Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Alta da energia preocupa empresas

05 de agosto de 2014 11

A partir desta quinta-feira, 7 de agosto, a maioria dos catarinenses pagará, em média, 22,62% a mais na conta de energia elétrica. O reajuste para os mais de 2,5 milhões de consumidores da Celesc Distribuição vai vigorar nos próximos 12 meses. Para residências, a alta é de 22,76%; e para empresas, de 22,42%.

Antes da aprovação da Aneel, a Fiesc manifestou preocupação com a alta variação acima da inflação e chegou a defender um parcelamento no reajuste. A Fecomércio-SC, em nota, reconheceu que essas altas maiores são indispensáveis para sanar a situação das distribuidoras como a Celesc, mas criticou o atraso das grandes obras de aumento de capacidade de geração, como a usina Belo Monte, por exemplo.

Esse aumento, apesar de previsto, gera um impacto grande nos custos de produção para a economia, especialmente os que enfrentam dificuldades para manter o nível de vendas diante da queda do poder aquisitivo da população.

Em reunião na Acij, em Joinville, há poucos dias, o presidente da Federação das Indústrias (Fiesc), Glauco José Côrte, disse que a indústria não consegue absorver um reajuste de 20% numa vez só. Segundo ele, o setor não tem conseguido repassar para os preços a série de aumento de custos de pessoal, insumos, tributos e custo de capital. A entidade convidou o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, para uma discussão sobre questões técnicas da tarifa na próxima sexta-feira.

Segundo levantamento da Fiesc, o custo de energia de SC está acima da média brasileira. Côrte disse que as tarifas locais estão acima das praticadas em 27 países, incluindo Chile, EUA, México, Portugal, Japão e Alemanha. Foi em função de argumento assim que o governo federal promoveu a redução tarifária de fevereiro do ano passado, mas que causou uma série de transtornos em função da falta de geração hidrelétrica devido ao baixo índice de chuvas que ocorreu em 2013 e continua este ano, de forma mais grave. 

Comentários

comments

Comentários (11)

  • roberval diz: 5 de agosto de 2014

    É o PT quebrando empresas, e o Brasil está quebrando aos poucos.

  • nando diz: 5 de agosto de 2014

    Se esta ruim agora, imagem depois das eleições, com alta nos combustíveis, mais na energia, inflação correndo solta e o pibinho medíocre da DiUUUUlma!! ACORDA BRASIL!!

  • LUCIANO BECKER diz: 5 de agosto de 2014

    CLARO QUE VAO DAR UM AUMENTO ABSURDO DESTE.
    POIS COLOMBO JA SABE QUE NAO IRA GANHAR AS ELEIÇOES.
    ISSO É VERGONHOSO O POVO DEVERIA IR PRA RUA PROTESTAR POIS NADA SOBE ESTA PORCENTAGEM(22,72%) AI FICA FACIL DE SACANIAR O POVO PORQUE NAO DAO ESTE AUMENTO TAMBEM PRO SALARIO DO POVO EM SEUS SAFADOS.

  • Robin diz: 5 de agosto de 2014

    Nao da pra contrabandear energia do Paraguai?

  • Caio diz: 6 de agosto de 2014

    Aumentam as tarifas de eletricidade e o escandalo da CELESC e a MONREAL. Incrivel este pais, a corrupcao domina a economia, nao ha investimentos em saude, educao, transporte, moradia, seguranca publica……

  • Ronaldo Daniel Bastos diz: 6 de agosto de 2014

    As entidades de classes, os usuários residenciais e empresários tem que encontrar uma forma de protestar de uma forma coesa, pois esse aumento eh abusivo, não podemos se calar.

  • Carlos Henrique diz: 6 de agosto de 2014

    Tá bom, agora todo mundo vai se achar no direito de reajustar os preços em 20%, mesmo que a energia seja apenas uma parcela dos insumos.
    Depois, quando as chuvas voltarem e a conta da luz reduzir, quero ver os empresários reduzirem os preços também.

    Lembram da CPMF? Ainda estou esperando a redução dos preços.
    Os milionários agradecem e a saúde, segurança e educação sofrem.

  • Evandro diz: 6 de agosto de 2014

    Roberval e Nando falaram besteira, nem leram a matéria inteira, ou pelo menos a primeira linha “A partir desta quinta-feira, 7 de agosto, a maioria dos catarinenses pagará, em média…” deixa bem claro, CATARINENSES, se fosse culpa da presidente, seria o Brasil inteiro com aumento.

  • Diogo Leal diz: 6 de agosto de 2014

    Acho isso cara de pau das grandes empresas. Elas recebem isenção de tudo inclusive de luz enquanto são elas que mais deviam pagar taxas e não as pequenas empresas e muito menos os trabalhadores que são realmente os mais taxados e os únicos cobrados até a morte por suas dívidas.

    Já o aumento abusivo na luz deixa a pergunta quem é que vai socorrer o trabalhador brasileiro???

    Levanta a mão qual trabalhador ou trabalhadora teve + de 20% de aumento salarial este ano. Acho que ninguém, né.
    Mas a ANEEL, a CELESC e os governantes acham que tá tudo bem.

    O que os jornais e os governos escondem sobre o aumento de luz:

    No mesmo momento que uma instituição pública (ANEEL) permite um aumento de 22,62% na luz como se isso não fosse abusivo frente a realidade do trabalhador, outras instituições (bancos públicos) dão bilhões de reais para as empresas de energia elétrica para socorre-las. Isso tudo com a benção de nossos governantes como o Colombo e da própria presidente. Ou seja, estamos pagando 2 vezes pela energia elétrica! E mais uma 3ª vez com a isenção de luz que as grandes empresas e indústrias recebem.

  • Adamastor diz: 6 de agosto de 2014

    Pessoal, acho que todos precisam estudar mais o assunto.
    Quem dá ou não dá aumento é a ANEEL, que é um Orgão Federal. A Celesc é apenas uma concessionária, ou seja, possui uma concessão para executar um serviço de distribuição de energia. Nenhum passo é dado pela Celesc sem a ordem ou autorização da ANEEL.
    Agora, quanto ao aumento, vamos relembrar em 2012, quando a irresponsável da Presidente da República obrigou as concessionárias de energia (todas) a reduzir os preços das tarifas em 19% e o que aconteceu depois? Falta de água. As hidrelétricas que geram energia de forma mais barata pararam. Vai faltar energia? Não, mas para que isso não ocorra, liga as térmicas, cuja energia custa 4 vezes mais. Ou seja, aquela redução de 19% das tarifas em 2012 foi um “tiro no pé”. Sem esta redução de 2012, o aumento deste ano estaria dentro dos limites da inflação.
    Mais uma informação para os desavisados. Apenas 20% da tarifa de energia fica para a concessionária. Os outros 80% são para tributos, geração e transmissão de energia. Ou seja, Dos 22,62% de reajuste, apenas 4,5% fica para a concessionária. Os outros 18,12% são para tributos e, principalmente, para geração e transmissão.

  • Catia diz: 6 de agosto de 2014

    Vamos gerar nossa própria energia através do SOL.
    É um investimento que se paga e muito mais rápido agora com um aumento absurdo desses. ENERGIA SOLAR é o caminho! Energia limpa… energia renovável.

Envie seu Comentário