latina, acontece em Florianópolis, no Centro Sul (Av. Gov. Antonio Carlos Magalhães, 711).

    Se você quiser conhecer a metodologia 1-3-6-9: o código do seu sucesso financeiro pode acessar o link  http://www.youtube.com/watch?v=zdQRHOcBdtQ&list=UUWzlgLz1LS1Bom_thiOBtNw&index=2

    As inscrições para a Expo Money são gratuitas e podem ser feitas pelo site http://www.expomoney.com.br/inscricao,florianopolis


    Fiesc prevê R$ 5 bilhões de investimentos até 2015

    21 de junho de 2013 0

    Além dos R$ 3 bilhões de investimentos planejados por 118 indústrias catarinenses para o triênio 2013-2015, que responderam a uma pesquisa da Fiesc para a publicação Desempenho e Perspectivas da Indústria, SC pode receber mais R$ 2 bilhões. Esse acréscimo, segundo o presidente da entidade, Glauco José Côrte, virá da BMW e outras empresas do exterior. Apesar do tímido crescimento do setor, o presidente da entidade, Glauco José Côrte está otimista para o futuro. Um dos diferenciais é que a inovação entrou definitivamente na pauta das empresas catarinenses.

    Após o desabafo, soluções

    21 de junho de 2013 0

    Entre as razões claras e ocultas que levam milhares de brasileiros às ruas estão problemas como a inflação alta e serviços públicos precários. Os protestos de ontem, na maioria das capitais e em outras cidades, revelaram um desabafo amplo no país. Está na hora de os governantes apresentarem soluções concretas além da redução ou manutenção dos preços das tarifas do transporte coletivo. Embora os manifestantes não tenham uma pauta pontual, a maioria protestou contra corrupção, estádios desnecessários e serviços precários. Apesar de o governo federal e o Congresso Nacional fazerem de conta que não é com eles, quem dita os rumos da economia e de uma série de outras questões é a União. E quem vota as medidas são os parlamentares. Cabe a eles, agora, as soluções. É preciso ampliar a transparência das contas públicas, cortar gastos e aprimorar serviços. O mesmo vale para os estados e municípios.

    Todas as classes

    A manifestação de ontem, em Florianópolis, levou para as ruas pessoas de todas as classes sociais, mas principalmente grupos da classe média. Empresários também estiveram lá. A insatisfação com preços altos, carga tributária de 36% do PIB e serviços deficitários vai de A a Z.

    Excesso de cargos

    O excesso de nomeações para cargos de confiança é um dos problemas do país. São 22 mil no governo federal, enquanto no Reino Unido são 300 e na Alemanha 170. Esses números citados pela Exame são lembrados por Carlos Schneider, do Movimento Brasil Eficiente.