Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Resultados da pesquisa por "iate"

Iate coletivo

06 de junho de 2015 0

O terceiro veículo de muitas famílias catarinenses passou a ser a lancha. E quem quer adquirir a cultura náutica por preço acessível opta por iate em sociedade com amigos. Um exemplo é o empresário do setor de comunicação Roger Bittencourt, que comprou lancha pequena da Schaefer em sociedade com mais três amigos. Pelo acordo, a cada final de semana um fica com a embarcação. Um piloto atende os quatro proprietários.

Leia as últimas notícias sobre iate

Estaleiro Schaefer pode fabricar iates nos EUA com parceiro local

01 de abril de 2014 0

IatesA tecnologia e o design incorporados nos iates do estaleiro Schaefer, da Grande Florianópolis, começa a interessar fabricantes dos EUA. A empresa conversa comfabricante americano visando parceria para produção local. Com 21 anos de atividades, 800 colaboradores e cerca de 3 mil lanchas fabricadas, a empresa fundada e presidida por Marcio Schaefer tem know-how para conquistar mais espaço lá fora. Entre os diferenciais estão o design próprio, acabamento de luxo e tecnologia de ponta embarcada. A Schaefer já foi grande exportadora anos atrás, quando o câmbio permitia. Chegou a vender 15% da produção, especialmente para países Nórdicos e outros da Europa. Suspendeu as vendas no exterior devido a valorização do real. Agora, com a alta do dólar, vê novas possibilidades. Por isso, vai expor em feira náutica na Coreia do Sul em maio. Além dos EUA, a Inglaterra também oferece potencial de mercado, diz o empresário.

A maior embarcação do estaleiro, o Schaefer 800, de 80 pés, também é a maior feita no Brasil com esse perfil, para lazer. Tem três motores Volvo de 1,2 mil HPs cada e seu alarme de incêndio é o mesmo usado pela Nasa. Com 200 metros quadrados de área interna e três pavimentos, oferece conforto tanto para passageiros quanto para tripulantes.
Um dos proprietários satisfeitos com o novo iate é o apresentador da Rede Globo Luciano Huck. Quando viaja com a mulher Angelica e os filhos, leva cinco tripulantes. O terceiro iate com esse padrão chegará ao Rio esta semana, será exposto na Rio Boat Show de 9 a 15 de abril e depois ficará para o proprietário carioca. O quarto foi comprado por um empresário catarinense e mais dois serão iniciados em breve.

Vitrine no Rio

O fundador do estaleiro, Marcio Schaefer (E), e o vice-presidente, Pedro Phelippe (D), vão apresentar embarcações na Rio Boat Show. A estrela da marca é o Schaefer 800, que custa R$ 12 milhões. Além do iate gigante, outros modelos menores serão apresentados na mostra do Estado que tem o mercado náutico mais dinâmico da América Latina: Angra dos Reis com suas mais de 300 ilhas e mar amigável para navegar.

Conheça o superiate de luxo Schaefer 800, igual ao de Luciano Huck

22 de maio de 2013 0

Uma das empresas catarinenses inovadoras que apresentaram suas trajetórias de sucesso, na manhã de hoje, na Semana da Inovação e Competitividade da Fiesc é o estaleiro Schaefer, do empreendedor Márcio Schaefer. A atenção da plateia lotada foi cativada logo no início com a exibição de filme sobre o mais luxuoso e caro produto da companhia, o iate Schaefer 800, de 80 pés, igual ao que está sendo finalizado para o apresentador da Globo, Luciano Huck. A embarcação, que tem preço inicial a partir de R$ 12 milhões, mede quase 25 metros de comprimento, tem garagem para barcos e jet skis, três motores Volvo e quatro suítes.

 

A velocidade da Schaefer 620

 Outro destaque no evento, que também ganhou filme especial é a Schaefer 620, de 21 metros, cujo preço inicial é R$ 5,6 milhões. Os dois filmes foram feitos nas baías de Florianópolis, região onde está baseado um dos estaleiros da empresa.

 

Schaefer lança superiate

04 de fevereiro de 2013 0

Precursor do polo náutico catarinense, o empresário Márcio Schaefer lança quinta-feira o Schaefer 800, de 80 pés, um superiate com três motores. O estaleiro que fundou há 20 anos, o SchaeferYachts, é líder nacional. O evento será na nova fábrica, na cabeceira da Ponte Hercílio Luz, com vista privilegiada de Florianópolis.

O que diferencia o Schaefer 800?

Márcio Schaefer – Estamos lançando o primeiro barco de 80 pés da Schaefer. O casco veio da Leopard, da Itália, eu redesenhei toda a parte externa e o conceito novo. E a Pininfarina, escritório de design da Itália, desenhou a parte de interiores. É a conjunção de várias equipes. Ficou fantástico. É um barco muito rápido pelo tamanho, muito moderno, estável, esportivo, tem três motores volvo 1.200 HP, da Suécia. É um conceito novo de barcos desse tipo no mundo, mais leves e mais ecológicos. Leva menos combustível. O Schaefer 800 foi uma aposta muito ousada minha, um dos primeiros barcos do mundo a usar três motores nessa concepção. Existia um de quatro motores.

Como estão as comemorações dos 20 anos do estaleiro?

Schaefer – Completamos 20 anos em 22 de novembro. Completei 50 anos em agosto. Como tínhamos este barco para lançar e esta fábrica para inaugurar, não fizemos uma festa específica dos 20 anos. Todas as comemorações fazem parte da data. Vamos concluir a unidade em dois meses.

Qual foi o momento mais difícil e a melhor fase da empresa?

Schaefer – Os primeiros anos foram todos muito difíceis. Eu era projetista, mas tinha que fazer tudo. A grande virada comecou quando lançamos a lancha 34 e, principalmente, a 29, que foi um grande sucesso no Brasil. Numa feira, vendemos 40 unidades. Hoje, são quase 1,3 mil lanchas vendidas. Custa, ao consumidor, de R$ 350 mil a R$ 400 mil. Todo mundo sonha em ter uma e o valor de revenda é o mesmo.

A Schaefer é líder nacional. Quantos barcos fabricou até agora?

Schaefer – Até agora, fizemos perto de 3 mil barcos. Ano passado foram 189 e, este ano, a previsão é para algo perto de 200. Faturamos R$ 189 milhões em 2012 e projetamos crescer 10% este ano. Os preços dos nosso barcos vão de R$ 300 mil a R$ 10 milhões. O ano de 2012 foi fantástico. Lançamos uma lancha de 40 pés, a 365 e, no São Paulo Boat Show, mais a Phanton 62.

Por que quatro fábricas?

Schaefer – Há cinco anos, fizemos um plano para mudar o rumo da empresa e começamos a investir R$ 20 milhões. A intenção era ter uma fábrica só, em Biguaçu. Estamos terminando de executar esse plano, mas com quatro fábricas. Esta, de Florianópolis, foi instada onde era uma antiga pesqueira. Começamos a produzir em Biguaçu, mas batia a hélice na hora de sair no rio. Não temos condições de fazer um barco desses, uma “Ferrari” e na hora de lançar, sair arranhando o casco. Não conseguimos instalar tudo em Biguaçu por questões ambientais. Estou mudando para cá a administração, área comercial, engenharia e parte da produção.

E a vinda de fabricantes estrangeiros?

Schaefer – É uma vergonha. Quando comecei a fábrica não tinha nada, hoje geramos 800 empregos diretos. Em 2011, pagamos R$ 38 milhões em impostos. E nós temos um governo que, ao invés de vir aqui para saber o que precisamos para gerar mais imposto e mais empregos vai na Itália atrair fabricantes para competir conosco. Não sei se é incompetência, mas alguma coisa tem. As empresas não investiram o que prometeram e atrasaram entregas.

 Além do Luciano Huck, pode revelar outros clientes famosos?

Schaefer – Cerca de 90% das nossas vendas são para fora do Estado. A maioria dos clientes é do Rio, São Paulo e Minas. Tem os VIPs, que vêm de avião. O apresentador Luciano Huck já veio quatro vezes. É uma pessoa muito legal, está nos apoiando desde o início do projeto do 800. O barco dele, que é desse modelo, ficará pronto em março. O cantor Zeca Pagodinho, o técnico Mano Menezes e o empresário Michel Klein também estão entre os famosos que já compraram conosco.

Notas

 Arquitetura naval

 A vida do empresário Márcio Schaefer, 50 anos, está ligada ao mar. Nascido em Florianópolis, estudou no Colégio Catarinense e, depois, entrou no curso de Engenharia Mecânica da UFSC. Após três anos de greves, desistiu no sexto semestre e foi estudar arquitetura naval em Buenos Aires. Mais três anos lá e, depois, seguiu para países do Primeiro Mundo para conhecer mais o setor.

Os sem-lancha

Sobre a polêmica dos sem-lancha, Schaefer defendeu marinas mais ecológicas para comportar o crescimento do setor porque os ricos seguem comprando embarcações e a classe média também está aderindo.Casado com Raquel, o empresário tem como hobby navegar, mas, eventualmente, joga golfe (foto). Os projetos de barcos ele faz em casa.

Novo conceito

O Schaefer 800 (foto) tem desempenho excelente na navegação (velocidade de 28 a 30 nós) e baixo consumo de combustível, observa Marcio Schaefer, que liderou os testes. – Os três motores Volvo IPS 1200 provaram ser uma exelente escolha e o conjunto se mostrou imbatível.Lançamos novo conceito de barcos em nível mundial – afirma.

Schaeffer apresenta projeto do seu maior iate

17 de abril de 2012 0

O estaleiro catarinense Schaeffer Yachts aproveita a Rio Boat Show, que começou quinta e se encerra nesta quarta-feira, para apresentar o seu projeto mais ousado, a Schaeffer 800, de 80 pés, o primeiro superiate totalmente desenhado e fabricado no Brasil, na unidade de Biguaçu. A projeção é de que o novo barco será lançado em meados deste ano e já há três unidades encomendadas. O Rio Boat Show, maior mostra do setor da América Latina, acontece nos galpões do Píer Mauá, no centro do porto do Rio de Janeiro.

Ferrari de R$3,4 milhões é lançada no Festival Náutico de Balneário Camboriú

07 de setembro de 2015 0
Acioni Cassaniga, divulgação

Acioni Cassaniga, divulgação

Nem só iates e lanchas são atrações de peso no Festival Náutico Tedesco Marina, que se encerra terça-feira, dia 8, às 18 horas, em Balneário Camboriú. O ponto alto, domingo (06), foi o lançamento nacional de um carro luxuoso, a Ferrari 458 Speciale Aperta, que custa nada menos do que R$ 3,4 milhões no Brasil. Conforme Nei Tessari, diretor de Marketing da importadora Via Itália, foi uma oportunidade para o público acompanhar um evento exclusivo. Além de ser um luxo só, o carro acelera de 0 a 100 quilômetros por hora em três segundos.

Leia as últimas notícias

Grupo pede recuperação judicial para postergar dívida de R$ 148 milhões

17 de junho de 2015 0

As empresas First SA e Tiguana Comércio Eletrônico Lada., de Palhoça, que têm como principal controlador o empresário Natanael Santos de Souza, solicitaram recuperação judicial. Alegam dificuldades para pagar dívida de R$ 148,4 milhões. Entre os credores estão a indústria de iates de luxo Azimut Benetti e a Guga Kuerten Participações Ltda. Os maiores credores são bancos. A lista inclui Bradsco, Banrisul, Banco Fibra, Itaú, Safra, Santander e Votorantim. O advogado responsável pelo pedido de recuperação judicial é Anderson Onildo Socreppa, de Caçador. A publicação legal sobre a solicitação, com o nome de todos os credores e os respectivos valores, foi publicada ontem no jornal A Notícia. Os primeiros relacionados são os empregados das companhias. 

Em Santa Catarina, outras empresas pediram recuperação judicial nos últimos 12 meses. O escritório de Anderson Socreppa também é o responsável pelos processos da Teka, de Blumenau e da Binotto, de Lages.

Reprodução

Reprodução

 

 

Lançado centro em SC para gerar inovação ao turismo do país

20 de dezembro de 2014 0
Raquel Santi, divulgação

Raquel Santi, divulgação

A economia do turismo pode gerar um impacto ainda maior no Produto Interno Bruto (PIB) e no desenvolvimento social se contar com inovação, alta qualidade de serviços e de gestão. É com o propósito de impulsionar tecnologias e mais inteligência ao setor que foi lançado ontem, no Sapiens Parque, em Florianópolis, o primeiro Centro de Inovação em Turismo (Inovatur) para o país. Vai dar suporte para o desenvolvimento de software, hardware, geração de informações e pesquisas focadas em mercado, qualidade, gestão e incentivo a investimentos. Para o início das atividades, o Ministério de Turismo liberou R$ 1 milhão. O secretário nacional de Políticas de Turismo, Vinícius Lummertz, destacou o potencial de desenvolvimento tecnológico de empresas catarinenses. Também participaram do evento o secretário de Estado de Turismo, Felipe Mello, o superintendente do Sebrae-SC, Carlos Guilherme Zigeli, o diretor executivo do Sapiens, José Eduardo Fiates, a presidente do Floripa, Zena Becker, e a secretária adjunta de Turismo de Florianópolis, Luciane Camilotti.

Para o presidente da Santur, Valdir Walendowsky, a inovação ao turismo é muito ampla. Poderá incluir desde atrações locais exclusivas como Treze Tílias, que é uma cidade da cultura austríaca no Brasil, até produtos gastronômicos criados por um curso do segmento. A sede do Inovatur será no novo Centro de Eventos de Canasvieiras. Ontem já teve uma reunião de trabalho e outras serão feitas em janeiro. Na foto, Mello (E), Lummertz, Walendowsky e Fiates.

UFSC terá parque científico-tecnológico no Sapiens

13 de dezembro de 2014 1

A parceria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com o Sapiens Parque avança em função do acordo de cooperação aprovado por unanimidade pelo conselho da instituição quinta-feira. Com a decisão, a UFSC recebe área de 250 mil metros quadrados onde instalará um parque científico-tecnológico incluindo os três laboratórios que já tem no local – o Instituto do Petróleo, Energia e Gás (Inpetro), o Centro de Análise de Fármacos e o Laboratório Solar – e mais projetos. A decisão está sendo muito bem recebida pelos meios acadêmicos e empresariais porque a UFSC é apontada como a protagonista do polo tecnológico da Grande Florianópolis e propulsora da tecnologia em empresas de outras regiões do Estado e do Brasil.

Sem a universidade, a região não teria esse polo empresarial, comentou José Eduardo Fiates, diretor executivo do Sapiens Parque. A formalização do acordo coloca a UFSC como interveniente direta, juntamente com o Sapiens Parque, que é um empreendimento do governo do Estado fundado em parceria com a Fundação Certi. Agora, a UFSC terá um campus avançado dentro do Sapiens, plano que sempre teve apoio da reitora Roselane Neckel, do pró-reitor de pesquisa, Jamil Assereuy Filho. Também se empenharam muito pela parceria o presidente do Sapiens, Saulo Vieira e o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação, Diomário Queiroz.

Estado articula centro de inovação ao turismo

03 de dezembro de 2014 4
Foto: Marcos Porto, BD, 27/11/2014

Foto: Marcos Porto, BD, 27/11/2014

Com forte presença do turismo na economia – mais de 12% do PIB – e potencial de avanço ainda maior, Santa Catarina articula a instalação de um centro de inovação ao setor. A futura instituição, que deverá ser instalada no Sapiens Parque, no Norte da Ilha de SC, terá, entre as funções fazer estudos voltados ao desenvolvimento da atividade, apontar tendências, realizar projetos em parceria com o setor privado, apoiar o aprimoramento de gestão e até sediar uma incubadora de empresas ao setor.

Entre os mais envolvidos no projeto estão o presidente da Santur, Valdir Walendowsky; o diretor-executivo do Sapiens Parque, José Eduardo Fiates; e o secretário nacional de Políticas de Turismo do Ministério de Turismo, Vinícius Lummertz. Segundo Fiates, a nova instituição deverá ser instalada no ano que vem em ambiente do novo Centro de Eventos do Norte da Ilha. No futuro, terá uma sede própria. Inicialmente, atenderá o Estado, mas poderá ter atuação nacional.

Segundo Walendowsky, é um projeto estudado há tempos pelas lideranças do setor no Estado e poderá acelerar o avanço do setor em qualidade e receita. Um dos objetivos é incentivar empresas de tecnologia da informação e marketing para dar suporte ao setor. Essas empresas, mais tarde, podem ampliar sua atuação no país e no exterior.

O projeto tem até um pré-orçamento. A futura sede, que será feita próxima do Centro de Eventos, poderá receber investimento em torno de R$ 7 milhões e a manutenção do centro é estimada em R$ 2,5 milhões por ano (custos fixos). Considerando a vocação do Estado, que tem atrações turísticas em todas as regiões, trata-se de uma iniciativa inteligente. Afinal, Os turistas são disputados pelo mundo todo e quem surpreender mais, com mais qualidade, levará vantagem.

10% mais visitantes
A Santur projeta para a temporada de verão deste final e início de ano um acréscimo de 10% no número de visitantes frente ao mesmo período da virada do ano passado. Segundo o presidente da empresa, Valdir Walendowsky, a desvalorização do real frente ao dólar vai impulsionar a vinda de estrangeiros de países vizinhos e também de brasileiros, que já estão viajando menos ao exterior. Ele está animado com o aprimoramento dos serviços da operação verão, que será lançada amanhã.

WEG é eleita a 15ª melhor empresa do mundo em liderança

13 de novembro de 2014 0

A catarinense WEG, de Jaraguá do Sul, que atua com máquinas, equipamentos e soluções para energia e em outros segmentos, foi eleita a 15ª melhor companhia do mundo em liderança. É a única da América Latina a conquistar uma colocação no Top Companies for Leaders 2014, o mais importante estudo sobre liderança no mundo realizado pela Hewitt Associates, empresa internacional de consultoria em recursos humanos.

O estudo avalia como empresas escolhem, desenvolvem e mantêm seus líderes e determinam a correlação entre as práticas de liderança e os resultados financeiros.São considerados itens como estratégia de liderança, plano de ação, vínculo entre as práticas de liderança e a estratégia de negócios, envolvimento, diversidade da liderança, gerenciamento de sucessão, identificação e desenvolvimento de talentos, remuneração e gratificações. A WEG já recebeu essa distinção duas vezes, quando ela foi feita no Brasil. Esta é a oitava edição mundial.

Veja o ranking:

1. General Electric Company – EUA

2. International Business Machines – EUA

3. Hindustan Unilever Limited – Índia

4. General Mills, Inc. – EUA

5. ICICI Bank Ltd. – Índia

6. The Procter & Gamble Company – EUA

7. Colgate-Palmolive Co. – EUA

8. 3M Company – EUA

9. Novartis AG – Suíça

10. Mahindra Group – Índia

11. McDonald’s Corporation – EUA

12. Intel Corporation – EUA

13. Whirlpool Corporation – EUA

14. ArcelorMittal – Inglaterra

15. Weg AS – Brasil

16. Deere & Company – EUA

17. Eli Lilly and Company – EUA

18. DBS Group Holdings Ltd – Singapura

19. Royal Dutch Shell plc – Holanda

20. Singapore Telecommunications Limited – Singapura

21. Sonoco Products Co. – EUA

22. Sime Darby Berhad – Malásia

23. Cargill, Inc. – EUA

24. American Express Company – EUA

25. Raytheon Co. – EUA

Tecnologia genética contra bactérias

04 de setembro de 2014 1

A empresa Neoprospecta, startup do Sapiens Parque, de Florianópolis, especializada em identificação de focos de bactérias por meio de sequenciamento genético e outros serviços na área de qualidade, faz um trabalho voluntário no Hospital Municipal São José, de Joinville, para auxiliar no combate à bactéria KPC que causou algumas mortes de pacientes na instituição. O trabalho começou na semana passada e os primeiros resultados saem até segunda-feira, informa o presidente da Neoprospecta, Marcos Oliveira Carvalho.

A companhia, que já presta este serviço a oito hospitais do Brasil e também para empresas de alimentos e de medicamentos, foi a primeira a receber aporte do fundo gestor de recursos CVentures Primus, de Florianópolis, presidido por José Eduardo Fiates, que tem, também, capital da CRP – Companhia de Perticipações. Ontem, em evento, o CVentures oficializou aporte de R$ 4 milhões. Também acompanharam a apresentação executivos da Finep, BID/Somin, Banco Mundial e Banco de Desenvolvimento da América Latina.

Fundada por Marcos Oliveira Carvalho e Luiz Felipe de Oliveira quando faziam doutorado em Genética e Biologia Molecular na Universidade Federal do Rio Grande do Sul respectivamente, a Neoprospecta já conta com 15 colaboradores, sendo sete doutores e dois mestres. Ela acaba de inaugurar um laboratório de ponta no Centro de Fármados do Sapiens Parque.

Governo vai propor marco legal ao setor náutico

12 de abril de 2014 4

Schaefer620Enquanto o Rio de Janeiro, especialmente Angra dos Reis, reúne o maior número de milionários e iates da América Latina porque o turismo e o lazer náutico não têm obstáculos por lá, o belo litoral catarinense conta com atividade tímida no segmento apesar de o turismo já representar mais de 13% do PIB do Estado. O novo secretário de Turismo, Cultura e Esporte, Filipe Mello, colocou como um dos principais desafios da sua gestão elaborar e aprovar uma legislação que permita investimentos em equipamentos náuticos em Santa Catarina. Segundo ele, o governador Raimundo Colombo recomendou a ele trabalhar para tornar essa legislação uma realidade.

- Nosso problema é a falta de um marco legal, ou seja, de leis que regulamentem este setor. Estou constituindo um grupo que vai trabalhar rápido para apresentar uma porposta de marco legal a ser aprovada, viabilizando investimentos públicos e privados – disse Filipe Mello.

Segundo ele, o grupo vai elaborar a lei e ouvir todas as autoridades competentes, incluindo o Ministério Público Estadual e Federal. Conforme o secretário, há empresários do Estado, do país e do exterior interessados em investir no litoral catarinense. O maior problema é que faltam leis. A indústria náutica de SC, embora recente, é a mais desenvolvida do país. Faltam marinas aqui.

Na foto, o iate de 62 pés do estaleiro Schaefer Yatchs, da Grande Florianópolis.

Foto: Schaefer, divulgação

DNA para melhorar a saúde e a economia

04 de abril de 2014 1

DNAA economia catarinense entra em nova fase na área de biotecnologia com a instalação de equipamento que permite o sequenciamento de DNA e outras informações em larga escala. A empresa Neoprospecta, do Sapiens Parque, de Florianópolis, anunciou ontem a instalação de uma supermáquina (foto) adquirida nos EUA que permite a análise na área de diagnóstico microbiológico, podendo sequenciar genomas completos de bactérias, fungos, plantas e e de pessoas. Esses testes podem aprimorar serviços de saúde como a prevenção de infecções em hospitais, clínicas e consultórios, e o controle de qualidade de alimentos em empresas, informou o presidente da Neoprospecta, Marcos de Carvalho. Fundada em Porto Alegre em 2010 por dois profissionais de biotecnologia, a empresa veio para o Sapiens em 2013 a convite do diretor executivo do empreendimento, José Eduardo Fiates. Hoje tem quatro sócios e equipe de 12 profissionais, dos quais cinco são doutores, três são mestres e os demais têm outras formações científicas.
– A empresa atuará em duas frentes. Uma de diagnóstico molecular de microorganismos, onde a gente usa sequenciamento de DNA em larga escala, podendo atender desde grandes instituições de sáude que tenham necessidade de realizar análise de qualidade ambiental ou de controle de infecções, até o atendimento a pessoas físicas. Outro núcleo de negócios vai envolver a descoberta de novas moléculas da diversidade brasileira para medicamentos – explica Carvalho.
Conforme o empresário, esse equipamento é o primeiro do hemisfério sul com essa capacidade de sequenciamento de DNA. Além disso, a empresa está comprando outra máquina que determina, por exemplo, em apenas duas horas, bactérias resistentes a antibióticos. Entre as empresas que já estão fazendo projetos com a Neoprospecta estão o Hospital SOS Cárdio, de Florianópolis e uma instituição hospitalar de Curitiba. Carvalho revela que o hospital curitibano está aprimorando o controle de infecções com a ajuda da empresa. Ele conta que um leito da UTI causava mais problemas e as análises apontaram que as bactérias ficavam alojadas no colchão. As mudanças foram providenciadas e o problema desapareceu.
Fundada com os recursos de dois prêmios científicos conquistados por Carvalho, que é farmacêutico e tem doutorado em genética, e Luiz Felipe de Oliveira, biólogo que está concluindo doutorado em genética, a Neoprospecta conseguiu comprar um equipamento de ponta porque contou com a ajuda de um investidor anjo. O próximo passo será a busca de recursos de um fundo de venture capital do Estado, o SC Ventures, para investir mais.O site da companhia está em construção e, por enquanto, há apenas a versão em inglês, o www.neoprospecta.com. Uma opção para contato é o e-mail marcos@neoproscta.com

Foto: Neoprospecta, divulgação

Estaleiro faz exposição de barcos

29 de março de 2014 0

O estaleiro Schaefer realiza hoje e amanhã, na sua sede da cabeceira da ponte Hercílio Luz, a partir das 10h, o Schaefer Yachts Show. Mostra lanchas para quem gosta de navegar. A estrela é o último lançamento, o iate de 80 pés.

SC convida a BMW Designworks para ser âncora do Sapiens Parque

31 de outubro de 2013 1

bmwdesignworks

 

O grupo BMW vai decidir no primeiro trimestre do ano que vem se instala no Brasil uma unidade da sua empresa de desenvolvimento de design, a BMW Group Designworks. A informação é do secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen que visitou ontem a matriz da companhia em Newbury Park, na Califórnia, EUA, perto de Los Angeles (foto). Ele esteve acompanhado do diretor-executivo do Sapiens Parque, José Eduardo Fiates e ambos convidaram a companhia ser a âncora do parque tecnológico no Norte da Ilha de Santa Catarina.

De acordo com o secretário, há 80% de possibilidade de a empresa optar por instalar unidade no Brasil e, como a sede latino-americana da montadora é no Estado, as chances são grandesde SC receber a filial de design. Fiates (E) e Bornhausen (segundo à direira) foram recebidos pelo diretor global de Parcerias Estratégicas e Consultoria Criativa da BMW Group Designworks, Alex Bernstein (segundo à esq.) e o diretor de Parcerias Estratégicas do grupo nos EUA, Peter Falt (D). Executivos da empresa devem fazer uma visita ao Sapiens até janeiro.

A BMW Designworks USA é a sede da empresa que tem escritórios em Munique, Xangai e Singapura. No seu quadro de pessoal conta com designers, engenheiros, especialistas multimídia e modeladores. Em 2010, foi eleita a empresa mais inovadora emdesign do mundo por publicação dos EUA. Além da BMW, ela cria para a Airbus, Embraer, Boeing Business Jet, Whirlpool, Microsoft, Nokia, Addidas, Samsung, Starbucks. Os fortes clientes de fora do grupo colaboram para dinamizar a inovação na empresa que foi fundada em 1971 e em 1995 foi adquirida totalmente pela BMW.

 

 

Itália quer investir mais no setor náutico de SC

19 de novembro de 2012 5

A indústria náutica catarinense poderá alcançar, em breve, a liderança no Brasil. É com esta visão que o diretor-geral do Ministério Italiano do Desenvolvimento Econômico, Pietro Celi, esteve no Estado, nos últimos dias, participando de seminário na Exponáutica, em Biguaçu. O foco foi fomentar joint ventures de empresas da Itália e de SC.

Por que a Itália busca parceria com o setor náutico de Santa Catarina?
Pietro Celi
– A Itália detém uma posição importante no setor náutico, o primeiro ou o segundo lugar em nível mundial. O país tem excelência na produção de lanchas e iates, incluindo projeto, design, construção de embarcações, acabamentos internos e acessórios. Neste momento em que a náutica de países mais ricos enfrenta dificuldades, a Itália se destaca em megaiates, embarcações com 25 metros ou mais. Este ano, deverão ser produzidos no mundo, 700 unidades dessas embarcações, e 50% estão sendo feitos em estaleiros italianos. Nos últimos cinco ou seis anos, a Itália tem mantido a liderança na produção desses megaiates. Santa Catarina apresenta potencialidade significativa na náutica de lazer. E, neste momento em que o Brasil está consolidando o seu crescimento econômico, o Estado, é o segundo maior polo náutico do país, atrás de São Paulo. Com investimento, colaboração, tecnologia e know-how italianos, o Estado pode se constituir no primeiro polo de indústria náutica do Brasil.

Duas empresas italianas já produzem aqui, a Sessa Marine e a Azimut. Outras poderão vir para produzir em SC?
Celi
– É este o objetivo pelo qual estamos conversando com o governo catarinense e buscando parceria com o setor privado. Depois da experiência dos investimentos – Azimut-Benetti e Sessa Marine –, vemos uma condição favorável para que outras empresas italianas possam investir em SC. Investir significa produzir aqui e não importar da Itália. A intenção é produzir tudo, inclusive peças e equipamentos.

Como está o setor náutico italiano nesta fase de crise europeia?
Celi
– Neste momento, o ponto positivo são as exportações do setor. Cerca de 55% da produção italiana está sendo vendida fora do país. Os maiores compradores são os Estados Unidos, países do Mediterrâneo e o Brasil, que é um dos cinco ou seis melhores mercados do setor. O Brasil importou cerca de US$ 200 milhões, no ano passado, em iates e lanchas. Desse total, cerca de US$ 80 milhões foram relativos a megaiates feitos na Itália.

Santa Catarina tem interesse em parcerias com outros setores da economia italiana, entre os quais moda, alimentos, móveis, máquinas e infraestrutura. Há interesse de empresas do país em investir mais aqui?
Celi
– Temos produtos excelentes nos setores de alimentos, mobiliário, moda e outros. Mas é difícil vender ao Brasil em função dos altos impostos e taxas para importação. Exportamos muitas máquinas, especialmente ao setor têxtil. Temos interesse em investir mais em infraestrutura, obras para a Copa e Olimpíada. Uma empresa italiana que já atua em obras da Copa é a Tecnogym, líder mundial em equipamentos para academias.

A economia italiana está em recessão. Quando voltará a crescer?
Celi
– O período de maior dificuldade já passou. Hoje, a economia da Itália está numa fase de recuperação, e a expectativa é de que, a partir da metade do ano que vem volte a crescer, inicialmente 0,5%.

A Itália, a exemplo dos EUA e outros países, tem muitas indústrias produzindo na Ásia, o que reduz a atividade econômica nas suas matrizes. Nos EUA, se fala em trazer parte da produção de volta. A Itália pode fazer o mesmo?
Celi
– A Itália transferiu uma parte da produção para outros países, mas teve o cuidado de manter as atividades mais diferenciadas para ter competitividade e manter ocupações. Se faz no nosso país o design, a criação. Quando houver condições econômicas melhores do que as atuais, a expectativa é de que as empresas voltem a produzir mais na Itália.

Notas

De Messina

Pietro Celi nasceu na cidade de Messina, Sicília, Sul da Itália. É graduado em Ciências Políticas na Universidade de Messina, com foco em política internacional. Ingressou no Ministério de Relações Exteriores e, mais tarde, cursou a conceituada Escola Nacional de Administração (ENA) da França. Segundo ele, essa instituição proporcionou uma diferenciação significativa na sua formação.

A propósito, a Esag de Florianópolis tem uma filial da ENA.

Na OMC e OCDE

Entre os trabalhos que Pietro Celi desenvolveu, sempre na carreira pública, estão negociações para a Itália no âmbito do GATT, atualmente a Organização Mundial do Comércio (OMC) na área de serviços. Depois, foi representante da Itália na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), encarregado dos contatos com a América Latina, especialmente com o Brasil. Hoje, no ministério, trata da colocação de produtos italianos e promoção de empresas do país no exterior.

Navegar é preciso

Natural de uma cidade à beira-mar, Pietro Celi diz que é apaixonado pelo mar. Revela que tem uma pequena embarcação para navegar em Messina. Em SC, ele conheceu a lancha C40 (foto), feita pela italiana Sessa Marine com a Intech Boat, de São José. A joint venture já produziu 35 embarcações este ano. Ele aproveitou para fazer um passeio marítimo na região de Florianópolis.

Grupos de peso

Pietro Celi mostra orgulho ao falar sobre a presença de grandes grupos italianos no Brasil. Cita a Fiat e a fabricante de pneus Pirelli, que são consideradas empresas brasileiras. Recentemente, ele esteve em Minas Gerais para a inauguração de uma expansão da Fiat. A montadora atingiu a liderança nacional, com 23% do mercado.

Por que a parceria SC-Itália

16 de novembro de 2012 0

Com tecnologia de ponta em iates de luxo e uma ampla gama de fornecedores, o setor náutico italiano busca aproximação com o mercado emergente mais promissor no segmento, o do Brasil. Santa Catarina, que tem um polo náutico crescente, sai na frente nessa parceria. A Acatmar, Associação Catarinense de Marinas, Garagens Náuticas e Afins está firmando uma associação com a Ucina, a associação náutica italiana. Hoje, o ministro do Desenvolvimento Econômico da Itália, Pietro Celi, será palestrante em seminário promovido em parceria com o Sebrae-SC e o governo catarinense, hoje à tarde, na Exponáutica, em Biguaçu. O objetivo é fomentar joint ventures entre empresas italianas e do Estado, tanto para a comercialização de produtos, quanto na produção de lanchas e iates. O diretor da agência ICE – Instituto Italiano para o Comércio Exterior, Giovanni Sacchi, também vai participar.

A aproximação avançou com a visita do secretário de Infraestrutura, Valdir Cobalchini, à feira náutica de Gênova. O presidente da Acatmar, Mané Ferrari, que também participou, disse que recebeu 57 representantes de empresas italianas no evento. Segundo ele, a parceria SC-Itália pode incluir fornecimento de peças, produtos de iluminação, carretas, maquinário para puxar embarcações e produção aqui por meio de joint venture. Dois negócios italianos já avançam no Estado: a unidade da Azimut, em Itajaí, que deverá montar lanchas, e a joint venture da Sessa Marine com o estaleiro Intech Boating, de Palhoça.

Sonho de navegar

09 de outubro de 2012 0

O Fibrafort, de Itajaí, maior estaleiro brasileiro em número de lanchas, vendeu nada menos do que 82 novas unidades no São Paulo Boat Show. O total negociado foi recorde e como mais vendas são fechadas após o evento, o total poderá chegar a cem unidades. Isso mostra que mais brasileiros estão realizando o sonho de navegar com iate próprio. Entre os modelos mais vendidos está a lancha Focker 265i. Segundo a empresa, os negócios totalziaram R$ 267 milhões, cifra bem superior, aos R$ 47 milhões da edição do ano passado. A Fibrafort lançou no evento a lancha F400 Sport Coupe.

União para viabilizar a instalação da fabricante de aviões Novaer em SC

03 de setembro de 2012 0

O grande número de autoridades e empresários no ato de assinatura do protocolo de intenções da empresa Novaer Craft, para instalar unidade em Lages, Santa Catarina, hoje, na Fiesc, mostra que Santa Catarina está unida para viabilizar o sucesso do investimento e conta com apoio do governo federal. Além do presidente da companhia, Graciliano Campos, estiveram o governador Raimundo Colombo; o ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antônio Raupp, o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte e o presidente da SCPar, Paulo Cesar da Costa. Hoje instalada em São José dos Campos, a empresa mudará para SC e trará uma série de fornecedores. Terá um laboratório em Florianópolis e vai fazer testes com suas aeronaves nos dois aeroportos ociosos da região, o de Lages e o de Correia Pinto. O empresário Cesar Olsen, da Olsen Odontomédica, de Palhoça, e apaixonado por avïões, foi o principal articulador para atrair o investimento ao Estado. O setor de tecnologia e formação na área também estava bem representado no evento. Entre as presenças, o professor Carlos Schneider, presidente do conselho da Fundação Certi, e o diretor da fundação, José Eduardo Fiates.