Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "tecnologia"

Tecnologia: edição de agosto do VerticAlmoço ocorre nesta terça-feira

04 de agosto de 2015 0

Por Julia Pitthan*

Está marcada para esta terça-feira a edição de agosto do almoço das Verticais de Negócios da Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate) com palestra sobre as tendências em fusões e aquisições de empresas de tecnologia. A apresentação durante o VerticAlmoço será feita pela advogada Mariane Silveira Pinhão, do escritório Pinhão e Koiffman Advogados , com atuação voltada ao setor tecnológico.

O setor de TI foi líder no ranking de fusões e aquisições no primeiro quadrimestre de 2015, de acordo com informações divulgadas sobre relatório da network global PwC.

Leia as últimas notícias

A colunista Estela Benetti está em férias até dia 19 de agosto, neste período a jornalista Julia Pitthan assume como interina.

Papa afinado com a tecnologia

27 de julho de 2015 0
Foto: Tiziana Fabi, AFP

Foto: Tiziana Fabi, AFP

Atento à tecnologia e aos desafios da vida moderna, o Papa Francisco usou um tablet sábado, 26, para se inscrever à Jornada Mundial da Juventude 2016, que será em Cracóvia, na Polônia, entre 25 e 31 de julho. Da sua janela na Praça de São Pedro, convidou os jovens.

– Quis abrir eu mesmo as inscrições e acabo de me registrar como peregrino por meio do dispositivo eletrônico – afirmou.

Entre as prioridades de hoje, ele quer colaborar com as questões do clima. Antes de ser papa já era exemplo nisso. Usava ônibus.

Leia as últimas notícias

Tecnologia

17 de outubro de 2014 0

SC participa até domingo da 11ª Semana Nacional da Ciência e Tecnologia que aqui é organizada pelo Sebrae em 59 cidades. O evento, voltado a pequenas empresas, foca tecnologia e desenvolvimento social. A programação completa está em www.sebrae-sc.com.br e as atividades são gratuitas.

Negócios eletrônicos

14 de outubro de 2014 0

A Paradigma, empresa de tecnologia de Florianópolis, realiza evento com mais de cem participantes de diversos Estados para apresentar casos de sucesso de uso de negociação eletrônica. O sócio da companhia, Gérson Schmidt, destaca o caso da Itaipu Binacional, maior projeto do ano em integração de portal de procurement com plataforma SAP.

Catarinenses em Stanford

07 de outubro de 2014 0
Divulgação

Divulgação

Comitiva do Sesi/SC, liderada pelo superintendente da instituição, Fabrizio Pereira, iniciou ontem uma agenda com a conceituada Universidade de Stanford, de Palo Alto, Califórnia, EUA. Ela vai ajudar o Sesi na elaboração do plano de negócios do Instituto Sesi de Inovação em Tecnologias para Segurança e Saúde no Trabalho. Ontem, o grupo participou de um evento sobre Storytelling (contação de histórias).

Hoje, o assunto é o plano de negócios e visita a um laboratório virtual de interação humana. Ontem, a comitiva visitou o Wallenberg Building (foto), prédio principal da universidade onde teve início a instituição e está situada a reitoria.

Inovadores pelo social

27 de setembro de 2014 0

O Seminário Social Good Brasil, evento internacional a inovadores sociais, abriu inscrições. O público-alvo são os que usam as tecnologias para colaborar em mudanças por melhor qualidade de vida. O evento é o braço brasileiro do Social Good Summit de Nova York. Será nos dias 5 e 6 de novembro em Florianópolis. Inscrições no http://goo.gl/z2rEoG. O passaporte para dois dias sai R$ 50 e um dia, R$ 35. Esses recursos vão para projetos sociais.

Indústria 4.0 atrai mais atenções

22 de setembro de 2014 0

Cresce o interesse catarinense pelo avanço do conceito da quarta revolução industrial, também conhecida como Indústria 4.0. Ela envolve a colaboração entre diferentes áreas e o uso de tecnologia para a resolução de problemas e criação de produtos. O engenheiro Kristian Arntz, do Instituto Fraunhofer, da Alemanha, falou sobre o tema na reunião da diretoria da Fiesc sexta-feira. Disse que a inovação e as redes sociais impulsionarão essa fase.

Segurança pública prevê mais uso de tecnologia

08 de setembro de 2014 0

Soluções para o futuro da segurança pública serão apontadas a partir dessa terça-feira, na feira internacional Interseg, no CentroSul, em Florianópolis. A coluna teve acesso antecipado à pesquisa que a Motorola, líder mundial em produtos e serviços de comunicação em missões críticas de segurança pública, apresentará no evento sobre tendências do uso de tecnologias nos próximos cinco anos.

Profissionais entrevistados avaliaram que a colaboração da população e empresas enviando mensagens de texto, voz, imagens e vídeos em tempo real para telefones como o 190 ajudarão na tomada de decisões rápidas e corretas pelas polícias, bombeiros e socorristas. A pesquisa apurou que 78% dos profissionais do Brasil usam dispositivos móveis no trabalho, 55% contam com tecnologia sem fio em câmeras instaladas em veículos e uma minoria diz preferir transmitir as informações em tempo real.

Os entrevistados informaram que deve aumentar o uso de dispositivos de comunicação interoperáveis e a multinet (multirredes) em agências de segurança pública. Essas agências também planejam investir mais em tecnologias que melhorem a transmissão de dados e imagens não só nas suas atividades, mas na comunicação com os demais órgãos de segurança.

Tecnologia genética contra bactérias

04 de setembro de 2014 1

A empresa Neoprospecta, startup do Sapiens Parque, de Florianópolis, especializada em identificação de focos de bactérias por meio de sequenciamento genético e outros serviços na área de qualidade, faz um trabalho voluntário no Hospital Municipal São José, de Joinville, para auxiliar no combate à bactéria KPC que causou algumas mortes de pacientes na instituição. O trabalho começou na semana passada e os primeiros resultados saem até segunda-feira, informa o presidente da Neoprospecta, Marcos Oliveira Carvalho.

A companhia, que já presta este serviço a oito hospitais do Brasil e também para empresas de alimentos e de medicamentos, foi a primeira a receber aporte do fundo gestor de recursos CVentures Primus, de Florianópolis, presidido por José Eduardo Fiates, que tem, também, capital da CRP – Companhia de Perticipações. Ontem, em evento, o CVentures oficializou aporte de R$ 4 milhões. Também acompanharam a apresentação executivos da Finep, BID/Somin, Banco Mundial e Banco de Desenvolvimento da América Latina.

Fundada por Marcos Oliveira Carvalho e Luiz Felipe de Oliveira quando faziam doutorado em Genética e Biologia Molecular na Universidade Federal do Rio Grande do Sul respectivamente, a Neoprospecta já conta com 15 colaboradores, sendo sete doutores e dois mestres. Ela acaba de inaugurar um laboratório de ponta no Centro de Fármados do Sapiens Parque.

No cartão

25 de agosto de 2014 0

A NexxPago, subsidiária da catarinense Nexxera, anunciou parceria com a NowPrepay, da capital canadense, do grupo
VendTek System. O objetivo é oferecer tecnologia que permitirá que pontos de venda aceitem cartões de crédito e débito e, também, ofereçam serviços pré-pagos, entre eles recarga para celular.

Empresas notáveis de SC

15 de agosto de 2014 0

Dezenove empresas catarinenses estão entre as 250 que mais cresceram no Brasil em 2013. Duas delas, de tecnologia, ligadas à Acate, são destaques no ranking da Exame PME. A Welle Laser foi a 1ª colocada geral. A Cianet, segunda melhor catarinense, ficou em 53º lugar.

Usuários elegem o Porto de Itapoá o melhor do Brasil

12 de agosto de 2014 0

itapoa11

Com apenas três anos de operação, o Porto de Itapoá, no Norte de SC, foi eleito o melhor do Brasil na prestação de serviços, segundo pesquisa do Instituto Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain). O terminal obteve nota 8,9 e foi seguido por Pecem, do Ceará, com 7,9.

Patrício Junior, presidente do Porto Itapoá, diz que o resultado foi alcançado com infraestrutura, tecnologia e pessoas motivadas.

No ranking do instituto feito com entrevistas a 169 companhias outros portos catarinenses ficaram bem posicionados: Navegantes ficou em terceiro lugar, com nota 7,4; Itajaí foi eleito o quarto melhor com 7,22; e São Francisco do Sul, com 6,8, ficou em oitavo lugar. Os dados foram publicados pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Uma virada no setor de tecnologia

05 de agosto de 2014 1

A empolgação no lançamento nacional da linha de crédito de R$ 300 milhões para o setor de tecnologia da informação, a MPME Inovadora, numa parceria entre o BNDES, o BRDE e entidades do setor, ontem, em Florianópolis, teve diversos motivos. Agora, pelas condições oferecidas, micro, pequenas e médias empresas de software, hardware e serviços poderão investir em inovação no longo prazo para disputar o bilionário mercado do setor no Brasil e lá fora. Podem tomar recursos por taxa de 4% ao ano em até dez anos para pagar, com carência de até 48 meses.

O presidente do conselho da Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes), o empresário catarinense Gerson Schmidt, explica que essa linha é um marco da evolução do Brasil para oferecer condições para o setor poder inovar e ter mais possibilidades de competir. Para chegar até ontem, foi preciso muita conversa com o governo federal, as instituições financeiras, a Abes e a Acate, entidade que representa o segmento no Estado. Isto porque a queixa geral era de que havia falta de crédito ao setor de software por se tratar de serviços, sem ter como oferecer garantias físicas.

Para Schmidt, agora as empresas de tecnologia dos polos de SC e outras do país terão mais condições de investir e inovar para disputar o mercado nacional que soma US$ 61 bilhões por ano, 3% do mercado mundial de TI que supera US$ 2 trilhões por ano. Do total nacional, o hardware representa US$ 36 bilhões e a maior parte é importada. O software responde por US$ 9 bilhões e empresas do Brasil detém apenas US$ 2 bilhões desse montante. Se criarem sistemas competitivos podem fornecer para o país e o mundo por valores muito maiores, aumentando o faturamento, por isso a linha lançada ontem é importante.
- O Brasil representa 47% do mercado da América Latina, seguido pelo México, com 22%. Somos muito representativos regionalmente – diz Schmidt ao observar que as empresas, no país ainda prestam muitos serviços, o que não agrega muito valor.

Segundo o presidente da Abes, Jorge Sukarie, que também esteve no evento de ontem, o setor deve crescer 14% este ano.Entre as lideranças presentes estavam o vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Neuto de Conto; o superintendente do BRDE, Nelson Ronnie; o presidente da ACATE, Guilherme Bernard; o analista de TI do BNDES, André Medrado; o gerente setorial do departamento de TI do BNDES Ricardo Rivera e o diretor do Programa Start-Up Brasil no MCTI Felipe Matos.

Segundo o BRDE, participaram do evento representantes das empresas e instituições Agriness, Alto Qi, AQX, Assespro, BC&M, Automatisa, B&A Consultoria, Brasil TI, TDI Informática, Cebra, Chipus, Codde, Contronics, Ema Softwares, Fenainfo, FH Consultoria, Flin, Hacon, IMIA Projetos, Inovação Tecnologia, Inside Systems, Intredebook, Lógica E, Macnica, Microrede, Newspace, Orbiit, Paradigma, Pixeon, Pratical One, PROGIC, Sábia, Sistemarketing, SOFTCORP, Softex, Specto, Teclan, TELTEC, V Office, Viaflex, VITRUVE, Viva, Void Caz, Voltolini, Way 2, Weightec, Uppoints, Visão GRO, Catamoedas, Sensorweb, Reivax, Esos, SEBRAE, Aquarela, Smacky Technologia, Instituto Stela e Boreste.

Assento sanitário high-tech vira moda em imóveis de luxo

31 de julho de 2014 0

Avança no Brasil o uso de assento sanitário eletrônico, especialmente o modelo japonês.Diversos empreendimentos de luxo já estão investindo cerca de R$ 5,5 mil (bem mais do que um refrigerador de alta tecnologia) por unidade para ter um vaso quentinho, com jatos e secagem, tudo com controle remoto. Isto porque, além de muito confortável, é ecológico (elimina ou restringe o uso de papel higiênico).

O empresário Marcelo Scherer, de Florianópolis, que conheceu esse tipo de produto quando competia no Japão, comprou para os banheiros femininos da academia F. Scherer Fitness unidades da marca TOTO, líder mundial no segmento. A novidade faz sucesso e tem levado muitas alunas a optarem pela compra para suas residências. A empresa importadora Espaço Revestir, da Grande Florianópolis, acaba de vender cerca de 900 unidades para um condomínio de luxo na Praia Brava, em Itajaí. Para quem necessita adquirir o assento sem o vaso, o preço cai para R$ 3,8 mil.

Assento portátil

assento1

O curioso é que os usuários asiáticos se sentem tão desconfortável sem o assento eletrônico que adotaram uma versão portátil para viagem (foto). Trata-se do Washlets, que custa R$ 3.990. A pessoa leva na bolsa e na hora de usar só coloca sobre o vaso sanitário e liga.

O que o produto oferece:
Tanto o fixo, quanto o portátil oferecem aquecimento do assento com controle de temperatura, lavagem da bacia e do bastão antes de cada utilização, jato com opções de movimento cíclico e massagem, temperatura e volume de água ajustáveis, sistema de aquecimento de água instantâneo, secagem com ar quente (cinco ajustes de temperatura) e neutralizador de odor automático além de sistema bactericida, que higieniza a bacia.

Totvs lucra 18,5% mais no trimestre

30 de julho de 2014 0

A Totvs, empresa de software para gestão que incorporou, anos atrás, as joinvilenses Datasul e Logocenter, registrou lucro líquido de R$ 64,020 milhões no segundo trimestre de 2014, o que representa alta 18,5% sobre o mesmo período do ano passado. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 110,929 milhões, aumento de 12,1% na mesma base de comparação. A margem Ebitda subiu 0,3 ponto porcentual, para 25,3%. A receita líquida da companhia somou R$ 439,300 milhões entre abril e junho deste ano, avanço de 11,1% ante igual intervalo de 2013.

Guerra fiscal

30 de julho de 2014 0

O Estado de São Paulo apresentou ao STF ações questionando guerra fiscal de diversos Estados, incluindo SC. Carlos Roberto Molim, diretor de Administração Tributária da Fazenda catarinense disse que SP questiona incentivo a empresas de tecnologia (hardware). Mas sem esses incentivos,  a tendência é a concentração do setor no Sudeste. A intenção de SP é acelerar o fim da guerra fiscal.

Tecnologia de SC para transporte sobre rodas

28 de julho de 2014 0

 

Foto: Fabrine Jeremias / Divulgação

Foto: Fabrine Jeremias / Divulgação

Uma das indústrias catarinenses que aceleraram expansão nos últimos anos é a Librelato S.A. Implementos Rodoviários, de Orleans, no Sul do Estado. A companhia, que tem cinco fábricas no município e cresceu 40% ano passado, detém 11% do mercado de semirreboques e rodotrens do país. O principal investimento atual é em nova fábrica no Espírito Santo, um projeto de R$ 40 milhões. Também comprou um terreno em Criciúma para empreendimento futuro. Quem está à frente da empresa é o executivo José Carlos Sprícigo (foto), indicado pelo fundador José Carlos Librelato, que faleceu ano passado.

A Librelato vem se destacando nos mercados interno e externo. O que impulsiona essa expansão?

José Carlos Sprícigo – Ao longo dos anos, a Librelato tem aproveitado as oportunidades de mercado. Temos plantas segmentadas. Uma atende o mercado de basculante, outra o de grãos e assim por diante. Aliado a isso, oferecemos produtos de qualidade reconhecida com uma força de vendas em todo o Brasil e lá fora.

Quais produtos a empresa fabrica?

Sprícigo – Fazemos a linha pesada (para carretas e caminhões), que responde por 85% do nosso faturamento. Inclui semirreboques, bitrens e rodotrens (puxados por cavalo mecânico). Entre os mais vendidos estão o graneleiro/carga seca e o basculante. Fazemos também tanque para o transporte de combustível, semirreboque silo para grãos e o carrega tudo, que leva outros veículos. Também temos a linha leve. Os segmentos em que atuamos são semelhante aos da Randon.

Como foram os resultados de 2013 e quais as expectativas para este ano?

Sprícigo – A empresa faturou meio bilhão líquido (R$ 500 milhões) ano passado, com crescimento de 40% frente ao ano anterior. Este ano, o mercado prevê queda de 18%. O recuo maior será na linha pesada e a Librelato cresceu mais na linha leve. Seria bom se conseguissemos o mesmo resultado de 2013 que foi maravilhoso.

Como foi a trajetória da Librelato desde a fundação até agora?

Sprícigo – A empresa nasceu em 1969 fabricando carrocerias de madeira, com toda a família envolvida, liderada pelo patricarca Berto Librelato. Em 1980, José Carlos Librelato, um dos seus filhos, fundou a Irmãos Librelato, que é a empresa atual. Em 1998 fizemos o primeiro semirreboque basculante; em 2001, a primeira carreta, um semirreboque graneleiro. Em 2011, a Librelato se transformou em Sociedade Anônima (SA) de capital fechado, onde teve aporte de importantes fundos de pensão, liderado pelo CRP VII, do qual participam Funcef, Petros, PNDESpar e outros. A família ficou com 83% do capital e o fundo, 17%. Essa mudança acelerou o crescimento. Temos mais de 2 mil empregados e uma linha diversificada de produtos.

Vocês firmaram uma joint venture com um grupo italiano Como evoluiu?

Sprícigo – Fizemos uma joint venture com a empresa italiana Themac International S.A. Criamos a Libremac Ambiental Implementos Rodoviários Ltda. que já começou a produzir. Oferece equipamento para coleta lateral de resíduos sólidos (lixo) em cidades. É um sistema já adotado na Europa, exige só o motorista. No RS, duas cidades já estão utilizando: Caxias do Sul e Porto Alegre (bairro Moinhos). Em SC, Chapecó começou o projeto. O produto está credenciado no BNDES para aquisição pelo Finame. Isso facilita.

Quanto a Librelato está investindo?

Sprícigo – Vamos instalar a primeira fábrica fora de SC em Linhares, no Espírito Santo. A Brametal, de Criciúma, e a WEG, de Jaraguá, também têm projetos lá. Nosso investimento inicial é de R$ 40 milhões, para a produção de 2 mil carretas por ano. Vamos gerar 300 empregos diretos na unidade.

Como está a presença nos mercados?

Sprícigo – No Brasil estamos em todas as regiões, do Chuí ao Acre. No exterior, começamos a prospectar mercados em 2012, no ano passado já fizemos exportações para o Paraguai, Chile, Bolívia, Uruguai e Argentina. Ainda este ano vamos iniciar vendas ao Peru e estamos negociando com países da África. No exterior também está duro vender. No Chile a demanda caiu 50% devido a uma série de medidas da presidente Michele Bachellet. Hoje, exportamos 8% da nossa produção.

E os investimentos em pesquisa e desenvolvimento como estão?

Sprícigo – Temos uma diretoria de pesquisa e desenvolvimento (P&D). A Librelato foi reconhecida entre as 50 empresas mais inovadoras da região Sul. Entre as nossas inovações estão um produto de alumínio e uma linha de eixos especiais.

Fizemos exportações para o Paraguai, Chile, Bolívia, Uruguai e Argentina.

Carreira na Librelato

Graduado em Direito e Contabilidade, o executivo José Carlos Sprícigo, 50 anos, está na Librelato desde 1982, onde começou fazendo uma cotagem de estoque. Pelo seu talento em gestão, foi indicado pelo fundador para sucedê-lo na presidência. Como a companhia é uma SA, tem conselho de administração presidido por Aloir Librelato. Sprícigo é casado com Nádia Cordini e tem duas filhas: Malu e Clara.

Liderança

25 de julho de 2014 0

A Arcelor Mittal Vega, de São Francisco do Sul, completa 11 anos de operação hoje. Reconhecida por sua liderança tecnológica, a empresa inicia esta nova década com investimentos de US$ 32 milhões.

Sistema Fiesc lança Rede Senai de Inovação e Tecnologia

25 de julho de 2014 0

O Sistema Fiesc lança na manhã de hoje a Rede Senai de Inovação e Tecnologia. Ela contará com dez institutos que estão sendo instalados em Santa Catarina. Na solenidade também será inaugurado o Instituto Senai de Tecnologia em Automação e TIC. A rede contará com três institutos de inovação e sete de tecnologia com foco em inovação.

Genética e tecnologia

24 de julho de 2014 0

A comemoração dos 50 anos da Associação Catarinense de Criadores de Bovinos, hoje, em Itajaí, contará com homenagem simbólica a todas as categorias que ajudaram no desenvolvimento da pecuária de leite. A presidente da entidade, Rosinete Efftting, diz que o avanço atual foi conquistado com genética e tecnologia para as raças jersey e charolês. O leite é uma das principais fontes de renda do pequeno produtos de SC.