Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de março 2014

Educação melhora a produtividade da construção em SC

31 de março de 2014 0

Como o Sinduscon da Grande Florianópolis conseguiu melhorar a educação dos trabalhadores e a produtividade do setor. Confira no vídeo:

Angeloni e Giassi entre os supermercados bilionários do país

31 de março de 2014 2

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) informou o resultado preliminar do ranking dos maiores supermercados brasileiros com base nos dados de 2013. A rede Angeloni, de Santa Catarina, mantém a posição de décima maior do país, com faturamento de R$ 2,36 bilhões. Outra que ficará entre as 25 maiores é a rede Giassi, que faturou mais de R$ 1 bilhão no ano passado. O Estado tem outra empresa supermercadista forte, que não aparece na lista porque está dividido em várias empresas. É o grupo Pereira, dono das marcas Comper e Fort Atacadista, que tem lojas em SC, Mato Grosso e Goiás, com projeção de faturar cerca de R$ 4 bilhões este ano.
Segundo o levantamento feito pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras em parceria com a Nielsen, o faturamento das 20 maiores empresas do setor evoluiu 10,7%, passando de R$ 155,6 bilhões em 2012 para R$ 172,2 bilhões em 2013. A liderança nacional pertence à Companhia Brasileira de Distribuição (Pão de Açúcar). Considerando todas as empresas do setor, o faturamento de 2013 alcançou R$ 272,2 bilhões em 2013, um crescimento real de 5,5% na comparação com 2012. Esse montante represena que o setor responde por 5,6% do Produto Interno Bruto (PIB) com base nos dados da 37º edição da Pesquisa Ranking Abras/SuperHiper 2014, elaborada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).
A pesquisa completa com todos os dados de faturamento, número de lojas, funcionários, check-outs, entre outras informações, será publicada na edição de abril de 2014 da revista SuperHiper, publicação da Abras. Com base no ranking de 2012, Santa Catarina deverá manter duas redes entre as 25 maiores do Brasil, o Angeloni já confirmado em 10º lugar e a rede Giassi, provavelmente na posição 21, a qual ocupa atualmente.

Empresa é parceira da família Schurmann na expedição Oriente

31 de março de 2014 0

AtlanticasssA Expedição Oriente, novo desafio da família Schurmann, contará com parceria da Toalhas Atlântica, de Brusque. A empresa vai fornecer itens de cama e banho personalizados para Vilfredo,  Heloísa Schurmann e os filhos na viagem que terá início em setembro e durará dois anos. Será em veleiro auto-sustentável. Na foto, o casal Schurmann, ao centro, com a diretora da Atlântica, Susymeri Ogliari, (terceira à direita), e equipe de marketing da empresa.

Laboratório Elofar receita qualidade e inovação

30 de março de 2014 0

AElofar1Medicamentos de qualidade só vendidos com receita médica. Essa é a principal razão do sucesso do Elofar, laboratório de Florianópolis que comemora 50 anos terça-feira. Ao fugir do golpe militar, dia 10 de abril de 1964, o farmacêutico Roberval Silva reativou a indústria. Agora, o Elofar, que tem sede no bairro Estreito, parte para a inovação, com pesquisa em parceria com a Univali. O atual controlador quer vender a empresa e negocia com grupo alemão.

Como o senhor entrou no ramo de fabricação de medicamentos?

Roberval Silva – Sou natural de Urussanga. Ao terminar o ginásio, fui trabalhar numa farmácia. Depois fui transferido por essa empresa para a filial de Florianópolis para poder estudar. Cursei contabilidade, atendi 80 empresas, me tornei servidor público, mas ingressei na faculdade de Farmácia. Nessa época, entrei na militância estudantil. Cheguei a ser preso três vezes por razões políticas. Casei com a Ana Amélia, minha atual esposa. Com 27 anos abri a primeira farmácia. Depois, investi em mais sete. Passei a produzir medicamentos para as nossas farmácias e para outras.

Qual foi a influência do golpe militar no rumo do laboratório?

Roberval – O laboratório, que atuava com as marcas Raulivieira e Elofar, estava com a produção parada, mas tinha estoque. Como teve o golpe dia 31 de março, amigos meus ligados ao Exército me avisaram que eu seria preso dia 10 de abril em função da minha militância. Então enchi o carro de medicamentos (tinha um Dodge) e parti para o interior do Estado. Fiquei um mês, recebi pedidos para três meses. Meu irmão conseguiu suspender o pedido de prisão e eu pude retornar.

Quais as razões do sucesso do Elofar?

Roberval – Seguimos conselhos de médicos e produzimos só medicamentos éticos, isto é, aqueles prescritos com receita médica. Focamos em produtos para mulheres e crianças. Atualmente, temos 41 produtos. Nosso líder é um antibiótico, mas vendemos bem o Vi-Ferrin (suplemento de ferro) e o Elotin.

Nessa sua trajetória, qual foi o melhor momento e o mais difícil?

Roberval – Não tive fase difícil. Acho que não existe problema se a pessoa sabe trabalhar. O mais difícil foi quando decidimos vender o laboratório, em 2001. Estávamos fechando com uma empresa alemã quando surgiu a ideia de o governo do Estado comprar para produzir genéricos.Comprou em 2002. Em 2003, o projeto de genéricos acabou por razões políticas. Aí vendemos para o grupo Multitrade, de SP. Meus filhos Roberval e Kátia trabalhavam na empresa e mudaram de atividade.

E a parceria com a Univali?

Alberto Vieira – A Univali tem excelentes pesquisadores. Eles estão desenvolvendo novos produtos. Vamos registrar a patente de um medicamento feito com a planta wedelia paludosa. Vamos fazer pomada e comprimido.

Qual é o faturamento do Elofar?

Vieira – Faturamos R$ 37 milhões ano passado. Temos 130 colaboradores e atuamos em todo o Brasil, menos em São Paulo

O laboratório Elofar está à venda?

Vieira – Estamos negociando. As conversas estão mais adiantadas com um grupo alemão. Há mais dois interessados.

Aelofar2O fundador e o diretor
Desde 2003, quando o Elofar foi adquirido por grupo paulista, o executivo mineiro Alberto Vieira (D) preside a companhia. O fundador Roberval Silva, 86 anos, após a venda, atuou na empresa como diretor comercial até 2012 para transferir conhecimento e manter clientes. Agora, dedica-se ao setor imóbiliário em Florianópolis.

Fotos: Daniel Conzi

Casan obtém lucro de R$ 41,6 milhões

30 de março de 2014 1

A Casan, empresa de água e saneamento do Estado, fechou 2013 com lucro líquido de R$ 41,584 milhões, quase o dobro dos R$ 21,4 milhões do ano anterior. A receita líquida de vendas da companhia alcançou R$ 659,9 milhões, 8,1% mais do que a obtida em 2012 pela empresa, que ficou em R$ 610,3 milhões.

Um portal para mostrar o mundo dos shopping centers

29 de março de 2014 0

Santa Catarina acaba de ganhar um portal que retrata a dinâmica dos shopping centers do Estado, mas tem a pretenção de alcançar abrangência nacional porque é uma solução diferenicada. O www.vivashopping.com.br, lançado por Julio Cesar Geesdorf, que foi executivo do setor, traz informações e notícias sobre os segmento, incluindo moda, gastronomia, lazer, tecnologia e cinema. Em uma única plataforma, executivos, empresários, investidores e o público em geral terão informações sobre o shopping que frequentam, novidades das lojas, eventos e a programação de cinema.

Eletrosul lucra R$ 267,3 milhões

29 de março de 2014 0

A Eletrosul fechou 2013 com lucro líquido de R$ 267,3 milhões, 290% maior do que o do ano anterior quando obteve R$ 68,5 milhões. O resultado foi reforçado com a entrada em operação de novas usinas. A companhia também fez investimento recorde no ano passado, mais de R$ 1,4 bilhão. As unidades geradoras que passaram a operar em 2013 foram as PCHs João Borges e Barra do Rio Chapéu, no interior de Santa Catarina, e a Usina Hidrelétrica São Domingos, em Mato Grosso do Sul. A decisão da empresa de incorporar as Sociedades de Propósito Específico (SPEs) das quais já detinha 100% do controle acionário, também impactou positivamente no resultado. Parte da receita dessas SPEs foi agregada à receita da Eletrosul ainda em 2013. Foram incorporadas as Usinas Eólicas Cerro Chato I, II e III, a Porto Velho Transmissora de Energia, a Empresa de Transmissão de Energia do Rio Grande do Sul (RS Energia) e a Artemis Transmissora de Energia.
No ano passado, a Eletrosul manteve ritmo de investimento semelhante ao de 2012, aplicando R$ 1,46 bilhão nos segmentos de geração e transmissão. A maior parcela desse montante – R$ 1,23 bilhão – refere-se aos aportes nos empreendimentos estruturantes nos quais a Eletrosul tem participação societária, como é o caso das usinas hidrelétricas Jirau e Teles Pires, do segundo circuito do Linhão do Madeira e de outras importantes obras de transmissão no Sul do País.
Segundo o diretor financeiro da companhia, Antonio Waldir Vittori, o patrimônio líquido da Eletrosul em 2013 atingiu R$ 5,5 bilhões e o grau de endividamento se manteve baixo comparado a outras empresas do mercado.

Brasileiras dão mais importância à lingerie

29 de março de 2014 0

BliniAs brasilerias são as que mais dão importância para a lingerie, concluiu pesquisa nos maiores países feira a pedido da marca Lycra. Hoje, elas escolhem a roupa e depois a lingerie, diz a empresária Márcia Blini Barbosa (foto), da loja Cravo e Canela, de Florianópolis. Antes era o contrário.Em diversos looks, há mulheres que preferem deixar um pouco das peças à mostra. Quem lidera a compra lingerie em Florianópolis são as mulheres das classes A e B, diz Márcia Blini.

A empresária Tatiana Rohricht, da loja Espaço Íntimo, de Joinville, afirma que as classes B e C compram mais na cidade do Norte. Ela admite que as mais ricas compram no exterior, especialmente pijamas. Outra coisa que Tatiana identificou é que a maioria das clientes prefere comprar lingerie básica, ou seja, aquelas calcinhas beges ou pretas. E os prijamas, mais tradicionais mesmo, são procurados para o inverno.

Por que os alimentos continuam caros

29 de março de 2014 1

Como não dá para revogar a lei da oferta e da procura e, também, controlar o clima, o consumidor terá mais um ano com alimentos caros. Esse é o cenário traçado por lideranças da Federação da Agricultura e Pecuária de SC(Faesc). A principal vilã, agora, é a carne bovina, que subiu 20% este ano. Está mais cara porque as enchentes na Amazônia estão afetando a produção e transporte de animais da região do Acre e do Pantanal, houve seca na Austrália e nos EUA, grandes produtores.Em função disso, as exportações brasileiras do produto cresceram 15% este ano e também presionaram preços aqui, explica o presidente da Faesc, José Zeferino Pedroso. Além disso, os preços de outras carnes e de grãos estão elevados, observa ele. O vice-presidente da Faesc e presidente da Cidasc, Enori Barbieri, afirma que o clima também pressiona o preço do leite, que subiu 8% nos últimos dias.

Peste suína na Europa  aumenta exportação

Um surto de peste suína africana cancelou todo o comércio de carne suína entre a Dinamarca, Noruega e Rússia. Por isso, os russos voltaram a comprar o produto de dois frigoríficos de SC, pressionando preços das carnes aqui, diz o presidente da Cidasc, Enori Barbieri.

Novo município do Litoral precisa de um banco

29 de março de 2014 0

Pescaria Brava, município constituído ano passado após emancipação de Laguna, no Litoral Sul, necessita de agência bancária. Com 9,4 mil habitantes, tem apenas uma lotérica. A nova CDL local, a 195ª do Estado, que será inaugurada terça pelo presidente da FCDL, Sergio Medeiros, reivindica uma agência bancária. O presidente da CDL, Cristiano Medeiros, diz que o banco vai reforçar o comércio.

Estaleiro faz exposição de barcos

29 de março de 2014 0

O estaleiro Schaefer realiza hoje e amanhã, na sua sede da cabeceira da ponte Hercílio Luz, a partir das 10h, o Schaefer Yachts Show. Mostra lanchas para quem gosta de navegar. A estrela é o último lançamento, o iate de 80 pés.

Celesc obtém lucro de R$ 198,87 milhões

28 de março de 2014 2

A Celesc fechou 2013 com lucro líquido de R$ 198,874 milhões. No ano anterior, em função de despesas não resultantes da operação, a companhia teve prejuízo de R$ 255,725 milhões. A estatal obteve receita líquida de vendas de R$ 4,872 bilhões no ano passado, 10,4% superior aos R$ 4,414 bilhões de 2012. A distribuição de energia alcançou 22.102 GWh no ano,  4% a mais do que no ano anterior. A maior expansão aconteceu na classe residencial, com crescimento de 4,9%. Esse grupo, que responde por 22% da demanda, ampliou o consumo em função do maior calor durane o ano. A indústria ampliou em 4% o consumo. A empresa não fechou no vermelho porque contou com a ajuda do governo federal para pagar as despesas maiores resultantes da compra de energia térmica. O mesmo deve acontecer este ano.

Fundador da CVC fará palestra na Expogestão

28 de março de 2014 0

O sócio-fundador e presidente do conselho da CVC, maior operadora de viagens da América Latina, Guilherme Paulus, será palestrante na Expogestão 2014. Falará dia 21 de maio, às 16h30, na Sessão Empreendedorismo. Outro debatedor da sessão será o fundador da Mormaii Marco Aurélio Raimundo (Morongo). Além da operadora turística, Guilherme também é presidente da GJP Hotéis & Resorts, empresa dona de 12 hotéis e resorts no Brasil. Também é membro do Conselho Nacional de Turismo e do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

JBS compra o frigorífico Sul Valle, de São Miguel do Oeste

28 de março de 2014 0

O grupo JBS, dono da Seara, comprou o frigorífico Sul Valle, de São Miguel do Oeste. Segundo o secretário-adjunto de Agricultura do Estado, Airton Spies, a meta do novo controlador é ampliar em cinco vezes a produção de suínos. Fundado por Ruben Grasel há cinco anos, o Sul Valle entrou em crise durante a crise de grãos em 2012. Com alto padrão de qualidade, é um dos frigoríficos habilitados para exportar ao Japão.

Consolidado

Com a compra do Sul Valle pelo JBS, os problemas dos médios frigoríficos de SC, que entrou em crise devido a falta de grãos em 2012, estão solucionados. O JBS comprou também o Agrovêneto e o Tramonto, e a Aurora comprou o Bondio e arrendou o Avepar e o Diplomata. Além disso, a cooperativa vai reabrir dia 15 de março sua unidade em Joaçaba.

Senar vai oferecer graduação e pós-graduação

28 de março de 2014 0

Uma grande novidade para o campo de Santa Catarina. O Senar, serviço de aprendizagem rural, comandado pela Faesc, vai oferecer cursos de graduação e pós-graduação, além da série de cursos técnicos que ministra normalmente.O foco será o agronegócio. A decisão foi tomada esta semana. O Senar segue o exemplo do Senai e do Senac que já se tornaram referência em ensino nas suas respectivas áreas. Trata-se de iniciativa importante porque o agronegócio brasileiro é um dos mais desenvolvidos do  mundo e tem grandes desafios para aumentar a produção de alimentos. Agora só falta o Senat, do setor de transportes, seguir o mesmo caminho.

SC vendeu quase 18 milhões de litros de cerveja a mais no verão

28 de março de 2014 0

 O intenso calor e a maior divulgação de atrações turísticas colaboraram para que Santa Catarina tivesse uma das melhores temporadas de verão de todos os tempos. A informação é do secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Valdir Walendowsky, com base em dados de consumo e de informações de equipamentos turísticos privados. Segundo a Secretaria da Fazenda de SC, entre dezembro do ano passado e fevereiro deste ano foram vendidos 17,6 milhões de litros de cerveja e 15,1 milhões de litros de refrigerantes a mais na comparação com o mesmo período de 2012-2013. No caso dos combustíveis, em dezembro e janeiro desta temporada frente aos mesmos meses da anterior, foram vendidos 27,7 milhões a mais de litros de gasolina.O parque Beto Carrero World, um dos maiores equipamentos turísticos do país, registrou, do início do ano até ontem um acréscimo de 9% no número de visitantes. O Costão do Santinho, que também se destaca como um dos maiores resorts de praia do Brasil, registrou crescimento de público de 5% nessa temporada, informou o fundador do complexo turístico, Fernando Marcondes de Mattos. O Rio do Rastro Eco Resort, que tem foco no inverno, fechou o verão com crescimento de público 32% superior. Outro segmento que teve movimento acima da média, com ocupação de 80% da capacidade, foi o de hotéis de águas termais no interior do Estado.

 Turismo em toda SC

Santa Catarina não é mais um Estado onde o turismo acontece só no litoral. Esta conclusão é do secretário de Turismo, Valdir Walendowsky. Ele adianta que o Estado seguirá divulgando seus destinos turísticos porque o mundo está fazendo isto e não dá para ficar para trás. Para ele, a Embratur não divulgou a Copa lá fora com a antecedência necessária.

Clube das bilionárias ganha mais uma empresa

27 de março de 2014 0

A Portobello, maior indústria de revestimentos cerâmicos da América Latina, entrou no seleto clube das empresas catarinenses bilionárias. A companhia comandada por Cesar Gomes Junior atingiu receita bruta de vendas de R$ 1,05 bilhão no ano passado, 19% mais do que em 2012. O lucro líquido do período alcançou R$ 90 milhões, 38% superior ao do ano anterior. A empresa está investindo R$ 210 milhões em fábrica no Estado de Alagoas vai lançar a marca Pointer,de preço mais acessível para o mercado nordestino.

As bilionárias de SC
O clube citado pela coluna considera a receita bruta de vendas (faturamento). No ranking elaborado pela revista Amanhã e a consultoria PwC no ano passado, com base nas receitas de 2012, as bilionárias do Estado são: BRF, Bunge, Tractebel, WEG, Celesc, Eletrosul, Aurora, Tigre, Tupy, Hering, Angeloni, Casan, Cooperalfa, Chapecoense Geração, Ciser, Tuper, Enercan, Schulz e Dass. No ano de 2013, a Portobello entrou no clube. Mas há grupos catarinenses com diversas empresas que, pela forma de organização societária, não aparecem como bilionários, mas sua receita bruta ultrapassa R$ 1 bilhão. Nessa lista dá para citar a Havan, grupo Pereira (Comper e Fort Atacadista), Giassi Supermercados, empresas da família Weege (Malwee) e outras.

Atualização em 28 de março, às 2h

Em números

Empresas       Receita RLV ou RBV/ano  (em R$ bilhões)

Bunge                  38,4 (RLV-2012)

BRF                      30,5 (RLV-2013)

WEG                       6,8 (RLV-2013)

Aurora                  5,7 (RBV-2013)

Tractebel               5,6 (RLV-2013)

Celesc                      4,5 (RLV-2012)

Tupy                         3,1 (RBV-2013)

Tigre                       2,9 (RBV-2013)

Angeloni              2,2 (RBV-2012)

Eletrosul             1,9 (RBV-2012)

Cooperalfa           1,8 (RBV-2013)

Hering                 1,7 (RLV-2013)

Portobello           1,0 (RBV-2013)

Giassi                      1,0 (RBV-2012)

Havan*                  1,0 (RBV-2012)

Malwee*              1,0 (RBV-2012)

Tuper*                1,0 (RBV-2012)

Dass*                   1,0 (RBV-2012)

G. Pereira          4,0 (RBV-2014 – estimativa)

* Mais de R$ 1 bilhão

RBB=Receita Bruta de Vendas ou faturamento

RLV=Receita Líquida de Vendas

Sul tem pressa para obras de logística e propõe concessão ao setor privado

27 de março de 2014 0

O Fórum Industrial Sul, formado pela Fiesc, Fiergs e Fiep, apresentou ontem o estudo Sul Competitivo, pela melhoria logística, ao ministro dos Transportes César Borges. O presidente da Fiesc, Glauco Côrte, disse que o objetivo é atrair investidores privados. O Sul quer incluir alguns projetos no futuro PAC 3.

Para a pequena empresa exportar mais

27 de março de 2014 0

O novo momento de maior exigência de diferenciação no mercado mundial que coincide com a realização da V Bienal Brasileira do Design 2015, em Florianópolis, motivou um projeto conjunto da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc) com o Sebrae-SC. O objetivo é oferecer consultoria e assessoria para mais de 1,2 mil micro e pequenas empresas do Estado aprimorarem o design dos produtos.
O projeto foi apresentado ontem ao presidente do Sebrae Nacional, Luiz EduardoBarretto, pelo presidente da Fiesc, Glauco José Côrte,
e o diretor superintendente do Sebrae-SC, Carlos Guilherme Zigelli.
– As pequenas empresas catarinenses têm bons produtos, mas a estrutura para atingir o mercado internacional é cara. Por isso esse apoio é necessário. Como vamos sediar a bienal, queremos transformar SC no Estado do design – comentou Glauco Côrte.
A Fiesc tem um programa para incentivar a exportação por parte de pequenas empresas. Ele prioriza a capacitação e oferece mecanismos de acesso ao mercado externo. Firmas que investem mais em design conseguem melhores resultados, tanto no mercado interno quanto no externo.

Quando vinho e arte se misturam

26 de março de 2014 0

Juarez1

Elaborar vinho requer conhecimento, paixão e encantamento. É assim que trabalha o enólogo gaúcho Rogalindo Bettú, da Villa Francioni, que cresceu no meio da vitivinicultura e se especializou nessa arte. O encontro com o artista plástico Juarez Machado, apaixonado por vinho e mestre internacional em pintura, resultou em um produto com o nome do artista, elaborado com quatro uvas da safra 2007 (cabernet sauvignon, merlot, cabernet franc e malbec) e embalado em sete rótulos cuidadosamente desenhados por Juarez.vinhossss

Hoje à noite, na Assembleia Legislativa, quem quiser poderá degustar o produto e comprar algumas garrafas por R$ 120. A propósito, a série tem 7 mil garrafas, mil de cada rótulo.