Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

O glamour do rèveillon de Berlim. Só que não

31 de dezembro de 2015 2
Sem regras e sem segurança, todos soltam foguetes

Sem regras e sem segurança, todos soltam foguetes

O ano na Europa não termina dia 31 de dezembro. Na verdade, parece que nunca termina, já que as férias não são nessa época e o calendário escolar só faz uma pausa curta para as festas. Na verdade, só isso seria o bastante para não gostar da virada por aqui, mas com o frio de rachar dessa época, a graça toda se vai. Nada de sete ondas, de comer uvas. Nada de churrasquinhos, de praia, de cerveja gelada. Bom, cerveja tem, claro. Gelada ela fica só de deixar na rua. Mas ninguém veste branco ou se preocupa com a cor do lingerie. Nada de sopa de lentilhas e menos ainda flores pra Iemanjá.

O ano novo aqui em Berlim parece uma praça de guerra. A venda de fogos é proibida aqui na Alemanha e eles só podem ser vendidos na semana depois do Natal e estourados no dia 31 e 1 de janeiro. Então, imagina a ânsia reprimida regada a álcool. O que acontece por aqui é que cada um compra meia tonelada de foguetes e faz a sua própria festa. Ah, que lindo! Só que não…

A famosa festa do Portão de Brandemburgo tem o acesso controlado. Então, quem quiser ficar na festa mesmo, tem que estar lá muito, muito cedo. E confesso que não vejo o menor glamour para horas em pé, banheiros químicos, filas para comprar qualquer coisa: já passei da validade para esse tipo de programa. Como a maioria dos berlinenses, vou para a rua perto de casa mesmo, já que os fogos vão estar espalhados por todos os cantos. E pela cidade inteira o ano novo é assim (o video não é meu, foi publicado no Youtube pelo usuário knukufidgss)

Feliz ano novo com todo o glamour europeu. Só que não. Troco sem pensar esse cenário de guerra por uma noite com blackout e falta d’água em Florianópolis ou Navegantes! Feliz ano novo para quem vai ter tudo isso! Meu único pedido para 2016 é que eu possa começar 2017 por ai! Feliz novo ano! Ou, como dizem aqui (não, ninguém diz “proschnóia”): Guten Rutsch: boa escorregada!

Comente

comentários

Comentários (2)

  • Nilcilene diz: 1 de janeiro de 2016

    Infelizmente nem tudo é perfeito, não é mesmo?! :-)
    Estou no Rio e aqui está um calor de matar.
    Meu marido retornou e disse que na Vila onde moramos a temperatura agora é de cinco graus.
    Feliz Ano Novo!!! :-)

  • Siegrid Ane Creutzberg diz: 4 de janeiro de 2016

    Feliz 2016! A virada de ano mais sem graça que ja passei foi na Alemanha, mas não é só de uma noite de reveillon que se vive um ano inteiro!
    costumes, simpatias são importantes e necessárias para cada cultura,
    Imagino a saudade de uma noite de reveillon, na praia com os lindos fogos que vc possa sentir, mas caminhar, ou melhor, tentar caminhar na praia no dia 1 do ano, infelizmente é uma cena lamentável, que cada ano se repete e com toda certeza faria qualquer alemão sentir saudade de casa.

Envie seu Comentário