Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Colombo defende reformas para os próximos cem anos

11 de setembro de 2015 1

Com a experiência de quem teve a primeira atividade profissional muito jovem, como vendedor na loja dos seus pais em Lages, o governador Raimundo Colombo se animou com a platéia de mais de mil lojistas no Costão do Santinho, ontem à noite, na abertura da 46ª Convenção Estadual do Comércio Lojista, em Florianópolis. Ele pregou uma profunda reforma no setor público. Defendeu, com razão, mudanças para os próximos cem anos ao se referir à série de problemas da Previdência no Brasil, especialmente o custo pesado demais para o país.

- Não é fácil fazer mudanças, mas devemos fazer. Nós faremos mudanças para os próximos cem anos anos – afirmou.

Mais uma vez, Colombo lembrou que há cerca de 20 anos, a Irlanda e a Grécia estavam numa situação crítica de despesas públicas como o Brasil. A Irlanda cortou os salários em 20% e fez uma série de ajustes. A Grécia fechou os olhos e deixou o tempo passar. Enquanto a Irlanda recuperou sua economia e se tornou referência de bom exemplo para o mundo, a Grécia quebrou agora com déficit de 12% do PIB na Previdência. O Brasil, segundo o governador, está gastando 10,5% do PIB com o sistema previdenciário. As pessoas se aposentam com 45 anos, o que é muito cedo.

Em SC, o Estado tem 59 mil aposentados e 11 mil pensionistas. No ano passado, o Estado teve um rombo de R$ 3 bilhões na Previdência e, a cada ano, o buraco é maior.

- Em nenhum lugar do mundo não há idade mínima para aposentadoria. Só no Brasil. Por isso a Previdência brasileira é um rombo que não tem como dar volta se não mudarmos. Precisamos fazer escolhas. Não adianta tirar dinheiro dos depósitos judiciais para subsidiar a falência do Estado. Não é mais possível aumentar impostos – alertou Colombo.

Segundo ele, foi por causa desse desequilíbrio que o RS está com o problema atual. O governador não poupou críticas ao Congresso Nacional que corrigiu as aposentadorias pelos índices de salário mínimo, que é acima da inflação, derrubou o fator previdenciário que evitava aposentadorias cedo.

,

Comentários

comments

Comentários (1)

  • Ausenir diz: 11 de setembro de 2015

    Em lugar nenhum do mundo políticos se aposentam com um mandato ou dois. Em lugar nenhum do mundo políticos ganham tanto igual no Brasil. Então vamos arrumar a casa. Iniciando de cima para baixo. Vamos dar exemplo.

Envie seu Comentário