Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Aneel aprova reajustes para consumidores da Celesc

30 de julho de 2013 26
Atualização de informações:
Confira a matéria divulgada agora (às 17h15min) pela Celesc, com mais detalhes sobre o reajuste. A alta para indústrias é bem maior, refletindo o impacto do custo das térmicas:

 

ANEEL homologa reajuste da tarifa de energia para Celesc D

Efeito médio percebido pelo consumidor será de 13,73%. Reajuste reflete alto custo com a compra de energia.

Florianópolis, 30 de julho de 2013 – A ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica – definiu nesta terça-feira (30) o reajuste médio de 13,73% para as tarifas de energia elétrica dos 2,5 milhões de consumidores atendidos na área de concessão da Celesc Distribuição.

O reajuste, que passa a ser praticado a partir de 7 de agosto, é diferenciado por classe de consumo, conforme tabela abaixo.

Subgrupo
Reajuste
 
Industrial
A1 (230.000V)
19,15%
Grande siderúrgica
A2 (88.000 a 138.000V)
10,85%
Cerâmico/siderúrgico/metalurgia/papel e celulose
A3 (69.000V)
16,62%
Cerâmico/carbonífero/têxtil
A3a (30.000V a 44.000V)
19,80%
Cooperativas/beneficiadoras de madeira/bovinos/cereais/papel e celulose
A4 (2.300V a 25.000V)
14,10%
Shoppings/comércio grande porte /condomínios
Residencial
B1
12,90%
Residencial e baixa renda
Rural
B2
17,98%
Rural
Comercial
B3
13,00%
Comércio de médio e pequeno porte
Iluminação Pública
B4
18,00%
 

O presidente da Celesc, Cleverson Siewert, explica que o reajuste reflete, basicamente, o novo perfil da energia comprada pelas distribuidoras, com presença cada vez maior de energia gerada em termelétricas, cujo custo é maior que a gerada em hidrelétricas.

“Por questões ambientais, o Governo Federal está reduzindo a construção de usinas que necessitam de grandes reservatórios. Esse cenário tem favorecido a geração térmica. É uma nova tendência, que já impacta nos preços praticados pelo mercado. Na tarifa que a Celesc passa a praticar em agosto, o custo da energia é responsável por quase 80% do índice de reajuste em relação ao ano anterior”.

Na revisão tarifária de 2012, o custo previsto para compra de energia ficou aquém do realizado. Por conta disso, ao longo de doze meses, a Celesc foi onerada em R$ 569,5 milhões por conta dos despachos de térmicas, não previstos na tarifa. Esse valor está sendo ressarcido à Empresa via recursos da Conta de Desenvolvimento Energético, numa estratégia do Governo Federal para evitar um impacto ainda maior no índice de reajuste tarifário.

Como funciona – O reajuste tarifário é efetuado anualmente para todas as concessionárias de distribuição de energia elétrica e, no caso da Celesc D, acontece sempre no mês de agosto, de acordo com o contrato de concessão.

O custo do serviço de distribuição de energia elétrica é composto de duas parcelas:

Parcela A – incorpora os custos não gerenciáveis da Celesc Distribuição, como compra e transporte de energia elétrica e encargos setoriais resultantes de políticas de governo, sem margem de comercialização, cabendo apenas a cobertura dos custos.

Parcela B (Custo de Distribuição) – incorpora os custos gerenciáveis relacionados à atividade de distribuição de energia elétrica, como pessoal, materiais e serviços, remuneração dos investimentos e cota de reintegração regulatória, com margem de comercialização previamente estabelecida e vinculada à eficiência operacional e à prudência dos investimentos.

Reajuste da tarifa X inflação – O reajuste da tarifa de energia elétrica tem resistido de forma firme aos índices de inflação no País. Nos últimos três anos, o reajuste médio da energia elétrica na área de concessão da Celesc D (entre 2011 e 2013) foi de 14,60% ( +1,19 em 2011, – 0,32 em 2012 e 13,73 em 2013. Com o evento da revisão tarifária extraordinária em janeiro de 2013, quando a tarifa foi reduzida em 19,13%, esse índice cai para -4,53%. No mesmo período, o IGPM alcançou índice de 22,6%.

Publicação do blog às 12h26min sobre notas da Aneel

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou na manhã de hoje os reajustes para as contas de luz da Celesc. Os consumidores residenciais terão alta de 12,9% a partir de 7 de agosto. Os clientes residenciais, comerciais e industriais que consomem baixa tensão em média, terão alta de 13,47% e os clientes de alta tensão, especialmente indústrias, terão reajuste de 14,07%. A Aneel aprovou reajustes menores para 28 mil clientes de cooperativas do Oeste de SC. A conta de luz teve redução de quase 20% em fevereiro por decisão do governo federal e, agora, em função do alto custo da geração térmica devido à falta de chuvas, mais a elevação da energia de Itaipu com o dólar alto, os valores pagos voltam a ter reajuste expressivo.

Confira os textos da Aneel, abaixo:  

Reajuste tarifário da Celesc (SC) irá vigorar a partir de 07/08
 
30/07/2013
A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (30/07) em reunião pública o reajuste tarifário da empresa Celesc Distribuição S/A. As novas tarifas entrarão em vigor a partir do próximo dia 07/08 para 2,5 milhões de unidades consumidoras localizadas em 260 municípios de Santa Catarina e um do Paraná (Rio Negro).

Confira abaixo os índices que serão aplicados às contas de luz dos consumidores residenciais dessa distribuidora.

1 – Consumidores residenciais (baixa tensão -B1): reajuste de 12,9% 

Ao calcular os índices de reajuste, a Agência considera a variação de custos que a empresa teve no decorrer do período de referência. A fórmula de cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M e o Fator X, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada de geradoras, encargos de transmissão e encargos setoriais.

Confira abaixo as médias dos índices de baixa e alta tensão:

2 – Consumidores cativos de baixa tensão em média (abaixo de 2,3 kV), incluindo residências: 13,47%

3 – Consumidores cativos alta em média tensão (de 2,3 a 230 kV), como no caso de indústrias: 14,07% 

Reajustes para clientes de cooperativas de eletrificação do Oeste variam de  5,87% a 10,01%

30/07/2013
 
A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (30/07) em reunião pública o reajuste tarifário da empresa Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. (Ienergia). As novas tarifas entrarão em vigor a partir do próximo dia 07/08 para 33 mil unidades consumidoras localizadas nos municípios catarinenses de Xanxerê, Xaxim, Marema, Entre Rios, Bom Jesus e Lageado Grande.

Confira abaixo os índices que serão aplicados às contas de luz dos consumidores residenciais dessa distribuidora.

1 – Consumidores residenciais (baixa tensão – B1): 5,87% 

Ao calcular os índices de reajuste, a Agência considera a variação de custos que a empresa teve no decorrer do período de referência. A fórmula de cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M e o Fator X, e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada de geradoras, encargos de transmissão e encargos setoriais.

Confira abaixo as médias dos índices de baixa e alta tensão:

2 – Consumidor cativo baixa tensão em média (abaixo de 2,3 kV), incluindo residências: 6,74%

3 – Consumidor de alta tensão em média ( de 2,3 a 230 kV), entre os quais indústrias: 10,01%

Comentários

comments

Comentários (26)

  • Wilmutt Schmidt diz: 30 de julho de 2013

    As desculpas de sempre, mas a conta nunca baixa quando as chuvas retornam ao normal ou quando o dólar cai. Precisamos de mais uma revolta?

  • Joel Schlemper diz: 30 de julho de 2013

    Aumento de 12,9 %? o dobro da inflação? Precisamos processar a CELES, isto é abuso econômico.
    O governador aproveitou que fomos desonerados em 20% no início do ano para arrecadar mais agora.

  • bruno diz: 30 de julho de 2013

    Esse país não é sério! tenho pena de nós, trabalhadores. Trabalhamos, estudamos pra vencer na vida e esses políticos corruptos que nos enganam na caruda, eles tem que rir mesmo de nós, comer muita pizza e por aí vai. Fizemos manifestações aí eles dizem o que queremos ouvir, só promessa…e nda.

    Esse aumento já estava na pauta a muito tempo, aí vieram com a história da concessão que devia baixar e baixaram uma mixaria em fevereiro e agora aumentam! claro ja renovaram. Queria ver agora a FIESP lutar.

  • Murilo diz: 30 de julho de 2013

    O povo foi novamente enrolado. Teram um “pseudo” desconto em fevereiro e agora um aumento bem acima da inflação. Estes “Governos” estão brincando com o povo. O povo já sabe a força que tem. O povo vai voltar para as ruas. Estão fazendo o povo de “otário”, mais uma vez.

  • Ricardo Rayol diz: 30 de julho de 2013

    Isso que dá fazer política econômica por decreto.

  • Julio cesar de mendonca diz: 30 de julho de 2013

    Isto é uma piada???
    A Ilustre Presidenta, não falou aos quatro cantos, de que
    a energia, sofreria uma redução???????????????????
    Pobres de nos brasileiros trabalhadores!!!!!

  • Valdir de souza mello diz: 30 de julho de 2013

    É um abusurdo este aumento.
    O governo federal querendo fazer média, diz que reduzil o preço da energia; agora a Celesc vem com este aumento de 12,9%, autorizado pela Aneel?

    E quanto ao funcionário, que não teve nenhum centavo de aumento; pelo o que eu sei, a Celesc é uma empresa do governo do estado…Será por ser economia mista, terão ou ja deram um baita de aumento para os seus Diretores, e o consumidor é quem paga.
    Ta na hora das redes sociais se manifestarem, pois é uma berração este aumento.
    Vamos pra rua……………

  • Luiz Nunes Lass diz: 30 de julho de 2013

    Realmente uma vergonha! senhores governantes tenham vergonha!!!

  • Neto diz: 30 de julho de 2013

    Uma vergonha, falta de respeito com o cidadão

  • CARLO CESAR diz: 30 de julho de 2013

    NEM ME ACOSTUMEI COM A REDUÇÃO. ESSA CELESC, ALEM DE PRESTAR UM PÉSSIMO SERVIÇO, AINDA COBRA CARRO POR ELE.

  • Rafael Criciúma diz: 30 de julho de 2013

    A população brasileira nasceu para pagar conta! E o retorno disso é visto todos os dias na TV! Escândalos e mais escândalos dos nossos políticos.

  • marcos diz: 30 de julho de 2013

    Vocês estão brincando, uma simples casa com conforto minimo paga de energia
    um terço de um salário minimo. isso é corrupção.

  • tio bola diz: 30 de julho de 2013

    preço de 1º mundo, serviço de 3º mundo,
    o povo brasileiro tem que parar com manifestação, tem que fazer uma revolução

  • Tomaz Da rosa neto . diz: 30 de julho de 2013

    Este governo Dilma é uma vergonha mesmo, baixou a conta da energia e agora vem com esta de aumenta novamente. Dinheiro para estadio tem, mas para manter a energia como está não. Aproveite este resto de governo nesta cadeira porque na próxima a senhora vai sentar na cadeira na sua varanda , descansar este mal governo que você fez .

  • Diego de Sousa – Florianópolis/SC diz: 30 de julho de 2013

    Quem são os vândalos mesmo? Tem que parar esse país, isso é só mais uma vergonha nesse Mundo de lixo!

  • Cida Ferraz diz: 30 de julho de 2013

    Como sempre o povo é que paga a conta. Isso é absurdo o dobro da inflação, meu salario teve a metade desse reajuste. Será que temos que ia às ruas novamente? Vergonha.

  • Gertrudes Salete Cembranel diz: 30 de julho de 2013

    O GOVERNO DA COM UMA MÃO E TIRA COM A OUTRA…TUDO PROPANGA ENGANOSA DESSES POLÍTICOS…O POVO QUE SE EXPLODA…..

  • Ives Correa diz: 30 de julho de 2013

    Vergonha é uma palavra que a presidente nunca entendeu o sentido… Ela e seus 30 e tantos ministros (impossivel saber quantos são) nunca fizeram tanto por eles mesmos…É a maior festa de gastos sem controle da história…

  • Luis diz: 30 de julho de 2013

    Que palhaçada é esta?? Cade a redução que a Dna Dilma disse que ia ter?? Redução não, iriam devolver o que nos foi tirado sem permissão!! Agora vai aumentar em 12 %??? Vamos pras ruas novamente, pois este aumento não pode ser repassado a nós consumidores!

  • JAGER diz: 30 de julho de 2013

    Bora pras ruas NOVAMENTE!!!

  • antonio diz: 30 de julho de 2013

    isso é brasil entre outras mil , mais uma obra do pt parabems s.rs governantes.

  • CelesquianA diz: 31 de julho de 2013

    Povo Burro, confunde tudo! Isso não é manobra política, não é determinação da presidência, não é jogada da Celesc, não confundam as coisas, INFORMEM-SE antes de sair escrevendo besteiras! burros!

  • Bruno diz: 1 de agosto de 2013

    Aposto que é funcionaria da celesc!! não importa o que seja, o que importa é que mais uma vez estamos sendo enrolado, pagando cada vez mais por um serviço de péssima qualidade. toda semana falta luz na cidade. Eu queria ver se tivesse outra empresa atuando nesse mercado aqui no estado, aí veremos se o preço de hoje é abusivo ou não. Acho que todos lembram de quando saiu a telesc… e por aí vai. se o governo não tem competencia, repasse a iniciativa privada.

  • Jeferson diz: 6 de agosto de 2013

    Acho que devemos sair para as ruas e parar tudo, fazer esse pais entrar em colapso por 1 dia. 1 DIA SEM ABASTECER O CARRO, SEM VER TV, SEM PAGAR IMPOSTO, SEM COMPRAR NADA ai sim eles verão o que realmente é uma população enfurecida, insatisfeita e enganada 365 dias p ano. Pelo rumo em que as coisas estão indo, logo vamos deixar metade do nosso salário somente para insumos básicos e impostos e não vai demorar muito não….

  • Flavio J. diz: 23 de setembro de 2013

    Informem-se antes de reclamarem. Consumimos a cara energia de termelétricas nos ultimos 12 meses devido a falta de energia nas hidrelétricas pra ligarem a televisãozinha e os luxos..Agora a CELESC está apenas repassando para vocês o que ela já desembolsou para a compra dessa energia no passado senão ela quebra. Se informando melhor, vão perceber que a energia é algo caro sim, ela provém de destruição da natureza e tem que ser transportada por longas distâncias até suas casas. Uma energia pelo preço que ela custa à sociedade é a melhor sinalização para vocês desinformados de como é dificil gerá-la e transportá-la até suas casas. O mundo cresceu e estamos espremidos tendo que economizar e dividir os poucos recursos naturais que nos restam. Pensem antes de consumirem mais e mais e agradeçam por morarem em um país que obedece ainda algumas leis de mercado. Se começarem a subsidiar a energia que consumimos (seja da gasolina ou a elétrica) estaremos fadados ao fracasso como sociedade no longo prazo pois perderemos a noção do valor das coisas. Esse brasileiro só reclama na hora de sair do bolso, agora o processo todo que desencadeia tudo isso ele não faz questão nenhuma de acompanhar e ter uma opinião um pouco mais bem fundada.

  • joao silva diz: 24 de setembro de 2013

    Po Flavio J. vc ta atrasado heimmm!! e aposto que você trabalha em uma concessionaria de energia eletrica. Não esquece que vc tbm paga essa conta, o maior problema colega é que temos o jeito mais barato e produzir a energia e vendemos pelo preço mais alto. Acho que tem alguma coisa errada nesse preço final, não???

Envie seu Comentário