Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Quem tem Sheilla, tem tudo.

18 de fevereiro de 2014 9
Foto: Alexandre Arruda/CBV

Foto: Alexandre Arruda/CBV

Vamos desconsiderar as mais doloridas recentes derrotas do time de Luizomar, no sul-americano desse ano e na superliga do ano passado. Vamos também considerar que ninguém é infalível e que dias ruins acontecem.

Na média, ou melhor, mais que média, na grande maioria das atuações do time da cidade de Osasco nas duas últimas temporadas e na Seleção do Brasil já há alguns anos um nome vem fácil em nossas mentes quando se fala em decidir as partidas: Sheilla.

Ontem, mais uma vez, não foi diferente.

O Molico/Nestlé, diferente do que fez na temporada toda até agora, não conseguiu imprimir a mesma pressão no saque sobre o Sesi. Porém, diferente do que aconteceu na final do Sul-americano, ontem o Molico estava conseguindo jogar apesar disso.

O Sesi também fez uma partida muito boa. Com atuações destacadas para Suelle (quem sabe no melhor de sua forma), Ivna, Bia, Dani Lins (jogando muita bola – é bom lembrar que tirando Fabiana as atacantes do Sesi são apenas medianas) e a própria Fabiana.

O problema todo do time de Osasco estava na sua Mão. Fabíola não fez uma boa partida e realmente justificou as críticas que vinha recebendo – não minhas.

A atuação de Fabíola acaba gerando um grande elogio, talvez o primeiro em três anos, a Luizomar. Não por ter trocado de Levantadora no meio do segundo set – isso foi obrigação. Fabíola estava errando tudo. Mas sim, pela grande instrução dada a Fabíola num tempo explicando a ela como fazer para fugir do bloqueio de Fabiana. Fabíola tinha acabado de fazer uma desmico com china, soltando a bola para Malagusrki na desmico em cima de Fabiana parada.

Na bola seguinte, fez um tempo no meio em cima de Fabiana outra vez parada para Adenízia. Luizomar, que normalmente se enrola demais nas intruções, dessa vez foi muito claro ao explicar, corretamente e didaticamente para Fabíola, uma coisa primária: quando se marca uma desmico, mesmo que seja com China, não há necessidade de se soltar a bola para a desmico. Marca-se a finta para se prender o bloqueio de meio e abrir-se o jogo. Então ela deveria ter soltado a bola na China ou ter, principalmente, chutado na ponta.

Luizomar mandou repetir a jogada. Mas Fabíola não entendeu. Então Luizomar trocou e do lado de fora Fabíola parece ter entendido melhor.

Quando voltou passou a abrir as jogadas, fugir das centrais do Sesi e o Molico virou o placar assim como tinha virado no primeiro set – com Sheilla decidindo.

No terceiro set o Sesi foi bastante consistente no saque e na virada de bola e teve uma sobrevida. Porém, no quarto set, finalmente apareceu o saque do Molico colocando pressão para cima da recepção do time da Capital e fazendo com que, finalmente, as jogadoras de extremidades tivessem mais dificuldades para rodar as bolas.

Com 21x 17 no quarto set o Molico fechou o jogo em 3×1 e  mostrou força.

Sheilla com seus 22 pontos mostrou mais uma vez que decide. Nem precisava pontuar tanto. Fez os pontos decisivos que determinaram as viradas dos dois primeiros sets. Depois com a estratégia correta de ataque estabelecida foi pontuando cada vez mais.

Hoje a rodada continua com jogos muito importantes:

- Pinheiros x Brasília (19:30). Jogo entre dois times do bloco intermediário. Não concordo com quem fica chamando o time de Brasília de “penetra”. A Superliga nunca teve regras cumpridas nesse aspecto. E se formos investigar a fundo, equipes que chegaram a ser campeãs entraram da mesma forma na Superliga e foram aplaudidíssimas. Então, chega que hipocrisia. Na Superliga basta ter dinheiro para disputar. Não precisa participar da B ou da Liga Nacional. O time de Brasília está empatado em pontos com o Praia e dois pontos na frente do Pinheiros, que é o sétimo colocado. Para o Brasília escapar dos top 3 na próxima fase e ter alguma chance a vitória é muito importante. Aliás, a vitória é importante para ambos. Porém o Brasília abriria mais do Pinheiros e ficaria mais próximo de estar em quinto lugar.

- Banana Boat/Praia Clube x Unilever (21:30 – Sportv). Assim como o Brasília precisa vencer o jogo contra o Pinheiros, o Praia precisa vencer o Unilever – pelos mesmos motivos. O jogo para a Unilever vale a briga com o Amil para ver quem ficará em segundo lugar e terá na semifinal a vantagem de decidir em casa o provável confronto entre ambos.

- Barueri x Amil (19:30). O Barueri que está em nono lugar ainda briga por vaga. Mas as últimas notícias com dispensas de jogadoras desanimam sobre o futuro da equipe. Para o Amil, vale a briga com a Unilever.

- São Cristóvão Saúde/São Caetano x São Bernardo (20:30). O clássico do ABC ainda vale a vaga para os dois. O São Caetano poderia estar mais tranquilo não tivesse tropeçado na última rodada. São Bernardo ainda sonha, a diferença entre ele o o São Caetano que é o oitavo colocado é de quatro pontos, por que não?

- Rio do Sul/Euquibrasil x Maranhão Vôlei/Cemar (20:15). O jogo dos lanternas, quem perder fica em último ao final da rodada.

Chato é que só um jogo será transmitido. Poderíamos ser brindados com mais.

Bookmark and Share

Comentários (9)

  • Guga diz: 18 de fevereiro de 2014

    Acho que o jogo entre Sesi e Osasco, a vitória do Osasco foi mais pelo desmerito do Sesi que teve totais condições para vencer por 3×0, abriu o placar com diferença de mais de 4 pontos e deixou o outro time virar devido a erros toscos no primeiro set, no segundo a Ivna erra a bola no 20×19.. Eu discordo do Marcos Freitas de desenhar o Osasco como o time imbatível, melhor do mundo… Acho que tem duas Ponteiras muito irregular, a Sanja por ex marca 12 pontos e comete 9 erros, a Bosseti por não ser tão feliz no ataque deveria ser bem mais útil no passe, e não é o que vimos, Adenizia está um pouco abaixo, a Brait ta quinando muitas bolas, p mim só se salva a Thaisa…

  • Guga diz: 18 de fevereiro de 2014

    hehe não sou tão azul assim, mas você há de concordar que o Jogo de ontem era pro Sesi ter ganho de 3×0 teve todas as oportunidades para isso… O que fico feliz é em ver que ele ao meu ver é o time que mais cresceu nos últimos jogos, hoje coloco ele a cima do Rio e Campinas…

  • Paulo diz: 18 de fevereiro de 2014

    Mais um texto excelente Rodrigo. O time do Molico poderia decidir muita coisa sozinho, muitos dos apagões se devem à apatia do técnico e sua teimosia tática. Realmente o ponto mais fraco são as duas ponteiras, Sanja depende muito do emocional do time e Caterina não tem compensado com o passe sua deficiência do ataque. Jaque tem feito muita falta. Não entendo por que o Luizomar sempre saca a sérvia e põe a Gabi, na minha opinião, a Ingrid mostrou que pode ser uma opção mais interessante no jogo contra o Pinheiros. Descordo da crítica sobre a Camila Brait do Guga, pela primeira vez ela tem a responsabilidade de passar sem uma ponteira boa de passe ao lado e tem se saído bem, cobrindo o fundo de quadra todo praticamente. É evidente que a Fabíola está mal treinada/orientada, li em algum canto desse mundo chamado internet que Dani Lins poderia ir pra Osasco na próxima temporada, seria uma boa pra ela? E Fabíola, seria interessante ser treinada pelo Bernardo no Rio?

    Mudando de assunto, vi também em alguns blogs que o Giovane está em contato com o Botafogo pra um possível projeto de time pra SL. Como você enxerga o envolvimento de um clube de Futebol no volei Rodrigo? A experiência com Vasco e Flamengo não foi das melhores. Sou botafoguense, seria muito bom torcer pelo Fogão no volei também, mas temo pelo futuro do esporte sem o envolvimentos dos clubes de Futebol, quanto mais com eles envolvidos. O que você pensa sobre isso?

    Vlw!

  • Nei diz: 18 de fevereiro de 2014

    Estava aguardando este post pra exemplificar o que você falou anteriormente sobre Wallace. Ontem ficou claro que o craque não tem que virar todas as bolas, mas as mais importantes. Sheila fez isso e ajudou na virada dos dois sets iniciais. Ela errou até algumas vezes, mas quando era decisivo, acertou. Parabéns para ela. Acho que o Sesi poderia ter ganho o jogo. Se perdeu um pouco, Fabizona foi parando de receber bolas porque o saque de Molico começou a entrar.
    Sobre a Fabíola queria dizer que gosto dela, mas não entendo esses apagões de distribuição dela e principalmente sua imprecisão. Você disse que ela é mal orientada/treinada, mas tenho a impressão que falta mais técnica, coisa de base, mas posso estar enganado. Temo que ela não vá para a olimpíada do Rio, ficaria muito triste com isso, mas acho que Zé Roberto, se puder, vai dar um jeito de encaixar Claudinha na seleção. Corre Fabíola.

  • Paulo diz: 18 de fevereiro de 2014

    Rodrigo, mesmo sendo botafoguense como eu disse, torço para que o Fogão entre no volei somente se houver benefícios para o esporte, se for trazer qualquer tipo de prejuízo melhor não, do jeito que está já tá complicado, mas tomara que dê certo!!!

    Abs.

Envie seu Comentário