Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Tecnologia que cresce acima da média

29 de dezembro de 2014 2
Guto Kuerten

Guto Kuerten

Entre as empresas de tecnologia da informação que crescem em ritmo acima da média nacional está a Teltec Solutions, de Florianópolis, que cresceu 27% este ano enquanto o setor avançou cerca de 9% no país. A companhia, que tem à frente quatro engenheiros graduados pela UFSC, fecha o ano com faturamento de R$ 76 milhões. Avança em soluções para os setores de educação, justiça e saúde, informa o diretor técnico Rafael de Araújo Silva (foto).

Como surgiu a Teltec e em que setores ela atua?

Rafael de Araújo Silva – A empresa surgiu em 1991 com foco em telemática. Foi fundada pelo engenheiro eletricista graduado pela UFSC Glauco Brites Ramos, que hoje é o presidente do conselho da empresa. Em 1999, com a privatização da telefonia e avanço da internet, foi transformada em Teltec Network. Mais tarde, o filho do Glauco, o Diego Ramos, também engenheiro eletricista da UFSC veio trabalhar com o pai e convidou mais dois colegas, eu e o Daniel Heller. Hoje Diego é o diretor executivo, eu sou o diretor de tecnologia e Heller cuida do segmento de saúde. Ano passado, o nome mudou para Teltec Solutions. A empresa é uma integradora de soluções de tecnologia que atua principalmente em educação, justiça e saúde em todo o país.

Quanto a companhia cresceu nos últimos anos?

Araújo – Em 2011, faturávamos R$ 20 milhões e nosso objeto era dobrar de tamanho. Em dois anos dobramos e em 2014 crescemos 27%, chegando a R$ 76 milhões. Projetamos R$ 105 milhões para o ano que vem. Nossa expansão, este ano, foi três vezes mais do que a média nacional do setor, que vai fechar com cerca de 9%. Em SC, segundo a Associação Catarinense de Tecnologia, a expansão será de 15%.

Como a Teltec atua?

Araújo – O negócio da Teltec é buscar soluções mundiais que sejam líderes de mercado e trazer isso para o Estado e o país. Projetamos e implantamos redes de dados e voz, soluções de virtualização, cloud computing, amazenamento e segurança. Temos 80 colaboradores, sede em Florianópolis e filiais em Brasília, Curitiba e Recife. Temos parcerias com players mundiais como a Cisco, HP, Axis, NetApp e Amazon.

De que forma a empresa trabalha no setor de educação?

Araújo – Atualmente, 70% do nosso faturamento vêm de soluções para educação. O Brasil vive um grande boom no setor, com investimentos em redes de internet e outras tecnologias. A gente surfou a onda da educação. Hoje, muito além da educação, temos um programa dentro da Teltec de formação dos professores para o uso da tecnologias nas salas de aula. O objetivo é fazer a sala migrar do modelo antigo de giz e quadro negro para lousa digital, tablet e wi-fi. Assim, mesmo fora da sala de aula, o aluno pode acompanhar o conteúdo.

Como a tecnologia pode colaborar mais no avanço do setor privado e de governos?

Araújo – Temos muitas empresas em Santa Catarina que usam soluções de ponta e, com isso, obtêm melhores resultados nos seus setores. Mas acredito que pequenas e médias empresas poderiam avançar muito mais. Os governos também. Na vertical de saúde que estamos trabalhando, entre as soluções, estão controles digitais, fim de filas e tecnologias voltadas à prevenção da saúde.

E na área de inovação, o que a Teltec está fazendo?

Araújo – Nossa estratégia é ter um escritório de inovação. O projeto está sendo desenvolvido com assessoria do IEL, da Federação das Indústrias (Fiesc), dentro do programa Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação (Nagi), subsidiado pela Finep. Nosso plano é mostrar que a inovação em TI pode ajudar muito a impulsionar indústrias. Vamos ter um time independente para esse novo escritório.

Qual é a principal aposta da Teltec para o futuro?

Araújo – A gente acredita muito nas soluções em nuvem. Hoje a Teltec está toda na nuvem, nossa estrutura de produção, CRM e dados. Isso reduziu em 35% o nosso custo de TI. A gente ficou muito otimista com os resultados. Levar isso ao mercado está sendo muito promissor.

Comentários

comments

Comentários (2)

  • rogerio cardozo diz: 29 de dezembro de 2014

    Quando as pessoas falam em “nuvem” não quer dizer que isso não seja um lugar físico , essas chamadas nuvens estão localizadas na sua maioria nos estados unidos , são grandes prédios que guardam milhares de computadores com grande capacidade de arquivar e fazer rodar muitos dados computacionais , Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são capazes de oferecer serviços de processamento a milhares de usuários através de milhares de terminais conectados diretamente ou através de uma rede. (O termo mainframe se refere ao gabinete principal que alojava a unidade central de fogo nos primeiros computadores).

  • Rafael Araújo Silva diz: 3 de janeiro de 2015

    Olá Rogério, vi seu comentário e escrevo para contribuir com um link para ajudar a entender melhor alguns conceitos de computação em nuvem. Muitas pessoas associam a nuvem com a volta do conceito de Sistemas de MainFrame, mas são coisas bem diferentes. Self-service, pay as you use, auto-scaling e outros conceitos diferenciam bastante os sistemas baseados em nuvem dos sistemas baseados em mainframe. São inúmeros benefícios que estão transformando muitas indústrias tradicionais. Confira o seguinte link: http://aws.amazon.com/pt/what-is-cloud-computing/
    Entre em contato que mandaremos convite para um próximo evento sobre computação em nuvem que realizaremos neste início de 2015.
    Boa leitura! Rafael

Envie seu Comentário