Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Que mais pode conquistar esse homem?

11 de agosto de 2012 0

Foto: divulgação / FIVB

No meio de uma atuação impactante, principalmente depois de perder o primeiro set daquela forma, seria muito fácil nominar uma por uma as jogadoras e suas fantásticas atuações.

Mas, nesse post pós o bicampeonato olímpico, quero exaltar a categoria, a capacidade, o trabalho e a habilidade de José Roberto Guimarães no comando de três campanhas olímpicas vitoriosas.

E nessa vez, sejamos honestos, não foi fácil. Nas outras duas, apenas três sets perdidos em cada. Desta feita, um sofrimento.

E o caminho foi pedregoso. Zé teve a capacidade de gerir um grupo dividido, não podemos esquecer. Um grupo desconfiado, que beirava o abismo, o próprio fim.

Mas, esse homem além de sua competência tem uma estrela absurdamente gigante.

Não se pode falar coisa diferente.

Zé Roberto não está sozinho. Tem ao seu lado um preparador físico fantástico, José Elias de Proença. Um assistente-técnico, Paulo Cocco,  que apesar de até questionado, teve uma atuação, nessa final, espetacular. Zé não dirigiu o time sozinho.

Como técnico de voleibol, não mais na ativa, eu me sinto privilegiado de poder assistir a uma atuação de tão alto nível como a da comissão técnica brasileira nesse jogo e de ter sido parte integrante do voleibol brasileiro mesmo que humildemente.

A comissão técnica brasileira deu uma lição de respeito ao adversário e de conhecimento no que deveria ser feito para vencer a empáfia e arrogância do time americano que não foi capaz de reverter um quadro desfavorável.

Depois do primeiro set, o time americano como um todo ficou atônito e sem saída. Mesmo seu treinador o tão respeitado McCutcheon que pouco falou de vôlei com seu time. Parecia não estar preparado para o jogo que se apresentou. Achava que iria entrar e vencer o Brasil.

Não meu caro Hugh. Do outro lado da quadra enfrentaste o único técnico campeão olímpico no masculino e feminino.

Assim, José Roberto Guimarães sai consagrado e firme diante de suas convicções e decisões.

O que será que esse homem pode querer mais de sua vitoriosa carreira? Conquistar o mundial ainda inédito?

Bookmark and Share

Envie seu Comentário