Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Fiesc traça estratégias para cadeia do setor energético

03 de outubro de 2014 1

Uma das apostas da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc) para a competitividade do setor é o maior desenvolvimento da cadeia de energia. Para discutir estratégias a serem adotadas até 2022, a entidade reuniu quarta-feira e ontem mais de 70 especialistas com ampla visão internacional, incluindo professores universitários, pesquisadores e executivos de entidades e grandes grupos empresariais. Segundo Sidnei Rodrigues, coordenador de Planejamento e Controle da Gestão da entidade, estão sendo envolvidos os subsetores de geração, concessionárias e fornecedores. Entre as empresas que participaram das discussões de ontem estavam Eletrosul, Celesc, Tractebel; grandes consumidores como a Tupy, ArcellorMittal, Embraco e Cecrisa; e a WEG, que é fornecedora do setor.

Entraves ao setor

O trabalho da Feisc sobre estratégias à energia não se limita a opiniões locais. Um grupo de dez especialistas pesquisou o que o mundo está fazendo e a ênfase, lá fora, é para geração eólica, de biomassa e solar. Entre os obstáculos estão a falta de uma política consistente ao setor, de linhas de financiamento, burocracia para licenciamentos e muita falta de trabalhador qualificado. Para o diretor da Fiesc, Carlos Henrique Ramos Fonseca, a visão é setorial, mas a maioria das ações é local.

Maior peso no PIB

Durante a reunião de ontem, foi divulgado estudo econômico segundo o qual os ganhos de produtividade do setor beneficiam toda a economia. Segundo o levantamento,o setor de utilities, que abrange os segmentos de energia elétrica, gás e água, responde por 6% do PIB catarinense enquanto, no Brasil, representa de 3% no Brasil.

Comentários

comments

Comentários (1)

  • Adelino Renuncio diz: 3 de outubro de 2014

    É lamentável a situação de descrédito a que se tem relegado à possibilidade de produzir gás e eletricidade através do aproveitamento dos dejetos avícolas e suínos.Além de produzir energia, o saneamento ambiental seria o maior beneficiário. A Alemanha (aquele paisinho dos 7x 1 e dos 133×0) tem 7.000 usinas de biogás em operação.

Envie seu Comentário