Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A manutenção dos treinadores da seleção precisa de uma reflexão maior

18 de agosto de 2012 2

A notícia sobre a manutenção de Bernardinho e José Roberto Guimarães a frente das seleções brasileiras ao mesmo tempo que soam como a permanência de trabalhos vencedores e que estão dando certo, suscitam uma reflexão maior sobre o que isso vai provocar no voleibol brasileiro.

Meu primeiro pensamento é de concordar com o Dr. Ary, nessa questão.

Mas, prefiro tentar ver a coisa pelo ângulo dos treinadores. E tendo a crer que ambos sairão perdendo, de certa forma.

O que se espera de um time bicampeão olímpico e que vai jogar em casa a próxima edição dos Jogos?

E o que se espera de um time que nas últimas três edições chegou na final ao jogar em casa a próxima?

Ou seja, qualquer resultado diferente do que foi conquistado nos últimos anos será uma gigantesca derrota e mancha na carreira brilhante de ambos treinadores – dos mais vencedores da história do voleibol mundial.

Então, eu me pergunto, para quê?

Pela vaidade de dirigir o Brasil nos Jogos do Rio?

Comparo, nesse momento, com a pressão sobre os ombros do técnico da seleção de futebol que um vice-campeonato é uma frustração sem tamanho. É nesse patamar que o voleibol brasileiro está.

Por outro lado, no caso de não permanecerem, que pressão em cima de seus sucessores não haveria?

Quem sabe por entenderem a complexidade de suas decisões é que ambos, mesmo que a CBV tenha anunciado a continuidade, estejam reticentes para confirmarem.

Honestamente, eu também estaria.

Bookmark and Share

Comentários (2)

  • Vinícius Crevilari diz: 18 de agosto de 2012

    Seria muito bacana ver o Rubinho assumindo a seleção masculina.
    Já na feminina, nenhum nome me vem à cabeça no momento. Não vejo nem Paulo Cocco e muito menos os técnicos da seleção de base (Luizomar e Maurício Thomas) como os possíveis líderes da seleção feminina. Claudinho (da seleção B), talvez? Nem nele boto fé…

  • Emanuella diz: 20 de agosto de 2012

    o problema não é eles sairem, o problema é quem vem, vão arriscar um técnico novato nas olimpiadas do Brasil??? acho arriscado demais. Não quero ver o Giovani treinando o Brasil no RIo. e é obvio que ele é o proximo treinador do Brasil, vem fazendo lobby para isso faz muito tempo.

Envie seu Comentário