Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Por um ecossistema de inovação

10 de maio de 2015 0

00846511
Fotos: Arquivo pessoal

Atenta à força da inovação e da tecnologia para transformar sociedades, melhorar a qualidade de vida e a renda das pessoas, a empresária Fernanda Bornhausen Sá decidiu atuar na área por meio da educação. A Clear Inovação oferece treinamentos para executivos com metodologias de ponta. Embora seja filha e neta de EX-governadores, Fernanda prefere trabalhar no setor privado e como voluntária. Em 1998, fundou com outras pessoas o instituto voluntários em ação (IVA) para incentivar o terceiro setor. em 2012, liderou o lançamento do Social Good Brasil (SGD) que foca em plataformas digitais para inovar pelo social.

O que levou você a atuar com educação voltada à inovação por meio da empresa Clear?
Depois de 21 anos atuando como empresária de publicidade decidi vender a agência, na época com unidades em Brasília e São Paulo, para me fixar em Florianópolis, pois estava cansada de viajar todas as semanas. Em 2010, iniciei uma empresa inovadora na área de educação, área que é uma das minhas grandes paixões. Atualmente, a Clear Inovação, que atua para clientes em todo o Brasil, está focada em treinamentos consultivos in company para executivos utilizando metodologias de ponta. Para oferecer excelência, firmamos parcerias nos Estados Unidos com grandes mestres e instituições renomadas, como a empresa We First, criadora da metodologia Social Branding, que visa a inovação através do branding, com a qual estou trabalhando nessa semana em Los Angeles.

Como a inovação pode ajudar a transformar a economia de SC e a de Florianópolis, que já tem um polo de tecnologia?
A inovação é fundamental para transformar a nova economia de SC porque ela ajuda a gerar negócios e empregos de alta qualidade. É necessário termos um ecossistema de inovação para alcançarmos pleno sucesso na nova economia e enfrentarmos os desafios que ela nos apresenta. O polo tecnológico de Florianópolis está ficando cada vez melhor e, agora, precisamos que a cidade respire a inovação em todos os sentidos, precisamos de uma mudança coletiva de modelo mental.

Por que fundou o Social Good Brasil e como ele atua para melhorar a realidade social do Estado e do país?
Desde 2006 tenho a crença que através da tecnologia e das novas mídias podemos ter um mundo muito melhor, que tudo está ao alcance e na ponta de nossos dedos. E com base nessa crença, lançamos em 2012 o programa Social Good Brasil com o objetivo de empoderar pessoas e organizações para fazerem a sua parte na mudança social no país através do uso das tecnologias, novas mídias e pensamento inovador. Para mim é um sonho que se tornou realidade em pouco tempo graças aos milhares de brasileiros, de todos os cantos, que têm feito o Social Good Brasil acontecer. É meu trabalho voluntário, na inovação social, que realizo com paixão e satisfação plena.

De que forma os jovens podem participar dessa transformação via mundo digital na área social?
Através do uso da tecnologia, novas mídias, conhecimento e vivência de metodologias de inovação de ponta os jovens estão realizando uma revolução silenciosa no Brasil. O poder está na ponta dos dedos de cada um de nós e, principalmente, dos jovens. Em torno do Social Good Brasil estão jovens de todo o país desenvolvendo trabalhos maravilhosos de mudança social, empreendedores sociais, mobilizadores e agentes livres.

Você também aceitou o desafio de dirigir o Lide Mulher em SC. O que ele está priorizando?
Esse é mais um desafio na minha vida profissional que abracei motivada por uma mulher que me inspira muito, a Luiza Trajano, e também por termos como líder nacional nossa especial Sônia Hess. O Lide Mulher tem como objetivo sensibilizar líderes empresariais sobre os valores das características de liderança e gestão femininas que atendem às novas tendências de mercado.

Em função do Dia das Mães neste domingo, eu gostaria de saber como você conciliou trabalho e família (é mãe do Jorge Renato e do João Ricardo), e que conselho você dá às mães para orientar a carreira dos filhos?
Meus filhos têm 24 e 22 anos e já nasceram vendo a mãe trabalhando muito. Comecei a levar o Jorge para a agência comigo quando ele tinha cinco dias, pois vida de mãe empresária é bem difícil. Refletindo hoje, conduzi tudo com o ímpeto da juventude, assumindo todos o papéis ao mesmo tempo, inclusive o de voluntária. Mas só consegui me dedicar tanto à vida profissional quando os filhos eram pequenos porque o Renato, meu marido, que me ajuda em tudo, realmente divide todas as tarefas e é um pai maravilhoso. Nesse Dia das Mães posso dizer que sou uma mãe realizada, pois nossos filhos Jorge e João são pessoas especiais. Como psicóloga especializada em orientação profissional o que aconselho é que as mães estejam muito perto e abertas na época da escolha da profissão de seus filhos, que busquem conhecer e compreender as novas profissões e carreiras para orientá-los.

00ade4e7

Para Fernanda Bornhausen Sá, o caminho da tecnologia e da inovação é o que pode garantir um salto maior para economia catarinense. Com propósito de preparar executivos com esse foco ela busca inspiração e parcerias no Vale do Silício, EUA. Na foto acima, Fernanda durante um dos eventos na @DSchool em Stanford.

Filha do ex-governador Jorge Bornhausen, nascida em Blumenau, é graduada em Psicologia pela UFSC, fez MBA em Gestão Global pela Udesc e especialização em Orientação Profissional e Planejamento de Carreira.

Comentários

comments

Envie seu Comentário