Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Vitória do Amil num jogo cheio de alternâncias

05 de dezembro de 2012 4

Foto: Alexandre Arruda / CBV

Mesmo com muitos jogos transmitidos na rodada, ontem, acabei concentrando-me em um apenas. Não por ser o escolhido pelo Sportv ou o que seria o mais disputado da rodada. Mas sim, por eu acreditar que seria o que mais observações renderiam.

E estava certo. O primeiro ponto veio já na escalação do Amil.

Finalmente algum treinador apresentou alguma coisa diferente do que se tem feito desde o advento do Líbero. E não poderia deixar de ser outro senão José Roberto Guimarães.

Para encaixar Ramirez, Vasileva e Pri Daroit no mesmo time, Zé Roberto montou a equipe com Daymi Ramirez na diagonal da levantadora, diferente do que vinha fazendo sem Vasileva (vinha jogando com Ju Nogueira de oposta e Daymi na ponta).

O problema, é que em termos de Recepção, o time do Amil é um cobertor curtíssimo. Nenhuma das três jogadoras de extremidade são exímias passadoras. Parece-me, inclusive, que Vasileva nunca foi apresentada à Manchete.

Assim, para cobrir Vasileva, Zé colocou Daymi Ramirez para jogar passando ao lado da búlgara na rede de três, deixando a rede de duas para a sua ponteira menos forte de Ataque. Ou seja, a rede de três do Amil é fortíssima. Mas a rede de duas, além de ter seu Passe dificuldado quando se saca em Daroit na rede, é mais frágil no Ataque.

Mas, como já escrevi depois do jogo contra o Unilever, quem tem Vasileva e Ramirez não precisa muito de levantadora.

Por falar em levantadora, para aqueles que não concordam comigo em relação à Fernandinha, ontem fiz questão de anotar quantas bolas mal levantadas, daquelas de obrigar a atacante largar ela ia fazer. Até o início do quarto set, tinham sido doze jacas. E a partir daí desisti de anotar.

No segundo set, em particular, foram sete. Então, a derrota naquele set merece estar na conta da levantadora do Amil. Duro é ouvir comentarista falar que ela estava dando um show, somente porque fez uma bola com uma mão só.

Show de horrores, isso sim, foi a distribuição no final daquele set, o time foi buscar um placar improvável, Pri Daroit deu uma bola de cheque para o Sesi fazer 29×28 e a bola decisiva, com o passe na mão foi para Daroit de novo. Resultado? Bloqueio do Sesi para fechar o set.

Já do lado do Sesi, Talmo resolveu usar duas líberos. Verê é ótima passadora. Então, dá a vez para a outra líbero, Juliana, na hora de defender. Nem sempre a estratégia é usada. Mas, não me canso de me questionar a respeito.

Tandara começou mal, depois foi ganhando moral e jogou bem. Outro destaque do Sesi foi a central Bia. Marcou dezenove pontos (3 de bloqueio, 1 de saque e 15 de ataque).

Porém, algumas vezes os treinadores dão sorte na contusão de alguma jogadora. Ao sentir uma lesão na coxa, Sassá deu lugar a Suelle, que entrou muito bem a passou a equilibrar o time nos fundamentos nos quais Sassá dá prejuízo. Até porque, Sassá engana bem. Mas Suelle bloqueia mais e dá um pouco mais de opção no ataque. É ótima passadora também. Então, acho que Sassá joga mais no nome.

Com Dani Lins jogando bem, teve um momento do jogo em que achei que o Sesi viraria a partida. Mas no final do quinto set, brilhou a estrela da cubana e da búlgara e essa foi a diferença do jogo. O Sesi não tem nenhuma atacante como essas duas do Amil.

Nos outros jogos, uma zebraça, o Usiminas/Minas venceu o Unilever por 3×0. Unilever sem Natália, comprovando que ainda não está recuperada. O Rio do Sul venceu fora de casa o São Bernardo por 3×0. O Sollys/Nestlé venceu o Pinheiros por 3×0 e o Banana Boat/Praia Clube venceu de virada o São Cristóvão Saúde/São Caetano por 3×1.

No masculino, o Sesi conquistou sua primeira vitória ao derrotar a UFJF por 3×0. O Vivo/Minas venceu o Funvic/MidiaFone de virada por 3×2 e o Sada/Cruzeiro venceu o Volta Redonda por 3×1.

 

Bookmark and Share

Comentários (4)

  • Welmer diz: 5 de dezembro de 2012

    Concordo com você com relação a Fernandinha. Ela é no máximo uma levantadora regular, ela erra inúmeras bolas e ainda é elogiada. Eu não vi a partida, mas me pareceu ser bem equilibrada. O SESI parceu ter melhorado com a Tandara jogando na ponta e o time de Campinas parece ter ganhado uma atacante de segurança.

    O que mais me chamou atenção nessa rodada foi a derrota do time da Unilever, não esperava que o Minas fosse fazer um jogo tão duro e ainda sair com a vitória.

  • Rosangela diz: 5 de dezembro de 2012

    Em que pese não concordemos quando o assunto é a Fernandinha (que considero uma boa jogadora, mas, enfim…), de resto assino embaixo o seu post, principalmente, quando abordas a defesa e o passe do time do Campinas… Frágeis demais …
    Aliás, a própria líbero está numa fase péssima. Suelen já foi ótima passadora, mas, atualmente, está muito aquém. Na defesa, não se desloca e se esconde atrás do bloqueio. No passe, não tem segurança. Fica difícil assim. Não seria o caso de dar uma oportunidade à líbero reserva?

    Quanto ao time do Sesi, finalmente, alguém corrobora da mesma opinião que eu: Sassá enagana!!! Que alívio ler isso….rssssss

    Por fim, fiquei pasma ao saber que o Rio de Janeiro levou 3×0 do Minas… Acho a Natália craque de bola e torço pela recuperação dela, mas, por outro lado, não consigo torcer p/ o Bernardinho. Coisas de mulher…rssss

    Abraços.

  • Guga diz: 5 de dezembro de 2012

    Sesi ta demorando muito p se encontrar, ninguem sabe quais jogadores irao entrar em quadra e etc.. +tem muito a crescer e incomodar os grandes ainda, as duas equipes p mim sao as que tem o melhor banco, de todas as demais..

Envie seu Comentário