Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Zé Roberto não está pensando em 2016

30 de agosto de 2013 8

BRAITA1

Não vou repetir meus comentários sobre o jogo de hoje de madrugada. Pois, o jogo teve os mesmos aspectos dos outros jogos – Brasil sacando muito, bloqueando e contra-atacando muito bem. Atropelou – 25×16, 26×24,25×11.

O único comentário que vou fazer é que considero equivocada e desequilibrada a armação com Fabiana na rede de duas. Pois, como ela joga ao lado de Gabriela (a ponta da rede de 3) na rede na qual as duas estão sós e o passe não sai, pode empacar como complicou no segundo set. Thaisa deve ser a central da rede de duas – é a melhor central do mundo. Não pode jogar ao lado de Sheilla e Fernanda Garay, deve jogar ao lado da levantadora, para estar duas redes com Dani Lins e não uma só.

Entretanto, hoje, gostaria de mudar o foco de minhas observações para explicar um pouco do atropelamento que o Brasil está causando no Japão – está jogando com quase todo o time campeão em Londres (apenas sem Jaqueline).

A minha cobrança, constante, e a de muitos que leio sobre a conduta a frente do comando da Seleção para haver uma renovação agora, sugere um planejamento para 2016.

O que José Roberto Guimarães faz efetivamente é outra. Diferente das outras seleções.

Vou relembrar um post que fiz logo após a Olimpíada, no ano passado, falando sobre a permanência dos treinadores das duas seleções. Nele discuti a questão de ser ambígua e até desfavorável a situação para Zé Roberto, bicampeão olímpico, para continuar a frente da Seleção e defender esse título em casa em 2016. Que se espera dessa Seleção? O título, sem dúvidas. Qualquer coisa diferente disso será frustrante para a Seleção feminina.

Que falta o voleibol feminino do Brasil conquistar? O Campeonato Mundial, que será no ano que vem.

Dessa forma, o amável leitor deve estar chegando a mesma conclusão que eu: Zé Roberto não está pensando em 2016. Está pensando em 2014, em ser campeão mundial no ano que vem.

E depois? Depois, ouso apostar uma boa parte de minhas fichas que ele não dirigirá o time nos Jogos Olímpicos, caso conquiste o Mundial.

Até agora ninguém o perguntou sobre isso? Sobre planejamento, sobre a preparação da equipe? Sobre a “renovação”?

Não há renovação. Há manutenção da forma do time jogar, da maioria das campeãs em Londres sem folga para elas no primeiro ano do ciclo olímpico e as que não estão jogando tem algum impedimento.

Simples assim.

Para não dizerem que não falei dos outros jogos, a China varreu os Estados Unidos por 3×0 e persegue o Brasil sugerindo uma final no domingo e a Sérvia venceu o Japão por 3×0.

Esse é um jogo perigoso para o Brasil, a Sérvia, na próxima madrugada às 3:30; Itália e Estados Unidos jogarão à 1:30; Japão e China jogarão às 7:10.

Para fechar o post, a Seleção Juvenil masculina venceu hoje o Irã e garantiu vaga nas semifinais do Mundial da Turquia. A Itália também garantiu vaga ao vencer a Argentina e a Rússia deve vencer a Índia. O último classificado sairá do confronto entre Turquia e França.

Bookmark and Share

Comentários (8)

  • eduardo diz: 30 de agosto de 2013

    Olá Rodrigo.
    Não concordo que o Zé Roberto não vai treinar a seleção em 2016. No Brasil temos a cultura de não “querer largar o osso”, vide os politicos que querem se perpetuar no poder. De 2014 para 2016 bastam apenas 2 anos, sendo que no ano seguinte, 2015, erá a copa do mundo e não acredito que ele sairá do comando da seleção até 2016.

  • newton carvalho diz: 30 de agosto de 2013

    Largar a seleção em 2016 e apostar na conquista do segundo título mais importante da modalidade (Campeonato mundial de 2014) seria uma loucura! Tudo é possível, mas que seria uma tremenda loucura, seria! Quem ficaria no lugar dele? Paulo Cocco?!

    Inédito por inédito, ficaria também faltando a copa do mundo, não concorda?

    Na minha opnião, a renovação é mais do que necessária, até para termos um horizonte para além de 2016. Ano pós olimpíada não diz nada! As outras seleções irão começar a mostrar algo apenas ano que vem. E isso me faz puxar alguns fatos coincidentes da memória. Quando a nossa seleção masculina conquistou o inédito título olímpico em Barcelona, lembro que no ano seguinte conquistou também a liga mundial com os pés nas costas. Eu era adolescente, e para mim nenhum outro time seria capaz de nos bater. Triste ilusão. Após 1993 só levamos porrada. Tudo bem que existiam vários fatores envolvidos na queda de rendimento, mas um dos pontos que pesou foi a questão da renovação que não foi bem trabalhada com ZRG e foi muito bem feita pelo nossos adversários (Holanda e Itália).

    São apenas coincidências e nada mais. Acho que infelizmente não temos um material humano de boa qualidade para trabalhar a curto prazo, talvez por isso ZRG tenha que insistir com o que ele levou para Londres. A maioria das meninas da seleção juvenil tem pouco a oferecer (Central de 1,80 ou 1,82 não dá! Fora outras bizarrices), isso sim é triste

  • Samantha diz: 30 de agosto de 2013

    Boa tarde, Rodrigo! Você comentou acima que o técnico não esta pensando em 2016, mas as meninas que estão na seleção hoje não estarão em condições de jogarem em 2016??
    As meninas que estão jogando sao as que vao representar o Brasil nas próximas olimpiadas, pelo menos e o que o técnico Ze Roberto quer transparecer, temos que procurar novos talentos pois estamos carentes de banco.
    Na olimpiada de Londres ficou claro que se dependesse do que estava no banco estávamos perdidas (com exceção da Dani Lins que ficou no lugar da Fernandinha), estou cansada de ouvir falar da Tandara que não vinga, e de esperar que Nathalia finalmente chegue ao seu auge…temos jogadoras por ai querendo mostrar seu talento.
    Vi em uma reportagem que o Ze Roberto disse que o importante não e ganhar Grand Prix se ele continuar ganhando olimpiada, mas acho que o foco agora deveria ser preparar uma equipe confiante para o Mundial.
    Obrigada pelas opiniões sempre claras no blog

  • jerry diz: 30 de agosto de 2013

    Concordo com você Rodrigo, o importante agora era descansar as titulares!!!.
    Pena que não vejo muita coisa boa nessas novas jogadoras, principalmente as centrais, com exceção é claro da nossa Gaby.
    Fico preocupado com o ciclo de 2016, porque para o mundial de 2014, acho o Brasil favoritíssimo!
    Até mais!

  • Maria diz: 31 de agosto de 2013

    Acho difícil Zé e a CBV não estarem preocupados com uma Olimpíadas que será no Brasil, por outro lado para uma geração que praticamente ganhou tudo e bateu na trave varias vezes para ganhar o 2º torneio mais importante do mundo que ninguém pode negar que é um mundial deve ser um desejo não só do Zé mais das meninas que merecem essa chance de tentar ser campeãs mundiais sim e não acho que isso prejudicará a preparação para as Olimpíadas do Rio e eu como torcedora quero muito ver esse time campeão mundial também.

Envie seu Comentário