Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "empresas"

Empresa catarinense fica entre as 10 melhores para se trabalhar em TI

10 de agosto de 2015 1

Por Julia Pitthan*

Foto: RD, Divulgação

Foto: RD, Divulgação

A Resultados Digitais (foto), com sede em Florianópolis, foi a catarinense mais bem colocada no ranking das 100 Melhores Empresas para Trabalhar em TI no Brasil, anunciado sexta-feira pelo GPTW. O levantamento contou com a participação de 251 companhias, representando mais de 202 mil funcionários. A empresa, que oferece estratégias de marketing digital para outras companhias alavancarem as vendas, tem mantido um ritmo de crescimento acelerado nos últimos anos. Em julho, o fundo RedPoint aportou R$ 15 milhões na Resultados Digitais.

tabela

Leia as últimas notícias

* A colunista Estela Benetti está em férias até dia 19 de agosto, neste período a jornalista Julia Pitthan assume como interina.

Crise já afeta micro e pequenas empresas em Joinville

04 de agosto de 2015 0

Por Julia Pitthan*

Pesquisa feita pela ContaAzul, de Joinville, com mais de 5 mil micro e pequenas empresas apontou que, para 75% delas, a crise já impactou negativamente os negócios no primeiro semestre.

Endividamento cai, mas inadimplência dos catarinenses permanece elevada, aponta Fecomércio SC
Pela primeira vez, intenção de consumo dos catarinenses cai para o grau de pessimismo
Leia as últimas notícias

* A colunista Estela Benetti está em férias até dia 19 de agosto, neste período a jornalista Julia Pitthan assume como interina.

Café Cultura abre no Acate Primavera e sócios pensam em expansão

25 de julho de 2015 0
Foto: Paulo Sefton, Divulgação

Foto: Paulo Sefton, Divulgação

Animados com o mais novo restaurante, aberto na Acate Primavera, na SC-401, em Florianópolis, os sócios do Café Cultura Sandra Melo (E), Joshua Stevens e Luciana Melo já pensam em expansão. No primeiro semestre do ano que vem a marca vai ingressar no mercado gaúcho, com uma unidade franqueada em Porto Alegre. O Café Cultura está em negociações e busca parceiros para abrir bistrôs também em Criciúma, Joinville e Blumenau.

Leia as últimas notícias

Saúde e empresas

30 de setembro de 2014 0

Especialista americano em saúde e competitividade nas empresas, Sean Sullivan faz palestra amanhã, às 12h30min, na Fiesc, sobre qualidade de vida e competitividade global. O evento é promovido pelo Sesi/SC, que organiza o Encontro Mundial de Qualidade de Vida, que será dias 18 e 19 de maio do ano que vem em Florianópolis. Sullivan é presidente do Institute for Health and Productivity Management (IHPM) e da Workplace Wellness Alliance (WWA).

Parceria de empresas com universidades em pesquisas para inovação

19 de setembro de 2014 0

É crescente a procura de empresas por parcerias em pesquisas com universidades, informa a presidente do Conselho Nacional de Fundações de Apoio a Universidades, Suzana Montenegro. Segundo ela, são inúmeras as oportunidades porque as instituições de já têm os pesquisadores preparados e os laboratórios, o que agiliza pesquisas para a inovação. O conselho está reunido em Florianópolis para fazer planejamento estratégico. O anfitrião é Mauro Fiuza, da Fepese.

Multinacional

01 de setembro de 2014 0

A Tupy, de Joinville, foi destaque na lista da Fundação Dom Cabral sobre as empresas brasileiras mais internacionalizadas. A empresa é a 12ª no ranking das 30 mais presentes lá fora. Ficou à frente da Vale, Tigre, WEG e Embraer. O estudo avalia receita, ativos e empregados no exterior.

O presidente da Tupy, Luiz Tarquínio, diz que isso reflete a estratégia de internacionalização da empresa que obteve 72% da receita lá fora com exportações a 40 países e as duas fundições que adquiriu no México em 2012.

COM FRANQUIA
O ranking da Dom Cabral também apura as franquias mais internacionalizadas. A catarinense em maior destaque é a Hering, que aparece em 6º lugar. A primeira é a Localiza.

Sebrae seleciona empresas interessadas em exportar aos EUA e ter uma sede por lá

19 de agosto de 2014 0

Com o objetivo de impulsionar a internacionalização de empresas catarinenses o Sebrae-SC oferece oportunidades no maior e mais desejado mercado do mundo, os EUA. A instituição está selecionando 50 micro e pequenas empresas para participar de programa que inclui a oferta de uma sede em Fort Lauderdale, na Flórida. Por meio do programa Exporta SC, vai oferecer treinamentos, assistência jurídica, administrativa, fiscal, de logística, marketing e daptação do modelo de negócio de acordo com o perfil americano.

A estrutura disponível para as empresas instalarem sede nos EUA é um espaço coletivo com escritórios e área para armazenamento de produtos para serem usados como amostras aos potenciais clientes. Empresas interessadas em participar devem se inscrever até o dia 29 deste mês no site www.exportasc.com.br.

Segundo o gerente da unidade de Gestão Estratégica do Sebrae-SC, Marcondes da Silva Cândido, mais de 600 micro pequenas empresas catarinenses atendidas pela instituição têm produtos ou serviços que podem ser exportados. Desse grupo estão sendo selecionadas 200 e, depois, serão escolhidas 50. Ele explica que não há uma limitação por setores. Basta a empresa contar com produtos ou serviços diferenciados que sejam atrativos ao mercado internacional.

Video mostra propostas da Fecomércio, que representa 400 mil empresas de SC

18 de agosto de 2014 0

A Federação das Empresas de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio-SC), que representa 400 mil empresas que atuam com mais de 1 milhão de trabalhadores, empossou sábado à noite, no Costão do Santinho, sua nova diretoria para mandato de quatro anos, tendo à frente o empresário Bruno Breithaupt, de Jaraguá do Sul. No evento, que reuniu lideranças econômicas do Estado e de outras regiões do país, a entidade mostrou porque está se destacando nos serviços aos seus associados e à comunidade e como vai avançar ainda mais.

Confira no vídeo o evento e depoimentos sobre a atuação da entidade:

Empresas notáveis de SC

15 de agosto de 2014 0

Dezenove empresas catarinenses estão entre as 250 que mais cresceram no Brasil em 2013. Duas delas, de tecnologia, ligadas à Acate, são destaques no ranking da Exame PME. A Welle Laser foi a 1ª colocada geral. A Cianet, segunda melhor catarinense, ficou em 53º lugar.

Fórum trata de soluções para gás natural

06 de agosto de 2014 0

A falta de gás natural na região Sul está fazendo com que dezenas de empresas optem por investir em outras regiões, especialmente o Nordeste. Para discutir soluções a esse assunto, vão se reunir hoje à tarde, na Fiesc, representantes do Fórum Industrial Sul, que é integrado pelas federações industriais dos três Estados, mais a CNI, além da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace). Será apresentado um estudo sobre o impacto da falta de gás na economia e a Abrace apresentará o Projeto+Gás, que discute o insumo na matriz energética brasileira.

Guerra fiscal

30 de julho de 2014 0

O Estado de São Paulo apresentou ao STF ações questionando guerra fiscal de diversos Estados, incluindo SC. Carlos Roberto Molim, diretor de Administração Tributária da Fazenda catarinense disse que SP questiona incentivo a empresas de tecnologia (hardware). Mas sem esses incentivos,  a tendência é a concentração do setor no Sudeste. A intenção de SP é acelerar o fim da guerra fiscal.

Conectados

28 de julho de 2014 0

O jornalista Marcos Espíndola, ex-colega aqui no DC da coluna Contracapa, é o novo sócio da 1click, agência de notícias multimídia de Florianópolis especializada na produção de Web TV para empresas.  Vai dividir com Tatiana Kinoshita e Everton Medeiros a proposta de desenvolver conteúdo também para web rádio.

Acij recebe os presidentes da Celesc e da Fiesc hoje

28 de julho de 2014 0

A Associação Empresarial de Joinville recebe hoje, no final da tarde, os presidentes da Celesc, Cleverson Siewert, e da Fiesc Glauco José Côrte. Cleverson participará de uma reunião fechada com a diretoria da entidade, às 18h, Vai falar sobre o índice de reajuste da tarifa de energia do Estado, que vai vigorar a partir de 7 de agosto. Diversas indústrias do município são intensivas em energia e avaliam se vão suportar custo 20% maior do insumo.

Depois, às 18h30min, o presidente da Fiesc falará na reunião aberta da entidade, sobre as expectativas da indústria no segundo semestre do ano.

Este post foi corrigido. A versão anterior indicava que ambos falariam na reunião aberta, já que tinha sido publicada nota anterior falando do tema de Glauco Côrte.

Leia mais:
::: Celesc solicita reajuste de 20,49% nas contas de energia

Aemflo faz 30 anos de atuação voltada à comunidade e empresas

27 de julho de 2014 0

 

Foto:

Foto: Cristiano Estrella

À frente do evento que comemorou, ontem à noite, os 30 anos da Aemflo, a Associação Empresarial da Região Metropolitana de Florianóplis e os 15 anos da CDL de São José, o presidente das duas entidades, Marcos Souza (foto), destacou os valores das duas entidades. Segundo ele, a atuação é pautada no bem da comunidade e da classe empresarial, sempre com independência política.

Mobilidade regional
Além dos serviços aos associados, a Aemflo cobra soluções efetivas para a mobilidade urbana da região. Segundo Marcos Souza, além do contorno na BR-101, é preciso duplicar a Via Expressa e fazer mais uma ligação à Ilha. Para ele, um modelo de transporte coletivo de referência é o da Alemanha, com vários modais.

Empresas lucram com a venda de energia

23 de julho de 2014 0

Santa Catarina pode ter empresas que estão ganhando com a venda de energia ao invés de usar o insumo para produzir. A informação é do diretor Comercial da Celesc, Eduardo Cesconeto, que disse não poder revelar quantas nem quais são.

Ele explica que isso acontece quando o Preço da Liquidação das Diferenças é muito superior a tarifa de compra desta energia. Pode ocorrer pela venda direta a algum consumidor  livre e/ou pela liquidação na Câmara de Compensação de Energia Elétrica (CCEE).

Os negócios foram mais vantajosos quando o preço do MWh era de R$ 806,97, em maio. Agora, está em torno de R$ 206 no Sul do país.

Empresas se voltam à energia alternativa

23 de julho de 2014 0

A indústria do país pretende aproveitar mais oportunidades de geração de energia limpa com a instalação de usinas solares e eólicas em seus parques fabris. O tema será abordado hoje à tarde na reunião do Conselho de Política Industrial da CNI com palestra do presidente do Instituto para o Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (Ideal), Mauro Passos, que foi convidado pelo presidente do Sistema Fiesc, Glauco José Côrte. As projeções apontam que as Américas vão investir nessas fontes alternativas cerca de US$ 1,3 trilhão até 2030, informa Passos com base em dados da Bloomberg. Só em energia solar serão 100 GW.

–A indústria quer conhecer melhor os cenários e as oportunidades porque a oferta de energia passa por uma fase de incertezas, diante de preços elevados – afirma Passos.

Segundo ele, as empresas podem instalar usinas solares ou aerogeradores. Isso reduz os custos e melhora a oferta. Além de empresas de diversos setores, cresce também o interesse do governo em investir no setor. Um impulso virá do leilão de outubro, que pretende acolher 860 MW em parques solares.

O Estado se destaca na geração solar. Tem a maior usina solar urbana, a da Eletrosul, e a maior em área aberta, no Sul do Estado, que tem entre os parceiros a Tractebel. A GM de Joinville tem usina solar e a Ciser planeja o mesmo. Uma unidade solar para residência custa de R$ 10 a R$ 15 mil e oferece retorno em oito anos. Além disso, aumenta numa maior média o valor de mercado do imóvel.

As razões do sucesso da WEG

03 de março de 2014 0

O ingresso dos fundadores da multinacional WEG entre os bilionários da Forbes não surpreende quem conhece o consistente e diversificado negócio do grupo catarinense. Líder mundial em motores elétricos, foi fundado há 52 anos por três sócios cujas iniciais formam a marca da empresa: Werner Voigt é o W, Eggon João da Silva, o E, e Geraldo Werninghaus o G.

A partir do convite de Eggon, os amigos de Jaraguá do Sul decidiram unir capital equivalente a três fuscas (hoje cerca de R$ 90 mil) e passaram a fabricar motores elétricos. Eggon, que era o administrador, me falou em entrevista anos atrás que entre as principais razões do êxito da empresa estavam a oferta de produtos de qualidade e o cumprimento do prometido aos clientes. Outro ponto citado por ele foi a continuidade da sociedade. Sempre que surgia um obstáculo, o assunto era discutido em conjunto e encontrada a melhor solução para o sucesso do negócio.

Um divisor de águas para a WEG, nos primeiros anos de atividades, foi uma viagem que os fundadores fizeram à Alemanha, quando conheceram o modelo industrial do país europeu, calcado na educação técnica. Quando retornaram, fundaram o Centro WEG de formação de profissionais para a empresa, que garantiu um salto à companhia. A propósito, foi lá também que fez curso técnico Décio da Silva, filho de Eggon que presidiu a WEG por 18 anos quando ela cresceu numa média de 20% ao ano.

Vale destacar que Eggon, que tem no seu currículo ainda a recuperação da Perdigão quando essa estava falindo em 1992 e hoje resultou na BRF, estabeleceu com os sócios da WEG  oito princípios para nortear os negócios, na linha do   atendimento das necessidades dos clientes, treinamento e motivação de colaboradores e respostas rápidas ao mercado.

Hoje com gestão profissional e receita líquida de R$ 6,8 bilhões (em 2013), o grupo cresce no Brasil e exterior com aumento da produção e diversificação. Uma das maiores expansões está na área de energia limpa. Pela série de soluções oferecidas, tudo indica que a WEG seguirá trajetória consistente e acumulará mais bilhões aos seus discretos sócios que, por orientação dos fundadores, evitam exibir riqueza e investem mais em negócios que impulsionam a economia. Só para citar dois exemplos, enquanto a família Silva comprou e modernizou a Oxford, de São Bento do Sul; a Werninghaus abriu uma instituição de microcrédito, o Juriti Microfinanças; e a Voigt investe em construção.