Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Com realismo tarifário, preços sobem mais rápido

01 de outubro de 2015 0

Muitos ficaram surpresos com o anúncio do reajuste de combustíveis terça à noite pela Petrobras, mas como a eleição municipal está longe, a companhia pôde seguir o realismo tarifário, ou seja, a prática de transferir logo aos preços as altas de custos. No caso do combustível, a pressão vem do dólar, que subiu 52% de janeiro a agosto deste ano. Apesar do susto, esta alta vai acrescentar cerca de 0,2 ponto percentual na inflação oficial. Além disso, dia 16 será incluído o ICMS sobre esse reajuste, o que elevará mais os preços ao consumidor.

O peso maior do realismo tarifário por parte do governo federal ocorre no setor energético. No caso da conta de luz, Santa Catarina já acumula reajuste próximo de 50% este ano, incluindo bandeira tarifária. Por isso a inflação oficial, o IPCA, caminha para fechar o ano em dois dígitos, acima de 10%, o que é demais especialmente num período recessivo. A soma do dólar mais os combustíveis e outros reajustes não dão trégua para a inflação, que resulta da alta generalizada de preços.

Dolár abre outubro em queda e é cotado abaixo de R$ 4 nesta quinta
Pagamento de FGTS para trabalhadores domésticos passa a ser obrigatório

A crise derrubou a venda de bens de alto valor, como imóveis, automóveis e eletrodomésticos, mas o consumo de combustíveis praticamente se mantém no Estado. É isto que mostram os dados da Secretaria de Estado da Fazenda. No mês de agosto frente ao mesmo período de 2014, a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis teve uma alta nominal de 8,44%, o que significa estabilidade porque quase empata com a inflação. Isso também fica claro no acumulado de janeiro a agosto, quando a arrecadação do tributo pelo setor cresceu 6,36% frente aos mesmos meses do ano passado. Os engarrafamentos nas cidades também confirmam isso. Apesar do combustível mais caro, as pessoas não estão deixando os automóveis em casa.

Apesar desse novo aumento de combustíveis e de outros custos devido ao dólar, a expectativa dos analistas é de que a inflação será menor em 2016. É que os preços represados em anos anteriores já foram absorvidos.

Leia as últimas notícias

Comentários

comments

Envie seu Comentário