Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de dezembro 2014

Qualidade reconhecida

30 de dezembro de 2014 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Montadora sueca que é reconhecida como a empresa que mais respeita o consumidor no Brasil, a Volvo foi destaque na pesquisa da Shopper Experience em parceria com o Centro de Inteligência Padrão, publicada pela Exame.

De acordo com o levantamento, a qualidade dos produtos foi o item mais considerado pelos clientes na avaliação, com votação de 23%. Em segundo lugar ficou o atendimento em qualquer canal de contato (16%) e serviços de qualidade (12%).

Em SC a concessionária é a Dimas Volvo, que alcançou a primeira colocação no ranking Brasil de qualidade no pós-venda entre 23 concessionárias do país, destaca o gerente Sandro Bueno.

Armazenar água

30 de dezembro de 2014 0

Diferenciação é a aposta da Fable Engenharia Imaginária, produtora de vasos auto-regantes e sustentáveis que são comercializados pela Primavera Garden, na SC-401. As criações são do publicitário e surfista Pedro Machado que começou produzindo pranchas de surfe e partiu para esses objetos pioneiros. Os vasos têm um compartimento que armazena água por até três meses.

Modernização

30 de dezembro de 2014 0

Cruzamento de dados de cartões de crédito e outros, com o auxílio da tecnologia, é que permitiram a série de avanços para conter sonegação.
– A modernização do fisco catarinense tem permitido ampliar a cada ano os controles sobre os contribuintes. Avançamos muito realizando operações no âmbito regional e estadual – explica Francisco Martins, gerente de fiscalização da Fazenda.

O que é do Estado

30 de dezembro de 2014 0

Sem trégua. Foi assim que a equipe de fiscalização da Fazenda do Estado trabalhou este ano para conter sonegação de impostos, especialmente de ICMS. Foram realizadas 140 operações de fiscalizações em 2014, quase o dobro das 77 do ano anterior. Entre os trabalhos, os fiscais atuaram no varejo, no trânsito e nos correios. Além disso, fizeram auditorias a partir de dados disponíveis.

Turistas garantem maior arrecadação

30 de dezembro de 2014 0

Enquanto muitos catarinenses reclamam do excesso de carros nas rodovias e cidades em função da vinda de turistas ao litoral, o Estado e municípios se animam com o aumento da arrecadação de impostos. O principal tributo é o ICMS, que incide sobre combustível, bebidas e energia elétrica. foram esses itens, no início do ano passado, que registraram maior arrecadação em função da vinda de turistas em todo o estado.

Medidas duras do governo Dilma afetam a previdência

30 de dezembro de 2014 43

O governo anunciou ontem à noite um pacote com medidas duras que afetam a vida de trabalhadores e a concessão de pensões. As mudanças incluem mais rigor para conceder seguro-desemprego, abono salarial, auxílio-doença e pensão. As medidas na área trabalhista eram esperadas, mas a abrangência das mudanças sobre pensões gera uma insegurança futura para milhares de pessoas e devem mudar a forma como os brasileiros e brasileiras encaram a carreira. Em caso de morte do cônjuge, por exemplo, a pensão será de 50% da renda, inclusive para servidores públicos. Conforme a idade, o benefício será extinto após um tempo.As medidas são racionais do ponto de vista de gestão financeira e permitirão economia da ordem de R$ 18 bilhões por ano, mas pegam muita gente de surpresa porque a presidente Dilma ganhou a eleição justamente dizendo que manteria os programas sociais e que seus adversários é que fariam cortes. Os detalhes serão publicados hoje no Diário Oficial da União.

Confira, abaixo, a notícia sobre as medidas publicada pela Agência Brasil, do governo federal.

29/12/2014 21h03Brasília
Paulo Victor Chagas – Repórter da Agência Brasil Edição: Stênio Ribeiro
As normas de acesso a cinco benefícios trabalhistas e previdenciários serão alteradas pelo governo federal. Nesta terça-feira (30), serão publicadas, no Diário Oficial da União, as medidas provisórias com ajustes nas despesas do abono salarial, do seguro-desemprego, do seguro-defeso, da pensão por morte e do auxílio-doença.

O objetivo das novas regras, informou o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, é eliminar excessos, aumentar a transparência e corrigir distorções, visando à sustentabilidade dos programas que utilizam os fundos de Amparo ao Trabalhador (FAT) e da Previdência Social. “Todas as mudanças respeitam integralmente todos os benefícios que já estão sendo pagos”, disse o ministro. “[Elas] não se aplicam aos atuais beneficiados, não é retroativo”.

As medidas foram anunciadas após encontro dos ministros da Previdência, do Trabalho, do Planejamento e do representante do Ministério da Fazenda com representantes de centrais sindicais, na tarde de hoje (29), no Palácio do Planalto. Elas começam a valer a partir de amanhã, mas precisam ser aprovadas pelos deputados e senadores para virarem lei. Elas vão gerar redução de custos de aproximadamente R$ 18 bilhões por ano, a preços de 2015.

De acordo com Nelson Barbosa, que vai assumir na próxima quinta-feira (1º) o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o valor equivale a 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e serviços produzidos no país, do próximo ano, e vai aumentar ao longo do tempo, de acordo com a maior utilização dos benefícios.

A primeira medida anunciada é o aumento da carência do tempo de carteira assinada do trabalhador que tem direito a receber o abono salarial. Antes, quem trabalhava somente um mês e recebia até dois salários mínimos tinha acesso ao benefício. Agora, o tempo será de no mínimo seis meses ininterruptos. Outra mudança será o pagamento proporcional ao tempo trabalhado, do mesmo modo que ocorre atualmente com o décimo terceiro salário, já que, pela regra atual, o benefício era pago igualmente para os trabalhadores, independentemente do tempo trabalhado.

O seguro-desemprego também sofrerá alterações. Pelas regras atuais, o trabalhador pode solicitar o seguro após trabalhar seis meses. Com as novas regras, ele terá que comprovar vínculo com o empregador por pelo menos 18 meses na primeira vez em que requerer o benefício. Na segunda solicitação, o período de carência será de 12 meses. A partir do terceiro pedido, a carência voltará a ser de seis meses.

Devido à grande ocorrência de acúmulo de benefícios no seguro-desemprego do pescador artesanal, conhecido como seguro-defeso, as regras de acesso, nesse caso, também terão mudanças. A primeira delas visa a vedar o acúmulo de benefícios assistenciais e previdenciários com o seguro-defeso. O benefício de um salário mínimo é pago aos pescadores que exercem a atividade de forma exclusiva, durante o período em que a pesca é proibida, visando à reprodução dos peixes.

Mercadante disse que “não faz sentido” o trabalhador receber o seguro-defeso e, concomitantemente, o seguro-desemprego ou o auxílio-doença, por exemplo. Além desta medida, serão criadas regras para comprovar que o pescador comercializou a sua produção por pelo menos 12 meses, além de ser criada carência de três anos a partir do registro do pescador.

Com base em estudos de experiências internacionais, o governo pretende criar uma carência de dois anos para quem recebe pensão por morte. Outra intenção é exigir tempo mínimo de dois anos de casamento ou união estável para que os dependentes recebam a pensão. “Não dá para casar na última hora para simplesmente transferir o benefício como em casamentos oportunistas que ocorrem hoje”, justificou Mercadante.

A exceção é para os casos em que o óbito do trabalhador ocorrer em função de acidente de trabalho, depois do casamento ou para o caso de cônjuge incapaz. Nova regra de cálculo do benefício também será estipulada e reduzirá o atual patamar de 100% do salário-de-benefício para 50% mais 10% por dependente. Outra mudança é a exclusão do direito a pensão para os dependentes que forem condenados judicialmente pela prática de assassinato do segurado.

O auxílio-doença também sofrerá alteração. O teto do benefício será a média das últimas 12 contribuições, e o prazo de afastamento a ser pago pelo empregador será estendido de 15 para 30 dias, antes que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) passe a arcar com o auxílio-doença.

A única medida anunciada hoje que valerá para todos os beneficiados será o aumento da transparência dos programas. Os nomes dos beneficiados, a que auxílio têm direito, por qual motivo e quanto recebem são informações que, de acordo com Mercadante, estarão disponíveis publicamente na internet, da mesma forma que é hoje para quem recebe o Bolsa Família.

O ministro explicou que já existem medidas de auditoria permanente no Bolsa Família e disse que as mudanças visam a dar isonomia à concessão dos programas. “Estamos fazendo com critério, equidade, equilíbrio, preservando políticas, direitos adquiridos. São ajustes e correções inadiáveis e indispensáveis”, afirmou.

Do lado do governo, participaram do encontro Carlos Eduardo Gabas, secretário executivo do Ministério da Previdência Social, confirmado nesta segunda-feira (29) pela presidenta Dilma Rousseff à frente da pasta; Paulo Rogério Caffarelli, secretário executivo do Ministério da Fazenda; Miriam Belchior, ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão; e Manoel Dias, ministro do Trabalho e Emprego.

Os trabalhadores foram representados por dirigentes da Central Única dos Trabalhadores, União Geral dos Trabalhadores, Nova Central Sindical dos Trabalhadores, Central dos Sindicatos Brasileiros e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil.

Aprovado curso de Medicina na Católica de Jaraguá

30 de dezembro de 2014 0

Enfim, Jaraguá do Sul terá o seu curso de Medicina na Universidade Católica. O Ministério da Educação divulgou ontem à noite a lista das 39 cidades que terão novos cursos para a formação de médicos. Lideranças de Jaraguá se empenharam muito para conseguir o curso. Aliás, pelo dinamismo da economia da cidade, o curso deveria ter sido aberto antes. Segundo o MEC, há falta dos profissionais em todo o país. A meta do governo é criar até 2018 mais 11,5 mil vagas de graduação em medicina. O foco é o SUS.

Confira a lista de Estados e cidades contempladas:

Bahia

Guanambi

Juazeiro

Alagoinhas

Eunápolis

Itabuna

Jacobina

 

Espírito Santo

Cachoeiro de Itapemirim

 

Minas Gerais

Contagem

Passos

Poços de Caldas

Sete Lagoas

 

Pará

Tucuruí

 

Pernambuco

Jaboatão dos Guararapes

 

Paraná

Campo Mourão

Guarapuava

Pato Branco

Umuarama

 

Rio de Janeiro

Angra dos Reis

Três Rios

 

Rondônia

Vilhena

 

Rio Grande do Sul

Erechim

Ijuí

Novo Hamburgo

São Leopoldo

 

Santa Catarina

Jaraguá do Sul

 

São Paulo

Araçatuba

Araras

Bauru

Cubatão

Guarujá

Guarulhos

Jaú

Limeira

Mauá

Osasco

Piracicaba

Rio Claro

São Bernardo do Campo

São José dos Campos

Previ transfere ações da Celesc ao fundo Angra

29 de dezembro de 2014 0

A Previ, fundo de previdência dos funcionários do Banco do Brasil, transferiu todas as ações que detinha da Celesc ao fundo Angra Partners. A operação foi comunicada ontem pelo diretor de Relações com Investidores da estatal catarinense, José Carlos Oneda. Maior acionista institucional da companhia, a Previ era dona de 14,46% do capital total da Celesc, o que incluia 33,11% do capital votante (ações ordinárias) e 1,9% das ações preferenciais. A transferência envolveu 5.140.868 ações ordinárias e 437.807 papéis preferenciais. O fundo dos servidores do BB é, agora, um acionista indireto da empresa porque o capital passou a integrar o Angra Partnes.
Segundo o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, a decisão da Previ faz parte de uma estratégia e a expectativa é de continuar o bom relacionamento que a empresa sempre teve com o fundo de pensão.
De acordo com uma fonte ligada ao mercado, a decisão da Previ teve como objetivo aprimorar a governança para alcançar melhores resultados e, também, conseguir uma certa blindagem política. A Angra é reconhecido por ser muito exigente na cobrança de retorno aos acionistas, o que é difícil de alcançar numa empresa que tem mais de 70% do capital com investidores privados, mas a gestão é estatal, com é o caso da Celesc. Há mais de uma década, a Previ se tornou um grande acionista da Celesc porque o governo de SC não pagou débito de financiamento que tomou com o fundo de pensão. A presença de quatro conselheiros representantes da instituição sempre desagradou boa parte do lado político.

Mudanças

Nos últimos anos, em função da pressão dos acionistas privados, a Celesc promoveu diversas mudanças na gestão. Mesmo assim esses acionistas continuam insatisfeitos porque os retornos oferecidos por distribuidoras privadas de energia têm sido maiores, na maioria das vezes. O que causou mais polêmicas foi Lirio Parisotto, do fundo LPar, maior acionista individual da companhia que reduziu sua participação.

No conselho

Nova acionista da Celesc, a Angra Partnes já solicitou mudança na escolha dos conselheiros. Ela pediu a adoção do processo de voto múltiplo na eleição dos integrantes do conselho de administração que será realizada na Assembleia
Geral Extraordinária do dia 5 de janeiro. A expectativa é de que os quatro conselheiros representantes da Angra sejam profissionais do mercado, com ainda mais independência.

 

 

 

 

Começam as liquidações

29 de dezembro de 2014 0

Se em anos anteriores, com a economia em melhor ritmo, as liquidações foram antecipadas, nesta virada de 2014 para 2015 a queda de preços deverá começar mais cedo e ser maior. Redes como Salfer, Magazine Luiza, Casas Bahia e Ponto Frio derrubaram preços. A Salfer continua hoje. Depois, virão as lojas de moda.

Para ampliar a reciclagem

29 de dezembro de 2014 0

00a93016Neste período de Réveillon, um dos maiores acréscimos de lixo reciclável é de vidro. Para ampliar o recolhimento seletivo, a Comcap, companhia que realiza a coleta de lixo de Florianópolis, lançou coletores (foto) na região continental. A meta é implantar em toda a cidade, mas falta patrocínio privado para investir. Os vidros também entram na coleta seletiva geral da cidade. Hoje, 100% das latas de alumínio são recicladas, mas apenas 50% dos vidros têm destino semelhante.

Superluxo no litoral catarinense

29 de dezembro de 2014 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Neste período de praias lotadas, alguns vips vão passar o Réveillon em um dos endereços mais luxuosos do mundo, o Ponta dos Ganchos Exclusive Resort, com praia particular em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis. Para ocupar o bangalô top do empreendimento, o Especial Esmeralda (foto), com 300 metros quadrados, onde já ficaram hospedadas estrelas como as cantoras Beyoncé e Fergie e o beatle Paul McCartney, um casal precisa desembolsar R$ 72.940 por sete noites. Para quatro noites, fica R$ 52.100. O bangalô mais barato, luxo, sai por R$ 25.760 por sete noites e R$ 18.400, em quatro noites. Os pacotes incluem ceia de ano-novo com champagne Moët Chandon.

Alta de energia pesa para empresas e pressiona inflação

29 de dezembro de 2014 1

Além do reajuste de 23% na tarifa de energia este ano, a indústria catarinense enfrenta em janeiro o custo da bandeira tarifária vermelha, de R$ 3 por cada 100 kWh, e teme possível reajuste extraordinário que poderá ser aprovado pela Aneel no início de 2015.

Com especialistas nos cálculos de custos de energia, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) estimou que o custo médio da energia para a indústria do país no final de 2015 poderá chegar a R$ 459,20 por MWh. Conforme a entidade, o valor da bandeira vermelha vai elevar em R$ 40,98 o custo do MWh no país, incluindo os impostos.

Como em SC o custo do MWh para a indústria é maior do que a média nacional (em 2013 era 8,6% mais caro), o acréscimo na bandeira deve somar R$ 44,50 por kWh. Embora a bandeira de R$ 3 por kWh possa parecer barata, a indústria e o comércio não têm como absorver essa elevação de custos. Por isso, a empresa que puder vai repassar aos preços e quem paga é o consumidor.

Isso gera aumento de preços. Há bancos prevendo alta de 6,5% na inflação em 2015, com maior peso da energia.

 

Correção

Obrigada ao leitor Tiago por alertar novamente sobre erro no texto acima.

A correção foi feia. O certo é R$ 3 por cada 100 kWh e não por cada kWh.

Tecnologia que cresce acima da média

29 de dezembro de 2014 2
Guto Kuerten

Guto Kuerten

Entre as empresas de tecnologia da informação que crescem em ritmo acima da média nacional está a Teltec Solutions, de Florianópolis, que cresceu 27% este ano enquanto o setor avançou cerca de 9% no país. A companhia, que tem à frente quatro engenheiros graduados pela UFSC, fecha o ano com faturamento de R$ 76 milhões. Avança em soluções para os setores de educação, justiça e saúde, informa o diretor técnico Rafael de Araújo Silva (foto).

Como surgiu a Teltec e em que setores ela atua?

Rafael de Araújo Silva – A empresa surgiu em 1991 com foco em telemática. Foi fundada pelo engenheiro eletricista graduado pela UFSC Glauco Brites Ramos, que hoje é o presidente do conselho da empresa. Em 1999, com a privatização da telefonia e avanço da internet, foi transformada em Teltec Network. Mais tarde, o filho do Glauco, o Diego Ramos, também engenheiro eletricista da UFSC veio trabalhar com o pai e convidou mais dois colegas, eu e o Daniel Heller. Hoje Diego é o diretor executivo, eu sou o diretor de tecnologia e Heller cuida do segmento de saúde. Ano passado, o nome mudou para Teltec Solutions. A empresa é uma integradora de soluções de tecnologia que atua principalmente em educação, justiça e saúde em todo o país.

Quanto a companhia cresceu nos últimos anos?

Araújo – Em 2011, faturávamos R$ 20 milhões e nosso objeto era dobrar de tamanho. Em dois anos dobramos e em 2014 crescemos 27%, chegando a R$ 76 milhões. Projetamos R$ 105 milhões para o ano que vem. Nossa expansão, este ano, foi três vezes mais do que a média nacional do setor, que vai fechar com cerca de 9%. Em SC, segundo a Associação Catarinense de Tecnologia, a expansão será de 15%.

Como a Teltec atua?

Araújo – O negócio da Teltec é buscar soluções mundiais que sejam líderes de mercado e trazer isso para o Estado e o país. Projetamos e implantamos redes de dados e voz, soluções de virtualização, cloud computing, amazenamento e segurança. Temos 80 colaboradores, sede em Florianópolis e filiais em Brasília, Curitiba e Recife. Temos parcerias com players mundiais como a Cisco, HP, Axis, NetApp e Amazon.

De que forma a empresa trabalha no setor de educação?

Araújo – Atualmente, 70% do nosso faturamento vêm de soluções para educação. O Brasil vive um grande boom no setor, com investimentos em redes de internet e outras tecnologias. A gente surfou a onda da educação. Hoje, muito além da educação, temos um programa dentro da Teltec de formação dos professores para o uso da tecnologias nas salas de aula. O objetivo é fazer a sala migrar do modelo antigo de giz e quadro negro para lousa digital, tablet e wi-fi. Assim, mesmo fora da sala de aula, o aluno pode acompanhar o conteúdo.

Como a tecnologia pode colaborar mais no avanço do setor privado e de governos?

Araújo – Temos muitas empresas em Santa Catarina que usam soluções de ponta e, com isso, obtêm melhores resultados nos seus setores. Mas acredito que pequenas e médias empresas poderiam avançar muito mais. Os governos também. Na vertical de saúde que estamos trabalhando, entre as soluções, estão controles digitais, fim de filas e tecnologias voltadas à prevenção da saúde.

E na área de inovação, o que a Teltec está fazendo?

Araújo – Nossa estratégia é ter um escritório de inovação. O projeto está sendo desenvolvido com assessoria do IEL, da Federação das Indústrias (Fiesc), dentro do programa Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação (Nagi), subsidiado pela Finep. Nosso plano é mostrar que a inovação em TI pode ajudar muito a impulsionar indústrias. Vamos ter um time independente para esse novo escritório.

Qual é a principal aposta da Teltec para o futuro?

Araújo – A gente acredita muito nas soluções em nuvem. Hoje a Teltec está toda na nuvem, nossa estrutura de produção, CRM e dados. Isso reduziu em 35% o nosso custo de TI. A gente ficou muito otimista com os resultados. Levar isso ao mercado está sendo muito promissor.

Top internacional cria coleção para a Malwee

27 de dezembro de 2014 0

Isabella Fiorentino (foto), top internacional e apresentadora de TV, criou uma coleção cápsula alto verão para a marca catarinense Malwee, voltada às festas de final de ano. O processo de criação incluiu a participação da modelo com atenção à moda contemporânea.

Gui Paganini, Malwee, divulgação

Gui Paganini, Malwee, divulgação

A linha Isabella Fiorentino para a Malwee tem 23 looks com três variantes de cores cada um. Na foto, a top apresenta um vestido para o Réveillon.

A propósito, a virada do ano gera um consumo próprio de confecções e outros itens. A maioria adere ao branco e compra lingerie nova, aderindo às simpatias pela sorte futura. A Malwee e outras marcas lançaram linhas de lingerie voltadas à data.

O erro mortal dos governos brasileiros

27 de dezembro de 2014 1

Para um país dar um salto no desenvolvimento humano e entrar num patamar superior de geração de inovação e riqueza, precisa adotar programa nacional de educação de alta qualidade para todas as crianças, desde a pré-escola até o ensino médio, além de avançar no ensino superior. Nesta virada de ano, com o início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, do governador Raimundo Colombo e novas gestões nos demais Estados, vale lembrar que essa é uma dívida ainda não paga pelos governantes ao Brasil.

Quem chamou a atenção para o problema este ano, foi o ex-ministro Antônio Delfim Netto, em entrevista à Folha de S. Paulo. Ao falar sobre os 50 anos do Golpe Militar, reconheceu que o ensino básico foi deixado de lado no Brasil não só naquele período, mas sempre.

“O ensino básico foi deixado de lado. Acho que aí houve um erro. Na verdade, acho que, desde o Império, nós deixamos o ensino básico na mão da prefeitura. Isso foi um erro mortal. As prefeituras nunca se comoveram com o ensino básico”, disse Delfim, após discorrer sobre outros problemas da ditadura brasileira, período em que foi ministro da Fazenda e Agricultura.

Cada vez mais brasileiros reconhecem que falta ao país um plano de educação, melhor formação e remuneração de professores. Países como a Coreia do Sul e Finlândia são exemplos vencedores. Sem revolucionar a educação, o ciclo virtuoso do Brasil é postergado.

Restrições a beach clubs prejudica trabalhadores

27 de dezembro de 2014 1

A exemplo dos últimos verões, segue a novela dos beach clubs em Florianópolis. A insegurança jurídica já afeta as vendas. Como não podem servir nada para quem está na praia, os garçons dos bares já sentem o impacto no bolso com a redução das gorjetas. Os veranistas também ficam sem os serviços na praia e os empresários registram menor recdeita.

Gol faz promoção de passagens aéreas

27 de dezembro de 2014 0

A Gol lançou ontem à noite promoção de passagens com trechos nacionais a partir de R$ 139,90. Também disponibilizou ofertas aos EUA e Caribe. Os preços mais acessíveis serão oferecidos até às 8h da próxima segunda-feira, dia 29 de dezembro.

Joinville fora do primeiro escalão do governo

27 de dezembro de 2014 0

Lideranças de Joinville não gostaram nada da decisão do governador Raimundo Colombo de não incluir nenhum representante do município no primeiro escalão do governo. Afinal, além de maior cidade do Estado é a maior geradora de riquezas, apesar de Itajaí ter ultrapassado este ano na contabilidade como maior PIB em função do movimento portuário.

Explicação
Joinville marca presença no primeiro escalão do novo governo de Raimundo Colombo com Cleverson Siewert na presidência da Celesc. A explicação é do secretário de Comunicação, Nelson Santiago, em resposta à nota acima na coluna de ontem. Segundo ele, a cidade foi contemplada, também, com mais um deputado estadual em função da decisão do governador de colocar parlamentares eleitos no secretariado. O suplente Dalmo de Oliveira, ex-secretário de Estado da Saúde, ganhou vaga na Assembleia. Assim, Joinville terá quatro deputados estaduais.

A articulação do governo foi uma solução política, mas a cidade ficou, sim, fora do núcleo de decisões do executivo estadual.

Cooperativa de crédito cresce no Oeste

27 de dezembro de 2014 0

O crescimento do quadro social da Sicredi Região da Produção este ano foi de 11% . Iniciou o ano com 41.948 associados e encerra o ano com 46.504. Isso significa 4.556 novos sócios à cooperativa de crédito, informa Saul João Rovadoscki, presidente da instituição que atua no Oeste de Santa Catarina.

Só refeições de casa

27 de dezembro de 2014 0

Preso desde o dia 5 deste mês sob acusação de corrupção, o prefeito de Lages, Elizeu Mattos, pelo menos não está gerando uma despesa ao Estado: a das refeições. Segundo a Polícia Militar, os familiares levam toda a alimentação ao quartel da PM, onde o político está detido na cidade que administrou.