Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Desafios econômicos do novo governo Dilma

26 de outubro de 2014 2
Foto: Cadu Gomes / Divulgação

Foto: Cadu Gomes / Divulgação

No seu segundo mandato, que conquistou com margem apertada de votos, a presidente Dilma Rousseff tem pelo menos cinco grandes desafios econômicos para vencer no curto e médio prazos. O número um é levar a inflação para o centro da meta que é 4,5% ao ano e reduzir ainda mais. Hoje no teto da meta (6,5% ao ano), a taxa deteriora a economia e o poder de compra da população. O desafio número dois é destravar os investimentos para que a economia volte a crescer, melhorando a oferta de produtos, serviços e a arrecadação. Com a expansão do PIB perto de zero, a arrecadação de impostos cai e fica difícil também pagar as contas públicas.

E falando em contas públicas, esse é o terceiro grande desafio. Há a projeção de que elas terão um déficit nominal superior a 4% do PIB este ano, o pior resultado dos últimos 10 anos. Esse cálculo considera receitas e despesas do governo mais o pagamento de juros da dívida. Há acusações de que o governo usou contabilidade criativa para ficar próximo do compromisso que assumiu de poupar 1,9% do PIB. Para ajustar isso, o governo terá que cortar gastos ou arrecadar mais, o que só é possível crescendo ou aumentando alíquotas.

Ao mesmo tempo em que tenta equilibrar as contas, será precisa manter e ampliar os programas sociais, o que consiste num grande desafio. Isso ficará mais difícil se o desemprego aumentar e será necessário desembolsar mais recursos ao seguro-desemprego. E um quinto ponto é a necessidade de destravar a agenda de reformas, especialmente a tributária.
Além disso, há as crises de água e da energia cara que terão que ser enfrentadas de frente, afinal, a eleição, que gerava risco de perda de votos, já passou.

Comentários

comments

Comentários (2)

  • Patrício Francisco da Silva diz: 27 de outubro de 2014

    A necessidade de facilitar acesso ao crédito produtivo é vital para o crescimento do país e gerar mais competitividade. Para cobertura do custo Brasil, sobre tudo tributário, empresários precisam ter atenção nos outros gastos operacionais, investir em automação e aumentar produtividade da empresa para poder competir e melhor remunerar o capital.

  • cláudio fernando da silva chalmes diz: 27 de outubro de 2014

    Todos os itens são muito importantes.Mas deles é combater á corrupção que é um baita câncer no nosso País…..

Envie seu Comentário