Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Alta da Selic é um mal necessário

30 de julho de 2015 2

A alta da taxa de juros Selic para 14,25% ao ano em plena recessão é um mal necessário em função dos estragos causados pelos gastos excessivos do governo de Dilma Rousseff nos últimos anos. Se o Banco central fosse independente, esses estragos não estariam acontecendo agora.

Leia as últimas notícias

Comentários

comments

Comentários (2)

  • Gilberto Cavedon diz: 30 de julho de 2015

    Discordo totalmente.

    Esta alta beneficia um setor, o financeiro, que possui como cliente cativo justamente quem comanda a alta: o Estado brasileiro.

    Recessão se combate com redução das taxas de juros que promovem o consumo e os investimentos na produção.

    A retração dos gastos do Estado, o contingenciamento orçamentário, é correto porque foi superior a sua capacidade de pagamento.

    Adianta deixar de gastar com saúde, educação, segurança, infraestrutura e gastar o dobro com o serviço da dívida?

    Pois este é o efeito da elevação da taxa de juros.

    Este é o perverso efeito do mágico sistema financeiro brasileiro.

    E o mais estranho é que poucos partidos políticos defendem uma auditoria da dívida pública brasileira, algo que apontaria algumas anomalias com impactos bem superiores aos descobertos na Petrobras.

    Aliás, a mídia brasileira, pouco valoriza esta alternativa para mudar o Brasil.

    O que não é possível é continuar bancando mais de 40% do PIB com serviço da dívida e acreditar que está tudo certo, que este sistema está correto e que não há “estranhos no ninho”.

    Passar o país a limpo já.

    Começando pela auditoria da dívida pública.

  • Eu diz: 31 de julho de 2015

    Gilberto Cavedon, fala isso para os credos dos mais de R$ 3 trilhões que o Brasil deve.
    Se o governo não aumentar os juros, ninguém mais se submete a rolar essa divida e o país quebra.

    Ninguém mandou gastar muito mais que do arrecada nos últimos 5 anos. Agora a conta chegou.

Envie seu Comentário