Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 16 agosto 2014

Saiba quem integra a nova diretoria da Fecomércio e as câmaras da entidade

16 de agosto de 2014 0

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado (Fecomércio-SC) conta com diretoria integrada pela presidência e vice-presidências, mais 10 câmaras setoriais. Saiba quais são os empresários à frente de cada uma.

Fecomércio SC – gestão 2014-2018

Presidente: Bruno Breithaupt
Vice-presidente: Célio Spagnoli
Vice-presidente Financeiro e de Gestão: Atanázio dos Santos Netto
Vice-presidente de Habitação: Sergio Luiz dos Santos
Vice-presidente de Serviços: Orivaldo Besen
Vice-presidente de Varejo: Sandro Moretti
Vice-presidente de Atacado: Amarildo José da Silva
Vice-presidente de Supermercados: Adriano Manoel dos Santos
Vice-presidente de Comércio Farmacêutico: Romildo Letzner
Vice-presidente de Turismo e Região Sul: Fernando Willrich
Vice-presidente Grande Florianópolis: Marcelo Faria Brognoli
Vice-presidente Planalto Serrano: Roque Pelizzaro Júnior
Vice-presidente Região Oeste: Francisco Antônio Crestani
Vice-presidente Região Norte e Planalto Norte: Herton Scherer
Vice-presidente Vale do Itajaí: Egon Ewald
Representantes CNC Titulares: Bruno Breithaupt e Celio Spagnoli
Representantes CNC Suplentes: Francisco Antônio Crestani e Egon Ewald
Suplentes da Diretoria: Francisco Gomes de Oliveira, Rogério Isnar Patrício, Geraldo Censi, Frederico Hardt, Orival Henrique Seola, Ruy Nuernberg, Waldir Pedro Binotto e Walter Hoeller de Souza
Conselho Fiscal – Titulares: Célio Fiedler, Ivo Ewald e Lúcio José de Matos
Conselho Fiscal – Suplentes: Luiz Alfredo Werka, João Pedro da Silva Rosa e Vanderlei Rogério de Limas

Câmaras Empresariais da Fecomércio
Câmara Empresarial de Relações Trabalhistas e Assuntos Legais – Presidente Célio Spagnoli
Câmara Empresarial de Shopping Centers – Ivo Prim
Câmara Empresarial de Supermercados – Adriano Manoel dos Santos
Câmara Empresarial de Tecnologia e Inovação – Jamile Sabatini Marques
Câmara Empresarial de Turismo – João Eduardo Amaral Moritz
Câmara Empresarial do Comércio Atacadista – Telmo Sandro Poli
Câmara Empresarial do Comércio de Material de Construção – Jorge Rechia Guarezi
Câmara Empresarial do Comércio Exterior – Charles Machado
Câmara Empresarial do Mercado Imobiliário – Marcelo Brognoli

Estreia da maior usina solar do país

16 de agosto de 2014 0
Foto: Tractebel / Divulgação

Foto: Tractebel / Divulgação

A Cidade Azul, usina solar da Tractebel Energia, em Tubarão, iniciou operações. É a maior planta fotovoltaica em funcionamento no Brasil, o que coloca o Estado à frente nessa geração limpa. A unidade conta com 19.424 painéis com três tecnologias diferentes e capacidade instalada de 3MWp (pico de incidência do sol).

A unidade conta com outros parceiros e foi projetada para pesquisa e capacitação. É um projeto estratégico da Aneel e recebeu investimento da ordem de R$ 30 milhões. Conectada à rede da Celesc, pode abastecer cerca de 2,5 mil residências. Tubarão é conhecida como Cidade Azul. Pela web, os tubaronenses escolheram o mesmo nome para a usina.

Fecomércio foca serviços, inovação e educação

16 de agosto de 2014 0
Foto: Marco Favero

Foto: Marco Favero

Entidade que representa 400 mil empresas e mais de 60% do PIB do Estado, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Sistema Fecomércio-sc), empossa neste sábado, no Costão do Santinho, sua nova diretoria para mandato de mais quatro anos. O empresário Bruno Breithaupt, reeleito presidente, adianta que focará soluções às empresas, inovação e educação. Integrante do Sistema “S”, a federação representa empresas que empregam mais de 1 milhão de trabalhadores no Estado e arrecadam 72% do total de ICMS. Entre as prioridades de Breithaupt estão maior aproximação com empresários e consolidação do trabalho de pesquisas ao setor.

Perfil

Bruno Breithaupt é de tradicional família do varejo da região de Jaraguá do Sul, é sócio da rede de lojas de materiais de construção Breithaupt, um shopping center e uma importadora de produtos elétricos. É presidente da Fecomércio desde março de 2009 e foi reeleito para um segundo mandato de quatro anos à frente entidade. É graduado em Administração de Empresas pela Universidade de Joinville e tem pós-graduação em Administração Financeira pelo Centro Universitário de Jaraguá do Sul. Também integra os conselhos das federações de SC (Cofem), do Sebrae-SC e da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul.

O que a diretoria da Fecomércio vai priorizar neste mandato que se inicia?

Bruno Breithaupt – O nosso grande objetivo é colocar a federação à disposição do empresário e trazer ele para dentro da entidade para que a gente possa, com mais rapidez, defender seus interesses. Um dos projetos que iniciamos e vamos ampliar é o observatório do comércio que estamos instalando onde temos vice-presidências. Trata-se de uma fonte de coleta de dados. Com eles identificamos obstáculos e sugerimos soluções, muitas vezes em forma de políticas públicas.

Quais os planos para incentivar inovação e tecnologia ao setor?

Breithaupt – Um projeto que admiramos e, através do Senac e da própria federação, podemos participar é o dos Centros de Inovação, do governo do Estado, liderado pela Secretaria de Desenvolvimento. Isso visa, sem dúvida, levar Santa Catarina a outro patamar. Qualquer empresa inovadora, inclusive do nosso setor, pode participar desses centros. Nós, do comércio, precisamos utilizar mais tecnologias, incluindo as redes sociais, para ampliar nossos negócios, melhorar a relação do lojista com o consumidor. O comércio eletrônico é uma realidade.

Por que a Fecomércio passou a priorizar pesquisas?

Breithaupt – No meu primeiro mandato tiramos a pesquisa do chão. Esse setor demanda conhecimento. Nesses quatro anos chegamos a um patamar muito bom de apuração, acerto, mas queremos mais. Fazemos quatro modalidades de pesquisa: perfil de consumo (comércio eletrônico, classe média, mercado imobiliário); sazonais (datas comemorativas); econômicas (hoje temos índices de endividamento e inadimplência junto com sindicatos de regionais); e turismo. As pesquisas requerem tecnologias especiais, tivemos que buscar know-how.
Nos moldamos, dependendo da necessidade podemos formatar a pesquisa necessária para determinado setor. Se não temos a expertise, vamos buscar onde há. A equipe de pesquisa foi constituída há cinco anos.

Como vocês promovem a maior aproximação com os empresários do setor?

Breithaupt – Com as 10 câmaras setoriais buscamos uma aproximação do empresário com a federação. Queremos identificar as necessidades, aquilo que incomoda as diversas categorias para tentar minimizar os problemas do dia a dia. Precisamos entender a relação nova das empresas com o consumidor. Temos que trazer os empresários aqui para resolver os problemas deles.

A educação ganhou força nas instituições da Fecomércio – Sesc e o Senac. Quais são os focos?

Breithaupt – A qualidade é prioridade. Com o Sesc, atuamos com educação infantil e ensino fundamental. O Senac oferece cursos técnicos, graduação e pós-gradação com ênfase nos setores que representamos. Também estamos expandindo cursos pelo Pronatec. Um país referência, para nós, é a Coréia do Sul. Há 60 anos ela estava devastada, investiu alto em educação fundamental por 20 anos e avançou. Acreditamos que só vamos mudar o país se investirmos em educação fundamental. Não que que o ensino médio e universitário não sejam importantes, mas a base tem que ser mais consistente. Todos devem ter um mínimo de educação fundamental. Os nosso investimentos do Sesc têm se voltado a essa área. Temos 18 escolas de educação infantil e 8 escolas de ensino fundamental. O Senac tem 27 unidades mais cinco carretas-escola. Entre os anos de 2010 a 2013, qualificou 179 mil profissionais para o mercado de trabalho. Vamos ter três novas escolas modelo de ensino fundamental no Estado em horário integral, uma em Joinville, uma em Jaraguá e outra em Itajaí.

Qual é o orçamento do Sistema Fecomércio para este ano?

Breithaupt – Cada casa (Fecomércio, Sesc e Senac) tem orçamento separado. Juntos, eles vão somar cerca de R$ 400 milhões este ano.

Com vê o mercado para o segundo semestre e para o ano?
Breithaupt
- Eu tenho que ser otimista. Usualmente, a nossa atividade se intensifica no segundo semestre e o ano político ajuda. Mas nossos índices de crescimento estão baixos. Eu gostaria de chegar no final do ano com resultado positivo. Acredito na criatividade do nosso empresário.

Empresa lança curso online gratuito para capacitação profissional em TI

16 de agosto de 2014 0

A Softplan, empresa de software de SC, lançou o On Course, no http://oncourse.softplan.com.br/. Trata-se de plataforma online que consiste numa sala de aula virtual para capacitação profissional na área de tecnologia (TI). Os cursos são gratuitos e o objetivo é contribuir com a formação profissional da comunidade. Um destaque é o curso de Java EE (Enterprise Edition).

Termina mais uma edição da feira Mercomóveis

16 de agosto de 2014 0

Chapecó encerrou ontem mais uma edição da feira Mercomóveis. O setor ganha força na diversificação econômica, já gera 20 mil empregos na região e fatura mais de R$ 1 bilhão por ano. A mostra gerou R$ 201 milhões em negócios.

Novidade para aeroportos regionais

16 de agosto de 2014 0

O governo federal, por meio da Secretaria de Aviação Civil, aprovou o novo plano geral de outorgas para a exploração de aeroportos que define regras para a concessão de aeroportos por Estados e municípios ao setor privado e outras medidas. Para o governo, esta é a terceira parte do pacote para impulsionar a aviação regional, para a qual a presidente Dilma Rousseff anunciou investimentos de R$ 7,3 bilhões para a modernização de 270 aeroportos.

Especialistas da área ainda não conseguiram avaliar os impactos esperados, mas um deles é que Estados poderão devolver à União a gestão de aeroportos. Como Estados passaram essa gestão a municípios, estes poderão devolver ao governo estadual, que pode passar para o federal. Um dos casos polêmicos em SC é o aeroporto de Chapecó, que tem movimento intenso e a prefeitura já tentou transferir a gestão para a Infraero. SC tem 10 aeroportos regionais que necessitam de melhorias e, como eles têm projetos, podem conseguir recursos do plano federal.