Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "IBGE"

Volume de vendas cai 0,4% no Estado

18 de setembro de 2015 0

Pesquisa mensal do IBGE sobre o comércio apontou que no mês de julho o volume de vendas do varejo catarinense caiu 0,4% frente ao mês anterior e, na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve alta de 3,9%, terceiro melhor resultado do país, atrás somente de Roraima, que cresceu 6,7%, e de Sergipe, que avançou 5,2%. Mas no varejo ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, houve queda de 5,2% no Estado. No caso das vendas frente ao mês anterior, SC ficou em 10º lugar, com baixa variação, a exemplo do que ocorreu na maioria dos maiores Estados brasileiros.

No Brasil, o volume de vendas caiu 1% em julho frente a junho e recuou 3,5% frente ao mesmo mês do ano passado. Segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC), a queda deste ano deverá chegar a 2,9%. As principais causas do recuo do comércio são a falta de confiança do consumidor, endividamento e juros altos.

Apesar da melhor condição de SC, a crise nacional preocupa, afirma o presidente da Fecomércio, Bruno Breithaupt. Pela condição das nossas cidades, bem estruturadas economicamente, temos um diferencial em relação a outros Estados. A queda nas vendas é menor aqui. Mas estamos apreensivos com os problemas políticos e econômicos do país afirmou Breithaupt.

Leia as últimas notícias

Entrevista com o novo presidente da FCDL, Ivan Tauffer

10 de setembro de 2015 0
Felipe Carneiro

Felipe Carneiro

Impactos da recessão e a posse da diretoria da federação das CDLS (FCDL/SC) estão na agenda da 46ª Convenção Estadual do Comércio Lojista, a partir desta quinta-feira (10) à noite, no Costão do Santinho, em Florianópolis. Confira a entrevista do novo presidente da FCDL Ivan Tauffer.

A FCDL/SC abre a convenção com 1,2 mil lojistas. O momento difícil atraiu mais empresários?

Nossas convenções sempre são com muitos lojistas em função dos temas abordados. Desta vez, teremos palestras sobre os rumos da economia brasileira e o futuro do varejo. A crise preocupa.

Hoje acontece a posse festiva da diretoria. O setor estava dividido na eleição. Isso passou?

Não houve uma divisão. Aconteceu um processo normal de democracia. Tivemos dois candidatos e a eleição foi disputada. Os lojistas estão unidos.

Como a crise impacta o varejo?

O IBGE apontou que no primeiro semestre o varejo vendeu 2,2% menos comparado com o mesmo semestre de 2014. É a maior baixa para o período desde 2003. Em SC, números do SPC (crediário e cheques pré-datados) mostram que no primeiro semestre tivemos queda de 6,49% . Os itens que mais pesaram na redução foram móveis e eletrodomésticos. Há setores em alta como perfumaria e salões de beleza.

E a inadimplência?

Santa Catarina é diferente, tem uma das menores taxas de inadimplência do Brasil. Não sei se é porque temos mais de 94% de microempresas. Isso faz com que o dinheiro circule mais, a crise demora mais para chegar no Estado e a recuperação é mais rápida.

De que forma o empresário lojista está reagindo à recessão? A maioria está esperando para ver o que vai acontecer. A gente espera que a economia brasileira retome o crescimento no segundo semestre do ano que vem. Para o próximo Natal, consideramos possível uma queda de -1% nas vendas ou um empate frente ao mesmo período do ano passado.

Leia as últimas notícias

Recessão e falta de rumo preocupam Santa Catarina

29 de agosto de 2015 0

Apesar de ser um dos Estados menos atingidos pela crise econômica, Santa Catarina começou a sentir mais os efeitos negativos da recessão técnica oficializada ontem pelo IBGE, com queda de 1,9% no PIB do segundo trimestre. Os principais indicadores econômicos do Estado foram negativos no período, mas um que sintetizou a piora do quadro foi o Índice de Atividade Econômica Regional (IBCR-SC), considerado uma prévia do PIB. Para SC, ele foi positivo no primeiro trimestre, mas negativo nos três meses do segundo trimestre (- 0,15 em abril; – 0,38 em maio e – 0,75 em junho).

Com economia diversificada e uma ajuda do dólar alto, o Estado deverá seguir com índices melhores do que a média nacional, mas o que preocupa é a falta de rumo para a economia nacional. São muitos os problemas, mas o governo de Dilma Rousseff ajudaria se não tentasse elevar a carga tributária, cortasse mais gastos públicos correntes e criasse condições efetivas para a volta dos investimentos nacionais e internacionais.

Mesmo com as projeções de que a economia ainda vai piorar, SC poderá seguir com desempenho acima da média com o impulso cambial. O dólar alto vai permitir elevar as exportações e reduzir as importações. Isso aquecerá um pouco a indústria estadual.

Leia as últimas notícias

Carvão, tecnologia e outros destaques desta quarta-feira

26 de agosto de 2015 0

Ao assumir na terça-feira (25) a presidência da Frente Parlamentar do Carvão Mineral, o senador Paulo Bauer planejou ações de apoio ao setor na Região Sul. Segundo ele, o ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga, disse que o país precisa ampliar a geração a carvão e que vai agendar visita ao Sul de SC. E o ministro do Trabalho, Manoel Dias, contou que trabalhou no setor quando criança e destacou o avanço do Centro Tecnológico de Carvão Limpo, em Criciúma.

Armínio em jaraguá

O economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central que também foi o nome escolhido pelo candidato Aécio Neves para ser ministro da Fazenda, faz palestra nesta quinta-feira (27) à noite no 59º Encontro Empresarial de Jaraguá do Sul. O evento é organizado pela Acijs e o tema será A nova visão da economia brasileira. Interessados podem participar do eventomediante inscrição.

Apólice única

Gigante de geração e distribuição de energia, a Eletrosul decidiu unificar os seguros de todos os seus bens. O diretor administrativo da empresa, Paulo Afonso Evangelista Vieira, reúne corretores e resseguradoras amanhã para apresentar o projeto de unificação das apólices da companhia. Um dos objetivos da contratação única é reduzir os custos do serviço.

Índice positivo

Pesquisa da Pnad do IBGE que aponta desocupação de 3,9% dos trabalhadores em Santa Catarina, o menor índice do Brasil, comprova que o modelo econômico do estado está correto. A busca de ocupação cresce no país porque durante a crise mais pessoas saem para procurar trabalho.

Involves

Longe da crise, a Involves Tecnologia, do setor trade marketing, informa que vai contratar 30 profissionais até o final do ano para as áreas de desenvolvimento, suporte ao cliente, vendas e administração. Essa é a segunda expansão em menos de um ano e, após concluirmos o processo, chegaremos a 70 colaboradores, quase o dobro do que temos disse André Krummenauer, diretor da empresa.

Lei as últimas notícias

Produção industrial tem nova queda em SC

09 de agosto de 2015 0

Por Julia Pitthan*

Um espaço com decoração alegre, de troca de experiências e muita inspiração: assim é o Impact Hub, rede mundial de coworkings que abriu unidade na nova sede da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate)Santa Catarina encerra o primeiro semestre com reflexos dos estoques cheios e baixa demanda no desempenho da produção industrial. De acordo com os números divulgados pelo IBGE, o Estado ficou no grupo que teve os recuos maiores, junto com o Rio Grande do Sul, que teve retração de 2,3%, e Amazonas, com queda de 1,1%.

A produção industrial em Santa Catarina recuou 1% em junho ante maio, segundo o IBGE. No semestre, acumula queda de 6,2%, ainda um pouco melhor do que a média brasileira, de 6,3%. Em 12 meses, a queda é de 4,4% no Estado.

O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, comenta que o Estado sente o reflexo do desaquecimento da economia principalmente no setor de máquinas e equipamentos. Isso se reflete principalmente na indústria de linha branca, como geladeiras e fogões.

O comprometimento da renda das famílias e a perspectiva do aumento do desemprego, que aumenta a cautela nos gastos, leva a esse cenário, avalia o presidente Côrte.

Leia as últimas notícias

* A colunista Estela Benetti está em férias até dia 19 de agosto, neste período a jornalista Julia Pitthan assume como interina.

Crise no mercado: IBGE confirma expectativas ruins

13 de julho de 2015 0

Números do IBGE divulgados ontem confirmam expectativa ruim para o mercado de trabalho sem previsão de mudança em breve. É natural que mais pessoas procurem emprego após um trabalhador da família perder posto com remuneração elevada. Além disso, há dúvidas sobre a viabilidade do Programa de Proteção ao Emprego por falta de verba.

Indústria de SC sob o impacto da crise
Em maio, a produção indústrial catarinense registrou crescimento de 0,7% frente ao mês anterior, abril. Seguiu tendência apontada pelo IBGE, que apurou alta em nove dos 14 locais pesquisados no mês. Mas isso não significa uma retomada do crescimento. Em função da crise do mercado interno, o setor de transformação de SC derrete a exemplo do que ocorre na maioria dos Estados brasileiros, embora em percentuais um pouco menores do que a média. Na comparação de maio frente ao mesmo mês do ano passado teve queda de -9,9%; de janeiro a maio – 7,4% e, em 12 meses até maio, -5%. Maior polo do país, São Paulo registrou -8,5% de janeiro a maio e de 13,7% na comparação com maio de 2014. Esses números levam especialistas a afirmar que a atual crise já é pior do que a de 2009. Isso mostra a necessidade de o governo federal tentar acelerar investimentos, cortar gastos correntes e buscar a recuperação da confiança dos consumidores.

Atenção: preço e marca não bastam
Não basta ter só preço e marca para vender em tempos difíceis. Tem que saber ouvir o cliente e encantá-lo. Tem que ser um pouco de tudo: psicólogo, conselheiro e, claro, ótimo vendedor. Essas dicas foram dadas pelo especialista em varejo Luiz Alberto Marinho para os cerca de 2,5 mil lojistas dos cinco shoppings do Grupo Almeida Junior em SC, numa palestra esta semana.

Leia as últimas notícias sobre o IBGE

Maior queda

16 de outubro de 2014 0

Santa Catarina registrou a maior queda de vendas do varejo brasileiro no mês de agosto, segundo o IBGE. O estado teve queda de 5,1% frente ao mesmo mês do ano passado. No país, houve expansão de 1,1% no mesmo período após dois meses de queda no indicador. Ainda em SC, nos últimos 12 meses houve queda de 1,2%.

Indústria de SC cresce 4%

08 de setembro de 2014 0

A produção da indústria de SC cresceu 4% em julho frente a junho segundo dados do IBGE. Na comparação com julho do ano passado, recuou 2,7% e, no acumulado do ano, teve queda de 1,8%. A alta de 8% do setor de madeira ajudou no resultado de julho, mas a metalurgia teve queda de 8,7%, máquinas e equipamentos elétricos recuaram 5,3% e a produção de máquinas caiu 3,7%.

O Estado precisa de serviços regionais

29 de agosto de 2014 0

Segundo o IBGE, a região metropolitana do Norte-Nordeste do Estado, que inclui Joinville e Jaraguá do Sul, tem 1.191.558 habitantes. Na região metropolitana de Florianópolis são 1.111.702 habitantes. SC precisa oferecer serviços regionais, especialmente de transporte coletivo.

Maior cidade de SC, Joinville tem 554.601 habitantes, estima IBGE

28 de agosto de 2014 0

O IBGE divulgou hoje as estimativas para a população brasileira e dos municípios em 2014. O país tem 202.768.562 habitantes. A maior cidade catarinense, Joinville, está com 554.601 habitantes e a maior região metropolitana do Estado é a do Norte-Nordeste, que inclui Joinville e Jaraguá do Sul, com 1.191.558 habitantes. A região metropolitana da Florianópolis tem 1.111.702 habitantes, estimou o instituto. O município menos populoso do Estado é Santiago do Sul, com 1.389 habitantes. Esta estimativa anual é utilizada pelo governo para o repasse de recursos às prefeituras.

Produção industrial de SC cai 4% em junho

06 de agosto de 2014 0

O IBGE divulgou hoje a produção industrial de 14 regiões do Brasil relativa a junho. Santa Catarina, pela primeira vez no ano, teve uma queda expressiva, de 4% frente ao mês anterior, maio, e bem maior, de 7,5% em relação a junho do ano passado. No acumulado do primeiro semestre do ano, o Estado teve recuo de 1,75 e fechou com alta de 0,5% os últimos 12 meses. O Brasil, na média, teve queda da produção industrial de 1,4% frente a maio e de 6,9% na comparação com o mesmo mês de 2013. São Paulo, que é a principal locomotiva do setor, teve queda de 1% na comparação de junho com o mês anterior, maio; e de 6,5% frente a junho do ano passado.

Esses dados estampam os impactos negativos da Copa e, também, a retração da produção nacional em função da queda das vendas devido a  inflação e juros altos. Esta foi a quarta queda consecutiva da produção da indústria frente ao mês anterior. Em março recuou 0,7%, em abril 0,5% e em maio 0,8%. A Copa afetou mais em função das paralisações e férias coletivas para as pessoas poderem acompanhar os jogos do Brasil.