Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Brasil começa bem com 3-0 sobre a Alemanha

02 de setembro de 2014 3
Foto: Fivb

Foto: Fivb

Sidrônio Henrique, de Katowice

A seleção brasileira de vôlei masculino fez o que se esperava de um favorito ao título e estreou com uma vitória convincente por 3-0 (25-21, 25-19, 25-17) sobre a Alemanha, o principal adversário na primeira fase, em uma hora e meia, na cidade de Katowice, na Polônia. As duas equipes abriram a disputa no grupo B, que conta ainda com Finlândia, Cuba, Coreia do Sul e Tunísia. O ponteiro Lucarelli, com 13 pontos, foi o maior pontuador do jogo. O central Lucão e o oposto Wallace marcaram 12 e 11 pontos, respectivamente. O oposto Georgi Grozer liderou para os alemães com 11.

A Alemanha começou melhor, com destaque para Grozer no ataque e no saque. Os alemães abriram 10-6 e desperdiçaram um contra-ataque, quando começou a reação brasileira, com o saque flutuante de Murilo. A partir dali, o Brasil manteve o controle da partida e não deu mais chances ao oponente. A variação que o time de Bernardinho imprimiu no serviço complicou o passe alemão e o levantador Lukas Kampa não conseguiu acionar seus atacantes de forma eficiente. O próprio Grozer teve dificuldades na sequência do jogo.

“Tínhamos que quebrar o ritmo do Grozer. Quando conseguimos isso, a confiança deles caiu e nós conseguimos nos impor”, comentou o central Lucão. Ele admitiu que o Brasil estava ansioso pela estreia, mas ressaltou que o mais importante é que a equipe conseguiu se recuperar ainda no primeiro set. “Não víamos a hora de jogar para valer. Estamos há duas semanas na Europa, treinamos muito, fizemos alguns amistosos”, completou.

O técnico Bernardinho disse que ficou satisfeito com o voleibol apresentado pelo time. “Jogamos concentrados, como tem que ser, nos antecipamos às ações deles”. Com adversários teoricamente mais fáceis de agora em diante, o treinador pretende colocar mais jogadores em quadra. Hoje entraram em quadra o ponteiro Lipe, para sacar, além do levantador Raphael e o oposto Vissotto, na inversão. Bernardinho fez ainda um revezamento entre os dois líberos, Mário Jr e Felipe, o primeiro defendendo e o outro passando – algo que o técnico havia feito no início da Liga Mundial 2014.

O belga Vital Heynen, técnico da Alemanha, estava frustrado com o desempenho de sua equipe, ainda que não esperasse vencer o Brasil. “Fomos muito mal. Não digo isso apenas pela derrota, mas pela forma como perdemos. Os brasileiros nos dominaram, foram melhores em todos os aspectos. Se continuarmos a jogar assim, não sei se iremos longe”, afirmou o belga.

Heynen refutou o argumento de que o levantador Lukas Kampa tenha sentido a pressão por jogar sem um substituto à altura, uma vez que os outros dois jogadores mais experientes nessa posição não vieram ao Mundial – Simon Tischer devido a uma contusão e Patrick Steuerwald por ter pedido dispensa. O canhoto Sebastian Kühner, reserva de Kampa, não tem experiência internacional e cometeu vários erros.

Lukas Kampa disse que esta temporada é de fato diferente, mas que sabia desde abril que carregaria essa responsabilidade. “O Brasil joga em um nível muito alto e sempre é difícil para nós enfrenta-lo”. O levantador acrescentou que a Alemanha não pode mais perder nenhum ponto, se quiser chegar bem na segunda fase, com chances de avançar à terceira.

Abatido, Georgi Grozer disse ao Falando de Vôlei que sua equipe perdeu a concentração a partir do momento em que o Brasil começou a variar o jogo. “Talvez nós não tenhamos acreditado o suficiente que seríamos capazes de vencer o Brasil. Começamos muito bem, mas depois de três ou quatro erros nos deixamos abater”, lamentou o oposto húngaro naturalizado alemão.

Brasil enfrenta a Tunísia na próxima rodada, dia 3 de setembro, às 15h15 (horário de Brasília). Já os alemães jogam contra Cuba, às 8h. A seleção brasileira tenta conquistar seu quarto Mundial consecutivo.

Equipes

Brasil: Wallace, Bruno, Murilo, Lucarelli, Lucão, Sidão, Mário Jr e Felipe. Entraram: Lipe, Raphael e Vissotto

Alemanha: Grozer, Kampa, Schwarz, Kaliberda, Böhme, Günthor, Steuerwald e Tille. Entraram: Schöps, Kühner e Westphal

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • h diz: 2 de setembro de 2014

    Se Deus quiser o Brasil vai brilhar durante todo o Mundial e nos trazer o tetra-mundial inédito.Será fantástico.Tomara que este time alemão enfrente a Rússia no mata-mata e os eliminem,pois eles não respeitam a Rússia nem um pouco.

  • Alvino diz: 2 de setembro de 2014

    Gostei do jogo, mas senti a seleção ainda pode ter feito mais. O único que esteve em quadra pela Alemanha foi Grozer. Rodrigo, você sabe dizer qual critério da FIVB para avaliar o desempenho no ataque? Na Liga Mundial achei que eles não estivessem analisando os atacantes de meio, não me lembro de ter visto algum nas estatísticas, mas nesse Mundial Muserskiy teve avaliação e o Lucão não e por exemplo na Rússia Savin teve 5/12 e Ilinykh 2/15, sendo o primeiro não avaliado e o segundo sim. Eles têm algum critério para isso? A cobertura do Mundial está ótima!

Envie seu Comentário