Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Com tarifas em alta, o jeito é economizar luz

06 de agosto de 2014 0

Além do reajuste médio de 22,62% nas tarifas de energia a partir de amanhã, os consumidores catarinenses da Celesc podem se preparar para altas bem acima da inflação também nos próximos anos por conta do elevado custo da geração térmica em função das chuvas escassas. Relatório interno da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) indica que o reajuste do ano que vem será, no mínimo, de 14,16% em função dos empréstimos de socorro ao setor. Essa informação foi divulgada pela Folha de S. Paulo ontem, mas negada pela Aneel.

Consultorias da área projetam reajustes em torno de 25% para 2015 considerando todos os custos. A Safira Energia, por exemplo estimou alta média de 18,7% em 2015 e 2016, especialmente em função do socorro a distribuidoras que soma perto de R$ 24 bilhões. O setor produtivo catarinense está muito preocupado com o impacto das tarifas nos preços e geração de empregos. Para o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, a alta vai pressionar preços, elevar a inflação e piorar a situação da indústria. A Fecomércio reconhece que é preciso pagar mais em função da geração térmica, mas critica o atraso em obras de geração de energia.

Este é o momento para ampliar o uso racional de energia. Além de reduzir a conta do usuário, retarda ou evita mais investimentos. Para residências, por exemplo, é recomendável usar de forma eficiente a iluminação, eletrodomésticos e ar condicionado. O mesmo vale para empresas. A Fiesc lançou cartilha com centenas de orientações técnicas para uso racional de energia, entre elas estão a troca de máquinas e eletros antigos por novos. O manual está acessível gratuitamente no site da entidade, o www.fiescnet.com.br, sob o título Energia.

Comentários

comments

Envie seu Comentário