Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Brasil perde de R$ 30 bi a R$ 40 bi por ano com acidentes de trânsito

23 de julho de 2013 0

O jornalista J. Pedro Corrêa lança amanhã, às 19h, na Unisul do Centro de Florianópolis, o livro Cultura de Segurança no Trânsito – Casos Brasileiros. A obra traz quatro exemplos de SC: a campanha do Grupo RBS pela duplicação da BR-101 que arrecadou mais de 1 milhão de assinaturas nos anos de 1990, o Programama Municipal de Humanização do Trânsito de Joinville desenvolvido na década de 1990, curso virtual da Unisul sobre segurança no trânsito e a dupla sertaneja Prudente e Negligente, de Rio do Sul, que só canta versos que pregam a educação do trânsito. J. Pedro Corrêa é jornalista e foi fundador do Programa Volvo de Segurança no Trânsito há 25 anos e que gerou muitas outras iniciativas semelhantes no país.

País perde de R$ 30 bilhões a R$ 40 bilhões por ano

 Esse é o alerta na conclusão do livro de J. Pedro. Leia abaixo:  

“Assim como sabemos dos malefícios que um trânsito caótico representa para o país e para a sociedade, sabemos também dos benefícios de um trânsito organizado, civilizado.

A pergunta-título da conclusão, então é óbvia: “Se foi tão fácil encontrar a bússola, por que é tão difícil achar o caminho?” E aí surgem, novamente, pontos que são amplamente discutidos: trânsito não é prioridade; falta vontade política; falta um plano de ação de longo prazo; falta uma reestruturação completa no sistema trânsito brasileiro assim como alocação de recursos mínimos para fazer o setor funcionar. No estudo “Mapa da Violência no Brasil”, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz calculou que entre 1996 e 2010 morreram 500 mil pessoas no trânsito brasileiro. Se valer a regra de que, para cada morte no trânsito correspondem de 10 a 15 feridos graves, teríamos, assim, um grupo de 5 a 7,5 milhões de sequelados. Consideremos ainda os números levantados pelo IPEA de custos dos acidentes de trânsito e teremos de 30 a 40 bilhões de reais desperdiçados a cada ano. É um custo alto demais para assistirmos passivamente.”

Comentários

comments

Envie seu Comentário