Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Greve dos fiscais agropecuários afeta exportações de SC

22 de setembro de 2015 0

Mais uma vez, os fiscais agropecuários que atuam em portos, agroindústrias e fronteiras cruzaram os braços. Segundo o diretor do Sindicato das Indústrias de Carnes de Santa Catarina, Ricardo Gouvêa, o movimento começou sexta (18), as empresas já acumulam cargas, estão perdendo exportações e o setor está tentando, de todas as formas, convencer o governo federal a negociar com a categoria. O superintendente do Ministério da Agricultura em Santa Catarina, Jacir Massi, diz que os fiscais solicitam reajuste de 5% este ano e em 2016. A partir de amanhã, os técnicos administrativos também vão parar. Empenhado em viabilizar o fim da greve em função do momento difícil da economia, ele pediu apoio para a ministra da Agricultura, Kátia Abreu.

O agronegócio do Estado vem perdendo receita de exportação, justamente agora que o dólar está alto. A preocupação é tanta que Gouvêa foi para Brasília. Nesta terça, em nome do setor, pediu apoio para a Frente Parlamentar Catarinense presidida pelo deputado Mauro Mariani (PMDB) para que os deputados e senadores pressionem o governo federal por uma solução imediata. O pleito não é elevado, não chega ao total da inflação, mas o Ministério do Planejamento, que tem a caneta na mão, não está disposto a negociar e aceitar pressões, até porque não tem dinheiro.

Para o diretor do Sindicarnes/SC, as reivindicações são legítimas, mas a greve ocorre em momento errado, quando o país passa por uma profunda crise e precisa das receitas e impostos da atividade do agronegócio, uma das poucas que estão conseguindo exportar.

- As fábricas estão com estoques elevados e perdendo embarques, o que compromete contratos internacionais e causa elevadas perdas a toda a cadeia produtiva. O juiz concedeu liminar exigindo que os fiscais emitam os certificados independente de números, mas eles estariam emitindo somente 30% – diz Gouvêa.
Na opinião dele, os profissionais deveriam negociar os pontos do acordo sem entrar em greve, considerando o momento difícil da economia brasileira.

Leia as últimas notícias

Comentários

comments

Envie seu Comentário